FOTO CAPA

SALVO PELO V.A.R, PEIXE SE REENCONTRA COM A VITÓRIA

Publicado ás 06h25 desta sexta-feira, 1 de novembro de 2019.
O Santos se reencontrou com a vitória, após bater o Bahia pelo placar mínimo de 1 a 0, na 'vazia' Vila Belmiro, na noite desta quinta-feira (31). Pouco de mais de cinco mil testemunhas acompanharam 'in loco', o gol de Sánchez em uma cobrança de pênalti de dentro do estádio. O resultado manteve o alvinegro na terceira colocação agora com 55 pontos, cinco atrás do Palmeiras (60), vice-líder e 13 do Flamengo (68), o primeiro colocado. Com o triunfo, o time abriu par seis pontos para o São Paulo, o quarto lugar na classificação a nove rodadas do fim do campeonato brasileiro.

O técnico Sampaoli, dessa vez fez o 'simples'. Dois zagueiros de ofício, mesmo com Pará mais preso pelo lado direito da defesa, o volante Alison na vaga de Pituca, contundido com um entorse no tornozelo, o meio-campista Sánchez de volta ao time (não devia ter ficado fora do clássico em Itaquera) e Marinho 'carne seca' na extrema direita, na vaga do jovem Taílson. 

O Glorioso praiano não fez um primor de partida, tomou alguns sustos na etapa complementar, porém, o mais importante, a vitória, aconteceu.

Na primeira etapa, a equipe tinha dificuldades de construção, ainda assim, finalizou 11 vezes, sendo quatro em direção ao gol, entretanto, barrava no péssimo retrospecto dos últimos jogos. Com exceção do duelo diante do Ceará, o Peixe passou em branco sem balançar as redes diante do Inter-RS, Atlético Mineiro e SCCP e foi para o intervalo da partida da mesma forma sem fazer um gol. O atacante Sasha até marcou, mas o gol foi anulado corretamente pelo V.A.R.

No segundo tempo, um Santos que confundia pressa com velocidade e errava muitos passes. mas bastou Marinho 'carne seca' receber do lado direito do ataque e enfileirar o defesa adversária, pois no 'um contra um' ele é muito forte, até sofrer a penalidade máxima. Sánchez bateu e fez o único gol do jogo.

Sampaoli realizou as três alterações. Retirou Marinho para a entrada de Taílson, sacou Sasha para colocar Jean Mota 'espetado' e Felipe Jonatan deu mais 'pulmão' ao time na vaga de Soteldo pelo lado esquerdo do ataque. 

O jogo parecia controlado. Até o jovem Taílson não acompanhar o ala canhoto Moisés até o fim e o lateral colocou a bola na área de cabeça e o ex-palmeirense Juninho empatou o jogo. Graças ao V.A.R, o pior não aconteceu.

Na entrevista coletiva, Sampaoli parece começar preparar a torcida para sua saída. O treinador argentino que tem contrato de dois anos, voltou a fazer 'juras de amor' ao clube e a cidade, porém, cobrou novos reforços da direção e falou sobre seu futuro no comando técnico:
"Os pedidos de jogadores à diretoria talvez tenham chegado a 100. O clube, por alguns inconvenientes, não pode contratar as prioridades. Aqui o importante é saber que, para brigar por campeonato, tem que fazer o fez o Flamengo. Tem que trazer as necessidades e manter os melhores jogadores. Senão é tudo mentira. Espero terminar o que comecei Santos. Tenho a ilusão, investi muito tempo, me sinto bem na cidade. Nós, como treinadores, nunca sabemos onde vamos estar. Por decisão da direção, que pode romper o contrato, ou do próprio treinador. Nunca se sabe, na realidade" disse Jorge Sampaoli.
Sobre se a multa foi retirada do seu contrato, o técnico desconversou e se apegou na clausula de confidencialidade, também conhecido como 'termo de sigilo':
"Sobre o contrato, é um tema confidencial entre o presidente, a direção e eu. Nós pactamos confidencialidade e vou respeitar. Tenho tentado me reunir com Autuori várias vezes, mas não temos claro o início de planejar o próximo ano. Não tenho claro.  Me apresentaram o projeto com dificuldades para o próximo ano, mas não há claro se o clube terá recursos para transformar essa campanha deste ano, que para mim é excelente, numa busca por campeonato. Há uma grande diferença entre eu me sentir um cidadão de Santos e entre resolver meu futuro." afirmou o comandante técnico.
No domingo (3), às 19h, o Peixe volta a campo diante do Botafogo-RJ, novamente na Vila. O meio-campo Pituca, ausente do duelo deste meio de semana, pode ser a principal novidade. O jogador corre contra o tempo para poder atuar na partida da 30a. rodada. O Blog do ADEMIR QUINTINO apurou que se o meio-campista não atuar neste fim de semana, ele retornará diante do Avaí, no fim de semana que vem. Ferraz com Virose e Dérlis que foi ao funeral de um tio, também devem ser opções de Sampaoli diante do alvinegro da estrela solitária.

