FOTO CAPA

A BASE SEMPRE SALVA

Publicado às 02:00 desta quinta-feira, 19 de maio de 2022


(*) Por Pedro La Rocca 

Nesta quarta-feira (18), o Santos recebeu a equipe do Union La Calera-CHI, pela 5ª rodada da fase de grupos da Copa Sul-Americana e engatou sua sétima vitória seguida dentro da Vila Belmiro. O Peixe venceu os chilenos por 1x0 com gol marcado pelo camisa 21, Lucas Barbosa, aos 56 minutos da segunda etapa. Com a vitória, o Santos se torna líder do grupo com 10 pontos e joga o La Calera para 2° colocado, com 8 pontos. As duas equipes irão tratar a última rodada desta fase como partida decisiva, o Peixe enfrenta o Banfield-ARG em casa e os chilenos enfrentam a Universidad Católica-ECU, também dentro de seus domínios. 

Para essa partida, o treinador Fabián Bustos poupou alguns jogadores da equipe titular, entre eles o goleiro João Paulo, o zagueiro Eduardo Bauermman e os atacantes Ricardo Goulart e Marcos Leonardo. O intuito era preservar a parte física dos jogadores, tendo em vista a alta demanda do calendário brasileiro e o jogo de sábado (21) contra a equipe do Ceará, em Barueri, já que o campeonato nacional vem sendo tratado como principal competição para a temporada santista.

Mesmo com os reservas a equipe começou se impondo dentro de campo, colocando até uma bola no travessão com Ricardo Goulart após bom trabalho coletivo entre o camisa 10 e Marcos Leonardo. Além dessa, o Santos colocou mais duas bolas no travessão e uma na trave durante a partida. 

Porém, sejamos realistas, contra o 14° colocado do campeonato chileno, não tem explicação para tantos cruzamentos (37 tentados com 8 acertos) e tomadas de decisão equivocadas, tem muito a melhorar a equipe nesses dois quesitos. Para compensar tudo isso, o time mostra competitividade, de quem luta até o fim, afinal, dentro da Vila mais famosa do mundo quem manda é o Alvinegro.

Toda dispersão dos jogadores veio a mudar com a discussão ao final da partida, já nos acréscimos, quando os chilenos resolvem segurar a bola na bandeirinha de escanteio, trazendo revolta dos jogadores do Santos que fazem uma falta que gera toda a briga generalizada, onde dois jogadores foram expulsos, Léo Baptistão do Santos, após tentativa de soco no rosto do adversário. Pelo lado do La Calera, Símon Ramírez também foi expulso por conduta violenta. Os dois tinham acabado de entrar. Era a intensidade dos minutos finais que era precisa o jogo inteiro.

O time foi perceber que precisava da vitória após a briga, e aí sim começou a jogar como Santos. Antes disso se via um time comum coletivamente e muito mal na parte individual, principalmente do meio campo em diante. Faltava imposição por parte dos jogadores que lançavam muita bola na área (sem sucesso até o gol) e pouco tentavam jogadas de drible, que desconcertasse o sistema defensivo dos chilenos.

FICHA TÉCNICA

SANTOS 1 X 0 UNION LA CALERA-CHI

Competição: Sul-Americana (5ª rodada da fase de grupos)

Estádio: Vila Belmiro, em Santos (SP)

Árbitro: Jesus Valenzuela (VEN)

Cartões amarelos: Camacho, Lucas Barbosa, Léo Baptistão, João Paulo e Rodrigo Fernández (Santos) e Sanhueza, Vidangossy, Oyanedel e Alarcón (Calera)

Cartões vermelhos: Léo Baptistão (Santos) e Ramírez (La Calera)

Gol: Lucas Barbosa, aos 56 minutos do segundo tempo. 

SANTOS: João Paulo, Auro (Lucas Barbosa), Kaiky, Eduardo Bauermann e Felipe Jonatan (Lucas Pires); Camacho (Rodrigo Fernández), Sandry e Ricardo Goulart (Léo Baptistão); Rwan, Lucas Braga e Marcos Leonardo (Angulo) Técnico: Fabián Bustos 

UNIÓN LA CALERA: Arce, Pedro Henrique, Vilches e Sanhueza; Oyanedel (Ramírez), Alarcón, Matías Fernández e Castellani (Pérez); Orellana (Valencia), Vidangossy (Thomas Rodríguez) e Saéz. Técnico: Frederico Vilar

Lucas Barbosa marca o gol da vitória aos 56 minutos do segundo tempo


NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS

João Paulo - Mais uma vez salvando o Peixe de uma possível derrota, defesa milagrosa no final do jogo. Mostra liderança e dá confiança ao time nos momentos de aperto - 7.5

Auro - Até agora não mostrou ao que veio. Não evolui nem fisicamente, nem na parte técnica. Apoia mal e ataca mal. Partida muito ruim do lateral - 4

Kaiky - Primeira partida do zagueiro no pós lesão, por isso não apresentou o que era esperado. Se quiser voltar ao time titular precisa mostrar muito mais - 5.5

Bauermann - Dá segurança ao sistema defensivo e tem ótima saída de bola. Partida segura na sua volta ao time titular - 6.5

Felipe Jonathan - se limitou a defender. Sem ritmo de jogo. - 5.5

Sandry - É importantíssimo para a construção de um elenco competitivo. Muitos atributos ofensivos e defensivos, sem contar a raça que coloca dentro de campo. Mais um Menino da Vila criado com sucesso - 6.5

Camacho - Não comprometeu, porém também não foi uma peça fundamental. É um bom reserva e só - 5

Goulart - Fisicamente mal e por isso não consegue desempenhar bem a parte técnica. Atrasa muitas jogadas promissoras e não oferece individualidade ao time. Não se encaixou ainda o camisa 10 - 5

Lucas Braga - Melhor quando esteve na lateral do que na ponta. Não apresentou dribles efetivos e jogadas que fossem resultar em algo. Errou quase tudo que tentou - 4

Rwan - Foi bem do começo ao fim. Vai pra cima sem medo algum, teve intensidade com a bola e se movimentava muito bem para receber a bola. Merece mais chances - 6.5

Marcos Leonardo - Partida regular. Precisa de alguém para ajudar na criação de chances, para que consiga finalizar mais e com mais precisão - 6

Lucas Barbosa - Autor do gol e entrou com personalidade, mostrando que merece mais chance e ser até mesmo titular em algumas partidas - 7.5

Lucas Pires - SEM NOTA

Fernández - SEM NOTA

Baptistão - Dá dinamismo quando a equipe se mostra estática. Foi expulso após tentativa de soco no rosto do adversário - 5

Angulo - SEM NOTA

(*) Pedro La Rocca - Estudante de jornalismo e comentarista na Web Rádio Piabanha e Web Rádio Papo Aberto.



