FOTO CAPA

O SANTOS DE SAMPAOLI É O PRIMEIRO CLASSIFICADO NO PAULISTA

Publicado à 01h05 deste domingo, 3 de Março de 2019.
Segue o líder. O Santos é o primeiro classificado para a fase de mata-mata do Campeonato Paulista em 2019. E se alguém acha que foi fácil conseguir a vaga de forma antecipada e ser o primeiro clube a conquistar tal objetivo, está enganado. Em um jogo digno de teste para cardíaco, o alvinegro esteve duas vezes atrás do marcador e virou nos acréscimos, em cima do Oeste de Barueri, pelo placar de 3 a 2. Os gols do Peixe foram de Betinho (contra), Dérlis e Victor Ferraz.

Sampaoli mandou a campo o time do último treino recheado de modificações, conforme publicado pelo Blog do ADEMIR QUINTINO nas primeiras horas da manhã deste sábado (2). Os meias Alison, Pituca, Sánchez e o atacante Rodrygo ficaram entre os suplentes. O argentino deu chance para Yuri, Jean Lucas e Soteldo iniciarem a partida. Além disso, o jovem Felipe Jonatan estreou na lateral-esquerda após ser anunciado oficialmente como sexto reforço, na véspera.

A partida quase não foi realizada na noite deste sábado (3), em razão das fortes chuvas que encharcaram o gramado. A bola rolou com 1h25 de atraso, após o palco do espetáculo ter a água escoada.

E o Alvinegro foi surpreendido no começo do duelo. Aos 14 minutos, depois de uma cobrança de lateral, três jogadores santistas não evitaram o chute de Bruno Lopes. O atacante disse em entrevista que sabia que o goleiro santista Vanderlei joga adiantado. Daí em diante, o adversário se fechou ainda mais e tentava explorar o contra-ataque. O Santos não tinha a intensidade que Sampoli tanto prega, mas ainda assim, chegou ao empate, após acelerar o jogo e em uma cobrança de falta, Betinho fez um auto-gol de cabeça.

Mas não deu nem tempo para comemorar e a lei do ex-jogador veio. Matheus Jesus que passou pelo Peixe em 2017, recebeu cruzamento dentro da área, se antecipou a Victor Ferraz e colocou o rubro-negro na frente novamente. O time da Vila foi para o intervalo com a desvantagem (1-2).

Na segunda etapa, Sampaoli sacou o volante Yuri e o venezuelano Soteldo para promover as entradas de Rodrygo e Sánchez. O uruguaio entrou bem no jogo e deu mais velocidade no time. Na frente com Rodrygo aberto de um lado e Dérlis de outro, o time ficou mais agudo e o gol de empate era questão de tempo e ele veio com o paraguaio, após belíssima troca de passes, com seis jogadores 'pisando na área' e o camisa 17 fuzilando para o fundo das redes.

O jogo ficou aberto e os visitantes tiveram duas chances para matar o jogo e não fizeram. Nada é por acaso. A vitória veio para quem buscou, lutou, brigou por ela, já nos acréscimos, no último lance. O ótimo goleiro do Oeste Matheus Cavichioli foi fazer uma defesa em dois tempos e a bola escapou do seu corpo. Rodrygo foi mais rápido que o arqueiro e achou Victor Ferraz na entrada da área. Mesmo com diversos defensores do Oeste a sua frente, o lateral santista marcou o gol que selou mais uma vitória santista. Um prêmio a ousadia do time de Sampaoli. 

O esquema empregado pelo dono do 'amor por el balón' oferece muitos riscos, sim, com a defesa bastante exposta, mas que dá gosto de ver jogar porque busca incessantemente o resultado até o apito final. Se vai ser premiado com um título? Só o tempo vai dizer. Mas seria interessante em razão da proposta de jogo.

Na quinta-feira (7), no mesmo Pacaembu, o Santos volta a campo pela Copa do Brasil diante do Ampérica-RN. Pelo Paulista, o time cumpre tabela no domingo (10), em Itaquera e enfrenta o SCCP. 

FICHA TÉCNICA
SANTOS 3x2 OESTE
Estádio do Pacaembu - São Paulo (SP)
Árbitro: Thiago Duarte Peixoto (SP)
Público e Renda: 9.486 pagantes / 249.544,00
Cartões amarelos:   Felipe Aguilar, Rodrygo (SFC), Bruno Lopes, Matheus Jesus, Alyson (OES)
GOLS: Bruno Lopes, 14/1ºT (0-1), Betinho (contra), 41/1ºT (1-1), Matheus Jesus, 43/1ºT (1-2), Derlis González, 16/2ºT (2-2) e Victor Ferraz, 50/2T (3-2)
SANTOS: Vanderlei; Victor Ferraz, Felipe Aguilar e Gustavo Henrique; Felipe Jonathan, Yuri (Rodrygo,1/2ºT), Jean Lucas, Jean Mota e Cueva (Felippe Cardoso, 25/2ºT); Soteldo (Sánchez,1/2ºT) e Derlís. Técnico: Jorge Sampaoli
OESTE: Matheus Cavichioli; Tony, Kanu, Maracás e Alyson; Betinho, Matheus Jesus (Lídio, 30/2ºT), Roberto, Elvis e Mazinho (Jheimy, 25/2ºT); Bruno Lopes (Bruno Xavier, 29/2ºT). Técnico: Renan Freitas.

