FOTO CAPA

VICE-BRASILEIRO APÓS NOVE ANOS

Publciado às 21h35 deste domingo, 11 de dezembro de 2016.
O Santos venceu o América-MG por 1 a 0, no estádio da Vila Belmiro, pela última rodada do Campeonato Brasileiro na tarde deste domingo (11). Como o Flamengo não venceu o Atlético-PR, em Curitiba, o Peixe tornou-se vice-campeão nacional, posição que não ocupava desde 2007. O único gol da partida foi marcado por Ricardo Oliveira.

Dorival Junior tinha razão. Durante a semana, o treinador afirmou que por tudo que aconteceu na semana retrasada que vitimou o elenco da Chapecoense em um acidente aéreo, dificilmente sua equipe conseguiria realizar uma grande apresentação. Os pouco mais de 7 mil pagantes, não viram um bom jogo do time praiano, mas o suficiente para vencer o lanterna do Campeonato e recuperar a segunda colocação que garantiu uma premiação maior. Sendo assim, o alvinegro abocanhou R$ 10,7 milhões. Os cariocas que ficaram com o terceiro lugar levaram R$ 7,3 milhões da CBF (Confederação Brasileira de Futebol).

O time santista teve muita dificuldade para furar a retranca dos mineiros. Não teve paciência para trocar a bola com passes curtos, grande característica da equipe ao longo da campanha e insistia na bola longa. Quem se aproveitou para aparecer como surpresas a frente, foram os volantes Renato e Thiago Maia, que até armaram algumas jogadas.

No começo da etapa complementar, Copete foi a linha de fundo, pelo lado esquerdo e cruzou para a conclusão de Ricardo Oliveira. O centroavante-artilheiro do Peixe marcou o único gol do jogo e em homenagem aos catarinenses da Chapecoense, imitou um índio dando uma flechada, durante a comemoração. 

Meu filho e o "índio" Carlinhos, na Vila famosa.
Por falar em índio, bola dentro do marketing do Santos em trazer o mascote do time da Arena Conda, o jovem Carlinhos de 5 anos de idade. Ele chegou nas primeiras horas da manhã, no litoral e foi recepcionado pelo capitão do time no Hotel Recanto dos Alvinegros, concentração dos jogadores. O centroavante Ricardo Oliveira de forma gentil fez questão de servir o prato para o menino que ficará até terça-feira (13) na baixada, junto com os seus pais.

Como disse na última postagem aqui no Blog, ficou um gosto de que dava para ser campeão, mas como bem disse Dorival Junior na última entrevista exclusiva que deu para este espaço, o Santos vem se preparando para uma grande conquista. Infelizmente, durante o Brasileirão, tropeçou nas pequenas pedras. Também não é menos verdade que a campanha foi boa. O clube de Vila Belmiro venceu todos os clássicos regionais no segundo turno e saiu da Z-Santos (posições intermediárias) que acostumou-se nos últimos anos.
"Eu não tenho dúvidas que o Santos está muito próximo de atingir algo de nível, de reconhecimento um pouco maior, porque está se preparando para isso. Se vai ser agora ou daqui alguns meses, um ano, ainda não sei, mas o time está no caminho certo. Eu já falava em 2010, que o clube entraria numa era de conquistas, desde que mantivesse o seu plantel, o trabalho realizado, continuar desenvolvendo atletas de qualidade na base e aconteceu naquela oportunidade, espero que isso também se confirme, nesse momento", disse o comandante santista ao Blog do ADEMIR QUINTINO, na segunda quinzena de dezembro.
Um estadual, o vice-brasileiro e a eliminação nas quartas de finais da Copa do Brasil, alem da volta a Libertadores após quatro anos ausente. Este foi o saldo do time que tem praticamente 1/3 do orçamento do rebaixado Internacional-RS. Não dá para ser ufanista é dizer que foi excelente, também dizer que não foi muito bom, seria injusto. Se for feliz nas contratações pontuais esse "algo maior" que Dorival se referiu, pode enfim, acontecer em 2017. 

Apesar de perder Gabriel na janela do meio do ano, o Santos é o time que mantém a mesma espinha dorsal a anos e também, o único treinador que começou e terminou a temporada na mesma equipe.

A vitória desse domingo (11), marcou o encerramento da carreira do meio-campista Elano, como jogador do futebol. O jogador entrou na vaga de Lucas Lima no segundo-tempo e à partir de janeiro do ano que vem, assume sua nova função como auxiliar-técnico fixo do clube.

Por tudo que o alvinegro fez no campeonato nacional, o vice-campeonato foi justo, sim. Em segundo às vezes, na segunda, jamais.

