FOTO CAPA

DEPOIS DE RENATO, PEIXE QUER NOVO GERENTE E O PERFIL MUDOU

Publicado às 10h50 desta quinta-feira, 20 de setembro de 2018.
Após o anúncio do meia Renato, como novo Executivo de futebol, o Santos estuda a possibilidade da contratação de um gerente para ocupar a vaga de William Machado,  demissionário, no início de julho. Abertamente, os dirigentes não falam em nomes, porém, pelo fato de ter colaborado na vinda do técnico Cuca para o Peixe, o ex -camisa 10 do clube nos anos 90 - Ranieli é um dos nomes especulados para a função. Outro nome que também já foi citado em reunião interna é o do ex-centroavante Rodrigão.

Ranieli foi decisivo para o retorno do atual comandante técnico santista a Vila, há menos de dois meses.  Foi do ex-jogador trocado junto com Serginho Fraldinha por César Sampaio ao Palmeiras, no começo da década de 90, os primeiros contatos com a gestão santista, após a derrota diante do América-MG e paralelamente com o treinador Cuca. Os dois foram companheiros de alvinegro em 1993. O Santista Roxo também publicou em seu portal que o nome do ex-atleta está sendo avaliado pela direção. 

'Rani' como é carinhosamente chamado pelos amigos, chegou a ser empresário de futebol por alguns anos, porém, não atua mais na função há duas temporadas. Até abril de 2018, trabalhou na gestão de um clube do Sul do país, o Santa Rosa.
"Fico feliz e honrado pela possibilidade de assumir essa função no Santos, clube pelo qual tenho uma enorme identificação. Há alguns anos deixei de ser empresário e mudei de função para área de gestão. Exerci a função em um clube aqui no Rio Grande do Sul, do ano passado até boa parte do primeiro semestre deste ano, agora estou livre no mercado." disse Ranieli ao Blog do ADEMIR QUINTINO.
Ao contrário do início da gestão que administra o Santos, quando os profissionais convidados para trabalhar no futebol não tinham nenhuma ligação com o clube no passado, casos de Gustavo Vieira, William Machado e Ricardo Gomes, o atual presidente José Carlos Peres dá sinais de que agora deseja profissionais que tenham qualificação, mas sejam identificados e conheçam a instituição. No começo do ano alguns ex-jogadores trabalhavam na base santista, mas a grande maioria como Nenê Belarmino, João Paulo, Juary e Abel Verônico foram demitidos. Apenas Serginho Chulapa e Lima, com passado vitorioso pelo Santos, permaneceram entre ex-atletas.

O Blog do ADEMIR QUINTINO apurou que o presidente Peres, deseja fazer algo parecido com que o rival São Paulo realizou, quando colocou três ex-jogadores que cuidam do departamento de futebol - Raí, Ricardo Rocha e Lugano que são executivo de futebol, coordenador de futebol e superintendente de relações institucionais, respectivamente, e os números demonstram que deu certo, tanto que o tricolor que vinha de anos mal sucedidos nas competições que disputava e hoje é um dos candidatos ao título brasileiro desse ano.

William Machado, que ocupou a vaga de gerente de futebol tinha como função entender as necessidades do clube, traçar perfil e sugerir dois ou três nomes de reforços de acordo com faixas salariais para o clube saber até onde pode ir. À partir do mês que vem, o Santos começa a planejar a temporada 2019. Com Renato ainda desempenhando a sua função como atleta até o fim deste ano, uma pessoa fora dos gramados para cuidar de contratações, dispensas, troca de jogadores, assédio de clubes e artimanhas de empresários é mais do que necessário.

Perguntado se foi procurado por alguém do clube, Ranieli afirma que conversou apenas com Renato, com quem tem bom relacionamento, mas garante que não recebeu nenhuma proposta oficial, pelo menos por enquanto: 
"Tive um contato com o Renato e me coloquei  disposição dele para trabalhar em conjunto. Até porque seria interessante pelo fato do Renato continuar exercendo a função de atleta até dezembro.
strutura.com.br
Leia Mais »

