FOTO CAPA

PEIXE TEM DOIS ADVERSÁRIOS NA PRÓXIMA TERÇA-FEIRA: O THE STRONGEST E A ALTITUDE

Publicado às desta sexta-feira, 14 de Maio de 2021.

Às 19h15 desta terça-feira (18), horário de Brasília, com transmissão da ENERGIA 97 FM, o Santos encara o The Strongest (BOL) pela quinta rodada da fase de grupos da Libertadores da América. Vice-líder do Grupo C, com seis pontos, o Peixe trava um importante duelo pela classificação à segunda fase contra um adversário que conquistou os seus três primeiros pontos na competição na rodada passada e ainda reúne chances matemáticas de lutar por uma das vagas. 

O primeiro lugar da chave neste instante é o Barcelona-EQ com nove, seguido pelo Santos que tem os mesmos seis do Boca Jrs-ARG, mas fica a frente no critério de desempate e com o The Strongest com três.

Além do adversário, o time treinado por Fernando Diniz terá que lidar com as dificuldades da altitude, já que a partida será realizada no Estádio Hernando Siles, em La Paz.

"Algo meio desumano. Aproveito a oportunidade para fazer uma crítica severa. É uma vantagem competitiva que não deveria ter. Maior adversário é a altitude e não temos como preparar adequadamente Não tem como ir e não sofrer. Até o Barcelona ia sentir. Movimentação constante o tempo todo. Não tem muito remédio. É tentar diminuir o efeito dessa altitude." – afirmou o comandante técnico Fernando Diniz.

O Peixe joga as duas partidas que lhe resta pela fase de grupos fora de casa. Os três jogos como mandante o time já realizou com duas vitórias (Boca e The Storngest) e uma derrota (Barcelona).  Para seguir na competição, o alvinegro da Vila vai ter que pontuar e bem fora dos seus domínios.

Com sua casa há exatos 3660 metros acima do nível do mar, a equipe boliviana usa como arma a grande dificuldade gerada pela altitude para superar o Peixe. Os bolivianos venceram na última rodada, o líder do grupo, Barcelona, jogando em casa. Quando visitou os equatorianos, levou de quatro na planície e ao nível do mar de Guayaquil.

Preocupada com desempenho do time santista em La Paz, a comissão técnica do Peixe elaborou uma logística especial para este embate. Antes  de chegar a cidade do local do jogo, o time ficará concentrado na cidade de Santa Cruz de la Sierra, há 849 km do local do jogo, os atletas do Alvinegro Praiano vão para La Paz horas antes da partida, em um voo fretado com duração de uma hora. A delegação santista embarca no domingo, no fim da manhã.

"Nos planejamos há um tempo, mas mesmo assim teremos desgaste exagerado. Jogo muda completamente. Ideia é ir lá o quanto antes e não ficar muito tempo em La Paz. Vamos ficar o mínimo possível na altitude. Jamais poderíamos jogar nesse tipo de altitude, não há sentido. Autoridades precisam rever. Quanto mais gente falar e indignar, existe a chance de mudar.", finalizou sobre o assunto Diniz.

O objetivo é diminuir os efeitos do ar rarefeito. Segundo especialistas, para não sentir os efeitos da altitude, os atletas precisariam de pelo menos, duas ou três semanas antes em La Paz para aclimatá-los. Como o calendário não permite isso, a estratégia é a de chegar o mais próximo possível do horário do jogo. 

As adaptações que o corpo faz vão se exacerbando de seis a oito horas. Se o a delegação chegar o quanto antes e sair logo após a partida os efeitos serão menores para os jogadores. Para minimizar, os impactos causados pela altitude, que são: aumento da frequência cardíaca, dor de cabeça, tontura, falta de ar, o clube chegará apenas no dia da partida no placo do jogo, já antecipou Fernando Diniz, técnico santista. 

Quem mais sofre com a altitude, durante o jogo, são os goleiros. Apesar de não se movimentarem tanto quanto os atletas de linha, João Paulo, o titular da meta santista precisará redobrar a atenção com os chutes adversários, pois a velocidade da bola muda.


Leia Mais »

O SANTOS SEGUE VIVO NA LIBERTADORES

Publicado às 11h35 desta quarta-feira, 12 de Maio de 2021.

O Santos tem uma capacidade de se reinventar absurda. Depois de um final de semana de aflição com a possibilidade de queda para a Série A-2 do Paulistão e virtualmente eliminado com duas derrotas seguidas nas primeiras rodadas da Libertadores da América, a equipe conquistou uma vitória maiúscula na estreia do técnico Fernando Diniz no comando do time - com direito a expulsão do mesmo no seu primeiro jogo. Na noite desta terça-feira (11),  alvinegro venceu o Boca Juniors por 1 a 0 na Vila Belmiro e assumiu a segunda posição do Grupo C da Libertadores. 

Para coroar a noite com chave de ouro, o líder do grupo com nove pontos, o Barcelona de Guayaquil, perdeu na altitude de La Paz para o The Strongest em La Paz por 2 a 0. Com isso, os equatorianos seguem em primeiro, mas pararam nos nove pontos, seguidos pelo Glorioso da Vila, em segundo, com seis, os mesmos dos Xeinezes, - porém, os argentinos tem os mesmos seis pontos, mas o Peixe supera o rival no saldo de gols ( 2 a 1), com o time boliviano com três pontos, e todos os times na briga por duas vagas nas oitavas de final, com duas rodadas para acontecer.

