FOTO CAPA

APÓS 128 DIAS SEM FUTEBOL, PEIXE FICA APENAS NO EMPATE EM CASA

Publicado às 23h30 desta quarta-feira, 22 de julho de 2020.
Após 128 dias, o Santos voltou a campo em um jogo oficial e ficou apenas no empate com o Santo André em 1 a 1, em partida válida pela penúltima rodada da fase de classificação do Paulista/2020, na Vila Belmiro, na noite desta quarta-feira (22). O gol do Peixe foi de Soteldo. O empate garantiu a classificação santista a próxima fase.

Conforme o Blog do ADEMIR QUINTINO publicou na véspera do duelo, Marinho ficou no banco como opção e Arthur Gomes foi confirmado como titular na direita do ataque.  Com Everson e Sasha, que entraram na justiça fora da equipe, Vladimir no gol e Kaio Jorge na frente, foram as demais novidades.

Já era de se esperar que o jogo não seria tão veloz. Mais de quatro meses sem uma partida oficial, então, para não ser injusto, não dá para eu ser exigente ao extremo na avaliação do espetáculo de pouca qualidade técnica. 

O Santo André se plantou atrás da linha do seu campo  desde o inicio com uma linha de quatro, outra de cinco e o alvinegro era muito previsível e estático na movimentação do meio-campo para frente.

Em uma bola parada, a defesa santista com três jogadores não conseguiu evitar o golpe de cabeça do jogador do time do ABC e a bola tocou na trave. No rebote, novamente outro jogador do time andreense, a frente, empurrou para o fundo das redes e abriu o placar.

Se a situação não era das melhores, ficou ainda pior. Sanchez já tinha cartão amarelo, chegou atrasado, atingiu o meio-campista adversário e levou o segundo cartão, que proporcionou a expulsão do camisa 7. O Peixe perdia o jogo e numericamente inferiorizado em relação ao adversário. 

Quando o jogo se encaminhava para o intervalo, o zagueiro Luan Peres marcou forte na saída de bola do Santo André e recuperou a mesma que chegou em Soteldo e o camisa 10 finalizou e empatou o jogo. O venezuelano não comemorou.

Na segunda etapa, eu esperava que Marinho retornasse na vaga de Arthur, mas Jesualdo retirou o jovem revelado na base santista, mas preferiu Raniel aberto pela direita. Não funcionou.

Aliás, senti um Santos penso, na primeira etapa. As melhores jogadas eram iniciadas da esquerda, mas quando eram alçadas exageradamente na grande área, insistiu em atuar dessa forma, o lado direito quando fechava deixava a desejar, principalmente nas conclusões das jogadas. 

Além disso, Kaio Jorge que tem qualidade, esperava muito o cruzamento para trás, na marca do pênalti e as bolas vinham em sua maioria na pequena área na altura do primeiro pau. Nada que não possa ser corrigido. A questão é de posicionamento.

No meio da etapa final, Jesualdo Ferreira se convenceu que necessitava da agressividade de Marinho. E o 'carne seca' entrou com a vontade costumeira e sua característica de muita força pelo outro lado do campo deu uma opção novo ao ataque dos donos da casa. O time melhorou, não ficou tão dependente de Soteldo e até chegou mais, mas nada que fizesse perigo a meta do goleiro Ivan do time alviceleste. 

Eu, particularmente, não gosto da propositura de jogo que pensa o técnico santista, mas não vou cobrar forte assim, porque a condição física está longe da ideal e principalmente a falta de ritmo de jogo.

Valeu pela garantia de classificação, o retorno das atividades e agora buscar o 'ajuste' necessário (eu estou cético, mas não quero ser o profeta do apocalipse) para a fase final da competição e o começo do Brasileirão, à partir do mês que vem.

Marinho entrou bem no jogo. Deu outra alternativa pela direita do campo.