RENATO SERÁ O EXECUTIVO DO FUTEBOL

Publicado às 18h15 desta terça-feira, 18 de setembro de 2018.
O meia Renato será o novo Executivo do futebol do Santos em substituição a Ricardo Gomes. O anuncio aconteceu no fim da tarde desta terça-feira (18), em entrevista coletiva. O camisa 8 tem contrato até o fim do ano como jogador profissional, porém, já participará do planejamento para 2019, à partir de Outubro.
"Agradeço pela oportunidade. Logo a saída do Ricardo (Gomes), o Cuca veio perguntar a mim sobre a possibilidade. Conversei com a família. Minha intenção era encerrar a carreira no clube do coração. Pensei bastante nos últimos dias e conversei com pessoas. Eu estava vendo aqui como as coisas poderiam estar andando. Falei com o Dimas, que é o nosso gerente e estava junto com o Ricardo. Estou à disposição do Cuca no campo."
Sobre a inexperiência na função, Renato que tem 39 anos de idade, não vê como empecilho. O jogador campeão brasileiro pelo Peixe em 2002, acredita que necessita realizar cursos de capacitação, mas afirma que amadureceu bastante a ideia antes de tomar a decisão. 
"Eu conversei recentemente com o Edu Gaspar, que já esteve neste cargo. Ele pegou experiência, participou de negociações. Eu vou adquirir esta experiência com o tempo "
O técnico Cuca já havia sinalizado que o substituto de Gomes que foi para o Bordeaux da França estava em "casa". 


NOVA ARQUIBANCADA PARA O FIM DO MÊS

Dia 30 de setembro, diante do Atlético-PR, pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro está prevista a inauguração do espaço onde ficavam localizado alguns camarotes térreos, atrás do gol de fundo, oposto ao placar eletrônico do estádio. Este espaço passa por reformas há algum tempo e comportará um novo lance de arquibancada.


strutura.com.br
Leia Mais »

POUCAS EMOÇÕES NO CLÁSSICO DA VILA

Publicado às 20h deste domingo, 16 de setembro de 2018.
Em sua recuperação no Campeonato Brasileiro, o Santos apenas empatou em 0 a 0, diante do novamente líder São Paulo, na tarde deste domingo (16), na Vila Belmiro. Agora, o time de Cuca coleciona nove jogos de invencibilidade e oito sem tomar gol. Foi o primeiro clássico-regional que o Santos realizou em 2018, no estádio Urbano Caldeira. No estadual, diante de SCCP e Palmeiras, a direção optou pelo Pacaembu.

O técnica Cuca não promoveu nenhuma mudança significativa no time titular. Sánchez retornou e começou a partida no meio-campo. Os primeiros 15 minutos foram os donos da casa, em cima do adversário que não deu um chute na meta de Vanderlei durante todo o primeiro tempo. Do segundo terço da primeira etapa em diante, o novo líder do campeonato (pelo menos até esta segunda-feira quando jogam Chapecoense x Internacional) conseguiu controlar o Santos que dominava, mas não finalizava.

A segunda etapa foi bem parecida com o final da primeira. O São Paulo só tentava explorar o contra-ataque, mas não tinha exito, principalmente após perder Evérton e substituir Rojas e o Peixe com dificuldade de penetrar na defesa adversária. Porém, o time da Vila teve a oportunidade para liquidar a fatura. Rodrygo roubou bem a bola de Arboleda, porém, na saída de Sidão, na marca do pênalti, o atacante chutou a esquerda do camisa 12 do tricolor paulista e a bola tirou tinta da trave.

A partida também marcou a estréia do atacante Felipe Cardoso recém contratado da Ponte Preta. Ele entrou na segunda metade do tempo final, mas não conseguiu receber uma bola em condição de finalizar.

Que a mudança é da água para o vinho desde a chegada de Cuca no Santos é fato. Com treinador, é um alvinegro diferente e que foi superior no clássico de poucas emoções. Com o antecessor não dava, não tinha trabalho. 

Também, não é menos verdade que quando o Santos enfrentou os adversários do G-6, não conseguiu vencer. Foi assim diante do Galo, em Minas Gerais, os reservas do Grêmio, no Pacaembu há dez dias e agora, diante do São Paulo, no alçapão da Vila.

No próximo fim de semana, o Santos volta a Belo Horizonte para enfrentar os reservas do Cruzeiro (os titulares devem ser poupados para o jogo de volta das semifinais da Copa do Brasil). Lucas Veríssimo pode ser a principal novidade no time. Ele não atua há quatro jogos. Em compensação, Derlis Gonzáles e Gustavo Henrique que receberam o terceiro amarelo serão desfalques.

Cuca comanda o invicto Santos há nove jogos.

