FOTO CAPA

SINAL DE ALERTA

Publicado às 09h desta quarta-feira, 14 de abril de 2021.

O Santos está na fase de grupos da Libertadores da América/2021. O alvinegro confirmou sua participação na principal competição do continente mesmo sem jogar um grande futebol ao empatar em 2 a 2 com o San Lorenzo, nesta terça-feira (13), em Brasília, em partida válida pela terceira e última fase preliminar. Como venceu na ida por 3 a1, na Argentina, o Peixe abriu vantagem novamente na partida, porém, não soube atuar com um a mais em campo, abriu 2 a 0, mas deixou o time argentino empatar. A igualdade deixou um sinal de alerta.

Com a classificação, o time da Vila tem garantido US$ 3 milhões apenas por disputar a fase de grupos – a equipe brasileira vai encarar Boca Juniors(ARG), Barcelona de Guayaquil (EQU) e The Strongest (BOL), no grupo C.

O Peixe começou a partida recheado de modificações. Lucas Braga foi para o banco e deu vaga a Soteldo, no ataque. Sem Balieiro que não viajou, Holán improvisou Felipe Jonatan que completou sua 100a. partida pelo alvinegro. Com isso, Pará virou ala pela esquerda e Madson, que não foi inscrito no estadual reapareceu na direita.

Já o San Lorenzo começou com quatro mudanças em relação ao jogo anterior, mas as mudanças pouco adiantaram. Desde o início, o Santos dominou a partida, deixando para o time argentino apenas os contra-ataques como arma.

Com 21 minutos de partida, o time brasileiro abriu o placar. Soteldo tocou para Pirani, que lançou para Felipe Jonatan, que achou Marcos Leonardo livre na esquerda. O jovem centroavante levou a bola para a linha de fundo e mesmo sem ângulo, chutou forte para marcar o primeiro gol do jogo.

A enorme desvantagem no placar agregado fez com que o San Lorenzo passasse a abusar das faltas mais duras e abrir a 'caixa de ferramentas'. O time argentino 'começou a gostar  do jogo' e o Santos apenas tocava a bola. Na base da imposição, quase surge o gol de empate. Aos 36, Donatti foi para a área em um escanteio, subiu mais que Kaiky e cabeceou com muito perigo. Em quatro bolas aéreas na grande área, o alvinegro perdeu todas.

No segundo tempo, o contra-ataque passou a ser a arma usada pelo Santos. No primeiro lance de maior perigo, a defesa do time paulista afastou a bola com um lançamento primoroso para Marinho, que partiu sozinho no campo de ataque e foi derrubado por Rojas, que recebeu o cartão vermelho direto. O Glorioso praiano ficava com um jogador a mais.

Aos 11 minutos da etapa complementar, Soteldo caminhou com a bola, esperou a marcação e deu passe primoroso para Pará, que entrou na área e bateu no canto esquerdo de Davecchi para anotar o segundo gol do Santos e do jogo. Porém, dois minutos depois, em escanteio para o San Lorenzo, Di Santo ganhou de Luan Peres e testou firme para o gol, diminuindo o placar.

Marinho que estava se estranhando com os defensores argentinos, recebeu o amarelo e foi substituído. O jogador não gostou e deixou o campo sem cumprimentar o técnico Arial Holan. Após a partida, o jogador disse através de redes sociais que pediu desculpas ao técnico.

O Santos desacelerou demais o jogo e o San Lorenzo partiu com tudo para o ataque. Os argentinos chegaram ao empate aos 32. Ángel Romero, ex-Corinthians, tabelou com seu irmão gêmeo Óscar e de longe, bateu no canto direito de João Paulo, que demorou para ir na bola.

Daí em diante, um misto de momento ruim com displicência em alguns lances e o time brasileiro não conseguia encaixar nenhum contra-ataque. Faltou pouco para o San Lorenzo virar o jogo com um jogador a menos aos 38. Após cobrança de escanteio, Óscar Romero cabeceou no canto esquerdo, mas João Paulo fez grande defesa.

Aos 43, Óscar Romero dominou fora da área e arriscou. Mais uma vez João Paulo salvou o Santos de levar a virada, espalmando a bola. Por fim, aos 50 minutos, em cobrança de falta levantada na área do time brasileiro, mais uma vez o goleiro precisou entrar em ação – ele defendeu uma cabeçada à queima-roupa de Peruzzi.

