FOTO CAPA

RODRYGO SALVA NOVAMENTE

Publicado às 22h55 deste domingo, 28 de janeiro de 2018.
O Santos como visitante está com aproveitamento de 100% com duas vitórias em dois jogos, em compensação como mandante deixa a desejar. Na noite deste domingo (28), no Pacaembu, não foi diferente. O Peixe ficou apenas no empate diante do Ituano em 1 a 1. E só não foi pior porque a "estrela" e a qualidade do menino de ouro - Rodrygo brilhou novamente. Foi dele o gol de empate já no final da partida. 

Conforme o Blog do ADEMIR QUINTINO informou na manhã deste domingo com exclusividade, a maior novidade no time titular santista foi a entrada do jovem Robson Bambu na vaga de David Braz poupado em razão de ter dois cartões amarelos e o próximo jogo é o Palmeiras, na Arena do adversário. Outra mudança pela mesma razão, estar pendurado foi o volante Alison.

O primeiro tempo do alvinegro foi um show de horrores. Foram os piores 45 minutos sob o comando de Jair Ventura. O time disperso, desconcentrado, com erros de passes curtos e o gol do Ituano era questão de tempo. Victor Ferraz perdeu a bola no ataque, depois de uma reposição de Vanderlei e na sequência da jogada, o volante do adversário chutou e o estreante Bambu tocou na bola, o suficiente para tirar Vanderlei do lance. Novamente, o Santos teve dificuldades de propor jogo.

No intervalo, Jair novamente mexeu acertadamente. Sacou Rodrigão e colocou Sasha para dar mais movimentação e tirar os zagueiros do Ituano da área, além de colocar Jean Mota para auxiliar Vecchio, na armação. 

Taticamente deu certo. O Santos tomou conta do jogo, mas ficava exposto ao contra-ataque, era o risco. Porém, faltava o toque de classe e ele veio aos 22 minutos da etapa complementar e ele atende pelo nome de Rodrygo. Caju deixou o time e Copete virou ala esquerda.

No lance seguinte a entrada de Rodrygo, Victor Ferraz levou uma pancada na clavícula e o Santos praticamente ficou com 10 homens em campo. No melhor estilo Beckenbauer nas semifinais da Copa de 70 (os mais jovens não vão lembrar ou poucos devem saber) ele voltou imobilizado e ficou do meio para frente, apenas para fazer número.

Mas o segundo tempo era do talentoso e da qualidade de Rodrygo. O futuro "gênio", sim aquele que em outubro do ano passado, em uma live realizada pelo associado Felipe Mendes, eu disse que jogava tanto na base quanto jogou o Neymar (não disse que ele vai ser um novo Neymar, eu repito, na base jogou tanto ou até mais que o jogador do PSG) e fui alvo de piada, chamado até de louco em rede social, amarelou três defensores do Ituano, em três dribles maravilhosos e só podia ser dali que ia sair o gol. 

Aos 46 minutos, o meio-campista Vecchio lançou na área, o zagueiro Luiz Felipe deu uma "casquinha" de cabeça e Rodrygo, sim, ele mesmo, de novo, igualou o jogo. O "menino de ouro" ainda teve uma outra oportunidade, no fim do jogo e por pouco não virava a partida. 

Foi apenas a quinta partida do menino como profissional e nos últimos 36 minutos em campo (24 hoje e 12 na quinta-feira passada) fez dois gols e proporcionou três importantes pontos ao time da Vila.

Se estou empolgado com o surgimento de mais um "menino da Vila", sim, estou, mas não apaga a má atuação da equipe. E fica a dica. Se Jair Ventura quiser sofrer menos, além da direção do clube ter de realizar mais contratações com qualidade, tem de colocar os meninos até de forma precoce para jogar. 

No meio de semana, não tem rodada e no domingo que vem, o Santos vai ao Allianz Parque, enfrentar o rival Palmeiras, às 17h. A expectativa é se Gabriel que será apresentado nesta segunda-feira (29) e Bruno Henrique que se recupere de problema na retina do olho direito estarão a disposição para o clássico. Braz e Alison, retornarão. 

Euforias a parte, tecnicamente Rodrygo tinha de ser titular, porém, na parte física, em razão dos seus pouco mais de 16 anos (completou 17, no último dia 9), ainda vai sofrer. O jogador tem feito um trabalho de alimentação com nutricionista para ganhar massa magra e um trabalho físico a parte pois precisa pegar um pouco mais de corpo para aguentar a falta de talento dos adversários. Hoje ele é o momento e o futuro desse time que carece de talento do meio-campo para frente.