FICHA TÉCNICA
SANTOS 0 x 0 SÃO PAULO
Estádio da Vila Belmiro em Santos (SP)
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (MG)
Cartões amarelos: Robson Alves, Derlis González, Diego Pituca, Alison, Bruno Henrique, Gustavo Henrique e Victor Ferraz (SFC), Arboleda, Hudson, Anderson Martins, Bruno Alves e Rojas (SPFC)
Público e renda: 13.488 / R$ 276.596, 00
SANTOS: Vanderlei; Victor Ferraz, Robson Bambu, Gustavo Henrique e Dodô; Alison, Pituca e Sánchez (Bruno Henrique, aos 33'/2T); Rodrygo (Arthur, aos 43'/2T), Derlis González (Felippe Cardoso, aos 24'/2T) e Gabriel Barbosa. Técnico: Cuca
SÃO PAULO: Sidão; Anderson Martins, Arboleda e Bruno Alves; Reinaldo, Hudson, Jucilei, Nenê e Everton (Liziero, no intervalo); Rojas (Everton Felipe, aos 39'/2T) e Diego Souza (Tréllez, aos 31'/2T) . Técnico: Diego Aguirre.

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS:
Vanderlei:  Nenhuma grande defesa. O adversário também não exigiu. - 6,0
Victor Ferraz: Tentou ajudar no apoio. Sentiu a falta de Rodrygo por aquele setor, onde os dois já conseguiram um entrosamento razoável. - 6,0
Robson Bambu: Rebatedor. Demonstra estar confiante e vem dando conta do recado. - 6,5
Gustavo Henrique: Realizava um grande clássico até o último minuto. Entretanto, cometeu uma falta na entrada da área que poderia comprometer a sua atuação. Soberano no jogo aéreo e antecipações. - 6,0
Dodô: Seu apoio não trouxe nem um lance perigoso. Tomou duas bolas nas costas que poderiam proporcionar perigo a defesa. - 5,5
Alison: Um Leão na marcação. Voltou a jogar bem. - 6,5
Pituca: Como o São Paulo não atacou necessitava mais do segundo volante no auxilio da armação e isso o jovem não fez. No segundo tempo, apareceu um pouco mais. - 6,0
Sánchez: Bem marcado, não apareceu tanto como nas outras vezes. - 6,0
(Bruno Henrique): Jogou 15 minutos apenas- SEM NOTA
Rodrygo: O melhor do time. Rabiscou a defesa adversária nos primeiros minutos e amarelou Bruno Alves, logo de cara. Roubou a bola de Arboleda, mas pecou na finalização. Poderia ter driblado Sidão que foi até a marca do pênalti. - 6,5
(Arthur): Entrou há cinco minutos do fim.- SEM NOTA
Derlis González: Voluntarioso. Não conseguiu reeditar suas boas atuações. Foi substituído. - 5,0 
(Felippe Cardoso): Jogou pouco mais de 20 minutos. Para quem é especialista dentro da área, saiu muito dela, na tentativa de tabelar. Valeu pela estréia. - 5,5
Gabriel Barbosa: Procurou jogo, mas a bola não chegou no artilheiro do Brasileiro. - 6,0
Técnico: Cuca: O time é outro em suas mãos. Conseguiu blindar o grupo dos problemas políticos. Propôs o jogo e apesar da igualdade viu seu time ser melhor no clássico. Tentou substituições ousadas, mas pararam na retranca adversária. - 6,5

strutura.com.br
Leia Mais »

EVENTO MARCOU COMEMORAÇÃO DE 50 ANOS DA CHÁCARA NICOLAU MORAN

Publicado ás 10h40 deste domingo, 16 de setembro de 2018.
Neste sábado (15) aconteceu um churrasco com a presença de sócios, conselheiros e torcedores do Santos na Chácara Nicolau Moran, espaço que serviu de concentração para os jogadores do clube, principalmente, nas décadas de 60 e 70. O evento serviu para comemorar 50 anos de existência de inauguração do local. 