Óbvio que ainda não foi possível ver o dedo do novo comandante técnico - Fernando Diniz, apesar do goleiro João Paulo, ter dito que a jogada do único gol do jogo, ter sido ensaiado no único treino do time, na véspera do duelo, mas senti um Santos com garra e sem medo de errar na hora de atacar.

A formação titular foi a mesma do jogo diante do São Bento. Marinho, conforme o Blog antecipou com exclusividade na sexta-feira (7) passada, ficaram de fora. O Boca Juniors deixou o Santos propor o jogo, mas foi mais perigoso.Tévez perdeu gol incrível, no começo do jogo.

Aos 41 minutos, Kaio Jorge recebeu bom passe em profundidade de Pará e cruzou rasteiro para trás. A lógica era de que a bola fosse na parte central para Lucas Braga, mas o camisa 9 encontrou o lateral-esquerdo Felipe Jonatan que deu um drible desconcertante no zagueiro Izquierdoz e chutou no canto direito do gol, sem chances para Rossi.

Após o intervalo, o árbitro uruguaio Christian Ferreyra deixou de assinalar um pênalti clarissimo para o Santos. Kaio Jorge recebeu na área e na hora do chute, Izquierdoz tirou a bola com a mão e mudou a trajetória da mesma. O juiz assinalou só escanteio. Sem o VAR na fase de classificação, o alvinegro foi muito prejudicado.

O ala Buffarini, com passagem pelo São Paulo entre 2016 e 2017, sofria com os dribles de Lucas Braga no setor esquerdo do ataque santista.

O jogo era tão disputado que deu tempo de Diniz e o técnico do Boca, Miguel Ángel Russo, serem expulsos após reclamações.

No último terço do confronto, o Santos recuou para tentqar o golpe de misericórdia no contra-ataque, porém, o contra-golpe não aconteceu. O Boca pressionou, mas o Santos conseguiu manter o resultado.

Na próxima terça-feira (18), o alvinegro praiano volta a campo pela Libertadores diante do The Strongest em La Paz, às 19h15. O Boca Juniors recebe o Barcelona de Guayaquil na quinta-feira, dia 20.


FICHA TÉCNICA

SANTOS 1 x 0 BOCA JUNIORS

Estádio da Vila Belmiro - Santos

Árbitro: Christian Ferreyra (Uruguai)

GOL: Felipe Jonatan, aos 40min do 1ºT

Cartões amarelos: Ângelo, Jean Mota, Villa, Buffarini, Lucas Braga, técnico Fernando Diniz, técnico Miguel Ángel Russo e Kaio Jorge

Cartões vermelhos: Fernando Diniz (técnico) e Miguel Ángel Russo (técnico)

SANTOSJoão Paulo; Pará, Kaiky, Luan Peres e Felipe Jonatan (Copete); Vinícius Baliero, Jean Mota e Gabriel Pirani (Kevin Malthus); Ângelo (Madson), Kaio Jorge e Lucas Braga. Técnico: Fernando Diniz

BOCA JUNIORSRossi; Buffarini, Lisandro López (Rojo), Izquierdos e Fabra; Medina (Maroni), Valera, Almendra; Pavón, Tevez (Soldano) e Villa. Técnico: Miguel Ángel Russo

O jogo marcou a estreia de Fernando Diniz como técnico do Santos


NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS 

João Paulo: Boa saída de bola. Nenhuma grande defesa. - 6,5

Pará: Bem na defesa e ótimo passe na construção da jogada do primeiro gol. - 7,0

Kaiky: Com exceção da primeira jogada em que Tevéz finaliza ao gol e perde chance incrível, o ex-corintiano deve estar no bolso do jovem santista. Tem velocidade, ótimo passe e tomadas de decisões acertadas. - 8,0

Luan Peres: Como diz meu amigo, empresário do ramo automotivo - Alan Otacílio, o arroz com feijão bem temperado. - 6,5

Felipe Jonatan: Marcou demais. Não perdeu uma jogada no mano a mano. Golaço. Calma e eficácia no único gol do jogo. - 8,5

(Copete): Fiquei temoroso com sua improvisação. Me enganei. Entrou bem e deu conta. - 7,0

Baliero: Estava sem função no começo do jogo, em razão da propositura do adversário. À partir do momento, em que o alvinegro abriu o marcador, teve que se movimentar bastante. - 6,5

Jean Mota: Marcelo Fernandes achou sua posição. Foi bastante participativo. - 7,0

Pirani: Demorou um pouco para entrar no jogo. Depois conseguiu acelerar o jogo na meia-cancha. - 6,5

(Kevin Malthus): Pouco tempo em campo. - SEM NOTA

Ângelo: Muita personalidade, mas tomou algumas decisões erradas. Tudo normal para um menino de apenas 16 anos de idade. - 6,0

(Madson): Participou pouco tempo da partida. - SEM NOTA

Kaio Jorge: Um dos melhores do jogo. Saiu da área, abriu espaços, fez tabelas, realizou o pivô e foi garçom na assistência a Felipe Jonatan. - 8,5

Lucas Braga: Acabou com o ala Buffarini. Um dos melhores do jogo. - 8,5

Técnico: Fernando Diniz - Boa estreia. Segundo João Paulo, a jogada do gol foi ensaiada. Foi expulso por reclamação. - 7,0


Leia Mais »

VEM AÍ A ERA DINIZ

Publicado às 14h35 desta segunda-feira, 10 de Maio de 2021.