 

Leia Mais »

SANTOS SEGUE SEM VENCER FORA NO BRASILEIRO

Publicado às 22h20 deste domingo, 15 de maio de 2022.

(*) Por Pedro La Rocca

Neste domingo (15), o Santos visitou a equipe do Goiás no Estádio Serra Dourada e encontrou mais uma derrota fora de casa no Brasileirão 2022, perdeu por 1 a 0, sendo essa a segunda consecutiva longe da Vila Belmiro na competição. O gol do adversário  foi marcado por Elvis, após o zagueiro Velázquez cometer pênalti em Apodi. O Santos desperdiça a chance de assumir a liderança do campeonato.

O treinador Fabián Bustos resolveu inovar na escalação, colocando dois atacantes de área (Marcos Leonardo e Bryan Angulo), deixando Ricardo Goulart no banco. Além disso, tivemos a volta do zagueiro Maicon, que atuou ao lado de Emiliano Velázquez, deixando o Bauermann no banco de reservas.

Desde o começo da partida, o Santos encontrou muita dificuldade na parte ofensiva. Isso se deu pela falta de um jogador de criação, tendo em vista a escalação de dois centroavantes de área e o posicionamento do Baptistão que atuou pelo lado direito do campo. O time dependia muito das bolas longas, vindas até mesmo do zagueiro Maicon, que finalizou a partida com 10 lançamentos, sendo 7 certos.

Essa dificuldade ofensiva se refletiu na defesa, quando em um dos vários contra-ataques promissores da equipe goiana, o zagueiro Velázquez chega atrasado na dividida com Apodi e acaba cometendo a penalidade máxima, cobrada pelo camisa 10, Élvis, que deslocou o João Paulo que não teve chances de defender a batida.

O time com presença no campo adversário e muito intenso que se vê dentro da Vila Belmiro, não vem se refletindo fora de casa. O Peixe levou um baile tático da equipe goiana. 

Quando tinha a bola o Santos não criava e quando precisava dos contra-ataques, tinha lentidão, dada pela quantidade de jogadores de área e a alta distância entre cada jogador. O time em alguns momentos sentiu falta do Ângelo, que poderia desconcertar a defesa adversária com uma jogada individual e até mesmo para auxiliar o lateral Madson, que deu assistência para um gol de Angulo no final da partida que foi anulado por impedimento. Tirando o gol, novamente o Santos não sofre defensivamente, pelo menos nesse aspecto, o time possui evolução jogando longe de Urbano Caldeira.


FICHA TÉCNICA

GOIÁS 1 X 0 SANTOS

Competição: Brasileirão, 6ª rodada

Estádio: Estádio da Serrinha, em Goiânia (GO)

Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (CE)

Cartões amarelos: Nenhum

Gol: Elvis (GOI), aos 19 minutos do 1º tempo

GOIÁS: Tadeu; Sidimar, Da Silva e Caetano; Matheus Sales, Caio Vinícius (Auremir), Apodi (Maguinho), Diego (Juan) e Elvis (Fellipe Bastos); Pedro Raul (Nicolas) e Dadá Belmonte. Técnico: Jair Ventura.

SANTOS: João Paulo; Madson, Maicon, Velázquez e Lucas Pires; Rodrigo Fernández (Pirani), Vinícius Zanocelo (Sandry) e Angulo; Léo Baptistão (Ricardo Goulart), Jhojan Julio (Lucas Braga) e Marcos Leonardo (Rwan). Técnico: Fabián Bustos.

Bustos mexeu no time e não foi muito feliz em algumas escolhas.

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS

Joao Paulo - Sofre o gol de pênalti, onde não teve culpa. Fez algumas defesas durante a partida - 6

Madson - Outro jogador em relação ao último jogo, não teve qualidade no ataque e defende mal, uma de suas deficiências - 4.5

Maicon - O melhor do Santos na partida, impediu muitas oportunidades de finalização do adversário, bem mais uma vez o “God of Zaga” - 7

Velázquez - Muito afobado nas jogadas e acaba cometendo um pênalti infantil, que comprometeu no resultado, muito mal o uruguaio - 4

Lucas Pires - Um dos que tentaram, porém não obteve tanto sucesso como nas últimas partidas, dada pela boa marcação de área do adversário - 6

Rodrigo Fernández - Protege bem a entrada da área, porém poderia ter chego mais ao ataque, principalmente após a abertura do placar - 6

Zanocelo - Sobrecarregado pela falta de um “10”, precisou fazer essa função e ser segundo volante, por isso não conseguiu mostrar o bom futebol que vinha apresentando, prejudicado pela escalação - 5.5

Baptistão - Sumido na partida de hoje, precisa ser o “falso 9” da equipe, pois não mostrou eficiência na ponta direita. Não mostrou um bom futebol - 5

Júlio - Tecnicamente mal, não conseguiu ajudar no ataque, muito menos no apoio ao Pires. Ponto positivo pelo que se doa em campo - 5

Angulo - Está claro que é um jogador para ficar no banco, quando se tem outro atacante em campo. Não tem movimentação e quando recebia a bola ia muito mal - 4.5

Marcos Leonardo - Pouco participou, ainda assim teve algumas oportunidades. Prejudicado pela falta de um meia de criação - 5.5

Sandry - Deu o lançamento para o gol que foi anulado por impedimento, merece mais minutos - 6

Rwan - Deu movimentação ao time, que estava estático, mas não conseguiu infiltrar no sistema defensivo do adversário - 5.5

Lucas Braga - SEM NOTA

Ricardo Goulart - SEM NOTA

Pirani - SEM NOTA

(*) Pedro La Rocca - Estudante de jornalismo e comentarista na Web Rádio Piabanha e Web Rádio Papo Aberto.