Cerca de 150 pessoas estiveram na Chácara, localizada em São Bernardo do Campo. Entre as presenças ilustres estiveram a viúva de Nicolau Moran - Albertina Moran e os eternos craques do passado Pepe, Coutinho e Mengálvio bi-campeões do Mundo pelo alvinegro em 62 e 63 e Negreiros, meia campeão da Taça Brasil pelo Peixe, em 1968.
"Eu só tenho excelente recordações da Chácara. Foi muito bom relembrar reminiscências tanto como jogador, como também como técnico, já que em 73 quando vencemos o estadual, naquela disputa contra a Portuguesa, em que o título foi dividido, eu era o treinador do Santos e  nos concentrávamos aqui na Chácara também. Esse local é um memorial de um passado vitorioso na história do clube e eu tive a felicidade de poder estar ao lado e conviver situações com grandes jogadores que marcaram época." disse com a voz embargada, o eterno canhão da Vila - Pepe.
O Santos disponibilizou trasporte aos seus associados gratuitamente com saídas da Vila Belmiro e do Santos Business Center, em São Paulo.
"Pretendemos que este evento que marca os 50 anos da fundação da Chácara Nicolau Moran, possa iniciar finalmente o nosso tão almejado projeto de revitalização deste espaço para a Nação Santista." disse o vice-presidente Orlando Rollo presente ao acontecimento.
Dona Albertina Moran, viúva de Nicolau Moran que leva o nome da Chácara recebeu flores do vice-presidente e craques do passado.
Não mais utilizada desde a década de 90 como concentração dos jogadores, o local vive dias de completo abandono. Infelizmente, por razões econômicas e de logística, ela caiu em desuso e chegou a ser cedida em regime de comodato ao São Bernardo, clube da série A-I do futebol paulista, até o final de 2014. O Local reúne um pedaço da história do clube em uma época de ouro.

Localizada ao lado da Represa Billings, no quilômetro 34 da pista norte da Via Anchieta, a Chácara tem área aproximada de 60 mil m2.  Como se trata de uma zona de proteção de mananciais e se faz necessária também a criação de uma usina de tratamento de esgoto, a possibilidade de transformá-la numa moderna concentração para o Santos utilizar quando atuar em São Paulo é totalmente inviável.

Há algum tempo, comenta-se a possibilidade de transformar o local em uma área social para os associados do clube com quiosque e a instalação de telões nos dias de jogos, mas com exceção da época de eleições no Santos, pouco se comenta sobre o assunto.

strutura.com.br

Leia Mais »

"O RESULTADO DO CLÁSSICO NÃO TEM O FATOR POLÍTICO NO MEIO"

Publicado às 19h30 deste sexta-feira, 14 de setembro de 2018.
O Peixe segue firme na sua recuperação no Campeonato Brasileiro. E tem seu jogo mais importante na competição até este momento, neste domingo (16), diante do São Paulo, às 16h, na Vila Belmiro. Apesar da "guerra civil" que foi instaurada em Urbano Caldeira, em meio aos problemas políticos que envolve o processo de impeachment do presidente José Carlos Peres, o técnico Cuca garantiu em entrevista coletiva que o futebol do time não será atrapalhado pelos problemas que o clube está envolvido fora das quatro linhas. O tricolor é o vice-líder do Campeonato e o Santos, o oitavo lugar (segunda melhor campanha no returno).
"Eu não vejo situação crítica, estamos muito tranquilos na nossa parte aqui. O presidente falou pra eu cuidar do campo e estou. Tá ótimo pra mim. Torcemos pra que o melhor aconteça, pra que possamos nos unir. Perdemos o Ricardo (Gomes) que faz falta, mas agora não tem a janela,então fica mais tranquilo. Estamos alheios a tudo isso, não está respingando nada. Qualquer que venha a ser o resultado do clássico não tem o fator político no meio."
O treinador santista ainda não definiu o time que vai a campo no fim de semana. O treinador não confirmou a presença de Sánchez recuperado de lesão muscular na coxa esquerda e ausente dos dois últimos jogos do time e da seleção uruguaia diante do México.
"O (Carlos) Sánchez tem treinado, ora como titular ora com outras opções. Vamos esperar até amanhã (sábado). Não tenho motivo para definir hoje se temos 40 e poucas horas para o jogo."
Neste sábado (15), acontece a última atividade antes do inicio do regime de concentração.

O provável Santos deve enfrentar o São Paulo com Vanderlei; Victor Ferraz, Gustavo Henrique, Róbson Bambu e Dodô; Alison, Pituca e Sánchez; Rodrygo, Derlis Gonzáles Gabriel Barbosa.

strutura.com.br
Leia Mais »

FOGO CRUZADO

Publicado às 09h20 desta sexta-feira, 14 de setembro de 2018.
O Santos vive um verdadeiro clima de guerra civil. A arte de manter as aparências ficou de lado e o presidente José Carlos Peres e seu vice Orlando Rollo, se digladiam verbalmente. Estas posturas puderam ser evidenciadas nesta quinta-feira (13), onde ambos deram entrevistas coletivas, em locais diferentes e com suas respectivas versões, justificaram seus pensamentos para manter as relações cortadas. O presidente chegou a falar em "fogo amigo". Para variar, quem mais sofre com tudo isso é a instituição.

