FOTO CAPA

MARINHO ENTRA E EMPATA O CLÁSSICO PARA O SANTOS

Publicado às 23h20 deste sábado, 12 de setembro de 2020.
Santos e São Paulo, empataram em 2 a 2, na começo da noite no Estádio da Vila Belmiro, em partida válida pela 10a. rodada do Campeonato Brasileiro. Os gols do Peixe foram de Madson e Marinho. O resultado fez com que o alvinegro fosse a 15 pontos, por enquanto (antes do término da rodada) na sexta colocação.


Sem Marinho, O jovem Marcos Leonardo ganhou uma oportunidade na equipe principal. Na defesa, sem Felipe Jonatan, Pituca foi improvisado pelo setor.

Como Luan Peres jogou na Bélgica como lateral pela esquerda, pensei que ele seria improvisado pelo setor, mas Cuca não entendeu assim. Além disso, Marcos Leonardo não jogou centralizado entre os defensores do ataque santista, pois o técnico santista colocou Lucas Braga e Arthur como meio-campistas e ambos acompanhavam os alas do adversário. O Peixe ficou o primeiro tempo num 4-4-2. 

Com a decisão de Cuca, a equipe ganhou no meio-campo, com o poder de marcação de Alison, porém perdeu qualidade de passe com a saída de Pituca para a improvisação do camisa 21, na ala canhota. 

Não bastasse isso, Luan Peres perdeu a bola para Gabriel Sara na saída de bola e o são-paulino abriu o marcador no começo da partida.

O São Paulo alugava o meio-campo, mas o alvinegro era perigoso na bola parada ofensiva e foi assim que chegou ao empate com Madson de cabeça, após cobrança de escanteio. 

Mas, o time de Cuca não tinha encaixado durante os 45 minutos iniciais e a equipe de Fernando Diniz ficaria na frente do marcador novamente com o mesmo Gabriel Sara, após cruzamento oriundo do lado direito do ataque do clube da capital.

No intervalo, Cuca mexeu no time. Sacou Arthur Gomes e Marcos Leonardo para a entrada dos 'meninos da vila' Lucas Lourenço e Wagner Palha.

O zagueiro canhoto revelado no clube não foi para o miolo da defesa e sim improvisado na ala canhota, enquanto Pituca foi para o meio de campo com Lourenço como armador, na coordenação de jogadas. O Santos cresceu no jogo.

Demorou um pouco para o ex-companheiro do 'rayo' Rodrygo, hoje no Real Madrid, entrar no jogo. Mas bastou o camisa 37 de 19 anos, realizar uma finalização perigosa, para que os seus companheiros de time começassem a confiar mais nele e o jovem demonstrou que tem capacidade para armar a equipe. Distribuiu bem o jogo. Porém, faltava a 'cereja do bolo' para empatar o clássico e ela se chama - Marinho, o atacante do momento no futebol brasileiro. 

O 'carne seca na manteiga' entrou com pouco mais de 20 minutos para o fim, mas foi o suficiente para ele marcar seu sétimo gol na competição e manter-se na vice-artilharia do campeonato.  Ele sofreu a falta e o próprio bateu de longa distância. O goleiro tricolor até com certa soberba mandou abrir a barreira. Hernandes, veterano meio-campista, quando viu que era Marinho, perguntou: 
"Não é melhor, montar a barreira"? 
O camisa 1 do terceiro colocado do nacional disse: 
"Não, pode abrir", garantiu Volpi.
O 'mini míssil aleatório' partiu com força, mas no meio do gol, porém, o arqueiro são-paulino viu a bola passar por debaixo do seu corpo e o Santos empatar o jogo pela segunda vez: 2-2.

Apesar da supremacia dos visitantes na maior parte do jogo, o resultado acabou sendo justo, pelo o que as equipes proporcionaram e pela falta de bom senso do goleiro tricolor com Marinho.

Deu tempo até do jogo ficar paralisado, em razão da queda de energia. 

Na terça-feira (15), o alvinegro tenta encaminhar a classificação antecipada na fase de grupos da Libertadores, diante do Olímpia-PAR, às 21h30, também em Vila Belmiro. Pelo Brasileiro, o Peixe só volta a campo no fim de semana que vem, no Rio de Janeiro, diante do Botafogo-RJ.