Leia Mais »

PEIXE NAS OITAVAS

Publicado à 01h21 desta sexta-feira, 13 de Maio de 2022.
(*) Por Pedro De La Rocca

Nesta quinta-feira (12), o Santos venceu o Coritiba pela terceira fase da Copa do Brasil. Com uma constante evolução no decorrer da partida, o Peixe venceu os paranaenses por 3 a 0, com gols de Marcos Leonardo, Madson e Rodrigo Fernández, que fez seu primeiro gol com o manto alvinegro. Para a próxima fase da competição (Oitavas de Final). O alvinegro espera o sorteio da CBF, para descobrir seu adversário. Os jogos de ida irão acontecer nos dias 22 e 23 de junho e os jogos de volta, nos dias 13 e 14 de julho.

Sem Fabián Bustos, expulso na última partida, o Santos de Lucas Ochandorena (auxiliar de Bustos) entrou com a mesma escalação que venceu o Cuiabá, no domingo (8). Nessa formação, o tome da Vila povoa o meio campo com muitos jogadores já que tem Léo Baptistão, Ricardo Goulart, Vinicius Zanocelo e Rodrigo Fernández, atuando naquela posição, além de Jhojan Júlio que flutua muitas vezes naquela região.

Por isso, teve muita dificuldade de infiltrar na defesa adversária, tendo em vista a falta de profundidade pelos lados do campo, onde o Coritiba possui muitas dificuldades e até conseguiu fazer um gol com Marcos Leonardo, após boa transição ofensiva, porém foi anulado por impedimento Percebendo isso, a comissão técnica fez alterações táticas para o segundo tempo, quando Júlio e Baptistão apareciam mais para dar apoio aos laterais. A partir desses apoios, o peixe começa a criar muitas dúvidas no sistema defensivo do Coxa, e assim sai o segundo gol, onde Lucas Pires recebe grande passe de Vinicius Zanocelo para cruzar ao Madson para cabecear para as redes do gol de Alex Muralha.

Por falar em gol, o primeiro sai a partir de uma falta cobrada na intermediária e após rebatida da defesa adversária, o zagueiro Velázquez acerta um grande chute para defesa de Alex Muralha, mas com muito oportunismo e leitura de jogo, Marcos Leonardo empurra para o fundo do gol para abrir o placar.

Já no terceiro gol, após lindo passe de Lucas Pires, para quebrar a linha de meio campo do Coritiba, Léo Baptistão recebe e ajeita para Rodrigo Fernández, que carrega a bola até ajeitar para a perna esquerda e finalizar sem chances para o goleiro.

Aos poucos, o Santos de Fabián Bustos vai ganhando cara. Já é possível ver uma evolução defensiva linda de se ver, individualmente e taticamente os jogadores estão se doando muito pela marcação e foi possível ver a evolução defensiva da equipe nessa partida. No ataque, o time mostrou evolução durante a partida, conseguindo fazer os gols quando foi explorar as dificuldades defensivas do adversário, com trabalho com e sem bola. E quem entra, mostra que está alinhado com o time titular. Nas últimas partidas está sendo possível perceber que o time vem voltando a ter cara de Santos Futebol Clube, futebol intenso, que amedronta os adversários, principalmente em casa. No ataque, os jogadores estão mais soltos, mais movimentação e qualidade técnica, está bonito de se ver.

No domingo (15), pelo Brasileirão, o time da Vila joga fora de casa diante do Goiás.


FICHA TÉCNICA

SANTOS 3 x 0 CORITIBA

Estádio da Vila Belmiro, em Santos (SP)

Árbitro: Sávio Pereira Sampaio (DF)

Cartões amarelos: Rodrigo Fernández (SAN); Muralha, Adrián Martínez, Guillermo, Guilherme Biro e Régis (COR)

GOLS: Marcos Guilherme (1 x 0) aos 2, Madson (2 x 0) aos 15 e Rodrigo Fernández (3 x 0) aos 17 do segundo tempo

SANTOS: João Paulo; Madson, Velázquez, Eduardo Bauermann e Lucas Pires; Rodrigo Fernández (Felipe Jonatan), Vinícius Zanocelo (Camacho), Ricardo Goulart (Angulo) e Jhojan Julio (Sandry); Léo Baptistão (Rwan) e Marcos Leonardo. Técnico: Lucas Ochandorena

CORITIBA: Muralha; Guillermo (Adrián Martínez), Henrique, Luciano Castán e Guilherme Biro; Willian Farias, Andrey (Pablo Garcia), Robinho (Régis) e Matheus Alexandre; Alef Manga (Warley) e Clayton (Léo Gamalho). Técnico: Gustavo Morínigo

Peixe entre os 16 melhores na Copa do Brasil/22

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS

J.Paulo - Não foi exigido durante a partida. - 6

Madson - Ótima partida do lateral, apoia bem e foi coroado com o gol, porém precisa melhorar na recomposição. - 7

Velazquez - Partida muito segura do uruguaio, não sofreu, pois marcou com exímia qualidade. - 6.5

Bauermann- Mesmo sem marcar, melhor em campo. O zagueiro não perde uma dividida, foi gigantesco e fez sua melhor partida com a camisa do peixe. - 8

Lucas Pires - Como sempre muito regular para defender e atacar. Mesmo sendo lateral, é um dos que quebra a defesa adversária com efetivos dribles. - 7

Fernandez - Até aqui, melhor reforço da temporada, sabe marcar, sair jogando e aparecer no ataque, como mostrou hoje. Fez um lindo gol de fora da área. - 7.5

Zanocelo - Partida regular do camisa 25. Pouco participou, porém foi importante na jogada do segundo gol. - 6.5

Goulart - Ainda fora de forma, não consegue acompanhar a intensidade do time no ataque. - 5

Júlio - Não tem toda qualidade técnica, mas se doa o tempo todo. Evolui bem o camisa 8. - 6

Baptistão - Partida mais sumida, porém foi bem quando precisou dele. - 6.5

Marcos Leonardo - Autor do primeiro gol, mostra que é realmente um camisa 9 de ofício, sabe aproveitar oportunidades como poucos. - 7.5

Camacho - Pouco tempo em campo para avaliação. - Sem nota

Felipe Jonatan - Pouco tempo em campo para avaliação. - Sem nota

Ângulo - Entrou bem e gerou uma imposição física no ataque, mas ainda demonstra dificuldades técnicas. O camisa 15 é um reserva de luxo que temos. - 7

Sandry -  Pouco tempo em campo para avaliação. Ainda assim deu bons lançamentos. - Sem Nota

Rwan Seco - Demonstrou intensidade e quando recebia a bola, muita ousadia e partia sem medo contra o adversário, boa entrada do camisa 12. - 6.5

(*) Pedro La Rocca - Estudante de jornalismo e comentarista na Web Rádio Piabanha e Web Rádio Papo Aberto.