Na noite da última segunda-feira (10), o conselheiro deliberativo aprovou dois pedidos de impedimento contra José Carlos Peres. O primeiro feito pelo conselheiro Alexandre Santos e Silva, tem como justificativa, uma portaria emitida pelo mandatário, onde o mesmo exige que as contratações realizadas pelo clube ignorando o Comitê de Gestão, principal órgão administrativo da instituição e a segunda do ex-presidente do Conselho - Esmeraldo Tarquínio, em que a solicitação foi realizada baseada no fato do presidente ter sido sócio de uma empresa de agenciamento de jogadores, o que é proibido no estatuto, aprovado em 2011. Dia 29 deste mês, acontece a assembléia geral dos sócios que decidirá se Peres permanecerá no exercício do mandato.
"Tudo que pediram e prometemos, nós cumprimos. Só não esperava ter fogo amigo que me espetou desde o primeiro dia. É um boicote diário. É ano para arrumar. Situação é caótica e pergunto como a ex-gestão quis se reeleger?.... O clube está funcionando 100%, quem administra sou eu, Comitê de Gestão" – disse Peres.
Já Rollo garantiu que "não é candidato a nada" e "não tem apego pelo poder". O vice-presidente garantiu até renunciar para a pacificação política no clube. Na última terça-feira (11), o presidente Peres baixou uma portaria onde deu ordens aos funcionários de não atender qualquer solicitação do seu vice. 
"Virei vilão da vida do presidente, culpado por todas as mazelas, e ele orientado pela equipe de marketing que ele contratou colocou e está embutindo na cabeça de todos que dia 29, será uma assembleia geral que decide entre os presidentes Orlando Rollo e José Carlos Peres. Não sou candidato e não estou sendo julgado. Julgado é ele por infringir o estatuto... Se Peres sofrer o impeachment, vamos avaliar em conjunto de maneira democrática o melhor para pacificar o Santos. Se for o melhor, eu renuncio. Se for o melhor, assim o farei. O Santos está acima de tudo e todos."
Pobre Santos. Que o associado faça a melhor escolha para a centenária instituição e classifico esse episódio, como um dos mais tristes da história do clube. 

Aproveito o ensejo, em razão de ter sido questionado por alguns, (outros são fakes, tem até empresa contratada para induzir o voto do associado e depreciar pessoas em rede social), para esclarecer qual será o meu posicionamento sobre o caso. Como profissional da comunicação, apesar de ter minha convicção, como associado do clube que eu sou, desde 2007, manterei a isenção, que a minha responsabilidade no exercício da minha função como formador de opinião exige.

Um jornalista pode, deve ter convicções e externá-las se fizer, como muitas vezes faço, principalmente na TV, com um jornalismo de opinião. Mas não ser um simples “militante político" e isso, eu não me permito ser, apesar dos ataques que eu já sofri nos últimos dias, por gente da pior espécie (e sofrerei outros, tenho convicção disso), com direito a meu telefone vazado em grupos de whatsapp e ameaças virtuais a minha integridade e a dos meus familiares.

Minha vontade, minha alegria é falar, escrever sobre futebol, mas não posso me abster, num momento tão importante, de não dar informações aos associados com o objetivo dele ter elementos para realizar a melhor escolha.

Termino com o seguinte pensamento. Cada dia, uma pessoa que dedica a sua vida e seu tempo por amor ao Santos é difamada por interesses políticos. Triste momento, que tanta gente de baixo nível faz parte da política do clube.


strutura.com.br
Leia Mais »

O PRIMEIRO CLÁSSICO DA ERA CUCA

Publicado às 07h40 desta quinta-feira, 13 de setembro de 2018.
O Santos tem jogo importantíssimo neste domingo (16), válido pela 25a. rodada do Campeonato Brasileiro. Desde que Cuca chegou a Vila Belmiro para a sua segunda passagem como técnico, será o seu primeiro clássico regional a frente do time. O Peixe enfrenta um dos líderes da competição - o São Paulo. O alvinegro é o oitavo e luta para chegar no G-6 e lutar por uma vaga na Libertadores da América em 2019.

O time da Vila famosa vem em recuperação na competição. São sete jogos sem sofrer gols, oito partidas invictas e a segunda melhor campanha do segundo turno do Campeonato Brasileiro – com 11 pontos em cinco partidas. Somente o Palmeiras fez dois pontos a mais no returno.