O técnico Fernando Diniz de 47 anos de idade foi oficialmente apresentado como novo técnico do Santos na manhã desta segunda-feira (10), em entrevista coletiva. O novo comandante técnico alvinegro que assinou por 12 meses falou do que precisa para melhorar a performance do alvinegro:

Não sou de exigir inúmeros jogadores, mas temos que trazer pontuais, com capacidade de vir e ajudar de maneira direta. O elenco me agrada bastante pelos jovens talentosos e também pelos experientes”, afirmou Fernando Diniz.

No Tricolor do Morumbi, onde ficou de setembro de 2019 ao fim de janeiro de 2020,  Fernando Diniz acumulou 74 partidas pelo clube e encerrou sua passagem com 54% de aproveitamento. 

"São Paulo oscilou, mas a gente descia e subia cada vez mais forte. Se eu não tivesse saído, talvez subíssemos e conquistássemos o título. Evoluímos em termos de resultado, perto de duas conquistas, e quero fazer história diferente no Santos." profetizou o novo comandante técnico alvinegro.

A estreia de Fernando Diniz tem data marcada. Será nesta terça-feira (11), diante do Boca Juniors, às 19h15min, na Vila Belmiro pela quarta rodada da fase de grupos da Copa Libertadores. A partida terá transmissão da Energia 97 FM

Diniz desconversou quando perguntado sobre as individualidades do time e prefere acreditar no 'grupo' santista.

“Espero um grande trabalho, um passo adiante do que tenho feito na minha carreira. Minha vontade é se dar bem, se respeitar. Não é uma esperança, é expectativa. Tenho confiança de parceria forte com diretoria e elenco. Comissão, jogadores e diretoria são os trabalhadores. Temos que entregar aquilo que torcedor espera: vitórias e bom futebol”, garantiu o treinador.

Leia Mais »

SANTOS FINALIZA 22 VEZES, MAS PERDE CLÁSSICO. RISCO DE QUEDA NA ÚLTIMA RODADA

Publicado às 09h20 desta sexta-feira, 7 de maio de 2021.

A 'maré não está para Peixe, mesmo'. Em uma das suas melhores partidas na temporada, mas com 'erros crassos' na defesa, o Santos perdeu para o Palmeiras por 3 a 2 e está eliminado do Paulistão. Não bastasse isso, o alvinegro ainda corre risco de rebaixamento. Com os resultados da rodada, o time da Vila Belmiro corre até o risco de ser rebaixado, em caso de derrota diante do São Bento, na última rodada da fase de grupos, neste fim de semana, o que seria a maior tragédia na história do clube em 109 anos.

Fernando Diniz terá contrato de um ano.

Com toda essa 'ebulição' no gramado, a direção ainda não oficializou mas tem apalavrado um acerto com o técnico Fernando Diniz. O acordo com o treinador aconteceu poucas horas antes do início do clássico.

Sobre o a partida no Allianz Parque, o Santos atacou bem mais que o rival. O Glorioso da Vila mandou a campo o que tinha de melhor. Já o Palmeiras, mandou um 'mistão' e 'bem quente' com jogadores que seriam titular em qualquer time da série A.

Apesar da derrota, o Santos fez uma de suas melhores partidas na competição. Finalizou 22 vezes contra 9 dos donos da casa. Correu sempre atrás do resultado, mas erros de marcação foram cruciais para a derrota.

Aos 7, o Palmeiras abriu o placar com Scarpa pela direita deixando Luan Peres para trás e cruzou na medida para Viña, que apareceu sem qualquer marcação na pequena área para cabecear para o gol.

Poucos minutos depois Marinho recebeu lançamento pela direita e, ao dominar no peito, deixou a marcação de Viña para trás. Em seguida, cruzou no pé de Kaio Jorge, que não perdoou: 1 a 1. A bola ainda tocou em Myke e tirou Weverton do lance. 

Nove minutos depois, novo erro de marcação. Cobrança de escanteio na área, Willian escorou de cabeça, na primeira trave. A marcação mista completamente errada e três jogadores na marcação viram a bola pegar em Kaiky e João Paulo antes de entrar, aos 22 e com o placar de 2 a 1 para os anfitriões, os times foram para o intervalo.

'Não existe nada ruim que não possa piorar'. e ainda no primeiro tempo, o atacante Marinho, ao tentar finalizar, sentiu dores na coxa esquerda e deixou o gramado mais cedo. Ângelo, de apenas 16 anos, entrou na partida com a dura missão de liderar o ataque santista, em busca da virada no marcador. O jogador deve ser avaliado nesta sexta-feira (7) e preocupa para os próximos jogos.

