FOTO CAPA

O RESULTADO FOI MELHOR QUE A PERFORMANCE NA ESTREIA

Publicado às 10h50 deste domingo, 10 de abril de 2022.

O Santos estreou com um empate sem gols, no Campeonato Brasileiro/22, diante do Fluminense, no Maracanã, na tarde deste sábado (9). A arbitragem, novamente, deixou de dar uma penalidade máxima a favor dos visitantes, sofrida por  Angulo, um dos estreantes da tarde no time da Vila, no fim da partida. O VAR sequer chamou o juiz para que Daronco decidisse se marcava ou não, a infração.

A estratégia de Bustos deu certo, entretanto, teve um preço caro. O alvinegro da Vila não finalizou nenhuma vez na segunda etapa. No scout final foram 25 finalizações do time carioca contra 3 do Peixe (todas na primeira etapa). Bustos tenta encontrar uma formação, um jeito de jogar e dá toda pinta que prioriza a reconstrução, à partir da defesa. 

O Blog do ADEMIR QUINTINO adiantou quatro mudanças no time titular em relação a sofrível apresentação diante do Banfield (ARG), na estreia da Sul-Americana. Mas Bustos fez mais uma substituição. Além de promover as entradas de Madson, Lucas Pires, o estreante Jhojan Júlio e Marcos Leonardo, o argentino que comanda o Peixe sacou Lucas Braga e colocou Zanocelo para ter mais um volante. O time entrou em campo em um 4-3-2-1 (diferente do que o mesmo disse na coletiva após jogo que foi um 4-3-1-2) e congestionou o meio de campo para não ser tão agredido.

No começo do jogo, a estratégia quase foi por 'água baixo' em razão das falhas individuais e tomadas de decisões erradas dos atletas. Ainda assim, o time chegou três vezes a meta do goleiro adversário Fábio.

Se a apresentação na primeira etapa foi sofrível do ponto de vista de ameaçar o Fluminense, ela ficaria ainda pior no segundo tempo, onde o camisa 1 do clube carioca foi mero expectador, já que o Santos admitiu suas limitações, ficou apenas na defesa e não deu um mísero chute no ataque. Não bastasse isso, ainda viu Fred, que entrou na segunda etapa acertar a trave de João Paulo.

Mesmo assim, já nos acréscimos, o VAR poderia ter chamado o árbitro Anderson Daronco, após Nino atingir Angulo e a Bola, sendo que pega o equatoriano primeiro. Me causou surpresa, principalmente, os jogadores do Santos não reclamarem, mas vendo o replay, percebe-se que a bola não teve a trajetória desviada e a infração deveria ter sido assinalada.

Alguns podem dizer, poxa Quintino, mas empatou. Sim, o resultado não foi ruim, mas a apresentação, admitida na entrevista coletiva pós jogo pelo próprio comandante técnico, foi ruim. 

Para não dizer que não falei das flores e não podia ser diferente, com três volantes - Maranhão, Fernandez e Zanocelo, a defesa esteve mais protegida e o time marcou melhor. 

Destaque para Maicon que fez uma estreia horrorosa na terça-feira (5), mas se redimiu neste sábado (9) e na minha opinião, foi o melhor santista em campo.

O reconstrução começa pela defesa, mas tenho muitas dúvidas se esse elenco consegue propor jogo, quando for mandante. Este ponto no Rio de Janeiro só será muito bom, se em casa, no fim de semana que vem, o clube fazer valer o fator campo e torcida e sair vitorioso da Vila Belmiro, diante do Coritiba. 

Antes de enfrentar os paranaenses pelo Brasileiro, no próximo doimingo (17), o Santos volta a campo, na quarta-feira (13) contra o Universidade Católica do Equador pela segunda rodada da fase de grupos da Copa Sul-Americana. Marcos Leonardo que cumpre a segunda de três partidas de suspensão e Kaiky com o nariz quebrado, são desfalques certos para o duelo.


FICHA TÉCNICA

FLUMINENSE 0 X 0 SANTOS

Maracanã - Rio de Janeiro (RJ)

Árbitro: Anderson Daronco (FIFA-RS)

Público e renda: 20.787 pagantes/ R$ 713.782,50

Cartão Amarelos: Manoel (FLU)

FLUMINENSEFábio, Nino, Manoel e David Braz (Luccas Claro, 35'/2ºT); Calegari (Willian Bigode, 32'/2ºT), André, Yago Felipe (Nonato, Intervalo), Nathan (Luiz Henrique, 20'/2ºT) e Cris Silva; Cano (Fred, 33'/2ºT) e Arias - Técnico: Abel Braga.