Leia Mais »

VICE-LÍDER

|Publicado as 12h25 desta segunda-feira, 9 de Maio de 2022.

O Santos conquistou um resultado importante na noite deste domingo (8), ao golear o Cuiabá, por 4 a 1, em partida válida pela quinta rodada do Brasileiro. Com o resultado, o alvinegro pulou da sexta para a vice-liderança com 10 pontos. Os gols foram de Baptistão, Marcos Leonardo, Angulo e Rwan Seco. Na próxima quinta-feira (12), o time dá uma pausa no campeonato de pontos corridos e concentra suas forças diante do Coritiba, também na Vila Belmiro, pela Copa do Brasil. 

Bustos começou com uma formação diferente. Sem Maicon e Ângelo lesionados, manteve Bauermann e Velasquez na defesa com Goulart, Marcos Leonardo e Baptistão do meio para frente. Teoricamente três jogadores com características parecidas, principalmente, os dois primeiros. 

Mal começou o jogo e após lançamento de Zanocelo, Madson ajeitou com o peito e Baptistão girou para marcar um lindo gol. 

Porém, o alvinegro não administrou por muito tempo a superioridade e aos 11 minutos, após cruzamento da esquerda do ataque, Alesson empatou para o time do Cuiabá.

Daí por diante, o adversário santista voltou a jogar com as linhas baixas e o Peixe sem jogadores para driblar e quebrar a marcação, exceção a Lucas Pires, tinha dificuldades, entretanto, conseguiu ficar na frente novamente, após cobrança de falta de Lucas Pires, desvio de cabeça de Baptistão e gol de Marcos Leonardo. Com a vantagem parcial para os donos da casa, os times foram para o vestiário.

Na segunda etapa, o jogo ficou morno, com o Santos sem mais interesse na partida e o adversário sem muitas tentativas ofensivas.

Com o aproximar do último terço do segundo tempo, Pintado começou a lançar seu time para tentar o empate. Era tudo que Bustos desejava. As alterações nos dois times começaram a ser realizadas.

Aos 31 minutos, em seu primeiro toque na bola, Angulo amplia o marcador após receber a bola longa e aérea com desvio de Bauermann, depois de cobrança de escanteio.

Mal se refez do terceiro gol sofrido e o goleiro Walter ex-Coritnhians, que já havia sofrido cinco gols do Santos em uma mesma partida, em 2014, sofreu o quarto gol, numa cavadinha de Rwan Seco.

Como sempre afirmo há algum tempo, o futebol do Santos não é vistoso, mas o estilo de contra-ataque, reativo, adotado pelo técnico, torna a equipe competitiva. Que seja o suficiente para passar pelo Coxa, no meio de semana. O time de Bustos precisa de uma vitória simples para levar a decisão para os pênaltis, pois perdeu o jogo de ida. Para se classificar na Copa do Brasil diretamente precisa vencer por dois ou mais gols de diferença. A necessidade e o fato do Coritiba não ter que sair para o jogo não colaboram. Mas o alvinegro tem surpreendido positivamente com os resultados. Que esta surpresa permaneça.

Baptistão foi o melhor em campo. Ele abriu o marcador e participou de outro gol.

FICHA TÉCNICA

SANTOS 4 X 1 CUIABÁ

Vila Belmiro - Santos (SP)

Árbitro: Braulio da Silva Machado (SC)

GOLS: Baptistão, aos 2'/1ºT (1-0), aos 2, Alesson, aos 11'/1ºT (1-1), Marcos Leonardo, aos 36'/1ºT (2-1), Angulo, aos 31'/2ºT (3-1) e Rwan Seco, aos 33'/2ºT (4-1)

SANTOS: João Paulo; Madson, Velázquez, Bauermann e Lucas Pires; Fernández, Zanocelo (Camacho) e Ricardo Goulart (Lucas Braga); Baptistão (Rwan Seco), Marcos Leonardo (Angulo) e Jhojan Julio (Sandry). Técnico: Fabián Bustos

CUIABÁ: Walter; Daniel Guedes, Marllon, Empereur e Uendel; Rivas (Marcão), Pepê e Valdívia (Rodriguinho); Everton (Felipe Marques), Alesson (Jonathan Cafu) e Elton (Jenílson). Técnico: Pintado


NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS

João Paulo: Um dos melhores do país na atualidade. Não foi exigido. - 5,5

Madson: Belo passe de peito no primeiro gol. Sofreu no primeiro tempo, pois nem Baptistão e nem os volantes colabravam o camisa 13 que tinham três cuiabanos no seu setor. - 6,0

Velázquez: Ainda deixa a desejar no jogo aéreo. Não comprometeu. - 5,5

Bauermann: Um pouco melhor que seu companheiro de setor. No gol que o Santos sofreu, junto com Lucas Pires, não conseguiu interceptar. - 6,0

Lucas Pires: No gol sofrido pelo Santos chegou atrasado. Cobrou a falta que deu início ao segundo gol. Muito habilidoso. - 6,5

Fernández: Guerreiro na marcação. Um dos melhores da partida. - 7,0

Zanocelo: Bela inversão de jogo no primeiro gol. Depois foi discreto. - 6,0

(Camacho): Entrou bem, mas jogou pouco. - SEM NOTA

Ricardo Goulart: Não conseguiu encontrar um posicionamento no jogo. Bem substituído. - 4,5

(Lucas Braga): Participou pouco. - SEM NOTA

Baptistão: O melhor da partida. Belo gol, uma outra assistência e vai pra dentro, mesmo sem ser tão habilidoso. - 7,5