Peixe classificado a fase final do Estadual com três rodadas de antecipação.

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS
Vanderlei: Errou algumas saídas com os pés e não estava tão bem colocado no chute de rara felicidade de Bruno Lopes. Porém, na segunda etapa foi fundamental com duas belas defesas. - 6,5
Victor Ferraz: Não conseguiu impedir a cabeçada de Matheus Jesus no segundo gol do Oeste. Cresceu muito no segundo tempo após a entrada de Sánchez. Apareceu no apoio para a assistência no lance do empate no chute de Dérlis e marcou o último dos cinco gols do jogo. - 7,5
Felipe Aguilar: Assim que passou a ter ritmo de jogo é o jogador santista mais rápido da defesa. Fez a sua melhor partida pelo time. Digna de aplausos. - 7,0
Gustavo Henrique: Não apareceu tanto como elemento surpresa como aconteceu nos últimos jogos. No segundo tempo, quase perdeu uma bola que proporcionaria um contra-ataque perigoso, pois a linha da defesa santista é muito alta, mas vive bom momento e amadurece nas mãos de Sampaoli. Estava no lance do primeiro gol, após cobrança de falta. - 6,5
Felipe Jonathan: Apesar de ser apenas o primeiro jogo me deixou com a sensação de que a impressão que eu tenho dele é mesmo a verdadeira. Nasceu para ser ala. Típico jogador que me dá a sensação de que jamais migrará para o meio, assim como Roberto Carlos, campeão do Mundo em 2002. Muita força física. Um cavalo puro-sangue. Mesmo se Jorge chegar, vai ser difícil tirar a titularidade do jovem que se não sentir o peso da camisa santista, vai resolver o problema da ala-canhota. No segundo tempo foi pouco acionado. - 6,5
Yuri: Discreto. Limitou-se a marcação e aos passes laterais na primeira linha. Foi substituído. - 5,0
(Rodrygo): Ainda não foi o Rodrygo que chamou a atenção dos espanhóis do Real, mas deu outra dinâmica no time. Em sua primeira jogada na partida, arrastou a defesa e foi parado com falta. No último lance do jogo, foi determinante para a assistência a Victor Ferraz que decretou a vitória. - 6,5
Jean Lucas: O jovem oscilou bastante na partida. Não conseguiu dar a proteção defensiva que o time precisava, principalmente no segundo tempo. Muito técnico, enorme potencial, mas não reeditou a ótima estréia. - 5,5
Jean Mota: Incansável. Não chegou tanto na área pra finalizar e usar seu ótimo momento e aproveitamento na temporada, porém, fundamental na virada. Participou do primeiro gol na batida da falta e na jogada do segundo gol. - 7,0 
Cueva: Tem muito mais futebol do que tem apresentado. No primeiro tempo teve alguns lampejos. No segundo tempo estava apagado e foi bem substituído. - 5,0
(Felippe Cardoso): Se movimentou, mas não recebeu nenhuma bola em condições de concluir e mudar o panorama da partida. - 5,5
Soteldo: Sampaoli insiste em fazer com que o venezuelano jogue atrás do ataque pelo meio. Quando caiu pelo lado esquerdo teve alguns lampejos, mas tem condições de evoluir e dar mais ao time. Também foi substituído no intervalo. - 5,5
(Sánchez): Não era nem sombra do grande jogador com participação em Copa do Mundo nos últimos jogos. Porém, entrou e deu a intensidade que Sampaoli tanto deseja. O time foi outro com o veterano em campo. Apesar de não ter feito gol, um dos melhores durante a segunda etapa. - 7,5 
Derlís: Tem sido o maior sacrificado do esquema. É um desperdício fazer com que ele jogue de costa espetado e centralizado. Quando caiu pelo lado direito do ataque passou a brilhar. Além de ser raçudo. Marcou o segundo gol, o do empate em um chute lindo de primeira. - 7,5
Técnico: Jorge Sampaoli: A filosofia do seu trabalho precisa de tempo, mas o argentino que é diferente em sua proposta, consegue alguns resultados em curto período, apesar da eliminação precoce na Sul-Americana. O Santos chegar com seis jogadores na área, em um dos gols, com a bola indo de pé em pé, por diversos atletas é sinônimo do seu trabalho no dia a dia. Torço muito para que termine de forma vitoriosa a sua passagem pelo Brasil com pelo menos algum título, porque é bonito de se ver. Porém, para não dizer que não falei das flores, a defesa ainda está muito exposta. Mesmo assim, admiro a sua coragem e maneira de armar o time para frente. Os adversários já perceberam que se atravessarem a bola longa em diagonal a frente dos defensores do Santos, podem surpreender. Precisa corrigir. Maior responsável em tornar o Santos competitivo em tão pouco tempo. - 7,0 

strutura.com.br

 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by