Alheio aos problemas políticos, sob o comando de Cuca, em 12 partidas, o Peixe venceu cinco vezes, empatou outras cinco e perdeu apenas duas vezes para os mineiros Atlético e Cruzeiro, o primeiro no Brasileiro no estádio Independência e o segundo na Vila, na sua reestreia a frente do time, pela Copa do Brasil. Como mandante, o atual comandante técnico está invicto em Urbano Caldeira em jogos do Brasileirão.

A recuperação da auto-estima, os resultados significativos conquistados em sequência, o melhor momento do time na temporada, a boa fase de Gabriel Barbosa, artilheiro do Brasileirão, passam pelo bom trabalho de Cuca, em pouco mais de um mês. 

Pela primeira vez na temporada, o técnico está tendo uma semana cheia para poder trabalhar. Como o alvinegro estava envolvido nas três competições do segundo semestre - Campeonato Brasileiro, Copa do Brasil e Libertadores, o profissional não teve tempo de treinar o time e ensaiar jogadas, colocar um pouco mais do que pretende no seu sistema de jogo. 

Cuca terá a sua disposição no clássico, o retorno do volante Carlos Sánchez, liberado pelo Departamento Médico e que treinou normalmente na reapresentação desta quarta-feira (12). Ele se lesionou enquanto esteva servindo a seleção uruguaia, na última semana. Durante um treino antes da goleada que a 'celeste' enfiou de 4 a 1 na seleção do México, na última sexta-feira (7). O jogador nem atuou no duelo. Ele esteve ausente no empate diante do Grêmio-RS, no meio de semana passado (6) e no domingo (9), na vitória de 2 a 0 sobre o Paraná.

Em compensação, Lucas Veríssimo, que não atua desde a partida de volta das oitavas de finais da Libertadores, quando deixou o gramado com um problema muscular na coxa esquerda, ainda não foi liberado e deve ser nova ausência.


strutura.com.br
Leia Mais »

NABIL KHAZNADAR: "O IMPEACHMENT É UM RETROCESSO"

Publicado Às 13h25 desta quarta-feira, 12 de setembro de 2018.

(*) Por Nabil Khaznadar


Na eleição de dezembro, a chapa composta pelos grupos O Santos Que Queremos e Santos 2.1 que eu fui candidato a presidente, foi adversária do atual presidente José Carlos Peres. Saímos derrotados no pleito e desde então acompanhamos a gestão sem ocupar nenhum cargo ou manter qualquer envolvimento direto com ela.

Esse posicionamento não nos impede de manifestar indignação e inconformismo com os últimos acontecimentos do cenário político  do Santos F.C.

A autorização do Conselho Deliberativo para o prosseguimento do impeachment do presidente Peres representa um atentado à soberana vontade dos sócios e um retrocesso que, se consumado, poderá mergulhar o clube num caos de consequências imprevisíveis. 

Fica evidente que tal iniciativa tem claras e deploráveis motivações políticas que só beneficiariam grupos que colocam seus interesses acima dos da instituição. Reiteramos nosso mais absoluto repúdio à tentativa de desestabilizar à gestão eleita em um dos momentos mais delicados da nossa história. Pelo respeito à democracia e em nome da preservação da imagem do clube exortamos todos os sócios aptos a votar, não somente aqueles que nos confiaram seus votos em dezembro, a colocar o amor pela entidade em primeiro lugar e votar contra essa tentativa de golpe que só produzirá um único derrotado: o Santos F.C. 

O momento é de trabalho e fiscalização. Todas as supostas irregularidades devem ser investigadas e apuradas. Nesse sentido vamos dar nosso apoio irrestrito às deliberações do Conselho Deliberativo e da Comissão de Inquérito e Sindicância. Mas que os interesses do clube, e não de grupos e indivíduos, estejam sempre em primeiro lugar. Nós do O Santos Que Queremos e Santos 2.1 lutamos por um Santos F.C mais moderno, ético e transparente. E para nós a democracia é um valor inquestionável e inegociável. Já paramos uma guerra. Agora vamos juntos vencer essa contra aqueles que querem um Santos pequeno, atrasado e nas mãos dos poucos de sempre. 

 Santos acima de tudo e todos! 

(*) Nabil Khaznadar é formado em economia, foi candidato nas duas últimas eleições do Santos FC e atua como empresário do ramo têxtil.


strutura.com.br
Leia Mais »
 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by