(Rwan Seco): Belo gol de cavadinha. - 6,5

Marcos Leonardo: Quando a bola chega em condições de finalizar é caixa. Finaliza bem. - 6,5

(Angulo): Primeiro toque na bola e deixou o seu gol. - 6,5

Jhojan Julio: Ainda não se encontrou. Errou passes. Antes de ser substituído conseguiu uma boa jogada e uma riubada de bola. - 4,0

(Sandry): Segundo bom jogo do volante. Rouba a bola no último gol. - 6,5

Técnico: Fabián Bustos: Não gostei da escalação com Goulart, Baptistão e Marcos Leonardo. Acertou em todas as substituições na segunda etapa. O time ainda sofre muito com cruzamentos feito pelo lado do campo e a defesa sem Maicon, ainda peca na bola aérea. Repito, o time não tem um futebol de encher os olhos, porém, competitivo. - 6,5

Leia Mais »

MIROU NO EMPATE E ACERTOU NA VITÓRIA

Publicado às 11h desta sexta-feira, 6 de Maio de 2022.

O Santos conseguiu um importante resultado, em Quito, no Equador, pela Copa Sul-Americana, ao conquistar a primeira vitória na Era Bustos, fora de casa. O alvinegro marcou no último minuto do tempo regulamentar através de Rwan Seco e triunfou diante do Universidad Católica de Quito, por 1 a 0, a 2.850 metros acima do nível do mar. Com os três pontos, o clube é o vice líder do grupo C do torneio continental com sete pontos, um a menos que seu próximo adversário, o Union La Calera. Brasileiros e Chilenos se enfrentarão na Vila Belmiro, dia 18.

Conforme informamos na transmissão de São Paulo x Santos, na última segunda-feira (2), antes mesmo de a bola rolar no Morumbi, o alvinegro viajou com um time alternativo para o Equador. Alguns titulares ficaram no banco como Lucas Pires, Jhojan Julio e Marcos Leonardo, por exemplo, mas o time que começou o duelo, diante dos Equatorianos, foi inteiramente composto por reservas. Outros seis titulares ficaram no Brasil.

A partida tecnicamente foi horrorosa. O Santos limitava-se a defender-se e nem o contra-ataque tinha, pois, não acertava três passes. 

O adversário também sofrível, não oferecia perigo, apesar de Bustos deixar as laterais desprotegidas e o time de Quito alçar bolas na área constantemente, principalmente pela esquerda do ataque e direita da defesa santista.

No segundo tempo, o panorama permaneceu o mesmo até 2/3 da etapa complementar. Em razão do desgaste e cansaço da altitude, os técnicos foram substituindo os jogadores.

Duas mexidas em especial surtiram muito efeito. Dois jovens que estavam na campanha do vice-campeonato da Copinha deste ano: Lucas Pires e Rwan Seco.

Deu desespero nos anfitriões que se mandaram para o ataque e começaram a deixar espaço. Tudo que Fábian Bustos, técnico do Santos sonhava. 

O gol da vitória já era para ter saído bem antes, entretanto, o jovem menino Rwan que brilhou de centroavante na Copinha São Paulo, tomou duas decisões erradas e os contra-ataques não produziram. 

Porém, na terceira tentativa de Seco, o gol veio. Aos 45 minutos do segundo tempo, Pires recebeu da esquerda e rolou para o camisa 12 que bateu com a chapa do pé e colocou o Peixe na frente. 

Já nos cinco minutos de acréscimo, John que fazia boa partida, não saiu tão bem do gol e quase o adversário empata o jogo. Bauerman tirou em cima da linha.

O resultado foi melhor que a performance. Era visível que o Peixe já se dava por satisfeito com o empate. Como tenho dito há algum tempo, o futebol do Santos não é nada vistoso. Novamente sangrou os olhos de quem teve coragem e amor para assistir até o último minuto do jogo, porém, é competitivo, isso eu não posso negar.

"O ponto alto é que fomos seguros defensivamente. Fizemos um bom trabalho no meio-campo também. Começamos, a partir do minuto 15 do segundo tempo, com as mudanças, sentir mais energia. O trabalho técnico foi o que pensamos, dar a bola para os laterais cruzarem, e nós estarmos firmes na área. Nossa parte era controlar o perigo que a Católica ia oferecer e aproveitar os contra-ataques. Mas não aproveitamos. Tivemos quatro jogadas onde saímos com superioridade numérica, mas não controlamos bem e não aproveitamos" afirmou o comandante técnico santista Fábian Bustos em entrevista coletiva após o jogo.

Domingo (8), o Alvinegro volta a campo pelo Brasileiro, diante do Cuiabá, às 18h, na Vila Belmiro.


FICHA TÉCNICA

UNIVERSIDAD CATÓLICA-EQU 0 x 1 SANTOS

Estádio Olímpico Atahualpa - Quito (EQU)

Árbitro: Gery Vargas (BOL) 

GOL: Rwan (Santos)

Cartões amarelos: Mosquera (UCQ)

UNIVERSIDAD CATÓLICA: Cuero; Anangonó (Carrasco), Mosquera, Ordóñez e Loor; Minda, Facundo Martínez (Cevallos), Clavijo e Díaz (Rivas); Alzugaray e Cristian Martínez. Técnico: Miguel Rondelli

SANTOS: John; Auro, Velázquez, Eduardo Bauermann e Felipe Jonatan; Willian Maranhão (Lucas Pires), Camacho (Zanocelo) e Sandry; Gabriel Pirani (Rwan), Lucas Barbosa (Lucas Braga) e Angulo (Marcos Leonardo). Técnico: Fabián Bustos

John voltou ao gol santista após quase um ano fora do time

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS

John: Muito bem durante toda a partida. No fim, saiu do gol para rebater uma bola e não conseguiu. Bauermann o salvou. - 5,5

Auro: Limitou-se a defender. Na defesa, não comprometeu. - 5,5

Velázquez: Rebatedor. Fez o que sabe. - 6,0

Eduardo Bauermann: Garantiu a vitória, salvando a bola em cima da linha. - 6,5

Felipe Jonatan: Bem na defesa e a bola não queima nos seus pés. Com a proposta de jogo santista em defender-se , não apoiou. - 6,0

