FOTO CAPA

PÉSSIMO FUTEBOL

Publicado às 10h50 desta quarta-feira, 6 de abril de 2022.
O Santos estreou muito mal na Copa Sul-Americana ao ser derrotado por 1 a 0 para o Banfield (ARG), na noite desta terça-feira (6). Pior do que o resultado, foi a apresentação horrorosa que os comandados de Fábian Bustos realizaram. A entrevista pós jogo do comandante argentino que dirige o Santos há cinco partidas, foi no mesmo nível, constrangedor, de um futebol medíocre que os atletas fizeram com que os olhos dos torcedores sangrassem para aqueles que acompanharam a transmissão pela TV.

O atacante Jhojan Júlio, recém chegado, viajou, mas como seu nome não saiu no BID, ficou fora até do banco de reservas. Ângelo e Baptistão, no DM, também desfalcaram a equipe. O último dos contratados, Ângulo, que assinou com o clube somente no sábado (2), também não embarcou com a delegação e com Marcos Leonardo suspenso em três jogos da competição continental, completou o time de ausentes para a partida.


A única informação que não demos há mais de oito dias, era a de que Marcos Guilherme começaria como ala pela direita. Ele foi improvisado na posição, com os especialistas da função - Auro não relacionado e sem nenhum problema médico, além de Madson como opção no banco de reservas.

Desde o primeiro minuto viu-se um Santos sem aptidão ofensiva diante de um time tecnicamente abaixo do seu e ainda assim, sofrendo finalizações e sem ameaçar um minuto sequer a defensiva dos donos da casa.

Teve uma penalidade máxima a favor do alvinegro em finalização de Goulart ainda no primeiro tempo que tocou no braço do beque argentino, porém, sem o VAR na primeira fase, o sofrível árbitro paraguaio Dérlis Lopes não assinalou. Mas nem esse erro grotesco dá autoridade moral para justificar o resultado em uma das piores apresentações do Santos, no ano.

O time ficou 17 dias sem uma partida oficial, desde a eliminação precoce no paulista, tempo utilizado para treinar e melhorar a condição física e técnica do plantel, apesar do desentrosamento, principalmente com os três novos contratados que atuaram, parece ter regredido o futebol que tinha atingido nos últimos jogos do estadual e longe do ideal para fazer um Campeonato Brasileiro descente.

O futebol do Santos na noite desta terça-feira foi péssimo para não dar um adjetivo mais pesado diante do inexpressivo Banfield (ARG).

Não bastasse isso, a entrevista coletiva após o jogo do Fábian Bustos foi lamentável. O argentino disse que o adversário só venceu porque o atacante Urzi teve um momento de rara felicidade no único gol do duelo; lamentou a penalidade não assinalada e classificou o resultado da partida como injusto, esquecendo-se completamente que seus comandados não tiveram o mínimo de organização em campo, que não acertavam três passes e mostraram um futebol medonho e preocupante para o que o clube ainda vai disputar nesta temporada.

Não é preciso ser muito entendedor de futebol para perceber que a estratégia montada para a partida foi equivocada. Ao chamar o adversário, de qualidade técnica sofrível, para o seu campo, Bustos simplesmente acabou com as pretensões ofensivas da equipe que deixou três atletas a frente sem função nenhuma, pois Goulart, estava órfão de um auxílio na armação e os atacantes mais ainda. Literalmente, o Santos ficou sem a bola. Fora a desnecessária improvisação na ala direita.

No próximo sábado (9), o Santos estreia no Campeonato Brasileiro, diante do Fluminense no Maracanã. Marcos Leonardo com suspensões para cumprir na Copa Sul-Americana fica à disposição e existe a expectativa se Julio e Angulo possam também estrear.  

