FOTO CAPA

DESILUSÃO

Publicado às 05h30 desta segunda-feira, 26 de agosto de 2019.
Com um segundo tempo medíocre, um dos piores em sua história centenária e depois ter aberto três gols de diferença, o Santos conseguiu a façanha de jogar dois pontos na 'lata do lixo'é só empatar com o modesto Fortaleza, em plena Vila Belmiro em 3 a 3. Os gols do alvinegro foram de Marinho, Jorge e Sasha.

Com o terceiro fracasso seguido, o alvinegro perdeu a liderança do Campeonato para o Flamengo que venceu o Ceará, fora de casa, igualou os 33 pontos e 10 vitórias, porém tem saldo melhor (17 a 11).

Sampaoli novamente alterou o time, como de costume. O ala Victor Ferraz retornou a lateral direita e Aguilar a zaga central. Alison e Evandro ganharam novas oportunidades no meio-campo, assim como Marinho. O 'coringa' Felipe Jonatan e o meio-campo Sánchez ficaram como opções no banco de reservas.

Mal começou o jogo e com um minuto e 32 segundos, Marinho, em tarde inspirada, recebeu de Sasha, após belo passe de Evandro e abriu o placar. Era o início de uma possível goleada. Aos nove, o mesmo Marinho cobrou escanteio, a zaga do tricolor cearense tirou a bola para a entrada da grande área e num 'sem pulo', Jorge, marcou um golaço. 

Aos 32, ainda da primeira etapa, Sasha recebeu na esquerda e na saída do goleiro aumentou o marcador para 3 a 0. Precisou a ajuda do VAR para validar o gol do artilheiro santista no Campeonato Brasileiro. E assim, os times desceram para o intervalo. Foi de encher os olhos.

Em 45 minutos, o Peixe se reabilitava com muita intensidade e o principal, uma consistência de jogo absurda.

Veio a segunda etapa. Parecia que o time santista tinha ido a uma feijoada e tava com um 'sono monstro' absurdo. Zé Ricardo, técnico cearense, avançou seu time, marcou a saída de bola e a com novo atuação catastrófica do zagueiro Felipe Aguilar, que em minha opinião falhou nos três gols, o adversário que estava 'morto' chegou a igualdade que nem o mais pessimista dos santistas, poderia acreditar. 

O defensor colombiano, a exemplo do clássico contra o São Paulo fez novo pênalti bobo, não acompanhou Wellington Paulista no segundo gol e voltou a cair, antes de a bola chegar, de forma bisonha que nem Camilo e Pedro Paulo nos anos 90, período da 'vacas magras' seriam capazes de realizar.

Mas não foi apenas a defesa que 'entregou a paçoca' na etapa complementar. O time teve no mínimo duas chances para garantir a vitória e não 'matou'o jogo. Como costumo dizer, nos locais onde trabalho e nas minhas redes sociais, o "futebol não tolera desaforo".

Na entrevista coletiva, perguntei ao técnico Jorge Sampaoli se ele já tinha passado por isso e o que tava acontecendo com o Aguilar que pelo segundo jogo consecutivo (contra o São Paulo falhou demais também) comprometeu a pontuação da equipe? Sobre o defensor, o técnico santista preferiu falar apenas após uma segunda pergunta sobre o mesmo assunto. No primeiro instante, desconversou e não respondeu:
"Esse tipo de situação não lembro se já vivi. Fizemos um primeiro tempo onde o time foi um dos melhores desde que cheguei. Segundo tempo, o pênalti foi pontual. Depois, passamos a dividir a bola e não ter o controle. Mesmo assim, poderíamos ter ampliado. No final, empataram. Não creio que o Fortaleza tenha merecido o empate." disse o comandante técnico Sampaoli, após a partida.
Posteriormente, perguntado novamente sobre o  colombiano, Sampaoli defendeu o jogador indicado por ele, no começo do ano e que custou aos cofres do clube, a bagatela de U$ 4 milhões (R$ 15 milhões) junto ao Atlético Nacional da Colômbia:
"Aguilar fez um jogo bom, mas teve erros pontuais que interferiram no resultado. Isso desfigura um pouco a atuação. Confio muito em Felipe. É nobre, deixa tudo em campo e se entrega totalmente. Ele está no último terço e erros aparecem mais. Ainda mais quando se convertem em gols. Temos que levantar quem não vive o melhor momento”, finalizou Sampaoli sobre o zagueiro.
Novamente a falta de concentração, falhas individuais e um segundo tempo sofrível, fizeram com que o time perdesse dois pontos importantes. Além disso, classifico como inadmissível, o espaço dado ao adversário nos 45 minutos finais.