Aos 5 da etapa complementar, em escanteio na área, Wesley puxou Kaio Jorge na frente do árbitro Luiz Flávio de Oliveira, que acertadamente deu pênalti. O próprio Kaio Jorge converteu a cobrança e igualou o duelo. 

O Santos voltou bem melhor nos 45 minutos finais. Marcelo Fernandes mexeu bem. Conhecedor do elenco que tem em mãos, tirou Balieiro e colocou Marcos Leonardo, com Jean Mota mais recuado. Matou o meio de campo palmeirense que só conseguiu dar o ar da graça após o técnico Abel Ferreira fazer três alterações no setor após os 20 minutos com as entradas de uma só vez de Danilo, Rafael Elias e Lucas Esteves.

No primeiro toque na bola de Esteves, ele completou cruzamento de Viña, aos 32, e selou a derrota santista. 

"Explicar que foi um ano de troca de gestão, perda de jogadores, transferban, muitos meninos, técnico chegou com nova filosofia e houve uma troca. Tudo influencia. Molecada está querendo, agora é ter calma. Trabalhar bastante para um jogo normal que sempre fazemos em casa, no domingo, para conseguir um grande resultado.", disse Marcelo Fernandes durante a entrevista coletiva, pós jogo.

O perigo de rebaixamento, não foi da derrota do clássico, onde o time se comportou de igual para igual diante do rival mas sim, nas escolhas feitas ao longo de 11 rodadas. O Santos não tem um executivo de futebol e venceu apenas duas vezes.

Por ironia do destino, o alvinegro que poupou tanto no estadual para poder ter mais 'folego' na Libertadores, agora vai ter de priorizar o último jogo no paulista para não ficar marcado negativamente na história com uma queda de divisão.


FICHA TÉCNICA 

PALMEIRAS 3 x 2 SANTOS

Allianz Parque - São Paulo (SP)

Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira

GOLS: Viña, aos 7, Kaio Jorge, aos 13, e Willian, aos 22min do 1ºT. Kaio Jorge (pênalti), aos 7, e Lucas Esteves, aos 32min do 2ºT

Cartões amarelos: Zé Rafael, Empereur, (PAL) Jean Mota, Pirani, Lucas Braga, Kaiky (SFC)

PALMEIRASWeverton; Mayke, Danilo Barbosa, Alan Empereur, Viña; Felipe Melo (Danilo), Zé Rafael (Pedro Bicalho), Gustavo Scarpa, Wesley (Rafael Elias); Willian e Giovani (Lucas Esteves). Técnico: Abel Ferreira

SANTOSJoão Paulo; Pará, Kaiky, Luan Peres e Felipe Jonatan; Vinicius Balieiro (Marcos Leonardo), Jean Mota (Kevin Malthus) e Gabriel Pirani (Renyer); Marinho (Ângelo), Kaio Jorge e Lucas Braga (Lucas Lourenço).Técnico: Marcelo Fernandes.

Kaio Jorge marcou dois gols e foi o melhor santista em campo

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS

João Paulo: Dos três gols que sofreu, talvez a bola do segundo gol pudesse ser evitada. As três oportunidades que o Palmeiras chutou ao gol, todas entraram. - 5,0

Pará: Voltou a dar espaços na defesa. - 4,5

Kaiky: Promissor, porém precisa corrigir o jogo aéreo. Mal colocado no lance do segundo gol palmeirense. - 4,0

Luan Peres: No primeiro gol do Palmeiras foi fazer a cobertura e Scarpa passou com facilidade para dar a assistência. - 4,5

Felipe Jonatan: Não conseguiu reeditar o bom jogo de terça-feira diante do The Strongest. Nas tentativas de ajudar o ataque no apoio deixou espaços no setor em alguns lances. - 5,0

Vinicius Balieiro: Pouco apareceu no jogo. Foi substituído no intervalo. - 5,0

(Marcos Leonardo): Deu mais agressividade ao setor. Tentou finalizar. Em algumas situações poderia até dar o passe. - 5,5

Jean Mota: Quando Marcelo o recuou no início do segundo tempo, fez bem a bola longa durante os primeiros 25 minutos da etapa complementar. Não marca como volante. - 5,5

(Kevin Malthus): Organizou o sistema de marcação quando o Peixe estava só indo para cima na segunda etapa. - 5,5

Gabriel Pirani: Arriscou mais chutes do que nos tempos de Holán, quando o meio e o ataque não finalizavam. - 5,5

(Renyer): Poucos minutos em campo. - SEM NOTA

Marinho: Participativo para o primeiro gol de Kaio Jorge. Deixou o gramado com lesão muscular. - 6,5

(Ângelo): Tentou algumas jogadas individuais, chutou ao gol, mas não acompanhou o ala no último gol palmeirense. - 5,0

Kaio Jorge: Ajudou na recomposição como de costume e balançou as redes duas vezes. Também foi o camisa 9 que sofreu a penalidade máxima. - 7,0

Lucas Braga: Fez boas jogadas pelo lado do campo, principalmente no primeiro tempo. - 6,0

(Lucas Lourenço): Poucos minutos em campo. - SEM NOTA

Técnico: Marcelo Fernandes: Mandou o time principal em campo. O sistema defensivo falhou bastante. Acertou ao sacar Balieiro e recuar Jean Mota. Time foi desequilibrado e com pouca força de marcação. - 5,5

Leia Mais »

PEIXE TEM CLÁSSICO DECISIVO PARA NÃO FICAR FORA DA FASE FINAL DO ESTADUAL, ALGO QUE NÃO ACONTECE DESDE 2008

Publicado às 08h desta quarta-feira, 6 de Maio de 2021.