Felipe Jonatan, que cumpriu suspensão neste sábado (12) deve ser a grande novidade diante dos paraguaios na competição continental.

FICHA TÉCNICA
SANTOS 2 X 2 SÃO PAULO
Estádio da Vila Belmiro, Santos (SP)
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira (SP)
Cartões amarelos: Soteldo, Luan Peres e Alison (SFC); Igor Vinicius e Hernandes (SP)
GOLS: 0-1, Gabriel Sara (08’/1T); 1-1, Madson (30’/1T); 1-2, Gabriel Sara(36’/1T); 2-2, Marinho (45'/2T)
SANTOS: João Paulo, Madson, Lucas Veríssimo, Luan Peres e Pituca; Alison, Sánchez (Marinho, 20'/2T) e Arthur Gomes (Wagner Leonardo); Lucas Braga, Marcos Leonardo (Lucas Lourenço) e Soteldo (Jean Mota, 55'/2T). Técnico: Cuca.
SÃO PAULO: Tiago Volpi, Igor Vinicius, Diego Costa, Léo e Reinaldo; Tchê Tchê (Luan, 56'/2T) e Hernanes (Brenner, 53'/2T); Gabriel Sara, Igor Gomes e Vitor Bueno (Paulinho Boia, 53'/2T); Luciano. Técnico: Fernando Diniz.

Lucas Lourenço deu nova dinâmica ao time na segunda etapa.
NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS
João Paulo: Não reeditou grandes as maravilhosas apresentações anteriores. No segundo gol, não teve culpa, mas a bola era defensável, porém, o 'papa do gol' tem crédito - 5,5
Madson: Nova boa apresentação do ala que apoia bem. Belo gol de cabeça. Só conseguiu ir a linha de fundo após a entrada de Lucas Lourenço. - 7,0
Lucas Veríssimo: Bem na marcação. Não conseguiu 'armar' o time como de costuma na passagem da bola da primeira para a segunda linha. Errou alguns passes. - 6,0
Luan Peres: Perdeu a bola do gol inicial. Se recuperou no jogo. - 4,5
Pituca: Como lateral não foi bem. Cresceu demais quando passou a jogar na sua posição, durante a segunda etapa. - 6,5
Alison: Meio sumido no primeiro passe. Só apareceu em algumas roubadas de bola. - 5,0
Sánchez: Longe do meio-campista intenso de 2019, mas aos poucos, pelo menos participa com assistências. Cruzou a bola para o gol de Madson. - 6,5
(Marinho): O dono do campeonato ao lado de Galhardo do Inter. Sofreu a falta e marcou o gol do empate do Peixe de falta. Merece a amarelinha. - 7,5
Arthur Gomes: Ao contrário do jogo do meio de semana, apareceu apenas ajudando na recomposição. - 5,5
(Wagner Leonardo): Tem aproveitado as oportunidades que tem. Extremamente rápido para um defensor. Mesmo improvisado, funcionou bem no setor. - 6,5
Lucas Braga: Tecnicamente deixou a desejar, mas o que entrega na recomposição, ajuda na marcação é algo absurdo. Voluntarioso. - 6,0
Marcos Leonardo: Não jogou espetado com dois extremas como companheiros. Brigou bastante mas com a pouca produtividade do meio-campo, não chegou nenhuma condição para a finalização. Está ganhado minutagem e espaço aos poucos. - 6,0
(Lucas Lourenço): Demonstrou personalidade ao finalizar com perigo e distribuir jogadas como autêntico armador. Com uma sequência pode dar a alternativa de uma característica que o elenco não tem. - 6,5
Soteldo: Não reedita a temporada passada. Já era de se esperar. Não é mais surpresa e tem recebido dobra na marcação. - 5,5
(Jean Mota): Nenhuma jogada aguda, mas não comprometeu no setor. - 5,5
Técnico: Cuca: Errou na escalação. Podia ter colocado Luan Peres que jogou muito tempo na ala canhota. Preferiu tirar Pituca do meio e o setor que já não vem bem perdeu capacidade de passe. No segundo tempo com as entradas de Wagner Palha e Lucas Lourenço, melhorou o time. - 5,5


 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by