A confiança de todos, inclusive do grupo, foi para o 'espaço' após os últimos resultados. É difícil imaginar que este grupo, que na hora que mais necessita, não tem respondido, resgate a '' da torcida na conquista do título, em curto espaço de tempo. 

No momento de acumular 'gordura', e aumentar a diferença de pontos aos concorrentes, o alvinegro sequer consegue se manter na ponta, com os outros adversários, jogando outras competições e o time indo a campo, somente os fins de semana. 

Fico imaginando, quando tiver jogos quarta e domingo, e isso vai acontecer do próximo mês e os adversários diretos, envolvido em uma única competição , além das três datas FIFA (setembro, outubro e novembro) que o calendário nacional não respeita e vai tirar peças importantes do elenco em rodadas fundamentais, fica difícil acreditar que esse plantel, que no primeiro instante que assumiu a liderança 'patina' possa corresponder e resgatar a confiança do seu torcedor.

No próximo sábado (31), o time de Jorge Sampaoli vai ao Sul do país e enfrenta a Chapecoense. O lateral Jorge e o atacante Marinho, suspensos são desfalques certos. Gustavo Henrique que cumpriu suspensão deve voltar ao time.

Por fim, me considero um otimista, mas como formador de opinião, não posso e não vou tentar iludir meu público. Torço e quero estar redondamente errado, a respeito do que escrevi. A direção contratou. Tenta profissionalizar o departamento com as chegadas de Autuori e a volta do Renato. O técnico é ótimo, apesar de em alguns momentos exagerar, mas o grupo, pelo menos por enquanto, não está correspondendo as expectativas que eles mesmo gerou após bom início de competição. Fora, o aspecto emocional após duas derrotas contra gigantes do país e um empate em casa, diante de um time que luta pra não cair, depois de estar vencendo por 3 a 0. Isso arrebenta e tira a 'moral' de qualquer time. Imagino, os próximos adversários diante dos fatos que aconteceram? Acaba o respeito. 

Um choque de realidade pode curar uma desilusão, porém só o tempo vai definir se este grupo tem mesmo forças para reagir, ou apenas deixou o torcedor em mais um "sonho de verão", ou neste caso, inverno. #ProntoFalei

Sasha marcou seu oitavo gol no Brasileiro. Segue como artilheiro do time na competição.

FICHA TÉCNICA
SANTOS 3 X 3 FORTALEZA
Estádio: Vila Belmiro, Santos (SP)
Árbitro: Rodrigo D'alonso Ferreira (SC)
Público total: 12.515
Renda: R$ 434.275,00
Cartões amarelos: Sánchez, Jorge e Marinho (SAN); Juninho, Felipe e Carlinhos (FOR)
GOLS: Marinho 1’/1ºT (1-0), Jorge 9’/1ºT (2-0), E. Sasha 32’/1ºT (3-0), Wellington Paulista 14'/2ºT (3-1), W. Paulista 22'/2ºT (3-2) e Tinga 49'/2ºT (3-3)
SANTOS: Everson, Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Felipe Aguilar e Jorge; Alison, Pituca e Evandro (Sánchez, 25'/2ºT); Marinho, Soteldo (Dérlis González, 43'/2ºT)e Sasha (Jean Mota 30'/2ºT). Técnico: Jorge Sampaoli.
FORTALEZA: Felipe Alves; Tinga, Quintero, Jackson e Carlinhos; Juninho, Felipe, Gabriel Dias (André Luís, 33'/2ºT); Edinho (Osvaldo, 36'/2ºT), Romarinho (Felipe Pires, intervalo) e Wellington Paulista. Técnico: Zé Ricardo.