Menos de de 48 horas após deixar o gramado da Vila Belmiro com o uma vitória sobre o The Strongest pela Libertadores da América, o Santos volta a campo na noite desta quinta-feira (6), às 21h00 (de Brasília), no clássico no Allianz Parque, diante do Palmeiras, em seu penúltimo compromisso pela fase de grupos do Paulistão 2021. A ENERGIA 97 FM transmite o clássico à partir das 20h30. Só a vitória mantém a esperança do alvinegro de se classificar a próxima fase.

O interino, que pode tornar-se efetivo, Marcelo Fernandes, já havia dito durante a coletiva, após a vitória da última terça-feira (4), que se o time seguisse com condições de se classificar, mandaria força máxima, nesta quinta-feira (6), por isso, o time deve ser o mesmo da última partida. 

O volante Alison que cumpriu suspensão na competição continental na última partida, sente dores musculares e desfalca a equipe mais uma vez.

A briga do Peixe para avançar no torneio estadual é com o Guarani de Campinas. O Bugre foi derrotado no derby desta quarta-feira (5) por 3 a 1 para a Ponte Preta e só tem mais um jogo por fazer nesta fase. Se vencer a Internacional de Limeira, fora de casa, estará com 17 pontos e não poderá ser alcançado pelo Glorioso da Vila que tem 10 com apenas duas vitórias e só chega a 16 pontos. 

O Santos segue sem depender única e exclusivamente de suas forças. Precisa vencer o Palmeiras hoje e o São Bento no domingo (9), além de torcer para o Bugre não conseguir vitória diante da Inter de Limeira, no fim de semana para seguir na sua rotina de participar da fase decisiva da competição. A última vez que o alvinegro ficou de fora de mata-mata do Paulista foi no longínquo ano de 2008.

O provável Santos na noite de hoje na capital deve ser de João Paulo; Pará, Kaiky, Luan Peres e Felipe Jonatan; Vinícius Balieiro, Jean Mota e Gabriel Pirani; Marinho, Marcos Leonardo e Lucas Braga.

Leia Mais »

GOLEADA, REABILITAÇÃO E ESPERANÇA RENOVADA NA LIBERTADORES

Publicado aos 35 minutos desta quarta-feira, 5 de maio de 2021.

Na noite desta terça-feira (4), o Santos reapresentou o bom futebol do segundo tempo do fim de semana no empate diante do Red Bull Bragantino e goleou o The Strongest por 5 a 0, no estádio da Vila Belmiro, em partida válida pela terceira rodada do Grupo C da Libertadores. Os gols do Peixe foram de Marinho, Gabriel Pirani, Balieiro, Lucas Braga e Kevin Malthus, o Peixe somou os seus três primeiros pontos na primeira fase. O alvinegro não vencia há cinco partidas.

Com a derrota do Boca Juniors, em Guayaquil, diante do Barcelona (EQU), o jogo de terça-feira (11) que vem, virou uma decisão entre Santos e Boca, na Vila Belmiro, às 19h15.

O alvinegro é o terceiro colocado na chave com três pontos. O líder são os equatorianos do Barcelona com nove, seguidos pelos argentinos do Boca Juniors com seis. O the Strongest da Bolívia é o único time que ainda não pontou após três rodadas. 

Se o Peixe que neste instante tem saldo de um positivo, vencer os argentinos que tem saldo de dois gols positivo, ultrapassa os 'xeineses' e pula para a segunda posição com os mesmos seis pontos e se a vitória for no placar mínimo, terá saldo de dois gols positivos contra um do time de Buenos Aires.

O interino Marcelo Fernandes não promoveu surpresas na escalação do time para o duelo contra os bolivianos. Mandou Balieiro na vaga de Alison, suspenso. Jean Mota foi o escolhido para jogar na posição de segundo volante.

Com um minuto e meio de jogo, Pirani lançou a bola para o meio da área. O atacante Marcos Leonardo não alcançou a bola, mas a mesma encontrou Marinho na direita. O camisa 11 bateu na saída do goleiro Vaca e abriu o marcador. Daí em diante o alvinegro alugou o meio-campo e se aproveitou da fragilidade do adversário.

Em um determinado momento da primeira etapa, os bolivianos chegaram a ter a maior posse de bola, mas logo o Glorioso da Vila tomou o protagonismo de volta. O primeiro tempo terminou com mais dois gols - Pirani e Balieiro.

