FOTO CAPA

SEM BARULHO E COM VECCHIO , O PEIXE SOBE NA TABELA

Publicado à 01h05 desta quinta-feira, 20 de julho de 2017.
O Santos conquistou um resultado importante na Vila Belmiro. Para pouco mais de 5 mil testemunhas apenas, o Santos venceu a Chapecoense por 1 A 0. O único gol da partida foi do argentino Vecchio, a arma e a surpresa de Levir na escalação do Peixe. O resultado manteve o alvinegro na terceira colocação do Brasileiro. Com o empate do SCCP, a diferença para o líder cai para 10 pontos.


Como tudo na vida existe o bônus e o ônus, com dois armadores, o jogo fluiu melhor, entretanto, nos primeiros minutos, a Chapecoense obrigou o melhor goleiro do país - Vanderlei, sob os olhos do campeão do Mundo e preparador de goleiros da Seleção Brasileira - Taffarel, que estava na Vila famosa assistindo a partida de um camarote - a realizar duas grandes defesas. Mesmo com menor posse de bola, o time catarinense foi mais perigoso na primeira etapa, inclusive com direito a bola na trave.

Veio o segundo tempo e um Santos um pouco mais criativo, mas com dificuldades do passe na última bola para a finalização. O time da Chapecoense, permanecia bem armado, no esquema da moda (4-1-4-1) e com duas válvulas para explorar o contra-golpe com Luiz Antônio pela esquerda e o ex-santista Apodi pela direita. E ainda no primeiro terço da etapa complementar, Lucas Lima encontrou Vecchio, a novidade de Levir, pelo lado esquerdo do ataque e o argentino tirou o goleiro Jandrei e praticamente, sem ângulo, mandou a bola na "bochecha" da rede do lado oposto - 1 a 0.

Daí em diante, o Santos se posicionou na tentativa do contra-ataque, entretanto, sem Bruno Henrique, o atacante mais rápido do futebol paulista na atualidade, suspenso, não conseguiu encaixar uma nova boa jogada. A "Chape" pressionou, mas esbarrou no ótimo momento de Vanderlei e novamente na trave. Com Taffarel, pela segunda vez na baixada (semana passada estava no CT Rei Pelé) fica a sensação de que o camisa 1 do Santos, finalmente será convocado, por meritocracia.

Ótimo resultado para o Peixe, pois, a Chapecoense já tirou pontos importantes de vários clubes que estão no pelotão da frente, como vitória sobre o Palmeiras no Sul e empate em Itaquera, diante do SCCP. 

A nota triste, novamente, foi o público decepcionante na Vila. Que o torcedor no Pacaembu, faça a sua parte, diante do Bahia, domingo, às 11h. Para esta partida Daniel Guedes e Bruno Henrique, ficam à disposição de Levir. Pelo que o Blog do ADEMIR QUINTINO apurou Zeca pode ser relacionado. Ricardo Oliveira segundo Levir, vai precisar se preparar um pouco mais para voltar a atuar.


FICHA TÉCNICA
SANTOS 1 X 0 CHAPECOENSE
Estádio da Vila Belmiro
Árbitro: Elmo Alves Resende Cunha (GO)
Público e renda: 5.533 /R$ 155.900,00
Cartões amarelos: Lucas Lima, Matheus Ribeiro, Vanderlei e Vecchio (SFC), Lucas Mineiro e Fabrício Bruno (CHA)
Gol: Vecchio (15'/2ºT)(1-0)
SANTOS: Vanderlei; Matheus Ribeiro, Lucas Veríssimo, David Braz e Jean Mota; Yuri (Alison, 26'/ 2ºT), Vecchio e Lucas Lima; Copete, Thiago Ribeiro e Kayke (Arthur Gomes, 29'/ 2ºT).
Técnico: Levir Culpi
CHAPECOENSE: Jandrei; Apodi, Douglas Grolli, Fabrício Bruno e Diego Renan; Lucas Marques, Moisés Ribeiro, Lucas Mineiro (Lourency, 21'/ 2ºT) e Seijas (Túlio de Melo, 29'/ 2ºT); Arthur Caike (Wellington Paulista, 35'/ 2ºT)) e Luiz Antônio. 
Técnico: Vinícius Eutrópio.

Defesa santista é a segunda menos vazada da competição.
NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS
Vanderlei: O melhor goleiro do Brasil na atualidade é o maior responsável pelo Santos ter a segunda melhor defesa da competição. Com Taffarel acompanhando "in loco" deve ter garantido a vaga na convocação para a partida diante do Equador, pelas eliminatórias. Fez duas grandes defesas. - 7,5
Matheus Ribeiro: Fez ultrapassagens, não comprometeu na marcação e realizou sua melhor partida com a camisa do Santos desde que chegou no começo do ano. Precisava de uma atuação segura como essa, para recuperar a confiança. - 6,5
Lucas Veríssimo: Continua crescendo o seu futebol. Bem posicionado, roubou bolas e como é jovem, vai melhorar a sua saída de bola, hoje a única deficiência do zagueiro. - 7,0
David Braz: Bem na marcação, errou alguns passes. Partida segura. - 6,5
Jean Mota: Cresceu muito nas últimas rodadas. E hoje a tarefa não era fácil, pois Apodi, lateral adversário,  tem uma explosão muito grande de velocidade e o meio-campista improvisado, deu conta. - 6,5
Yuri: Com Dorival jogou pouco de volante. Está se readaptando a função. Não começou bem, mas se recuperou na partida. - 6,0
(Alison): Aos poucos recupera o seu ritmo de jogo. Deu conta do recado na marcação. - 6,0
Vecchio: O nome da partida. Não só pelo gol, mas pela precisão dos passes e dos lançamentos. Não tem intensidade, mas compensa com muita qualidade técnica. Coroado com seu primeiro gol pelo Peixe. Em campo, com a camisa do alvinegro, perdeu apenas uma partida, diante do Figueirense, na despedida de Gabriel Barbosa, o ano passado. - 8,0
Lucas Lima: Apagado no primeiro tempo, melhorou bastante na segunda etapa. Deu a assistência do gol. Tem muito mais bola do que a apresentada nesta quarta-feira. - 7,0
Copete: Compensa a falta de técnica com muita entrega. Extremamente participativo durante o jogo, tanto na ajuda na marcação, como na frente. Ao lado de Richarlison do Fluminense, creio que são os únicos extremos no país que finalizam bem. Na ausência de Ricardo Oliveira e de Nilmar que se recupera de lesão,  o colombiano tem capacidade de ser falso 9. - 7,0
Thiago Ribeiro: Taticamente, perfeito, como de costume, porém, ainda sente a falta de ritmo. Começou bem e depois foi mais discreto. - 5,5
Kayke: Um dos centroavantes mais velozes do país, porém, se atrapalhou com a bola em alguns momentos e desperdiçou oportunidades de gol. Quando foi substituído, teve torcedor que o aplaudiu e outros que preferiram vaiá-lo. - 4,0 
(Arthur Gomes): Ainda oscila em razão da juventude e da falta de ritmo de jogo. É rápido. - 6,0
Técnico: Levir Culpi: Acertou em colocar Vecchio desde o início. Talvez a melhor opção fosse deixar Copete como falso 9, mas valeu a ousadia em partir para cima do adversário, como mandante, já que a maior dificuldade santista no momento é propor jogo como mandante. - 7,0


 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by