FOTO CAPA

FABIÁN NOGUERA: "EU VOU VENCER AQUI"

Publicado às 06h05 desta quarta-feira, 14 de setembro de 2016.
Há 70 dias, o zagueiro argentino Fabián Noguera chegou ao Santos. O décimo reforço do clube para a temporada 2016, ainda não estreou com o manto alvinegro. Quando atingiu a sua forma física considerada ideal, acabou sendo vítima de uma lesão na panturrilha, há quatro dias, após uma dividida com o meio-campista Thiago Maia, em um treino no CT Rei Pelé. 

Noguera chegou a treinar de titular na semana passada, por mais de uma vez, mas agora vai precisar de 7 a 10 dias para se recuperar e enfim, poder ser relacionado e demonstrar sua capacidade. 

O defensor-artilheiro que marcou incríveis 18 gols em 98 partidas (quase um gol a cada cinco jogos) é considerado uma das promessas do futebol argentino, que tem um passado excelente na revelação de zagueiros. O beque esteve cotado para ser convocado pela seleção de seu país na disputa das Olimpíadas no Rio de Janeiro, entretanto, como não atuou mais pelo Banfield, após não renovar seu contrato, perdeu a oportunidade de ser lembrado pelo técnico Julio Olarticoechea. A equipe portenha foi eliminada de forma precoce ainda na primeira fase.

Noguera deu uma entrevista exclusiva ao Blog do ADEMIR QUINTINO e falou da expectativa de sua estréia com a camisa 32 do alvinegro.