Maranhão: Foi quem menos desarmou no meio-campo. Tem dificuldade nos passes. Contratou-se um atleta para suprir uma carência, mas a cada dia que passa é uma prova inconteste de que tinha melhores aqui. - 4,5

(Lucas Pires): Habilidoso. Demonstrou todo seu potencial, desta vez no meio-campo. Bela assistência para o gol de Rwan. - 6,5

Camacho: Não tem velocidade, mas tem bom passe, bem melhor que Maranhão e fez um jogo satisfatório. - 6,0

(Zanocelo): Pouco pegou na bola. - SEM NOTA

Sandry: Desarmou, passou bem e voltou a fazer a bola longa, uma das suas qualidades. Desde que retornou fez sua melhor partida. - 6,5

Pirani: Correu bastante. Algumas tomadas de decisões errada. - 5,0

(Rwan): Entrou em campo e mudou o destino do jogo. Errou as tomadas de decisão nos dois primeiros contra-ataques, mas estava no lugar certo, na hora certa para definir a partida com um belo chute e um gol. - 6,5

Lucas Barbosa: Doou-se muito para ajudar na armação e marcação e saiu no intervalo. Correu bastante. - 5,5

(Lucas Braga): A direita, definitivamente, não é o seu lugar. Senti falta do drible longo. - 5,0

Angulo: Sem explosão. Outro que está devendo e muito. Mas verdade seja dita, com o esquema que o clube utilizou estava difícil para o estrangeiro. Quando Rwan entrou, por ser mais leve, o time ficou mais perigoso. - 4,5

(Marcos Leonardo): Sofreu do mesmo problema de Angulo. Só pegou bola de costa, mas foi um pouco mais útil do que o Equatoriano. - 5,0

Técnico: Fabián Bustos: Ainda deixa muita brecha aos adversários pelas laterais. Acertou nas substituições de Lucas Pires e Rwan Seco. Foram eles, os responsáveis pelo gol único do jogo. Poderia ter poupado jogadores na quinta passada no Chile. Como falo há algum tempo. O futebol não é vistoso, mas é competitivo. - 6,5

Leia Mais »

NOVO ERRO DE ARBITRAGEM E SANTOS NADA VISTOSO, PORÉM, COMPETITIVO, PERDE O CLÁSSICO

Publicado às 11h44 desta terça-feira, 3 de Maio de 2022

Um erro grosseiro da arbitragem selou a história do clássico entre São Paulo e Santos, no Morumbi, na noite desta segunda-feira (2). Com isso, o Peixe perdeu o jogo, a liderança e um novo erro extra-campo prejudica o time que protesta através da imprensa e ofícios, mas rodada após rodada, vê o clube perder pontos na tabela pela não coincidência de erros sucessivos dos homens do apito. Com a derrota por 2 a 1, o alvinegro da Vila despencou da primeira para a sexta posição.

Conforme o Blog do ADEMIR QUINTINO informou através das redes sociais, Bustos que não tinha Ângelo com problemas musculares, trancou o time com três volantes. Felipe Jonatan que atuou com Sampoli no meio-campo foi o escolhido para o esquema 4-5-1. A outra novidade foi Velasquez na zaga para a vaga de Bauerman.

A segunda modificação não surtiu nenhum efeito. E a percepção veio aos 10 minutos da primeira etapa. Quando Velasquez de forma ingênua, sequer encosta em Calleri e perder o tempo da bola, após cruzamento da esquerda e o argentino sobe sozinho, sem marcação para abrir o marcador.

O Peixe novamente com dificuldades de armação mal chegava a meta de Jandrei. No fim da primeira etapa, Baptistão, um dos melhores do time no jogo, escapa pela direita e cruza. Marcos Leonardo entra de carrinho e empata o duelo. Os times vão para o vestiário na igualdade.

Na segunda etapa, os dois técnicos (Ceni suspenso, não estava no banco), fazem modificações nos dois times, mas o panorama segue o mesmo até oito minutos do fim. 

Aos 36 minutos, o bandeira marca lateral para o Santos. O quarto árbitro vira para o juíz Leandro Vuaden e diz: "Bola para o branco" e o São Paulo cobra rápido com o adversário todo saindo para o ataque e não recompondo a defesa. Após cruzamento da direita a bola toca no braço de Fernandez. O pênalti é indiscutível, porém, a marcação anterior errônea prejudica o Santos mais uma vez e o clube observa pontos indo embora por sucessivos erros de arbitragem.

Quanto ao Santos no jogo. Um futebol nada vistoso, porém, tenho que ser justo. O time do Santos é competitivo. Encara adversários de melhor quilate no material humano dentro de suas limitações. É o que desejo para o clube do meu coração? Não. Odeio essa proposta de jogo, mas é o que se tem para o momento.

A delegação embarcou para o Equador sem sete titulares. Já devia ter feito isso na semana passada contra o La Calera. Quinta-feira (5), às 21h30 na altitude de 2.800m acima do nível do mar, o Peixe joga na Sul-Americana diante do Universidad de Quito. No domingo (8) pega o Cuiabá pelo Brasileiro na Vila e dia 12 (quarta-feira) tem duelo decisivo diante do Coritiba. 


FICHA TÉCNICA

SÃO PAULO 2 X 1 SANTOS

Estádio do Morumbi, São Paulo (SP)

Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)

GOLS: Calleri (9'/1ºT) e Luciano (36'/2°T) (SPFC) e Marcos Leonardo (45'/1ºT) (SAN)

Cartões amarelos: Rafinha (SPFC) e Marcos Leonardo, Madson, Lucas Pires e Fabian Bustos (SFC)

Público e renda: 36.746/ R$ 1.581.896,00

SÃO PAULO: Jandrei; Rafinha, Diego Costa, Arboleda e Welington, Andrés (Luciano, 16'/2°T); Rodrigo Nestor (Pablo Maia, 39'/2°T), Patrick (Alisson, intervalo) e Igor Gomes; Eder (Marquinhos, 16'/2°T) e Calleri. Técnico: Charles Hembert.