No intervalo, Marcelo Fernandes promoveu as entradas de Madson e Kaio Jorge nas vagas de Pará e Marcos Leonardo. O treinador provavelmente já estava pensando no duelo diante do Palmeiras, pelo estadual, nesta quinta-feira (6), às 21h. Nesta quarta-feira (5), em Campinas, Ponte e Guarani realizam o 'derby' no estádio Moisés Lucarelli. Uma vitória do Bugre classifica o time para outra fase e elimina o Santos. Qualquer outro resultado, dá esperanças ao time da Baixada de ainda alcançar a segunda colocação, no fim de semana e ir a fase de mata-mata, momento da competição que o Peixe não deixa de participar desde 2008.

De volta ao jogo da noite desta terça-feira (4), o Santos manteve o ritmo e fez o quarto e o quinto gol com Lucas Braga e Kevin Malthus que entrou na segunda etapa.

Foi a vitória que retornou a confiança de alguns atletas e deu para perceber algumas situações. Entre elas, que as vezes o 'menos é mais' e que o time rende mais nas mãos de Marcelo Fernandes do que do antecessor Ariel Holán. Além disso, o preparo físico nas mãos do argentino, estava bem abaixo.

Para o clássico contra o Palmeiras nesta quinta-feira (6) e o duelo decisivo diante do Boca Jrs, terça-feira (11), que vem, o volante Alison que cumpriu suspensão no duelo diante do The Strongest, será a novidade.


FICHA TÉCNICA

SANTOS X THE STRONGEST (BOL)

Estádio da Vila Belmiro -Santos (SP)

Árbitro: Christian Garay (Chile)

Cartões amarelos: Kaiky (Santos); Arrascaita, Wayar (The Strongest)

GOLS: Marinho, 1min, Gabriel Pirani, aos 25, Baliero, aos 42min do 1ºT; Lucas Braga, aos 13, Kevin Mathus, aos 37min do 2ºT

SANTOSJoão Paulo; Pará (Madson), Kaiky, Luan Peres e Felipe Jonatan (Copete); Vinícius Balieiro (Kevin Malthus), Jean Mota e Gabriel Pirani; Marinho, Marcos Leonardo (Kaio Jorge) e Lucas Braga (Ângelo). Técnico: Marcelo Fernandes

THE STRONGESTDaniel Vaca; Saúl Torres, Castillo, Valverde e José Sagredo; Wayar, Ramiro Vaca, Arrascaita (Churra); Cardozo (Pastor), Reinoso (Blackburn) e Willie Barbosa. Técnico: Gustavo Florentín.

Marinho foi eleito pela Conmebol, o melhor em campo.

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS

João Paulo: Todo bom goleiro tem de ter sorte. Levou duas bolas na trave. Fez uma boa defesa no começo da segunda etapa. - 6,0

Pará: Deu conta do recado na marcação. No ataque, não apoiou. - 5,5

(Madson): Tentou apoiar. Na defesa deu espaço. - 5,5

Kaiky: Jogou sério. Boa qualidade de bola na saída. - 6,5

Luan Peres: Antecipou bem. Não foi feliz em algumas saídas de bola, onde apareceu fora da sua posição. - 6,0

Felipe Jonatan: Jogou muita bola. Atacou, armou, deu assistência, defendeu. Foi uma das suas melhores apresentações com a camisa alvinegra. - 7,5

(Copete): Apenas seis minutos em campo. - SEM NOTA

Vinícius Balieiro: Marcou bem e ainda foi ao ataque se antecipar, 'fatiar' e marcar um bonito gol. - 7,0

(Kevin Malthus):  Jogou pouco, mas o suficiente para deixar o seu gol no jogo. - 6,5

Jean Mota: Ótimo primeiro tempo. Foi dele o lançamento para Felipe Jonatan que ajeitou para Pirani. Combateu e ainda roubou algumas bolas. - 7,0

Gabriel Pirani: Ao lado de outro armador, seu futebol costuma crescer. Assistência no gol de Marinho, marcou o seu também, o segundo. - 7,0

Marinho: Pontaria certeira no primeiro gol, também foi importante na jogada brilhante do gol de Lucas Braga. - 7,5

Marcos Leonardo: Bela finalização para linda defesa de Vaca no primeiro tempo. Foi pouco acionado. - 6,0

(Kaio Jorge): Teve uma chance em bela assistência de Felipe Jonatan. Chegou a driblar o goleiro, mas acabou chutando a bola prensada com o zagueiro boliviano. Participou de poucas jogadas ofensivas. - 5,5

Lucas Braga: Extremamente produtivo. Fatal na finalização, deu um calor aos defensores pelo lado esquerdo do campo. - 7,0

(Ângelo): Um bom drible entre as pernas do adversário. Pouco acionado. - 6,0

Técnico: Marcelo Fernandes: Fez o simples. Sem improvisações e conseguiu fazer com que o time seguisse em busca do gol na segunda etapa. Os jogadores correm para o 'interino' é nítido. - 7,0

Leia Mais »

VIDA OU MORTE NA LIBERTADORES

Publicado às 12h35 desta terça-feira, 4 de Maio de 2021.

