FOTO CAPA

VELOCIDADE IGUAL 2015 E QUEBRA DE TABU

Publicado às 23h58 deste domingo, 11 de junho de 2017.
O Santos conquistou sua primeira vitória fora de casa neste Campeonato Brasileiro. Além disso, quebrou um incomodo tabu de não vencer o Atlético Paranaense, há 10 anos. Na noite deste domingo (11), o time do interino Elano bateu o Furacão, no Sul do país, por 2 a 0, com dois gols de Kayke.

A última vitória sobre o rubro-negro paranaense, na casa do adversário tinha sido em 2007, com um gol de Rodrigo Tabata.

Sem sete jogadores, sendo no mínimo quatro titulares - Vitor Ferraz, Zeca, Lucas Lima, Ricardo Oliveira, o alvinegro apostou no contra-ataque. Deu a bola ao adversário e no melhor estilo "2015" quando a transição do meio para o ataque acontecia em poucos toques e liquidou a partida, ainda no primeiro tempo. 

A nova versão dos contra-ataques santistas na capital paranaense, teve em Bruno Henrique, até aí nenhuma novidade e Thiago Maia, esse sim surpreendente, os homens de velocidade para puxar os contra-ataques. 

No primeiro gol de Kaike, Bruno Henrique puxou o contra-golpe e Maia deu a assistência. No segundo, os papéis se inverteram.

No segundo tempo, o Santos demorou um pouco para voltar para o jogo novamente. A bola batia e voltava, pois o alvinegro apenas rebatiam e não conseguia encaixar novos contra-golpes. Após os 20 minutos, o Glorioso da Vila conseguiu controlar novamente a partida, sem se expor, porém, sem agredir a meta adversária (Até porque não precisava).

A vitória foi incontestável e tem de ser comemorada, entretanto, não é menos verdade que o adversário está do meio para trás, totalmente desorganizado. O meio-campo parecia um "queijo suiço" cheio de buracos e a defesa extremamente pesada com dois veteranos rebatedores - Paulo André e Thiago Heleno. O Santos jogou com inteligência e saiu com os três pontos de Curitiba. O Atlético-PR neste momento é o lanterna da competição.

Nesta segunda-feira (12), à partir das 16h, começa a era Levir Culpi no clube. Finalmente, o treinador será apresentado. E já tem uma "sombra" - Elano, que deixou boa impressão pois nas duas partidas, o time venceu e não tomou gols.

Por falar em Elano, o interino que volta para a função de auxiliar técnico, pediu desculpas na entrevista coletiva após o jogo e assumiu a responsabilidade da expulsão de Daniel Guedes. O bom ala revelado na base do clube, não atuava há oito meses. Sua última partida foi em 13 de outubro do ano passado, diante do São Paulo, no Pacaembu.  Há 20 minutos do fim, ele levou amarelo por ter dado um toque por trás no atacante Ederson. Quase no fim da partida, ia m cobrar uma falta na defesa, quando Elano gritou com o ala e mandou um dos zagueiros (naquele instante tinham três, pois, Cléber tinha entrado no jogo) para despachar a bola para a frente, A arbitragem entendeu como cera e expulsou o camisa 38, que fazia boa partida. 

Outro ponto a ser ressaltado. Cerca de 2,5 mil torcedores do Peixe na Arena. O alvinegro tem de ir onde seu povo está. Curitiba, tem bastante torcedor do maior do século 20 nas Américas, indubitavelmente.

Se na quarta-feira que se passou (7), o time venceu sem convencer, neste domingo (11), o Santos sobrou, principalmente na primeira etapa, onde foi objetivo e de quatro oportunidades, fez dois gols.

Quarta-feira (14), a equipe enfrenta o Palmeiras na Vila Belmiro. O Santos agora é o 10o. colocado com 9 pontos em seis jogos (3V/3D).