Valeu pela classificação, mas a apresentação não foi nada animadora. Inadmissível o segundo tempo do Santos com um jogador a mais.

Na sexta-feira (16) e no domingo (18), o time volta a campo pelo estadual, diante de Ponte Preta e Inter de Limeira, respectivamente, em Campinas e na Vila. Na libertadores, na semana que vem, a estreia na fase de grupos diante do Barcelona, na terça-feira (20), em Santos.


FICHA TÉCNICA

SANTOS 2 X 2 SAN LORENZO

Estádio Mané Garrincha - Brasília.

Juiz: Esteban Ostojich (URU)

GOLS: Marcos Leonardo, aos 21 do 1º Tempo; Pará, aos 11, Di Santo, aos 13, e Ángel Romero, aos 32 do 2º Tempo.

Cartões amarelos: Alison, Marcos Leonardo, João Paulo, Lucas. Peres e Marinho (SFC); Di Santo,  Peruzzi e Rodríguez (SLA)

Cartões vermelhos: Rojas (SLA)

SANTOS: João Paulo; Madson, Kaiky, Luan Peres e Pará; Alison, Gabriel Pirani (Jean Mota) e Felipe Jonatan; Marinho (Lucas Braga), Marcos Leonardo (Kaio Jorge) e Soteldo (Copete). Técnico: Ariel Holan.

SAN LORENZO: Devecchi; Peruzzi, Donatti, Gattoni e Rojas; Rodríguez (Elías), Ramírez e Óscar Romero; Ángel Romero, Di Santo (Franco Troyansky) e Fernández (Melano). Técnico: Diego Dabove.

O Santos voltou a sofrer com a bola aérea ofensiva do adversário.


NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS

João Paulo: Melhor em campo. Falhou no segundo gol, mas fez três defesas maravilhosas de puro reflexo. Precisa melhorar a saída de bola e ter mais confiança na saída do gol. - 7,0

Madson: Deixou espaços. Visivelmente sem ritmo. Apoiou, como de costume. - 5,5

Kaiky: Bem com a bola no chão e nem tanto no jogo aéreo. - 5,5

Luan Peres: No primeiro gol do adversário não achou Di Santo no alto. - 5,0

Pará: Jogador que erra poucos passes. Tem bom tempo de bola. Joga sério. E ainda marcou o segundo gol do Santos, apenas o seu terceiro pelo Santos. - 6,5

Alison: Tomou o cartão cedo, mas teve maturidade suficiente para não correr riscos de ser expulso. Fez bom jogo. - 6,0

Gabriel Pirani: Não armou tanto como no jogo passado, mas quando foi substituído, o time caiu de rendimento. - 5,5

(Jean Mota): Errou algumas bolas paradas. - 5,0

Felipe Jonatan: Sacrificado ao jogar improvisado. Deu a assistência no gol de Marcos Leonardo. Rende muito mais em sua posição. - 6,0

Marinho: Ainda longe do atacante da temporada passada, ainda assim puxou o contra-ataque que causou a expulsão de Rojas. - 6,0

(Lucas Braga): Entrou ligado no jogo. Algumas tomadas de decisão errada. - 5,5

Marcos Leonardo: Aproveitou a chance e fez jogo interessante. Marcou gol e se movimentou bastante. Podia ter feito mais um gol no fim da partida, mas tomou a decisão equivocada. - 6,5

(Kaio Jorge): Poucos minutos em campo. - SEM NOTA

Soteldo: Estupidamente desconcentrado na segunda etapa, mesmo dando juma ótima assistência para o gol de Pará. Perdeu uma bola bola ao tentar dar de trivela e foi imediatamente substituído pela displicência. - 5,5

(Copete): Jogou pouco tempo. - SEM NOTA

Técnico: Ariel Holan: A vantagem construída na primeira partida, permitiu que o argentino que comanda o Peixe fizesse testes. Mas houve um exagero. Para deixar Felipe Jonatan no meio, mexeu em três funções. Além disso, não conseguiu fazer com que o time reagisse, mesmo com um atleta a mais em campo e ver o adversário de quilate técnico inferior, dominar todo o segundo tempo. Por fim, voltou a demorar para mexer e as alterações, nenhuma delas, fez efeito. - 4,5


 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by