Sem vencer há cinco jogos, ainda não ter contratado um novo técnico e o cargo vago há nove dias e sem um executivo de futebol, há quatro meses, somados a pressão de ainda não ter pontuado na Copa Libertadores, o Santos busca a primeira vitória na competição continental para seguir vivo no torneio, do qual é o atual vice-campeão. O alvinegro faz jogo de vida ou morte diante do The Strongest (BOL), nesta terça-feira, às 19h15, na Vila Belmiro com transmissão da ENERGIA 97 FM

O Santos sofreu duas derrotas pelo mesmo placar - 2 a 0 para Barcelona de Guayaquil e Boca Juniors e só não está na lanterna do Grupo C porque o The Strongest (BOL), outro que também não venceu, tem saldo de cinco gols negativos, contra menos quatro do Peixe.

No Campeonato Paulista, a situação é ainda pior. O time ocupa a terceira colocação do grupo com apenas 10 pontos e duas vitórias, contra 14 do Guarani, vice-líder que já tem quatro vitórias. O saldo alvinegro é de oito gols negativo, ou seja, tem que tirar cinco pontos de diferença em duas rodadas que restam para o término da fase de classificação. Na próxima rodada enfrenta o Palmeiras, na quinta-feira (6) às 21h, na casa do adversário.

O Glorioso da Vila será novamente comandado pelo interino Marcelo Fernandes. A direção segue no mercado para trazer um substituto para Ariel Holan, que deixou o cargo no início da semana passada. Fernando Diniz, ex-São Paulo, segue como favorito para assumir o posto.

Para o duelo desta noite, o alvinegro não terá o futebol de Alison que cumpre suspensão automática. Com isso cresce a chance de Balieiro ir na cabeça da área com Jean Mota de segundo volante.

O provável Santos deve iniciar o duelo de logo mais com João Paulo; Pará (Madson), Kaike, Luan Peres e Felipe Jonatan; Balieiro, Jean Mota e Pirani; Lucas Braga, Marcos Leonardo e Marinho.

Leia Mais »

PEIXE FAZ BOM SEGUNDO TEMPO, MAS VAR, EM LANCE DUVIDOSO, ANULA GOL DA VITÓRIA

Publicada às 10h50 deste domingo, 2 de Maio de 2021.

'A maré definitivamente não está para Peixe'. Sem vencer há cinco jogos, sendo três pelo estadual, o Santos que não tem técnico há uma semana, ainda teve um erro de arbitragem que anulou um gol santista que seria o da virada e impediu a vitória do time, neste sábado (1), diante do Red Bull Bragantino, no estádio Nabi Ani Chedid, em Bragança Paulista (SP), válido pela décima rodada do Paulistão

Após um primeiro tempo pífio, na base da garra, o alvinegro da Vila voltou bem melhor a merecia a vitória na segunda etapa. O gol santista que valeu foi de Lucas Braga.

Com mais um rodada sem vencer, o Santos está em situação dificílima para passar às quartas de final do torneio. Em terceiro lugar no Grupo D, a equipe do litoral agora tem 10 pontos e está atrás de Mirassol, com 17, e do concorrente a segunda vaga na chave, o Guarani, com 11 e que tem um jogo a menos. O Bugre joga neste domingo (2) diante do Novorizontino, em Campinas e a vantagem do alvi-verde do interior pode aumentar ainda mais para o Peixe.

Marcelo Fernandes, o interino que comanda o alvinegro surpreendeu na escalação. Quando a maioria esperava Balieiro como segundo volante, o técnico escalou Jean Mota como segundo homem do meio-campo e com isso, dois armadores. Além de Mota, Pirani era o outro no setor.

Aos 25 minutos, Pará saiu jogando errado do campo de defesa, a bola parou nos pés de Claudinho que bateu forte de primeira e, a mesma desviou em Luan Peres, e matou João Paulo da defesa. O Peixe sem criatividade, tocando bola para trás, permitia que Claudinho jogasse solto e armava o time da casa como queria, extremamente livre.

No intervalo, Marcelo Fernandes, sem alterar o time, mexeu no 'brio' do time e o alvinegro voltou diferente para o segundo tempo. 

Logo no primeiro minuto, Marinho fez lançamento para Lucas Braga, que concluiu a jogada em uma finalização perfeita, no ângulo, sem chances para o goleiro Cleiton. O camisa 30 quebrou um jejum de quatro jogos do Santos sem marcar gols.

E o Peixe, bem melhor no jogo chegou a virada aos minutos, porém com o auxílio do VAR em um lance 'estupidamente' duvidoso, para não dizer que o clube da Vila sem representatividade ao longos dos anos na Federação, foi prejudicado novamente e anulou o que seria um golaço de Jean Mota por causa de impedimento de Marinho que na minha opinião, não existiu. 

Eu escrevi, inclusive em minhas redes sociais, que sem nenhuma teoria da conspiração, mas a imagem apresentada na transmissão da TV, eu tinha muitas dúvidas se era possível ser analisado em perspectiva e  somente na paralela, mesmo não sendo nenhum expert em geometria (e nem precisa), mas não tinha convicção nenhuma da marcação que impediu o gol da vitória santista.