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO-PR 0 X 2 SANTOS
Arena da Baixada, Curitiba (PR)
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (RJ)
Público/renda: 18.112 pagantes/R$ 386.600,00
Cartões (amarelo)Paulo André (ATL) Cartões vermelhos: Daniel Guedes (SFC)
GOLS: Kayke (26'/1ºT) (0-1), Kayke (35'/1ºT) (0-2)
ATLÉTICO-PR: Santos; Jonathan, Paulo André, Thiago Heleno e Sidcley; Otávio, Lucho González e Matheus Rossetto (Éderson- intervalo); Douglas Coutinho (Grafite, no intervalo), Nikão e Pablo (Felipe Gedoz, aos 24'/2ºT). Técnico: Eduardo Baptista.
SANTOS: Vanderlei; Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, David Braz e Jean Mota; Thiago Maia (Alison, aos 17'/2º), Renato e Vitor Bueno (Cléber, aos 36'/2ºT); Bruno Henrique, Copete e Kayke (Leandro Donizete, aos 42'/2ºT). Técnico (interino): Elano.

Kayke marcou os dois gols do jogo.

NOTAS NOS JOGADORES DO SANTOS
Vanderlei: Melhor goleiro do país na atualidade. Fez duas ótimas defesas de fora da área. - 7,0
Daniel Guedes: Não atuava desde outubro do ano passado. Fez o simples. Primeiro guardou posição, para depois atacar. Cansou, devia ter sido substituído. Ficou, levou o amarelo e depois por atender Elano, foi expulso. Fez boa partida. - 6,0
Lucas Veríssimo: Desculpa se for repetitivo. Continua crescendo seu futebol. Seguro. - 6,5
David Braz : Exagerou em rifar a bola em alguns momentos, mas na parte defensiva, foi tão bem, como seu companheiro de setor. - 6,5
Jean Mota: Teve um duelo com Nikão que incomodou a defesa santista na primeira etapa. No segundo tempo, apesar de ir pouco a frente, marcou melhor. - 6,0
Thiago Maia: Um "monstro". Marcou e ainda apareceu como homem responsável pelo contra-ataque, quem diria, um volante. Vive ótimo momento. Parece ter quatro pulmões de tanto que corre. - 7,5
(Alison): Entrou bem, tanto de volante como de lateral, quando Guedes foi expulso. Ainda é precoce afirmar, mas parece ter voltado mais amadurecido do empréstimo ao Red Bull, no estadual. - 6,5
Renato: Deu um lindo chapéu em Lucho Gonzalez. Ajudou a defesa e sempre foi dele a responsabilidade do primeiro passe na transição defesa/ataque. - 6,5
Vitor Bueno: Relembrou os tempos de Botafogo-SP, quando atuou na meia. Funciona melhor como quarto homem do meio que com a bola vira atacante pelo lado. Se tivesse em um grande dia, o Santos golearia. - 5,5
(Cléber): Jogou apenas nove minutos. - SEM NOTA
Bruno Henrique: Deitou pelos dois lados na defesa sem cobertura dos paranaenses. Zagueiros do Atlético-PR vão sonhar com a camisa 27 que foi garçom no jogo desta noite. - 7,5
Copete: Em termos de finalização, não brilhou, porém, funcionou pelos lados do campo e com a bela sintonia que teve com Bruno Henrique, foi bem pela esquerda do campo e na troca constante com o camisa 27. - 7,0
Kayke: A noite era dele. Fez dois e poderia ter servido mais dois companheiros, ainda na primeira etapa. - 8,0
(Leandro Donizete): Entrou quase que no final. - SEM NOTA
Técnico (interino): Elano: Acertou em dar a bola para o adversário e explorar o contra-ataque. Só errou quando não tirou Guedes antes, pois o ala que não atuava há oito meses estava cansado. Nesta noite realizou ótimo trabalho e teve em Bruno Henrique e Thiago Maia suas impressões. - 7,0


 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by