FOTO CAPA

O LÍDER NÃO VIU A COR DA BOLA

Publicado às 21h27 deste domingo, 9n
O Santos venceu e convenceu na Vila Belmiro ao derrotar o líder do campeonato - o SCCP, por 2 a 0. Foi uma ótima apresentação dos comandados de Levir Culpi. Sem exagero e fanatismo, se o time manter essa dinâmica e intensidade demonstrada no clássico, encara qualquer adversário na Libertadores e pode sim, chegar ao seu quarto título continental.

O Peixe não teve surpresas na escalação. Sem David Braz suspenso, Gustavo Henrique foi o substituto. Entretanto, o defensor que fazia sua segunda apresentação após se recuperar de intervenção cirúrgica, deixou o gramado de maca e deu lugar a Luiz Felipe, que não atuava desde setembro do ano passado, também em razão de uma lesão no joelho. 

Desde o primeiro minuto, o alvinegro praiano propôs o jogo e o time de Itaquera, esperava um erro do mandante para tentar sair na frente do placar. Na primeira etapa, o time da Vila teve duas oportunidades, ambas com Ricardo Oliveira e as duas bem defendidas por Cássio.

Veio a segunda etapa e Bruno Henrique, o melhor em campo e sem dúvida, pelo menos, o segundo melhor atacante do futebol paulista na temporada (rivaliza com Jô, a primeira posição), em tarde inspirada, deixou os defensores mosqueteiros na "saudade" e cruzou. Na sobra da defesa do time de Parque São Jorge, Lucas Lima colocou a bola dentro da rede e abriu o placar aos 13 minutos do segundo tempo - 1 a 0.

Daí em diante, o ótimo Fábio Carille teve que mandar seu time a frente e o Santos, que sonhava com os contra-ataques,  teve o que desejava, a sua disposição, nos minutos finais. Em um deles, novamente a dupla Lucas Lima e Bruno Henrique funcionaram e Ricardo Oliveira que já tinha desperdiçado um gol feito (na segunda oportunidade do primeiro tempo), desta vez não perdoou e colocou milhares de sorrisos no torcedor santista e liquidou a fatura. - 2 a 0.

A vitória enche o time de moral para a viagem a Guaiaquil que acontece no fim da noite deste domingo. O saldo do clássico não foi bom, pois além de Vecchio e Nilmar (o primeiro ainda sem ritmo e o segundo com conjuntivite), Copete e Gustavo Henrique não viajarão ao Equador. Kayke, Hernandez e Fábian Noguera embarcarão. Luiz Felipe - substituto de Gustavo no clássico, não pode ser relacionado, em razão de não estar inscrito na competição continental.

Repito, o Santos precisa ter uma sequência de partidas como a de hoje. Se conseguir, atropela todos os adversários que vier pela frente. 

A pausa no campeonato de 15 dias, em razão das eliminatórias, demonstrou que fez bem a alguns jogadores que desempenharam um ótimo futebol com um melhor desempenho físico.  

O Peixe completou 16 jogos invictos, sendo 13 no brasileiro. É a maior invencibilidade atualmente no país e além disso, o único time que não perdeu na Libertadores.


FICHA TÉCNICA
SANTOS 2 X 0 SCCP
Local: Vila Belmiro, Santos (SP)
Árbitro: Raphael Claus (Fifa-SP)
Público e renda: 12.567 pagantes/R$ 649.350,00
Cartões amarelos: Lucas Lima, Victor Ferraz e Lucas Veríssimo (SAN), Fagner, Clayson, Marciel, Romero e Gabriel (SCCP)
GOLS: Lucas Lima (13'/2ºT) (1-0), Ricardo Oliveira (47'/2ºT) (2-0), 
SANTOS: Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique (Luiz Felipe, 24'/1ºT) e Zeca; Renato, Alison (Leandro Donizete, aos 29'/2ºT) e Lucas Lima; Copete (Thiago Ribeiro, no intervalo), Bruno Henrique e Ricardo Oliveira. Técnico: Levir Culpi.
SCCP: Cássio; Fagner, Balbuena, Pablo e Marciel (Giovanni Augusto, aos 38'/2ºT); Gabriel (Camacho, aos 20'/2ºT) e Maycon; Jadson, Rodriguinho e Romero (Clayson, aos 32'/2ºT); Jô. Técnico: Fábio Carille.

Bruno Henrique acabou com a melhor defesa do campeonato.

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS
Vanderlei: O melhor goleiro em atividade das Américas, fez defesas importantes, até quando o jogo estava parado. Não trabalhou tanto como Cássio, mas quando esteve em ação deu conta. - 8,0
Victor Ferraz: Não comprometeu na defesa e teve personalidade para fazer o que tem de melhor, apoiar por dentro, como meio-campista. - 7,0
Lucas Veríssimo: Amadurecido. Vive ótimo momento. Colocou Jô no "bolso". - 7,5
Gustavo Henrique: Fazia uma partida segura, porém com menos de 30 minutos foi substituído após se chocar com Cássio e em seguida sair de maca com um incômodo no joelho esquerdo. - 6,5
(Luiz Felipe): O melhor zagueiro atuando no Brasil em 2016, voltou após quase um ano, depois de uma lesão no joelho. Sem ritmo, mas bem posicionado. Muito bem na saída de bola, como de costume. - 7,0
Zeca: Melhor partida do ala na temporada, em minha opinião. Seguro na marcação, não deu espaços a Fagner. Jogou simples quando precisou e a exemplo de VIctor Ferraz apoiou "por dentro" como meio-campista. - 7,0
Renato: A pausa no Brasileiro fez bem para o ídolo da camisa 8. Bem na saída de jogo, desarmou e parece que é fácil jogar futebol vendo-o, tamanha a elegância. Com ele em forma e bem, o Santos costuma render mais no meio-campo. - 7,5
Alison: Começou mal e quase entregou a "rapadura" no começo do jogo. Depois cresceu assustadoramente. Outro que amadureceu, deixou de ser violento e roubou muitas bolas. Chutou de longa distância e demonstrou muita entrega. Deixou o gramado com câimbras. - 7,5
(Leandro Donizete): Desapontou os desconfiados de que o veterano não entrasse ligado. Alguns desarmes e ainda deu um belo toque em um contra-golpe. - 7,0
Lucas Lima: Ainda carrega demais a bola em alguns lances, entretanto, foi um dos grandes nomes do clássico. Demonstrou oportunismo e frieza para pegar o rebote e abrir o placar. Também deu inicio ao contra-ataque que originou o segundo gol de Ricardo Oliveira. - 8,5
Copete: Bem no auxílio da marcação pelo lado direito. Não vive grande fase técnica. Foi substituído no intervalo com dores em uma das coxas e é desfalque na quarta diante do Barcelona, em Guaiaquil. - 6,5
(Thiago Ribeiro): Entrou na vaga do colombiano e no cumprimento das funções táticas, desempenhou o seu papel. - 6,5
Bruno Henrique: Um "monstro". O melhor da partida. Acabou com o lateral da Seleção - Fagner. Ganhou quase todas do ala e no alto foi covardia, levou a melhor sempre. Deu assistência para os dois gols. - 9,0
Ricardo Oliveira: Perdeu uma ótima chance na primeira etapa. Quando teve nova chance não desperdiçou. - 7,5
Técnico: Levir Culpi: O Santos é o melhor mandante do campeonato e já está apenas um gol de ser a melhor defesa da competição. A pausa na competição deu condições do treinador fazer com que seu time voltasse a ser agressivo no ataque. - 7,5



 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by