SANTOS: João Paulo, Madson, Maicon, Velázquez e Lucas Pires; Rodrigo Fernández, Vinícius Zanocelo (Bryan Angulo, 38'/2°T) e Felipe Jonatan (Lucas Braga, 14'/2°T); Jhojan Julio (Willian Maranhão, 14'/2°T), Marcos Leonardo e Léo Baptistão (Ricardo Goulart, 25'/2°T). Técnico: Fabián Bustos.

Velasquez entrou e não deu conta de Calleri

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS

João Paulo: Não foi exigido. Sem culpa nos gols. - 5,5

Madson: Não tem apoiado com a mesma eficácia. Não bloqueou o cruzamento no lance do primeiro gol. - 5,0

Maicon: Me disse em entrevista após o jogo que não fazia uma sequência de oito jogos como essa, desde julho do ano passado. Vai descansar quinta-feira. Ganhou todas nos duelos individuais. Soberano. - 6,5

Velázquez: Foi juvenil no lance do gol. Se marca atacante tendo contato no corpo dele. Não alcançou a bola. - 4,0

Lucas Pires: Apoiou bem no primeiro tempo, mas tomadas de decisões equivocadas. Tem evoluído na recomposição defensiva. - 5,5

Rodrigo Fernández: Abriu o braço no cruzamento do pênalti que decretou o resultado da partida. Marca bem. Passa mal. - 4,5

Zanocelo: Tem muitas dificuldades para marcar. O lado esquerdo do meio e ataque são paulino se aproveitaram disso. - 4,5

(Angulo): Jogou menos de cinco minutos. - SEM NOTA

Felipe Jonatan: Foi o mais lúcido no meio-campo apenas marcador durante o primeiro tempo. Deu alguns passes bons para Jhojan Júlio, mas o equatoriano não aproveitou nenhum deles. Sentiu a falta de ritmo, pois não jogava há um mês. - 6,0

(Lucas Braga): Devia ter entrado antes. Jogou pouco. - 5,5

Jhojan Julio: Eu estava esperando dez jogos para não ser injusto. Mas com sete jogos dá pra dizer que não tem futebol para ser titular do Santos. Pode devolver ao final do empréstimo. - 3,5

(Maranhão): Errou tudo. Deu dois contra-ataques assim que entrou. - 4,0

Marcos Leonardo: Presença de área excelente. Marca sempre em clássicos. - 6,5

Baptistão: Encontrou espaços pelo lado direito do ataque. Bela assistência no gol santista. Não devia ter saído. - 7,0

(Ricardo Goulart): Discreto. Jogou pouco tempo. - 5,0

Técnico: Fabián Bustos: Errou na escalação e as trocas realizadas não surtiram efeito algum. Inclusive algumas pioraram o time. Mas o time nessa proposta de jogo que não me agrada é competitivo. Só perdeu por erro de arbitragem. - 4,5

Leia Mais »

EMPATE E CHANCE DE LIDERANÇA DESPERDIÇADA

Publicado às 09h47 desta sexta-feira, 29 de abril de 2022.

Mesmo com o time titular, diante de um adversário sofrível, penúltimo lugar do Campeonato Chileno, o Santos apenas empatou fora de casa, em sua terceira partida da fase de classificação na Copa Sul-Americana, em 1 a 1 contra o Union La Calera. Com a igualdade, o Peixe perdeu a oportunidade de assumir a liderança do Grupo C de forma isolada e termina a rodada na terceira colocação.

Conforme o Blog do ADEMIR QUINTINO publicou com EXCLUSIVIDADE, através das redes sociais na tarde desta quinta-feira (28), Goulart reapareceu no time na vaga de Baptistão. A outra mudança foi a entrada de Angulo no lugar de Marcos Leonardo que cumpriu o terceiro e último jogo de suspensão. 

Os primeiros 10 minutos do alvinegro foram satisfatórios. Na sua proposta de contra-ataque e transição rápida a frente com a bola em poder do adversário. Ângelo lançou na área e na continuação da jogada, Goulart ajeitou para Angulo abrir o placar no inicio da partida. Era tudo o que o Santos desejava.

O adversário de qualidade técnica sofrível, apesar da liderança do grupo com cinco pontos, contra quatro do Peixe e do Universidad de Quito e três do Banfield, após três rodadas, ia dar espaços e o alvinegro poderia ampliar no contra-ataque. Não foi o que aconteceu.

Até os 27 minutos, o Santos teve mais duas chances claras de aumentar o placar. Em uma delas, Jhojan Júlio caiu na hora de chutar, sozinho, após passe errado da defesa chilena.

Como o futebol não tolera desaforo, em seguida, A bola vai na ponta-direita do ataque chileno, cruza toda a extensão da grande área e encontra Valência do lado oposto. Madson não trava o meio-campista do La Calera e o mandante empata o jogo.

Daí em diante foi um show de horrores. O Santos termina a partida com 34% apenas de posse de bola. Finalizou apenas três vezes, incluindo o gol e proporciona um espetáculo de qualidade medíocre.

No fim do jogo, o técnico Fábian Bustos ainda coloca um terceiro volante para garantir o resultado. Sandry ocupou nos sete minutos finais, mais quatro de acréscimo, o lugar de Goulart e o comandante santista ficou satisfeito com o ponto conquistado fora do Brasil:

"Começamos bem, mas levamos um gol por erro nosso. La Calera igualou a partida, deixamos de jogar, tivemos chances quando estávamos ganhando, situações claras. No segundo tempo, domínio dos mandantes, porém eu só me recordo de uma situação clara de gol. Não tivemos um bom jogo em finalização. Temos que valorizar o rival, equipe líder do grupo. Agora vamos fazer dois jogos em casa e um fora. Queríamos os três pontos, mas não fizemos uma boa partida ofensiva" - disse Bustos durante a entrevista coletiva após o jogo.

Definitivamente Bustos não tem uma proposta de propor o jogo. Busca uma formação na reconstrução do time. Ainda assim, dava pra trazer os três pontos na bagagem.

Na segunda-feira (2), o Santos enfrenta o São Paulo, no Morumbi na tentativa de manter a liderança no Brasileirão. Pela Sul-Americana, os comandados de Bustos só jogam na próxima quinta-feira (5), contra o Universidad, em Quito. 


