FOTO CAPA

ATAQUE CONTRA DEFESA E DERROTA POR 2 A 0 FICOU BARATO

Publicado às 23h55 desta quinta-feira, 13 de agosto de 2020.
O Santos novamente decepcionou e segue sem vencer após a volta do futebol depois de quatro meses de paralisação em razão da pandemia do coronavirus e foi uma presa fácil para os gaúchos do Internacional na noite desta quinta-feira (13) em Porto Alegre. O resultado ficou 'barato', tamanha a superioridade do adversário. O Colorado bateu o Peixe por 2 a 0 com gols de Guerrero e Ednílson.

O técnico santista Alex Stival, o Cuca, não blefou. O treinador sacou o jovem Kaio Jorge do time e escalou um terceiro zagueiro - Luiz Felipe. Mas a alteração tática durou apenas 15 minutos, porque o defensor santista deixou o gramado com incômodo no adutor de uma das coxas e foi substituído. 

O primeiro tempo do alvinegro foi tão fraco que teve um instante que o time da casa tinha 72% de posse de bola e mais de 10 chutes ao gol contra apenas uma do clube paulista. Foi ataque contra defesa 

Os números dos primeiros 45 minutos foram tão vergonhosos que só a divindade explica o Santos ter ido para o intervalo com igualdade no placar. O Internacional terminou a primeira etapa com 64% de posse de bola e 11 finalizações certas a meta de Vladimir. Já o Peixe teve 36% de posse com 69% de acerto nos passes diante de 83% do clube mandante. Nem na serie D é aceitável um número horroroso desse.

O clube da Vila segue pagando por decisões erradas. Destruíram tudo que o ‘amor por el balón’ Sampaoli construiu em 2019. Além disso, saídas de peças importante com trapalhadas e tomadas de decisões erradas da gestão. 

O alvinegro dentro de campo é uma caricatura mal feita de um time de futebol. Mas a 'base vai salvar' como sempre salvou. Porém, peço calma quando os meninos entrarem, porque não tiveram 'minutagem'. Vão ganhar essa experiência e esse lastro durante a temporada, o que é muito perigoso.

Cuca pode ser acusado de tudo, menos de que não tentou nesse jogo. Sacou Sánchez e Pituca, lançou Jobson e Taílson improvisado no meio-campo. Houve uma leve melhora. Mas qualquer coisa seria benéfica, tamanho a fraqueza e a falta de futebol que o Glorioso da Vila não conseguiu demonstrar até então.

Porém, era questão de tempo para o Inter marcar seu primeiro gol e ele veio após insistência de Galhardo que conseguiu tocar para trás na disputa com o ala Felipe Jonatan e após cruzamento, Guerrero abrir o placar. Ednílson que havia dado a assistência ao peruano, selou o destino da partida, minutos depois e ampliou o placar - 2 a 0.

Antes dos gaúchos marcarem o segundo, o Santos empatou o jogo com Kaio Jorge. A arbitragem anulou dizendo que o jogador levou a bola com a mão. O técnico Cuca após o jogo reclamou bastante dizendo que o 'menino da Vila' sofreu pênalti.

Em 2020, o Santos não venceu um adversário sequer da série A. Foram quatro jogos no estadual diante de São Paulo, Corinthians, Palmeiras e Red Bull Bragantino e no Brasileiro que recém começou o time só tem um ponto em dois jogos. 

Sinal de alerta mais que ligado na Vila Belmiro, até porque o clube não tem dinheiro após mal administrar os R$ 185 milhões que recebeu da venda de Rodrygo e não bastasse isso, está impedido de contratar, pois a FIFA proibiu o clube de inscrever qualquer jogador novo no BID (Boletim Informativo Diário) depois da instituição dar alguns calotes ao não pagar pelas compras de alguns atletas.

No próximo domingo (16), às 19h45 na Vila famosa com portões fechados, o Santos recebe o Athlético Paranaense de Dorival Junior. O zagueiro Luíz Felipe com problema muscular é dúvida. Raniel que não viajou para Porto Alegre pode ficar a disposição.

