FOTO CAPA

MIROU NO EMPATE E ACERTOU NA VITÓRIA

Publicado às 11h desta sexta-feira, 6 de Maio de 2022.

O Santos conseguiu um importante resultado, em Quito, no Equador, pela Copa Sul-Americana, ao conquistar a primeira vitória na Era Bustos, fora de casa. O alvinegro marcou no último minuto do tempo regulamentar através de Rwan Seco e triunfou diante do Universidad Católica de Quito, por 1 a 0, a 2.850 metros acima do nível do mar. Com os três pontos, o clube é o vice líder do grupo C do torneio continental com sete pontos, um a menos que seu próximo adversário, o Union La Calera. Brasileiros e Chilenos se enfrentarão na Vila Belmiro, dia 18.

Conforme informamos na transmissão de São Paulo x Santos, na última segunda-feira (2), antes mesmo de a bola rolar no Morumbi, o alvinegro viajou com um time alternativo para o Equador. Alguns titulares ficaram no banco como Lucas Pires, Jhojan Julio e Marcos Leonardo, por exemplo, mas o time que começou o duelo, diante dos Equatorianos, foi inteiramente composto por reservas. Outros seis titulares ficaram no Brasil.

A partida tecnicamente foi horrorosa. O Santos limitava-se a defender-se e nem o contra-ataque tinha, pois, não acertava três passes. 

O adversário também sofrível, não oferecia perigo, apesar de Bustos deixar as laterais desprotegidas e o time de Quito alçar bolas na área constantemente, principalmente pela esquerda do ataque e direita da defesa santista.

No segundo tempo, o panorama permaneceu o mesmo até 2/3 da etapa complementar. Em razão do desgaste e cansaço da altitude, os técnicos foram substituindo os jogadores.

Duas mexidas em especial surtiram muito efeito. Dois jovens que estavam na campanha do vice-campeonato da Copinha deste ano: Lucas Pires e Rwan Seco.

Deu desespero nos anfitriões que se mandaram para o ataque e começaram a deixar espaço. Tudo que Fábian Bustos, técnico do Santos sonhava. 

O gol da vitória já era para ter saído bem antes, entretanto, o jovem menino Rwan que brilhou de centroavante na Copinha São Paulo, tomou duas decisões erradas e os contra-ataques não produziram. 

Porém, na terceira tentativa de Seco, o gol veio. Aos 45 minutos do segundo tempo, Pires recebeu da esquerda e rolou para o camisa 12 que bateu com a chapa do pé e colocou o Peixe na frente. 

Já nos cinco minutos de acréscimo, John que fazia boa partida, não saiu tão bem do gol e quase o adversário empata o jogo. Bauerman tirou em cima da linha.

O resultado foi melhor que a performance. Era visível que o Peixe já se dava por satisfeito com o empate. Como tenho dito há algum tempo, o futebol do Santos não é nada vistoso. Novamente sangrou os olhos de quem teve coragem e amor para assistir até o último minuto do jogo, porém, é competitivo, isso eu não posso negar.

"O ponto alto é que fomos seguros defensivamente. Fizemos um bom trabalho no meio-campo também. Começamos, a partir do minuto 15 do segundo tempo, com as mudanças, sentir mais energia. O trabalho técnico foi o que pensamos, dar a bola para os laterais cruzarem, e nós estarmos firmes na área. Nossa parte era controlar o perigo que a Católica ia oferecer e aproveitar os contra-ataques. Mas não aproveitamos. Tivemos quatro jogadas onde saímos com superioridade numérica, mas não controlamos bem e não aproveitamos" afirmou o comandante técnico santista Fábian Bustos em entrevista coletiva após o jogo.

Domingo (8), o Alvinegro volta a campo pelo Brasileiro, diante do Cuiabá, às 18h, na Vila Belmiro.


FICHA TÉCNICA

UNIVERSIDAD CATÓLICA-EQU 0 x 1 SANTOS

Estádio Olímpico Atahualpa - Quito (EQU)

Árbitro: Gery Vargas (BOL) 

GOL: Rwan (Santos)

Cartões amarelos: Mosquera (UCQ)

UNIVERSIDAD CATÓLICA: Cuero; Anangonó (Carrasco), Mosquera, Ordóñez e Loor; Minda, Facundo Martínez (Cevallos), Clavijo e Díaz (Rivas); Alzugaray e Cristian Martínez. Técnico: Miguel Rondelli

SANTOS: John; Auro, Velázquez, Eduardo Bauermann e Felipe Jonatan; Willian Maranhão (Lucas Pires), Camacho (Zanocelo) e Sandry; Gabriel Pirani (Rwan), Lucas Barbosa (Lucas Braga) e Angulo (Marcos Leonardo). Técnico: Fabián Bustos

John voltou ao gol santista após quase um ano fora do time

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS

John: Muito bem durante toda a partida. No fim, saiu do gol para rebater uma bola e não conseguiu. Bauermann o salvou. - 5,5

Auro: Limitou-se a defender. Na defesa, não comprometeu. - 5,5

Velázquez: Rebatedor. Fez o que sabe. - 6,0

Eduardo Bauermann: Garantiu a vitória, salvando a bola em cima da linha. - 6,5

Felipe Jonatan: Bem na defesa e a bola não queima nos seus pés. Com a proposta de jogo santista em defender-se , não apoiou. - 6,0

Maranhão: Foi quem menos desarmou no meio-campo. Tem dificuldade nos passes. Contratou-se um atleta para suprir uma carência, mas a cada dia que passa é uma prova inconteste de que tinha melhores aqui. - 4,5

(Lucas Pires): Habilidoso. Demonstrou todo seu potencial, desta vez no meio-campo. Bela assistência para o gol de Rwan. - 6,5

Camacho: Não tem velocidade, mas tem bom passe, bem melhor que Maranhão e fez um jogo satisfatório. - 6,0

(Zanocelo): Pouco pegou na bola. - SEM NOTA

Sandry: Desarmou, passou bem e voltou a fazer a bola longa, uma das suas qualidades. Desde que retornou fez sua melhor partida. - 6,5

Pirani: Correu bastante. Algumas tomadas de decisões errada. - 5,0

(Rwan): Entrou em campo e mudou o destino do jogo. Errou as tomadas de decisão nos dois primeiros contra-ataques, mas estava no lugar certo, na hora certa para definir a partida com um belo chute e um gol. - 6,5

Lucas Barbosa: Doou-se muito para ajudar na armação e marcação e saiu no intervalo. Correu bastante. - 5,5

(Lucas Braga): A direita, definitivamente, não é o seu lugar. Senti falta do drible longo. - 5,0

Angulo: Sem explosão. Outro que está devendo e muito. Mas verdade seja dita, com o esquema que o clube utilizou estava difícil para o estrangeiro. Quando Rwan entrou, por ser mais leve, o time ficou mais perigoso. - 4,5

(Marcos Leonardo): Sofreu do mesmo problema de Angulo. Só pegou bola de costa, mas foi um pouco mais útil do que o Equatoriano. - 5,0

Técnico: Fabián Bustos: Ainda deixa muita brecha aos adversários pelas laterais. Acertou nas substituições de Lucas Pires e Rwan Seco. Foram eles, os responsáveis pelo gol único do jogo. Poderia ter poupado jogadores na quinta passada no Chile. Como falo há algum tempo. O futebol não é vistoso, mas é competitivo. - 6,5


 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by