FOTO CAPA

PRIMEIRO TEMPO MUITO BOM E VICE-LIDERANÇA

Publicado às 19h deste domingo, 17 de abril de 2022.

O Santos conquistou a sua primeira vitória no Campeonato Brasileiro ao vencer o Coritiba por 2 a 1, na manhã deste domingo (17), na Vila Belmiro, perante 13.052 pagantes. Os gols do alvinegro foram de Baptistão e Henrique (contra). Gamalho com um pênalti inexiste descontou para os visitantes.

Conforme o canal oficial do ADEMIR QUINTINO bancou na véspera do confronto, entre paulistas e paranaenses, Ângelo ganhou a posição de titular pela direita do ataque

Além da substituição supracitada, Zanocelo reapareceu no meio-campo e Baptistão substituiu Goulart que segundo a assessoria do clube, existia uma programação de carga individualizada definida previamente pelo Departamento de Futebol após participar de dez jogos seguidos e por isso, o camisa 10 foi preservado da partida deste fim de semana.

Os primeiros 45 minutos do alvinegro eu classifico como interessantes. O time da capital paranaense começou melhor, mas não demorou para o Santos equilibrar e até jogar melhor.

Ângelo ficou aberto pela direta. Jhojan Julio pela esquerda com Marcos Leonardo 'espetado'. Baptistão alternava com Ângelo pelo lado direito do ataque e a coordenação para abastecer o ataque. E deu certo.

O dono da camisa 11 lançou Baptistão que não foi egoísta e rolou para Marcos Leonardo. Na dividida entre o centroavante santista e o camisa 5 Guilhermo do Coxa, a bola voltou para Léo Baptistão, que abriu o placar.

Logo após abrir o marcador, o lance mais grosseiro da arbitragem na partida. Zanocello deu o carrinho na entrada da área. O volante Andrey, ex-Vasco, dá o breque e em seguida se choca com as costas do meio-campista santista e de forma absurda, com poucos jogadores reclamando (não me conformo), o carioca Wagner Nascimento (e o VAR não se manifesta) deu absurdamente penalidade máxima aos visitantes. Gamalho bateu e empatou o jogo.

Quando o primeiro tempo caminhava para a parte final, Ângelo, novamente ele, fez grande jogada e encontrou Lucas Pires pela esquerda. O ala cruzou e o zagueiro Henrique toca na bola e marca um auto-gol. Pela segunda vez no jogo, o Peixe ficava na frente novamente. Assim os time foram para o intervalo.

Assim que as duas equipes voltaram para a segunda etapa, Robinho, ex-Cruzeiro, Palmeiras e do próprio Santos, entrou no Coxa. O jogador deu novo ânimo no time paranaense e o Santos, não voltou com o mesmo ímpeto da primeira etapa. 

Bustos preferiu reforçar o setor de marcação no meio-campo e sacou Ângelo que não tinha voltado com o mesmo futebol da vistoso da primeira etapa e mudou o esquema tático. Logo em seguida, fez algumas outras alterações, entre elas a entrada de Velázquez apenas para defender pelo lado direito da defesa na vaga de Madson. Auro contratado para suprir as necessidades da lateral-direita novamente não foi relacionado. 

Ou seja, o Santos tem apenas um lateral que vem concentrando e quando sai, não tem outro, porque o escolhido para suprir a necessidade do clube não tem sido relacionado por deficiência técnica.

Com as mudanças feitas por Bustos que preferiu 'fechar a casinha' o alvinegro foi pressionado nos últimos minutos na Vila, entretanto, o Coxa não teve nenhum ataque mais perigoso.

Com o resultado, ao lado de outros clubes como Flamengo, Bragantino, Atlético Mineiro e Fluminense, o Santos assumiu a vice-liderança, atrás apenas do Corinthians que venceu os dois jogos, porém, a rodada ainda não foi toda concluída.

Pelo Brasileiro, o Peixe volta a campo, na mesma Vila, no domingo (24), diante do América-MG. Antes, entretanto, enfrenta novamente o Coritiba, na quarta-feira (20), às 19h15, em jogo de ida da terceira fase da Copa do Brasil, desta vez no estádio Couto Pereira, palco em que o visitante deste fim de semana usa como mandante no Paraná.

Para não dizer que não falei das flores, aconteceu uma briga entre torcedores organizados do Santos e do Coritiba. Pouco antes de a bola rolar, o bairro da Vila Belmiro viu cenas de terror. A UPA (Unidade de pronto atendimento) central da cidade de Santos foi destruída por alguns vândalos. A mesma se encontra cerca de 1km do estádio Urbano Caldeira.