FICHA TÉCNICA
INTERNACIONAL 2 X 0 SANTOS
Estádio Gigante da Beira Rio - Porto Alegre (RS)
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (RJ)
Cartões amarelos: Edenílson (Internacional); Lucas Veríssimo, Kaio Jorge e Marinho (Santos)
GOLS1-0 Guerrero (11'/2T)/ 2-0 Edenílson (42'/2T)
INTERNACIONAL: Marcelo Lomba; Saravia, Bruno Fuchs, Victor Cuesta e Moisés; Rodrigo Lindoso, Edenílson (D'Alessandro, 45'/2T), Boschilla (Marcos Guilherme, 41'/2T), Patrick e Thiago Galhardo (Musto, 33'/2T); Paolo Guerrero. Eduardo Coudet. 
SANTOS: Vladimir; Pará, Lucas Veríssimo, Luiz Felipe (Kaio Jorge, 18'/1T), Luan Peres e Felipe Jonatan (Madson, 19'2T); Alison (Ivonei, 19'/2T), Pituca (Tailson) e Sánchez (Jobson); Marinho e Soteldo. Cuca.

Cuca até tentou e fez várias substituições. Entre elas, o menino Ivonei estreou entre os profissionais.

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS
Vladimir: Se não fosse ele e a divindade, a catástrofe seria ainda maior. - 6,5
Pará: No primeiro tempo, muitas dificuldades na marcação. Melhorou quando foi para o lado esquerdo, após a entrada de Madson na direita. - 5,0
Lucas Veríssimo: Fazia uma partida consistente, mesmo tendo que marcar um dos melhores atacantes que jogam no Brasil - Guerrero, mas não conseguiu chegar no peruano quando o mesmo cabeceou para abrir o placar. - 5,5
Luiz Felipe: Jogador com boa saída de bola, parece não dar sorte. Deu um carrinho e sentiu o músculo adutor. É dúvida para a próxima rodada. - SEM NOTA.
(Kaio Jorge): Com a sua entrada a defesa do Internacional não subia tanto e o time melhorou um pouco. Esforçado e batalhador. Com os minutos que vem recebendo ao jogar toda rodada, está se soltando. - 5,5
Luan Peres: Como de costume, de razoável para bom no jogo no chão e deixa a desejar no alto. - 5,0
Felipe Jonatan: Apostou na proteção da bola no lance que originou o primeiro gol do Internacional. Thiago Galhardo conseguiu tocar para trás e em seguida a assistência de Ednilson para o gol de Paolo Guerrero. Foi substituído logo em seguida. - 5,0
(Madson): Não conseguiu evitar que Ednílson chegasse em condições de marcar o segundo gol. - 5,0
Alison: Bem na marcação, apesar da dificuldade na saída de bola. Com o gol dos gaúchos ficou sem função e foi bem substituído. - 5,5
(Ivonei): Dos que entraram foi o que teve mais personalidade. - 5,5
Pituca: Não vive seu melhor momento na equipe. Tem potencial para jogar mais. Substituído no intervalo. - 5,0
(Tailson): Entrou fora de posição. É jogador de lado. Atuou quase como ponta de lance e foi discreto. - 5,0
Sánchez: Longe de sua melhor forma física. Quase não foi notado na primeira etapa. O líder do elenco não faz uma temporada a altura da sua capacidade futebolística até aqui. - 5,0
(Jobson): Deu melhor qualidade no passe longo, um de seus principais recursos.  Depois que o time sofreu os gols, caiu de rendimento junto com os companheiros. - 5,5
Marinho: Deu dó do 'carne seca na manteiga'. Só bolas antes do meio campo, a maioria de costas e apanhou mais que mulher de malandro com a conveniência do árbitro. - 5,5
Soteldo: Visivelmente prejudicado ao receber apenas bolas de costas. Conforme já vinha chamando a atenção, esse ano será mais difícil para o venezuelano. Seus dribles já são conhecidos. Foi apenas discreto. Melhor momento foi a assistência para Kaio Jorge no gol invalidado. - 5,0
Técnico - Cuca: A tática com três zagueiros não deu certo. O Internacional dominou o meio-campo. Retornou ao 4-3-3. Não pecou por omissão em alterar o time, o tempo todo. Tem muitos meninos no banco que não tiveram 'minutagem'. Terá muito trabalho para organizar o time sem reforços, pois o clube está impossibilitado de contratar. - 5,0
strutura.com.br

 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by