FICHA TÉCNICA
SANTOS 1 X 1 SANTO ANDRÉ
Estádio da Vila Belmiro -Santos (SP)
Árbitro: Thiago Luis Scarascati
Cartões amarelos: Alison (Santos); Marlon e Douglas Baggio (Santo André)
Cartão vermelho: Carlos Sánchez (Santos)
GOLS: Rodrigo 18'/1T (0-1) e Soteldo 48'/1T (1-1)
SANTOS: Vladimir, Pará (Madson 29'/2T), Lucas Veríssimo, Luan Peres e Felipe Jonatan; Alison, Pituca e Sánchez; Arthur Gomes (Raniel 1'/2T), Kaio Jorge (Marinho12'/2ºT) e Soteldo. Técnico: Jesualdo Ferreira.
SANTO ANDRÉ: Ivan; Ricardo Luiz, Willian Goiano, Rodrigo e Marlon; Nando Carandina, Branquinho (Guilherme Garré 16'/2T), Vitinho Schimidt e Rondinelly (Vitinho 16'/2T); Ramon e Douglas Baggio. Técnico: Paulo Roberto Santos.

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS
Vladimir: Sem culpa no gol sofrido. Santo André pouco exigiu do novo titular da meta santista. - 6,0
Pará: Não goza mais do mesmo vigor físico de outras épocas na parte ofensiva, porém, ainda assim tentou ir a frente e teve uma oportunidade que foi desperdiçada. Cansou e foi substituído. - 5,5
(Madson): Apesar de mesma posição, tem uma característica diferente de Pará. Agride mais. - 6,0
Lucas Veríssimo: O defensor mais seguro do Peixe nos últimos anos, tentou acelerar o primeiro passe da defesa para o meio-campo. Pouco trabalho em sua função em razão do adversário em abdicar do jogo. - 6,0
Luan Peres: Bom defensor que tem dificuldade no jogo aéreo. Não estava tão bem posicionado no gol que o alvinegro sofreu. Compensou tudo ao ser o ladrão de bola no gol do Soteldo. - 6,5
Felipe Jonatan: Sou testemunha, por ser repórter de campo e ficar atrás do gol e ouvir auxiliares de Jesualdo pedindo para o ala canhoto que tem muita força, não avançar. Um desperdício. Limitou-se a ações defensivas e pouco participou do jogo. - 6,0
Alison: O Santo André avançou as linhas na marcação do campo defensivo santista e Alison quando tinha a bola tinha dificuldade no primeiro passe. Também estava no lance com outros dois jogadores santistas que não conseguiram tirar a bola no gol do time visitante. - 5,0
Pituca: Não chegou como meia e a formação permite isso e se limitou a ações de desconstruções do time do ABC paulista. - 5,0
Sánchez: Chegou atrasado no adversário, já tinha cartão e foi expulso justamente. - 3,0
Arthur Gomes: Teve uma chance clara e outras duas mais difíceis, mas não foi feliz ao realiza-las. No um contra um não levou a melhor diante do lateral do Santo André. - 5,0
(Raniel): Não é, nunca foi e jamais será jogador de lado. É centroavante que faz pivô e também sabe jogar de segundo volante. Falta velocidade no arranque e um contra um interessante para jogar pelo lado do campo. Saiu lesionado e preocupa. Quando entrou Marinho foi jogar 'espetado' como referência. - 5,0
Kaio Jorge: O Santos insistiu muito nos chuveirinhos e o camisa 19 sempre se posicionou na marca do pênalti, quando podia tentar se antecipar aos defensores. Questão de correção de posicionamento apenas. Ajustável. - 5,0
(Marinho): Entrou bem demais e deu um molho interessante demais. Jogador de muita personalidade que vai para cima do defensor. - 6,5
Soteldo: Única saída ofensiva de qualidade no primeiro tempo. Fez o gol do empate. No segundo tempo voltou a reaparecer quando Marinho foi a campo e com isso não ficava encaixado com sobra da marcação adversária. O melhor do jogo. - 7,0
Técnico: Jesualdo Ferreira: O Santos segue levando gols de bola parada. Inadmissível e era uma fragilidade antes da paralização da pandemia do coronavírus. Time sem imaginação no principal setor do campo, o meio e que exagerou nas bolas alçadas da grande área. - 4,5



 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by