FICHA TÉCNICA
BANFIELD 1 X 0 SANTOS
Estádio Florencio Sola - Grande Buenos Aires (ARG)
Árbitro: Derlis Lopez (PAR)
Gols: Urzi, 43'/1ºT (1-0)
Cartões amarelos: Domingo, Urzi, Luciano Lollo e Luciano Abecasis (BAN) e William Maranhão, Zanocelo, Felipe Jonatan, Velázquez e Lucas Barbosa (SFC)
Cartões vermelhos: Domingo (BAN)
BANFIELD: Enrique Bologna; Luciano Abecasis (Coronel, aos 24'/2ºT), Maciel, Luciano Lollo e Ian Escobar; Matías Romero (Erik López, aos 32'/2ºT), Urzi (Palacios, aos 37'/2ºT), Domingo e Galoppo; Jeremías Perales e Juan Manuel Cruz (Dátolo, aos 37'/2ºT). Técnico: Diego Dabove
SANTOS: João Paulo, Bauermann (Madson, aos 14'/2ºT), Maicon e Kaiky (Velázquez, no intervalo); Marcos Guilherme (Rwan Seco, aos 14'/2ºT), Willian Maranhão (Zanocelo, aos 23'/2ºT), Rodrigo Fernández (Pirani, aos 40'/2ºT), Ricardo Goulart e Felipe Jonatan; Lucas Barbosa e Lucas Braga. Técnico: Fabián Bustos.

Goulart pouco pegou na bola. O Santos deu muito chutão durante o jogo.

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS: 
João Paulo: Fez grande defesa em falha de Maicon. Sem culpa no gol sofrido. - 6,5
Bauermann: Deu passe errado na origem do único gol do jogo. Lento. - 4,5
(Madson, aos 14'/2ºT): Não vive bom momento. Nem no apoio, seu ponto forte, conseguiu se destacar. Também parece estar sem ritmo de jogo. - 5,0
Maicon: Visivelmente sem ritmo. Quase entregou a 'pamonha' no início da partida ao tentar cabecear uma bola para trás e deixar a mesma para o centroavante adversário sem marcação. No lance do gol, falhou ao dar um carrinho, sendo que o goleiro santista já estava na bola. - 4,0
Kaiky: Deixou o gramado após ser diagnosticado com uma fratura no nariz depois de uma cabeçada que atingiu a cabeça de um argentino. Não comprometia. - 5,0
(Velázquez): Cintura dura. Rebatedor. -4,5
Marcos Guilherme: Sofre por sempre aceitar quebrar um galho em diversas posições. Não tem a mínima condição de ser titular da ala direita. Perdido na marcação e no apoio. O primeiro tempo foi sofrível. Não entendo a aposta no atleta sendo que o mesmo vai embora nos próximos meses e o clube já disse que não vai comprar os seus direitos econômicos. - 4,5
(Rwan Seco): Apesar da desastrosa apresentação santista, entrou e deu vida ao meio e ataque alvinegro. - 5,5
Willian Maranhão: Tomou um cartão amarelo no começo do jogo, após provar que não tem intimidade com a bola por falta de domínio. Só tem a marcação no seu curriculum e nem essa foi vista em solo argentino. - 4,5
(Zanocelo): Uma finalização nos acréscimos e só. - 5,0
Rodrigo Fernández: O único dos estreantes que não deixou mal impressão, apesar de uma furada no segundo tempo, bisonha. Boas antecipações - 6,0
(Pirani): Perdeu a melhor oportunidade para o time brasileiro após furar um chute dentro da área. Poucos minutos em campo. - SEM NOTA
Ricardo Goulart: Com a estratégia tática equivocada, estava mais isolado do que um ermitão que habita locais despovoados. No segundo tempo recuou mais, após entrada de Rwan Seco e participou mais. teve um pênalti em que finalizou e a bola tocou no braço do argentino que não foi assinalado. - 5,5
Felipe Jonatan: Tímido. Limitou-se a defender. - 5,0
Lucas Barbosa: Começou muito mal ao errar três passes, entretanto, se recuperou na partida. Uma das poucas coisas boas do Santos em 2022, até o momento. - 5,5
Lucas Braga: Sem função, pois a bola não chegou a frente. Nem os duelos individuais na bola longa quando raramente ela chegou, conseguiu vencer. - 5,0
Técnico: Fabián Bustos: Errou quase tudo. Desde a escalação, a estratégia, além de demorar a tirar o terceiro zagueiro e preencher o meio campo. A entrevista coletiva pós jogo foi constrangedora. Eu vi outro jogo completamente diferente do comandante técnico santista. - 3,5

 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by