FICHA TÉCNICA

UNIÓN LA CALERA (CHI) 1 X 1 SANTOS

Estádio Sausalito (CHI)

Árbitro: Angel Arteaga (VEN)

GOLS: Angulo, 9'/1ºT (0-1), Valencia, 25'/1ºT (1-1)

Cartões amarelos: Passerini e Wiemberg (UNI) e Bauermann, Madson, Léo Baptistão e Zanocelo (SFC)

UNIÓN LA CALERA: Arce; Vilches, García, Wiemberg; Fernández (Orellana, aos 37'/2ºT), Alarcón, Castellani (Moreno, aos 44'/2ºT), Valencia (Rodríguez, aos 37'/2ºT); Pérez (Garrido, aos 27'/2ºT), Passerini, Saez. Técnico: Carlos Galdames

SANTOS: João Paulo; Madson, Maicon, Bauermann e Lucas Pires; Fernández, Zanocelo (Camacho, aos 36'/2ºT) e Goulart (Sandry, aos 39'/2ºT); Ângelo (Lucas Braga, no intervalo) , Angulo (Baptistão, aos 29'/2ºT) e Jhojan Julio (Pirani, no intervalo). Técnico: Fabián Bustos

Goulart foi titular. Ele deu assistência para o gol santista, mas não fez uma grande partida

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS: 

João Paulo: Não trabalhou muito, em razão da técnica limitada adversária. Sem culpa no gol sofrido. - 6,0

Madson: Tímido no ataque e não travou o adversário no gol dos chilenos. - 5,0

Maicon: Só perdeu um lance em toda a partida. Quando tentou antecipar o atacante chileno. Soberano no jogo aéreo. O melhor do Santos na partida. - 6,5

Bauermann: Não comprometeu. - 5,5

Lucas Pires: Está melhorando a recomposição defensiva, sua maior deficiência. Habilidoso, não conseguiu apoiar. - 5,5

Fernández: Vinha buscar a bola quase que nos pés dos zagueiros e laterais. Limitou-se a marcação. - 5,0

Zanocelo: Discreto. Não conseguiu auxiliar na construção das jogadas do meio-campo. - 5,0

(Camacho): Jogou treze minutos apenas. - SEM NOTA

Goulart: Deu uma assistência, perdeu um gol e esperava-se muito mais dele. Não tem intensidade. - 5,5

(Sandry): Jogou apenas sete minutos, além de mais quatro de acréscimos. No total, apenas 11 minutos. - SEM NOTA

Ângelo: Deu início a jogada no lance do gol. Pediu substituição no intervalo. Com as péssimas performances de Jhojan Julio, o meio-campo vive única e exclusivamente de suas jogadas. Quando elas acontecem, o Santos cria. Se não vai bem, o time inexiste. - 6,0

(Lucas Braga): Atua melhor pela esquerda do que pela direita. Apesar de discreto foi muito melhor que Jhojan Júlio. Fez bela jogada que Baptistão desperdiçou o gol no fim do jogo. - 5,5

Angulo: Marcou o gol e depois desapareceu. Ao lado do seu conterrâneo Jhoja Júlio, deixou a desejar. - 5,5

(Baptistão): Apenas 20 minutos em campo. Ainda assim, teve a chance de marcar o gol da virada, mas parou no goleiro Arce. - SEM NOTA

Jhojan Julio: Limitadíssimo tecnicamente. Errou tudo. Passes, tomadas de decisão e caiu de forma surreal quando ia marcar um gol e ampliar o placar. - 4,0

(Pirani): Deu velocidade no meio-campo. Se atrapalhou em algumas tomadas de decisão. Em chute seu, a bola lambeu o poste do goleiro Arce do La Calera. - 5,5

Técnico: Fabián Bustos: Busca reconstruir o time. Porém, dá muito espaço ao adversário ao preferir apenas o contra-golpe. O material humano não é dos melhores, mas os últimos cinco contratados foi o argentino que pediu. Faltou ousadia para voltar com os três pontos. Time chileno é horrível, apesar da liderança momentânea da chave. - 5,5

Leia Mais »

SANTOS DEVE ANUNCIAR EM BREVE EXTENSÃO DO CONTRATO DE KAIKY ATÉ 2026

Publicado às 10h06 deste sábado, 23 de abril de 2022.

O Santos deve anunciar na próxima semana a extensão do contrato do zagueiro Kaiky Fernandes, na próxima semana. É a informação que o Blog do ADEMIR QUINTINO apurou e revelou na LIVE pré-jogo no canal do youtube na manhã deste sábado (23). O Santos ainda não confirma. Pelo que apuramos o novo contrato irá até 2026. 

O atual vínculo de Kaiky com o Santos tem validade até 30 de novembro de 2023. 

O presidente Rueda já disse e usou o mesmo na renovação do atacante Marcos Leonardo, que os contratos, principalmente dos mais jovens, que estão há menos de 18 meses do fim do acordo, terão que ser definidos se irão se estender ou não, para não correr o risco de entrar nos seis meses finais, onde os atletas podem assinar com quem quiser e o Santos ficar apenas com a formação, casos que aconteceram recentemente com Yuri Alberto, Robson Bambu e Gustavo Henrique entre outros.

Em fevereiro deste ano, o Executivo de futebol Edu Dracena e o staff de Kaiky, que tem como representante Giuliano Bertolucci, já haviam se reunido e a conversa para a permanência do atleta na Vila Belmiro já havia ficado apenas por detalhes. 

Há alguns dias, os mesmos, clube e staff do jogador, se reuniram novamente e o acordo verbal está selado. Falta apenas passar para o papel e anunciar a extensão.

Kaiky tem apenas 18 anos de idade. Há duas temporadas performa no time profissional do Santos. Oscilou na posição, o que é normal por ser um jovem e o foi o zagueiro com menos idade titular de um time da série A do Brasil, a performar no ano passado.

O camisa número 28 é um dos principais nomes de sua geração. Participou da conquista do Sul-Americano sub-15 pela Seleção Brasileira, em dezembro de 2019, sendo o capitão da equipe. O defensor que já atuou até de volante diante do Palmeiras, no último Paulistão é tido pelos dirigentes do clube, como um potencial dentro de campo e pode ajudar fora das quatro linhas, em uma hipotética venda futura, dando condições na reestruturação financeira em que passa a entidade.

Leia Mais »
 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by