FICHA TÉCNICA
Santos 1 x 1 Ituano
Estádio do Pacaembu - São Paulo
Árbitro: Vinicius Furlan
Público e Renda: 11.513 pagantes (13.609 presentes)/Renda: R$ 330.440,00
Cartões: Copete e Matheus Jesus (SFC) Tony, Claudinho, Juninho e Marcos (ITU).
GOLS: Baralhas (17 do 1o.t) e Rodrygo, aos 46 do 2o.t).
SANTOS: Vanderlei, Victor Ferraz, Luiz Felipe, Robson Bambu e Caju (Rodrygo); Matheus Jesus (Jean Mota), Renato e Vecchio; Copete, Arthur e Rodrigão (Eduardo Sasha).Técnico: Jair Ventura
ITUANO: Vagner, Igor, Ricardo Silva, Léo e Raul; Baralhas (Marcos), Tony e Guilherme; Claudinho (Juninho), Marcelinho (Giba) e Ronaldo.Técnico: Vinicius Bergantin.

Victor Ferraz jogou no sacrifício durante quase 20 minutos. Enquanto uma parte do estádio vaiava-o, outra aplaudia.

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS
Vanderlei: O melhor goleiro do país. Só Tite que fala tanto em meritocracia, não percebeu. Salvou o Santos no segundo-tempo, quando o time se mandou para frente. - 7,5
Victor Ferraz: Que não vive um bom momento, é fato. mas é um dos jogadores mais experientes do grupo. Não concordo com as vaias durante a partida por parte, repito, parte da torcida. Talvez fosse a hora de deixa-lo no banco e voltar em um momento mais tranquilo. Tem qualidade, sim. Foi valente e voltou para a partida, mesmo com a clavícula imobilizada. - 4,5
Luiz Felipe: Bem na cobertura, na antecipação e ainda curtiu uma de atacante ao dar a cabeçada para Rodrygo empatar o jogo. Aos poucos volta a apresentar o seu melhor futebol. - 6,5
Robson Bambu: Estava nervoso na primeira etapa. Normal, primeira partida no time de cima. Faltou sorte ao tocar na bola no gol do adversário. Melhorou no segundo tempo. Vai crescer. Não é a toa que foi convocado várias vezes para as seleções de base. - 5,0
Caju: Sofreu na marcação no primeiro tempo. Melhorou um pouco na etapa complementar, quando Jean Mota o acionou no apoio. - 5,0
(Rodrygo): Além de ótimo, tem estrela. Tava ligado e focado na partida, por isso, anteviu onde a bola estaria para desviá-la de cabeça (não é o seu forte) para empatar o jogo. No lance seguinte, quase desempatou. Amarelou três defensores em três lances. Talento puro. - 8,5
Matheus Jesus: Teve dificuldade para encontrar o melhor posicionamento. Correu bastante na cobertura pelo lado direito. Foi substituído no intervalo. - 5,5
(Jean Mota): Novamente entrou bem. Ao lado de Vecchio dão melhor qualidade ao meio-campo. - 6,5
Renato: Um primeiro tempo irreconhecível, inclusive com erros de passes que não costuma ter. Melhorou no segundo tempo, quando ficou a frente dos zagueiros. - 5,0
Vecchio: Desculpa eu ser repetitivo, mas não é meia armador. Estava sozinho no primeiro tempo. Na segunda etapa com a entrada de Jean Mota e vindo de trás, foi muito mais útil, assim como já tinha acontecido em Campinas. Foi ele quem lançou a bola que originou o gol de Rodrygo. - 6,5
Copete: Dois tempos distintos. Pela direita, não funcionou e dificilmente funcionará. Na etapa complementar foi bem mais útil tanto no ataque, como na lateral, ambas pelo lado canhoto. - 5,5
Arthur: No primeiro tempo, me deu dó do jovem, que jogou de costas e não recebeu uma bola para finalizar. Na segunda etapa, com o time mais inteiro, se movimentou e abriu espaços aos companheiros. - 6,0
Rodrigão: Jogador que tem muita dificuldade de movimentação e jogar com a bola no chão. Se dá melhor no jogo aéreo. Foi bem substituído. - 4,5
(Eduardo Sasha): Com seus deslocamentos e um Santos mais agressivo, deu bastante trabalho a zaga do Ituano. Quase marcou um gol de cabeça. Já merece uma oportunidade de começar o jogo. - 6,5
Técnico Jair Ventura: Não conseguiu montar um time que agredisse o adversário no primeiro tempo. Foi feliz novamente e acertou nas três alterações da segunda etapa. Dos males o menor, o do empate. - 6,5

strutura.com.br

 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by