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS
Everson: Não realizou milagres. No segundo gol, talvez pudesse estar em uma posição que interceptasse o cruzamento do gol de Wellington Paulista. - 5,0
Victor Ferraz: Pecou na marcação. Dois gols foram pelo seu setor que os cruzamentos saíram. - 4,5
Lucas Veríssimo: O melhor da defesa há algum tempo. Porém, também não evitou o pior, apesar de não ter falhado em nenhum dos gols. - 6,0
Felipe Aguilar: Cinco pontos perdidos diante do São Paulo e neste domingo são muito por duas atuações que não combinam com o jogador que tem recursos técnicos, mas tem falhado demais. Momento de sentar no banco e esperar um melhor momento para voltar. Por muito menos, o Luíz Felipe foi para suplência e só entrou no decorrer da partida, sem jamais ter começado um jogo. - 2,0
Jorge: O Melhor do time. Passe milimétrico para o gol de Sasha e deixou o seu num sem pulo, no gol mais bonito da tarde entre os seis. - 7,5
Alison: Não teve a mesma eficácia costumeira na marcação. No segundo gol do time nordestino não evitou o avanço de Edinho e no terceiro, perdeu a bola que originou o contra-ataque. Neste último lance, fiquei com a impressão de falta de defensor do Fortaleza. - 5,0
Pituca: Rende muito mais a frente da cabeça de área. Não tem perfil de cometer faltas para matar lances perigosos, o que compromete jogar a frente dos zagueiros. Dá mais qualidade no passe e 'pisa'na área como opção no arremate. - 6,0
Evandro: Belo e difícil passe para Sasha que serviu Marinho no primeiro gol. Parece ter qualidade nesse fundamento, porém, não é tão  intenso como Sampaoli costuma exigir. - 6,0
(Sánchez): O melhor jogador do Campeonato nas dez primeiras rodadas, dessa vez não entrou tão bem. Nem na bola parada que faz parte de seu repertório. - 5,5
Marinho: Velocidade e força. Bem demais na primeira etapa. Um lindo gol. Um ótimo cruzamento que originou o segundo. Caiu de produção na etapa final. - 7,0
Soteldo: Deixou o marcador maluco no primeiro tempo. Algumas tomadas de decisões equivocadas no último passe. Teve chance de servir Sasha duas vezes no primeiro tempo, mas parece mais se livrar da bola do que cruzar na marca do pênalti, como devia. Tem recurso e como é novo pode corrigir esse problema. - 6,5
(Dérlis González): Entrou para colaborar na marcação pela direita com seu estilo voluntarioso. Não houve tempo suficiente. - SEM NOTA
Sasha: Voluntarioso e ótima visão periférica. Maravilhosa assistência no primeiro gol e classe e frieza para tirar do goleiro no terceiro. O treinador e a direção queriam tanto um 9 e ele já estava na Vila. - 7,5
(Jean Mota): Teve a bola do jogo em seus pés, porém, chutou em cima do goleiro. Deu um pouco mais de velocidade no passe no meio-campo. - 5,5
Técnico: Jorge Sampaoli: É lindo e maravilhosa a intensidade do time que fez um primeiro tempo impecável. Mas tem momentos, que o técnico pode abdicar mão de sua filosofia, em situações pontuais e fechar a 'casinha'. Aguilar quando erra uma e o histórico mostra, costuma voltar a errar no mesmo jogo. Vide Ituano, Vasco, São Paulo e agora mais uma jogo, o da tarde deste domingo. Podia ter sacado o colombiano que tem recurso, mas parece ficar com o psicológico abalado. Além disso, segue  teimoso em não colocar o volante Jóbson para estrear, pois não foi ele que pediu sua contratação. Deixa claro,que não  conta com o jogador. Então não o leve pro banco e peça a diretoria para emprestá-lo. Apesar de faltar peças de melhor qualidade em algumas posições, a direção do clube deu reforços ao treinador e ele, não conseguiu evitar a tragédia anunciada após o segundo gol, fechando mais o time. Ainda, segue como o maior responsável pela bela campanha do time no Campeonato. - 5,0

strutura.com.br



 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by