FICHA TÉCNICA

SANTOS 2 X 1 CORITIBA

Estádio da Vila Belmiro - Santos (SP)

Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (Fifa-RJ)

GOLS: Baptistão, 11'/1ºT (1-0), Léo Gamalho, 27'/1ºT (1-1) e Henrique (contra), 31'/1ºT (2-1)

Cartões amarelos: Eduardo Bauermann e Madson (SFC) e Alef Manga, Andrey, Igor Paixão e Guilhermo (COR)

SANTOS: João Paulo, Madson (Velázquez, aos 30'/2ºT), Maicon, Bauermann e Lucas Pires; Rodrigo Fernández, Zanocelo (Maranhão, aos 11'/2ºT) e Baptistão (Lucas Barbosa, aos 30'/2ºT); Jhojan Julio, Marcos Leonardo (Angulo, aos 20'/2ºT) e Ângelo (Lucas Braga, aos 20'/2ºT). Técnico: Fabián Bustos.

CORITIBA: Alex Muralha; Guilhermo (Matheus Alexandre, aos 20'/2ºT), Henrique, Luciano Castán e Egídio; Willian Farias, Andrey (Val, aos 20'/2ºT)e Thonny Anderson (Robinho-intervalo); Igor Paixão, Alef Manga (Adrian Martínez, aos 36'/2ºT) e Léo Gamalho. Técnico: Gustavo Morínigo.

Bustos dirigiu o time pela terceira vez na Vila. 100% de aproveitamento.

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS

João Paulo: Duas maravilhosas defesas. A do primeiro tempo foi mais difícil. Conseguiu bater um tiro de meta para trás. Mas ele tem muito crédito. - 6,5

Madson: Sofreu para conter o ótimo Igor Paixão, extremo do Coritiba. Não apoiou. Foi substituído. - 5,0

(Velázquez): Não é lateral. Limitou-se a defender. Teve problemas com Igor Paixão, extrema do Coxa. Teve o trabalho facilitado pela ótima cobertura de Maicon. - 5,0

Maicon: Fez novamente um bom jogo. O terceiro dos quatro com a camisa alvinegra. Bem em todos os duelos. Além de fazer bem o seu, teve que se virar e ajudou demais quem tava pela direita. Primeiro Madson, depois Velázquez. - 7,5

Bauermann: Novamente mal no jogo aéreo. - 5,5

Lucas Pires: Quando Igor Paixão foi para direita do ataque paranaense deu trabalho para o jovem ala. No primeiro tempo foi do camisa 44 a assistência no gol contra que colocou o Santos na frente definitivamente até o fim do jogo. Evoluiu a cada partida. -7,0

Rodrigo Fernández: Rouba bolas como poucos. Deu espaço no pênalti inexistente aos paranaenses. Na partida de hoje jogou de primeiro volante até a entrada de Maranhão. Pode melhorar, mas foi satisfatória a experiência. - 6,5

Zanocelo: Tem dificuldades para marcar. Não fez a penalidade, mas foi imprudente no carrinho. - 5,0

(Maranhão): Entrou e o padrão seguiu o mesmo. Erros de passes e dificuldades na marcação. Bateu menos do que em outros jogos. - 5,0

Baptistão: Ótimo primeiro tempo. Revezou com Ângelo pela direita. Bom tempo de bola. Caiu de produção com o time na segunda etapa. Marcou o primeiro gol. - 7,0

(Lucas Barbosa): Deu uma dinâmica melhor na marcação pela direita. Ajudou Velázquez que estava tomando um calor. Na parte ofensiva não se destacou como em outras vezes. - 5,5

Jhojan Julio: Não me agradou o equatoriano pela esquerda. Podia ser substituído antes. Como quarto homem do meio, quando o Santos nçao tinha a bola, bom posicionamento. - 5,0

Marcos Leonardo: Se deslocou bem no primeiro tempo. Foi travado no lance do primeiro gol. - 6,5

(Angulo): Quase não pegou na bola no pouco tempo em campo. - 5,0

Ângelo: Primeiro tempo maravilhoso. Bom no um contra um, tempo de bola, meteu bola nas pernas e participou dos dois gols. Não manteve o ritmo, assim como o time, na segunda etapa. - 7,5

(Lucas Braga): Deu melhor ofensividade do lado esquerdo do campo. Quase marcou um bonito gol, pena que parou nas mãos de Muralha. - 6,0

Técnico: Fabián Bustos: Acertou ao mesclar com mais jovens o time titular. Recuou o time cedo demais e poderia ser castigado com um empate. Demorou para mexer em algumas peças. - 5,5


 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by