FICHA TÉCNICA
SANTOS X BAHIA
Estádio da Vila Belmiro - Santos (SP)
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhaes (RJ)
Cartões amarelos: Pará; Marinho; Alison; Jean Mota (SFC) / Gregore; João Pedro; Ronaldo (BAH)
GOL: Sánchez 8' 2ºT (1-0)
SANTOS: Everson; Pará, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Jorge; Alison, Sánchez e Evandro; Marinho (Tailson 31' 2ºT), Sasha (Jean Mota 19' 2ºT) e Soteldo (Felipe Jonatan 43' 2ºT). Técnico: Jorge Sampaoli.
BAHIA: Douglas Friedrich; Nino, Juninho, Lucas Fonseca e Moisés; Gregore (Ronaldo- Intervalo), Flávio e João Pedro(Marco Antônio 10' 2ºT); Artur, Élber(Rogério 22' 2ºT) e Gilberto. Técnico: Roger Machado.

Marinho 'carne seca' sofreu pênalti que deu a vitória ao Peixe.
NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS
Everson: Errou algumas saídas com os pés, algo incomum. - 6,0
Pará: Avançou pouco novamente. Teve trabalho no fim do jogo, quando dobraram em cima dele. Taílson não acompanhava o ala Moisés. -5,5
Lucas Veríssimo: Bem como de costume, porém, para não dizer que não falei das flores, voltou a tomar cartão amarelo - 6,5
Gustavo Henrique: Perdeu um gol na primeira etapa, que mesmo sendo zagueiro, não pode desperdiçar. Não comprometeu. Foi líder e capitão ao encarar o zagueiro baiano que deixou o braço no rosto de Soteldo. -  6,5
Jorge: Pouco apoiou. Desculpe a insistência. Dono de grande técnica, porém , falta explosão. - 6,5
Alison: O 'motorzinho' da marcação no setor. - 6,0
Sánchez: Dá qualidade no passe, mesmo com um índice de acertos menor do que de costume. Acelera a bola no meio de campo e tem de ser assim para furar as retrancas. É 'Pelé' na cobrança de pênalti. Dificilmente o goleiro sai na foto. Sabe deslocar os arqueiros como poucos. - 7,0
Evandro: Errou alguns passes no segundo tempo. Sabe jogar, mas peca pela falta de intensidade e velocidade. - 6,0
Marinho: Um dos melhores do jogo. Vai pra cima, tem força e explosão. Enfileirou a defesa soteropolitana no pênalti que sofreu e deu a vitória ao time. - 7,0
(Taílson): Dessa vez não entrou tão bem. Não acompanhou Moisés, lateral canhoto, na marcação e foi por ali que o Bahia empatou o jogo. Se não fosse o VAR, o pior teria acontecido. - 5,0 
Sasha: Se movimentou bastante como de costume. Até marcou um gol, mas estava impedido. Portanto, bem anulado pelo V.A.R. - 6,0
(Jean Mota): Entrou no fim do jogo. Pouco participou. -  SEM NOTA
Soteldo: Quebrou algumas vezes as linhas, como de costume, mas peca nos cruzamentos. - 6,0 
(Felipe Jonatan): Deu mais 'gás' ao time pelo lado esquerdo, mas o jogo já se encaminhava para o final. - SEM NOTA
Técnico: Jorge Sampaoli: Escalou o time com o que tinha de melhor à disposição. Grande responsável pela ótima campanha do clube na competição. Será uma perda sentida, sua provável saída, apesar das teimosias e até alguns momentos de estrelismo, como a retirada de Sánchez do time no clássico diante do SCCP. - 6,5

strutura.com.br

 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by