Com a igualdade no marcador, o Santos completa o quinto jogo sem vencer, sem definir o Executivo do futebol, o novo técnico para substituir Ariel Holan e pensa na Libertadores, onde na terça-feira (4), enfrenta o The Strongest (BOL), às 19h15, na Vila Belmiro pela terceira rodada da fase de grupo. Pelo Paulista, o Glorioso da Vila vai a São Paulo, na próxima quinta-feira (6) e pega o Palmeiras, às 21h, pela penúltima rodada da fase de classificação.


FICHA TÉCNICA

RED BULL BRAGANTINO 1 x 1 SANTOS

Estádio Nabi Abi Chedid - Bragança Paulista (SP).

Àrbitro:Douglas Marques das Flores.

GOLS - Claudinho, aos 25 minutos do primeiro tempo (BRA); Lucas Braga, a 1 minuto do segundo tempo (SFC).

Cartões amarelos - Aderlan, Ryller e Cuello (BRA); Pará e Lucas Braga (SFC).

RED BULL BRAGANTINO - Cleiton; Aderlan, Léo Ortiz, Fabrício Bruno e Edimar; Ryller (Ramires), Lucas Evangelista e Claudinho; Artur, Pedrinho (Cuello) e Ytalo (Luis Phelipe). Técnico: Maurício Barbieri.

SANTOS - João Paulo; Pará, Kaiky, Luan Peres e Felipe Jonatan; Alison, Jean Mota (Vinicius Balieiro) e Gabriel Pirani (Lucas Lourenço); Marinho; Marcos Leonardo (Allanzinho) e Lucas Braga. Técnico: Marcelo Fernandes.

Depois de muito tempo, Chulapa voltou ao banco de reservas para auxiliar Marcelo Fernandes.

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS - 

João Paulo: Uma bela saída rápida nos pés de Pedrinho e impediu o gol adversário. Sem culpa no gol de Claudinho. O desvio na quadril de Luan Peres matou qualquer pretensão. - 6,5

Pará: Falhou na saída de bola que proporcionou o gol dos anfitriões. - 4,5

Kaiky: No primeiro tempo, quando o meio-campo do Santos não 'marcava nem consulta' e não 'armava nem barraca de praia' era quem conseguia levar a bola aos atacantes. Defensivamente cresceu a exemplo do seu companheiro na segunda etapa. Tem um futuro promissor. Muita qualidade na saída de bola. - 6,5

Luan Peres: Faltou sorte no lance do gol do time da casa. A bola desviou no seu quadril, não pode ser considerado culpado. Cresceu muito no segundo tempo. Foi bem na cobertura e até nas bolas aéreas, sua principal deficiência. - 6,5

Felipe Jonatan: Muito bem defensivamente. Impediu gol certo de Ytalo, quando o marcador ainda estava 0 a 0. No segundo tempo apoiou bem e tentou ajudar o time a conseguir a virada. - 6,5

Alison: No primeiro tempo ficou em uma encruzilhada. Não sabia se fazia o terceiro homem da defesa na saída de bola ou encostava em Claudinho que ditava o ritmo do jogo. Não fez nem uma coisa, nem outra. Com o ajuste e a chacoalhada de Marcelo Fernandes no intervalo, arrumou o posicionamento e cresceu com o time. - 6,0

Jean Mota: O comentarista ao fazer a análise de um jogo, não pode levar em consideração o retrospecto do atleta. Nem para o bem, nem para o mal. Depois de 45 minutos discretos, foi um dos melhores em campo na etapa complementar. Não só pelo gol mal anulado, mas foi participativo em abastecer os atacantes, principalmente os de lado. Saiu com caimbras. - 7,0

(Vinicius Balieiro): Jogou menos de 15 minutos. - SEM NOTA

Gabriel Pirani: Um primeiro tempo discreto. No segundo tempo com o crescimento do setor, também evoluiu no jogo aparecendo mais dentro da sua característica de correr com a bola em diagonal e servir os companheiros. - 5,5

(Lucas Lourenço): Você pode até duvidar da qualidade do meia, mas sua vontade é irrefutável. Briga pela posse de bola o tempo todo. - 6,0

Marinho: Um primeiro tempo sem oferecer perigo a defesa do Bragantino. Na segunda etapa, entrou pilhado no jogo com muitas participações, incluindo a assistência no gol de Lucas Braga e também do gol que não valeu, mas deveria, de Jean Mota. - 7,0

Marcos Leonardo: O aniversariante deste domingo (2), se movimentou bastante mas não teve chances de conclusão. O melhor jogador santista diante do Boca ficou preso na marcação dos homenzarrões do Bragantino. - 5,5

(Allanzinho): Pouco participou de jogadas do ataque. - SEM NOTA

Lucas Braga: O melhor em campo. O único jogador que escapou da péssima performance no primeiro tempo. No segundo manteve o ritmo e deu trabalho a defesa do adversário com constantes cruzamentos e finalizações pela esquerda do ataque. Foi dele o gol de empate num chute maravilhoso com o pé que não é bom, o canhoto. - 7,5

Técnico: Marcelo Fernandes: Incendiou o time no intervalo. Após um primeiro tempo horroroso, o alvinegro voltou disposto com linhas mais próximas e chegou a igualdade e merecia a vitória. Que veio, mas o VAR em lance duvidoso impediu o triunfo. - 7,0

Leia Mais »
 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by