Blog do ADEMIR QUINTINO: Como foi a sua vinda para o Santos?
FABIÁN NOGUERA: "Eu estava jogando no Banfield até o ano passado e depois decidi não renovar e após isso, muitos clubes demonstraram interesse em mim, porém, quando surgiu a oportunidade de assinar com o Santos, eu assinei um pré-contrato em fevereiro e no dia 1 de Julho, eu vim para o Brasil, encarar esse desafio. Vim para vencer aqui."
BAQ: Quais os outros clubes que lhe procuraram?
Noguera: "Na Argentina, os maiores interessados foram o River e o São Lorenzo. Teve o Colo-Colo do Chile e alguns clubes da Europa. Aqui no Brasil, o Grêmio e o Internacional também procuraram meu empresário e o meu pai, mas quando surgiu o Santos, eu fiquei entusiasmado com a oportunidade, já que teve o Ramos Delgado no passado, um outro argentino que venceu aqui e acreditei que era o melhor para escolher." 
BAQ: Você está lesionado? Curiosamente, uma contusão parecida com a que teu companheiro de setor Luiz Felipe teve?
NOGUERA: "Sim, levei uma pancada no treino do sábado retrasado, na panturrilha esquerda, mas continuei treinando normalmente, pois, não achei que era nada que preocupasse. Porém, as dores permaneceram e após os exames realizados, há cerca de quatro dias, foi constatado uma pequena abertura nas fibras, parece que é grau um e vou precisar de alguns dias para voltar a treinar no gramado com os meus companheiros. Já estou fazendo trabalhos no CEPRAF (Centro de Excelência em Prevenção e Recuperação de Atletas de Futebol) de manhã e de tarde para voltar o mais rápido possível e ficar à disposição do técnico."
BAQ: Como é o seu relacionamento com os seus novos companheiros e com o treinador Dorival Junior?
NOGUERA: "O meu relacionamento com o grupo é ótimo. O elenco tem um astral muito bom.Tanto o Renato e o Ricardo Oliveira que jogaram na Espanha e falam fluentemente a língua, me ajudaram para poder me integrar ao grupo. Os jogadores são muito alegres e facilita um jogador estrangeiro como eu, se integrar. Com o treinador Dorival também é bom o meu relacionamento. Ele fala bastante para eu não desanimar, para eu treinar forte como tenho feito e que em breve, minha hora chegará."
Fabián Noguera assinou contrato com o Santos por cinco anos.
BAQ: Por que escolheu o Santos? Foi a parte financeira que te sensibilizou ou teve algo diferente?
NOGUERA: "Sim, eu vim para jogar e justificar o interesse do Santos pelo meu futebol. Vou vencer vestindo esta camisa de tamanha grandeza no futebol mundial. Vou demonstrar ao torcedor que eu posso jogar tranquilamente aqui. O Santos na Argentina é considerado gigante, pelo seu passado, pelo próprio presente. Foi campeão em 2011 e semifinalista da Libertadores do ano seguinte. Revelou Pelé, Robinho, Neymar e sou uma pessoa que gosto do futebol bonito e este clube tem isso. Sempre tive vontade de jogar no estádio da Vila Belmiro, onde se fala em Buenos Aires que nenhuma equipe rival ganha ou ganhava e procurei assistir algumas partidas do clube, tanto pela TV e depois na internet e desde pequenino sempre ouvir falar muito do Santos."
BAQ: Tem muita diferença no futebol da Argentina para o praticado no Brasil?
NOGUERA: "Eu creio que aqui no Brasil, os jogadores podem jogar um pouco mais livres. Tem um pouco mais de tempo para poder pensar. Aqui, os jogadores tem mais qualidade. Na Argentina o jogo é mais fechado, cerrado, mais forte e não tem tanta liberdade para poder jogar." 
BAQ: Quais são suas maiores qualidades? Diga para quem não conhece seu futebol, o que pode esperar quando você, enfim, estrear com a camisa do Peixe?
NOGUERA: "Eu tenho uma capacidade muito forte no jogo aéreo, tanto defensivo, como ofensivo. Fiz muitos gols no Banfield e também tenho facilidade para sair com a bola no chão da defesa. Desde que joguei com o técnico Almeida, ele sempre me pediu para sair tocando a bola, sem lançamentos e cheguei aqui e o Dorival me pede o mesmo nos treinos. Isso é bom, porque consigo aliar o que gosto de fazer com o que o técnico me pede". 
BAQ: Você prefere jogar pela direita ou pela esquerda da defesa?
NOGUERA: "Para mim é igual, apesar de estar um pouco mais acostumado a jogar pelo lado esquerdo, mesmo sendo destro. Mas não vim para escolher o lado para jogar. Onde o Dorival precisar, eu jogarei." 
BAQ: Deixa um recado para os torcedores que desejam ver você em ação com a camisa do Santos?
NOGUERA: "Eu posso ajudar muito o time, primeiro na parte defensiva, mas em razão da minha boa impulsão, altura e facilidade no jogo aéreo, posso contribuir na frente também. Eu acho que os jogadores que estão jogando estão muito bem, mas eu sou sabedor da minha capacidade e de que posso colaborar também. Aqui no Brasil, tem muitos gols de bola parada em jogadas aéreas e estou com muita confiança de que posso jogar bem e ajudar o time com gols inclusive."
BAQ: É verdade que apesar de 1,93m nem todos os quase 20 gols em sua carreira de jogador profissional durante três anos não foram de bolas aéreas?
NOGUERA: "Um pouco mais da metade foi de cabeça, mas tenho três gols de perna esquerda e outros quatro de perna direita. Teve até um de chaleira, muito bonito, você já deve ter visto no You tube? (Eu disse que sim e nós damos uma pausa para os primeiros risos de ambos durante a entrevista. Noguera é simpático, mas é bem sério, como a maioria dos jogadores de defesa)."
BAQ: A falta de ritmo de jogo, já que não fez uma partida oficial esse ano pode te atrapalhar ou não? 
NOGUERA: "Não atrapalhará. Talvez a única coisa que possa dificultar um pouco é que estou muito ansioso para poder estrear. Entretanto, tenho a convicção que tanto fisicamente, como futebolisticamente, eu estou preparado para jogar."

 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by