FOTO CAPA

"ESTOU MUITO OTIMISTA"

Publicado às 20h00 deste domingo, 3 de setembro de 2017.
O Santos é um clube diferente. Principalmente por formar muitos jogadores na base. A identificação dos atletas com a camisa alvinegra parece ser mesmo especial. Mas recentemente tem acontecido um situação diferente no clube da Vila. O argentino Emiliano Vecchio, de 28 anos, tem constantemente exaltado seu amor de jogar no alvinegro praiano. O jogador, que no ano passado teve problemas, este ano caiu nas graças da torcida que interage nas redes sociais com o camisa 20, ansiosa pelo seu retorno.
"Já estou pronto. Estou no lugar que sempre sonhei. Vamos Santos", disse Vecchio em seu twitter pessoal.
O ano passado, eme entrevista exclusiva ao Blog do ADEMIR QUINTINO, o jogador que torce para o Rosário Central, na Argentina, contou que quando estava no futebol catariano, no primeiro semestre de 2016, brigou com a esposa, que não desejava deixar o mundo árabe, abriu mão de um salário quase três vezes maior, para realizar o seu grande sonho - jogar no clube que segundo Vecchio afirma é o "clube brasileiro mais conhecido e reverenciado na Argentina, o Santos".

Neste domingo (3), comentei o post dele na rede social, que sinto que são verdadeiras as suas manifestações e exaltação ao clube e a torcida. O jogador me respondeu:
"Ademir, eu sinto que gostaria de ficar para sempre aqui. Eu já falei isso um dia para você. " afirmou. E o jogar fala a verdade, pois eu me recordo, que ele já disse mesmo.
E as coisas começaram a acontecer para o "Gordo" (apelido do jogador para os mais íntimos), entretanto, aconteceu uma lesão muscular no jogo de volta das quartas de finais da Copa do Brasil, no fim de Julho, diante do Flamengo. O meia que tinha ajustado o setor com apresentações convincentes, teve uma ruptura no músculo adutor da coxa direita. 

Na luta para voltar logo ao time, o jogador passou por um processo médico com células da medula óssea para agilizar sua melhora e o jogador vive a expectativa se volta, ou não, diante do SCCP, no próximo domingo (10), no clássico à ser realizado, no estádio da Vila Belmiro. Mais que isso, o jogo antecede a viagem para o Equador, na partida mais importante até aqui na temporada. Na quarta-feira (13), em Guayaquil, o alvinegro enfrenta o Barcelona em partida de ida das quartas de final da Libertadores da América.


Após trocarmos mensagens pelo twitter, eu e Vecchio, conversamos rapidamente pelo telefone. O jogador me disse que nesta semana continuará a treinar em dois períodos - O primeiro, à partir das 9h, e à tarde, à partir das 15h.
"O trabalho do Rosan, com todos da fisioterapia do Santos é excelente e diferenciado. Do momento que eu me machuquei, eu fiquei triste e foi muito difícil para mim, mas trabalhei forte e vou voltar mais rápido do que o previsto. O resultado está acontecendo. Faz três dias que comecei a trabalhar com bola, me sinto ótimo, e pela manhã (da segunda-feira) vou fazer bola e a tarde, físico com o time". afirmou Vecchio ao Blog.

Perguntado se tem condições de afirmar se jogará o clássico, Vecchio afirma que tem chances, mas a decisão será do técnico Levir Culpi:
"Estou bem otimista que eu possa estar bem para o jogo do fim de semana e eu trabalharei para dar uma opção para Levir. Quero demostrar que estou bem e com vontade e a decisão será dele que é o chefe." afirma o argentino.
A entrevista foi finalizada com o "Gordo" falando do sonho de vencer a Libertadores com a camisa do Santos. 
"A Libertadores, a nível de América do Sul é o máximo que um time possa conseguir. É um torneio diferente de todos.  É meu sonho, desde que cheguei ao Santos. Sinto que meus companheiros tem o mesmo pensamento. Nós, jogadores, queremos colocar o Santos no lugar de onde ele sempre tem de estar, sendo o melhor do continente e vamos lutar para conseguir isso. Esperamos passar pelo Barcelona, serão jogos difíceis, mas com humildade e trabalho, tenho muita confiança que possamos conquistar esse título" garantiu. 
Em um futebol cada vez mais capitalista, um argentino identificado com um clube brasileiro,  chega a ser uma utopia. A regra nos dias atuais é a do interesse financeiro, do melhor contrato. E não condeno quem pensa assim, não. Futebol virou um negócio e, infelizmente, não tem mais espaço para “identificado com o clube tal". Que o Gringo volte logo, retome seu ritmo de jogo, pois com ele o Santos fica mais forte e que o sonho do quarto título continental se mantenha.



 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by