SANTOSJoão Paulo, Madson (Velásquez, 42'/2ºT), Maicon, Bauermann e Lucas Pires; Maranhão e Rodrigo Fernández; Zanocelo (Sandry, 42'/2ºT), Jhojan Julio (Gabriel Pirani, 22'/2ºT) e Ricardo Goulart (Angulo, 22'/2ºT); Marcos Leonardo (Lucas Barbosa, 26'/2ºT) - Técnico: Fabián Bustos

Além de Angulo, Jhojan Júlio também estreou pelo Santos, neste sábado (9).

NOTAS DOS SANTOS

João Paulo: Eficiente, como de costume. Pouco trabalhou de forma providencial, mas quando chamado, mostrou suas qualidades. - 6,5 

Madson: Seu forte é o apoio. Não foi a frente. Limitou-se a defender e não comprometeu. - 5,0 

(Velásquez): Entrou no fim da partida. - SEM NOTA

Maicon: Bem no jogo aéreo e antecipações. Cresceu bastante em relação ao jogo passado. Tem a bola longa interessante, porém, com um contra-ataque inerte, não pode aplicá-la. - 7,0

Bauermann: Teve uma falha gritante no começo do jogo e mal no jogo aéreo. - 5,0

Lucas Pires: Com a proposta de Bustos, também não se aventurou a frente. Fez uma ultrapassagem linda na primeira etapa, mas Marcos Leonardo tomou a decisão de vir 'por dentro' e não passou a bola ao canhoto. - 5,0

Maranhão: Menos mal do que no jogo passado, mas erra passes demais e no começo do jogo falhou em algumas marcações que proporcionaram ataques perigosos do mandante. Segue devendo. - 5,0

Rodrigo Fernández: Dos cinco novos contratados é o que mais me agrada, apesar de classificar como precoce uma análise mais embasada. Roubou algumas bolas e parece ter um passe interessante. - 6,0

Zanocelo: Começou muito mal, perdido na marcação, mas melhorou e fechou o espaço principalmente pela direita. A exemplo de quase todo o time, limitou-se a defender apenas. - 5,5

(Sandry): Jogou nove minutos, incluindo os acréscimos. A hora que tiver em forma, joga de titular com um pé nas costas, pois, é o mais técnico entre os meio-campistas do elenco e já provou do que é capaz. - SEM NOTA

Jhojan Julio: Muito veloz e voluntarioso. Com a proposta defensiva do time, quase não teve oportunidade de aparecer na tentativa de levar o time a frente. Ajudou na marcação também. - 5,5

(Pirani): Jogou pouco mais de 20 minutos. Esperava um pouco mais de participação do jovem de 19 anos. - 5,0

Goulart: Começou bem o duelo e depois desapareceu como um dos dois jogadores para abastecer Marcos Leonardo a frente. Mesmo com Júlio para auxiliá-lo, só recebeu bola de costa. Gosto mais dele, mais a frente. - 5,0

(Angulo): Forte fisicamente. Sofreu um lance no mínimo duvidoso que o VAR podia chamar o árbitro e não o fez. - 5,5

Marcos Leonardo: Faz bem o pivô, protege bem a bola, mas tomou algumas decisões erradas durante a partida. Isolado no ataque, pouco pode fazer, principalmente nos 45 minutos finais. - 5,0

(Lucas Barbosa): Auxiliou na marcação pela direita na segunda etapa. Tem e já demostrou que pode dar mais do que apresentado nos minutos finais no Maracanã. - 5,5

Técnico: Fabián Bustos: Mexeu em cinco posições. Do ponto de vista de estratégia podemos classificar que atingiu o objetivo. Povoou o meio-campo e o time melhorou a marcação. Do outro lado da moeda, o time não teve contra-ataque e nenhum poder de criatividade e imaginação para atacar o adversário. Com seis jogos e futebol reativo, já pode ser mais cobrado, porque ainda não conseguiu fazer o time jogar. Sofre com a falta de entrosamento e jogadores que ainda estão estreando no time. Poucos meninos da Vila tem começado como titulares. Preferi jogadores mais experientes. - 5,5


 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by