FICHA TÉCNICA
SANTOS 1 X 0 AMÉRICA-MG
Estádio da Vila Belmiro
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)
Cartões amarelos: Juninho (AME)
Público/Renda: 7.531 pagantes / R$ 209.660
Gol: Ricardo Oliveira, aos 3'/2T (1-0)
SANTOS: Vanderlei; Victor Ferraz, Yuri, David Braz e Zeca; Thiago Maia, Renato e Lucas Lima (Elano, aos 35'/2T); Vitor Bueno (Jean Mota, aos 31'/2T), Copete (Rafael Longuine, aos 40'/2T) e Ricardo Oliveira. Técnico: Dorival Júnior.

AMÉRICA-MG: Glauco; Hélder, Roger, Messias e Diego; Juninho, Christian (Zé Ricardo, aos 40'/2T), Renato Bruno (Pilar, aos 46'/2T) e Xavier (Nixon, aos 35'/2T); Osman e Michael. Técnico: Enderson Moreira

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS
Vanderlei: Fez um grande campeonato. Foi expectador de Luxo nesta última rodada. Não fez nenhuma grande defesa pois o adversário não exigiu. - 6,0
Victor Ferraz: Chega com facilidade na linha de fundo. Tem bom passe. Ainda peca no cruzamento, mas é outro que é bem regular e fez boa temporada. - 6,5
Yuri: Pouco trabalho, já que o América não exigiu. Em alguns momentos se mandou para frente. Tem tudo para evoluir. Tem bom passe, ganhou confiança e vai amadurecendo. Tem bola para ser titular no meio-campo, sua posição de origem. Excelente indicação de Dorival. - 6,0
David Braz: Fez dois bons bloqueios em arremates de fora da área dos mineiros. Pouco exigido. Quando faz o arroz com feijão, vai bem. - 6,0
Zeca: A exemplo de Victor Ferraz, fez ótima temporada, mas ainda peca nos cruzamentos, principalmente com a canhota que não é a "perna boa". Melhorou demais na marcação e tem tudo para ir em breve para a Seleção principal, em razão da idade. Tem muito potencial e confiança. - 6,5
Thiago Maia: Foi muito bem. Antecipou, roubou bolas, eficiente na marcação. Caiu de produção após as olimpíadas e recuperou seu ótimo futebol nas últimas rodadas. Tem apenas 19 anos, vai crescer ainda mais. - 7,0
Renato: O último dos meio-campistas que ainda lança de três dedos. Não tem a velocidade do começo de carreira e com isso não tem o mesmo poder de marcação, mas pouco erra passes e jogou os 38 partidas do time no campeonato. - 6,5
Lucas Lima: Não reeditou a ótima temporada de 2015. O Santos precisa arrumar uma "sombra" pro camisa 10 que foi discreto na última rodada. Tem muito mais futebol do que apresentou neste ano. Também conviveu com algumas contusões durante a temporada que o atrapalhou. Não estava bem fisicamente durante a Copa América já que voltava de lesão da final do Paulista. - 6,0
(Elano): Estava emocionado em se despedir do futebol. Jogou apenas 10 minutos e os acréscimos. Pelo que fez com a camisa santista em outras temporadas, teria uma nota altíssima. O elenco gosta dele e será importante como auxiliar. - SEM NOTA
Vitor Bueno: A grande revelação de 2016, não reeditou o ótimo futebol antes da contusão em Recife. Tem jogado "para o time", aberto pela direita que não é a sua função. Com uma boa pré-temporada, tem tudo para se tornar um dos nomes importantes da equipe em 2017. - 6,0
(Jean Mota): Jogou quatro minutos a mais que Elano apenas. Pouco apareceu. Teve ótimas oportunidades durante o ano, Começou bem quando chegou do Fortaleza e depois caiu muito de produção. - SEM NOTA
Copete: O ponta-artilheiro voltou a ser o "atacante de beirada" neste fim de semana. Disparou pelo lado-esquerdo e fez cruzamento preciso para a finalização de Ricardo Oliveira. Um dos bons nomes do time no segundo semestre. - 7,0
(Rafael Longuine): A revelação do paulista do ano passado, ainda não justificou a sua contratação. Jogou cinco minutos, mais os acréscimos. - SEM NOTA.
Ricardo Oliveira: O matador alvinegro fez muita falta durante as 15 primeiras rodadas do Brasileiro, quando esteve ausente por contusão no joelho. Tentou marcar de todas as formas e foi preciso ao receber cruzamento de Copete e marcar o único gol do jogo. Teve média melhor do que no ano passado quando foi artilheiro do Campeonato. - 7,0
Técnico: Dorival Júnior: Teve problemas durante o campeonato. Perdeu jogadores para as Olimpíadas, para a Copa América, perdeu Gabriel, não teve o centroavante e capitão durante quase um turno e ainda assim, conseguiu se manter nas primeiras colocações. No jogo deste domingo, podia ter feitos substituições antes, mas após o Peixe marcar o gol, senti que o único treinador que começou e terminou no mesmo clube, entre os da série A, se deu por satisfeito. - 6,0


 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by