FOTO CAPA

EMPATE E AUSÊNCIA DE INTENSIDADE

Publicado às 08h50 desta sexta-feira, 24 de janeiro de 2020.
Com pouca criatividade na construção das jogadas, sem intensidade na marcação da saída de bola adversária e o mais preocupante, pouquíssimas finalizações, o Santos estreou apenas com um empate no Paulistão/2020, diante do seu torcedor em 0 a 0, diante do Red Bull Bragantino, na noite desta quinta-feira (23), na Vila Belmiro que recebeu um público de mais de 12 mil expectadores. O duelo marcou a estréia do português Jesualdo Ferreira no comando técnico do time.

Sem Soteldo na Seleção olímpica da Venezuela, Kaio Jorge foi o escolhido para substituí-lo. Porém, o jovem talentoso não tem como característica a explosão pelo lado do campo e tampouco o drible curto. Esse foi apenas um dos problemas do Glorioso na partida. Aliás, o 'Menino da Vila' com dores no pé, deixou o gramado no intervalo da partida substituído por Raniel que fez sua estréia com o manto santista.

Por incrível que pareça, as melhores chances foram do adversário, campeão da última série B do Brasileiro, e emergente força do futebol nacional. 

O goleiro Everson extremamente criticado pelo torcedor alvinegro foi o melhor jogador da partida e além de salvar a equipe numa derrota, num chute cara a cara com o atacante do time do interior paulista, ainda contou com a sorte em um segundo lance, quando a bola caprichosamente bateu na trave e não entrou.

Claro que foram apenas os primeiros 90 minutos e será precoce uma avaliação mais detalhada da equipe que terminou a temporada para esta, sob novo comando. Porém, as ultrapassagens, transição rápida e principalmente a marcação pressão na marcação, não foram vistos neste primeiro jogo da temporada.

Apesar do resultado ruim em casa, a perda de dois pontos, o Peixe é líder do grupo, pois Ponte Preta, Oeste Barueri e Água Santa, outras equipes que compõe o grupo em que está o alvinegro, perderam seus respectivos jogos na abertura da competição.

Na próxima segunda-feira (27), em Campinas, o Santos volta a campo diante do Guarani que goleou a Inter de Limeira, fora de casa, na estréia. Marinho com um entorse em um dos tornozelos, dificilmente reunirá condições de atuar e pode ser mais um desfalque. O jogador será reavaliado nesta sexta-feira (24), na reapresentação do elenco.

FICHA TÉCNICA
​SANTOS X RED BULL BRAGANTINO
Estádio Vila Belmiro - Santos (SP)
Árbitro: Raphael Claus (SP) 
Cartão Amarelo: Carlos Sánchez (Santos) Ligger; Edimar; Barreto; Artur (RBB)
Público e renda: 12.412 / R$ 511.705,00
SANTOS: Everson; Pará, Luan Peres, Luiz Felipe e Felipe Jonatan; Alison, Pituca e Sánchez; Marinho (Derlis González
29' 2ºT), Sasha (Arthur Gomes 17' 2ºT) e Kaio Jorge (Raniel-Intervalo). Técnico: Jesualdo Ferreira 

RED BULL BRAGANTINO: Júlio César; Aderlan, Léo Ortiz e Ligger e Edimar; Uillian Correia, Barreto (Vitinho 42' 2ºT), Claudinho (Morato 37' 2ºT) e Bruno Tubarão (Thonny Anderson 19' 2ºT); Artur e Ytalo. Técnico: Vinícius Munhoz

A partida marcou a estréia de Jesualdo Ferreira no comando técnico.
NOTAS DOS JOGADORES  DO SANTOS
Everson: O melhor do Santos e do jogo. - 7,0
Pará: Completou 200 partidas com a camisa do clube. Um bom chute de longa distância. - 6,0
Luan Peres: O melhor da defesa. - 6,5
Luiz Felipe: Ainda não repetiu o excelente futebol que o fez melhor zagueiro do Brasileiro de 2016. Tem bola para crescer. - 5,5
Felipe Jonatan: Sofreu com o rápido Artur. Não comprometeu. - 6,0
Alison: É o melhor marcador do país, mas tem muita dificuldade no primeiro passe. - 5,5
Pituca: Na marcação, presença constante, entretanto, pouco colaborou na armação de jogadas com Sánchez. - 5,5
Sánchez: Tentou acelerar o jogo, sua grande característica, mas exagerou na bola longa. - 5,5
Marinho: O mais perigoso do ataque. Bem no enfrentamento individual e com isso, apanhou bastante. Sofreu entorse no tornozelo. - 6,5
(Derlis González): Correu bastante e teve uma chance no final. - 5,5
Sasha: Se movimentou bastante, mas só chegou bola que o camisa 27 pudesse dominar de costas. - 6,0
(Arthur): Entrou para dar velocidade pelos lados, mas parou na boa marcação adversária. - 5,5
Kaio Jorge: Algumas tomadas de decisão errada. Rende mais como homem de área do que pelo lado. - 5,5
(Raniel): Com a entrada de Arhur, passou a jogador como referência, mas a bola não chegou e as poucas que chegaram, pouco produziu. - 5,0
Técnico: Jesualdo Ferreira: Vai ter que ter paciência com o Gajo para a adaptação. Espantou a ausência de intensidade na marcação e a movimentação vistas com seu antecessor Sampaoli. - 5,5


strutura.com.br

 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by