FOTO CAPA

GOLEIRO DA "COPA" GARANTE VITÓRIA NO CLÁSSICO

Publicado às 07h50 desta quinta-feira, 15 de junho de 2017.
O Santos venceu o seu primeiro clássico em 2017. Na primeira partida da era Levir Culpi, sobrou vontade, luta, entrega, superação e principalmente a qualidade do melhor goleiro do Brasil na atualidade - Vanderlei, que fez no mínimo seis grandes defesas. O gol da vitória foi de Kayke.

Conforme o Blog do ADEMIR QUINTINO publicou na véspera do duelo, Copete foi mantido entre os titulares com Vitor Bueno no banco de reservas. Lucas Lima após três semanas fora da equipe, em razão de lesão muscular, retornava no meio de campo.

Logo no começo do clássico, Copete lançou Bruno Henrique que não dominou da maneira que desejava, mas ainda assim, em razão da sua velocidade, conseguiu finalizar. Prass defendeu. Daí em diante, o jogo ficou equilibrado. Ainda na etapa inicial, o rápido e bom Roger Guedes finalizou no travessão do Vanderlei.

Mas as maiores emoções estavam concentradas para a segunda etapa. Logo aos seis minutos, David Braz como um autentico coordenador de jogadas, encontrou o ala Jean Mota livre na esquerda. O camisa 39 cruzou e Kayke, em lance no mínimo duvidoso com o zagueiro Edu Dracena (palmeirenses reclamam de falta do santista), tocou para o fundo das redes e abriu o placar.

À partir daí, o time de Cuca se lançou para frente, dominou o meio-campo e pressionou o tempo todo, porém, todos tem goleiro, entretanto, só o Santos tem Vanderlei. Há muito tempo, o alvinegro não tinha um goleiro que pegasse tanto, como Vanderlei vem salvando o time. Foi fundamental para a vitória, mais uma vez. Aliás, eu não sei o que o técnico Tite está esperando para convocá-lo. É disparado, anos luz a frente do segundo, o melhor goleiro do país. Me arrisco a dizer que o goleiro da Copa da Rússia, está na Vila.

Ainda nos acréscimos, o zagueiro Edu Dracena foi puxado pelo defensor Lucas Veríssimo, num pênalti parecido com que David Braz fez contra o Coritiba, mas nem o assistente a frente do lance, nem o árbitro viram e em seguida, veio o final da partida.

Foi a terceira vitória seguida do alvinegro na competição. Daí dizer que está tudo bem? Não, absolutamente. O time cai muito na parte física, no último terço do jogo, foi amassado pelo adversário, no mínimo por 20 minutos, não encaixava contra-ataque e Levir Culpi, vai ter muito trabalho, porém, vencer e num clássico é sempre bom e a vitória apesar das circunstâncias foi "gostosa" demais.

O Peixe já é o quinto lugar com apenas três pontos de diferença para o vice-líder. Sábado (17), no Pacaembu, o Santos enfrenta a Ponte Preta nos "embalos de sábado à noite", no Pacaembu.

FICHA TÉCNICA 
SANTOS 1 X 0 PALMEIRAS
Estádio da Vila Belmiro
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio - GO
Público/ Renda: 10.143 / R$ 406.970,00
Cartões amarelos: Juninho (PAL), Tchê Tchê (PAL) , Lucas Lima (SFC)
Cartão vermelho: -
Gol: Kayke, aos 6'/ 2ºT (0-1)
SANTOS: Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Jean Mota; Renato, Thiago Maia e Lucas Lima (Hernández 50'/ 2ºT); Copete (Noguera 50'/2ºT), Bruno Henrique e Kayke (Leandro Donizete 32'/ 2ºT).
Técnico: Levir Culpi.
PALMEIRAS: Fernando Prass, Mayke, Edu Dracena, Antônio Carlos, Juninho e Zé Roberto (Keno 11' /2ºT); Thiago Santos (Raphael 38'/ 2ºT), Tchê Tchê (Jean 251/ 2ºT) e Guerra; Róger Guedes e Willian.
Técnico: Cuca

Levir Culpi estreou com vitória no comando do Santos.
NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS

Vanderlei: Fez seis grandes defesas. O melhor goleiro do país. Maior responsável pela vitória. Tem de ser o goleiro do Brasil no hexa na Rússia. -  9,0
Victor Ferraz: Como bem disse Cuca, na coletiva, é um armador pela lateral-direta. Trocou boas bolas com Bruno Henrique. Como o palmeiras atava só pela direita, não teve problemas defensivos. Conversei com o camisa 4 após o jogo. Visivelmente abatido com as dores na garganta que o incomodam há uma semana. - 6,5 
Lucas Veríssimo: Não canso de escrever. Cresceu demais desde que subiu para o profissional. Perdeu apenas uma bola e segurou Dracena no lance que a arbitragem não deu pênalti nos acréscimos. - 6,0
David Braz: Bem na parte defensiva, ainda curtiu uma de armador, quando achou Jean Mota no lance do gol de Kayke. - 7,0
Jean Mota: Sofreu na marcação para conter o lado mais forte do ataque do Palmeiras com Roger Guedes. Teve o auxílio de Copete na segunda etapa, para conter o ímpeto do rival. Foi dele a assistência do único gol do jogo. - 7,5
Renato: Começou bem o clássico. Depois, errou passes que não é comum. Foi engolido junto com os demais companheiros quando o Palmeiras alugou a meia cancha. - 6,0
Thiago Maia: Correu demais, como de costume. Ajudou nas laterais na cobertura. Fez um ótimo primeiro tempo. No segundo, teve problemas para conter Guerra. - 6,5
Lucas Lima: Visivelmente sem ritmo de jogo, em razão do tempo parado, trocou a técnica pela garra. Ainda assim conseguiu duas assistências ótimas. Uma delas, fiquei com a sensação que Copete não estava impedido. - 6,5
(Hernández): Entrou nos acréscimos. - SEM NOTA
Copete: Um leão no segundo tempo na marcação de Rogér Guedes. O que correu o colombiano foi uma grandeza. Saiu com câimbras. - 7,0 
(Fabian Noguera): Entrou nos acréscimos. Reapareceu depois de longa data. Sua última partida foi no amistoso contra o Kenitra, em janeiro. - SEM NOTA
Bruno Henrique: Me deu entrevista após o fim da partida e disse que deixou a desejar na parte técnica. Ainda assim, foi o jogador que mais levou perigo a meta palmeirense. Perdeu uma oportunidade que não se pode desperdiçar num clássico. Sua velocidade é espantosa. Se finalizasse tão bem, seria quase completo. - 7,5
Kayke: Fez o terceiro gol em dois jogos. Aliás, os últimos gols do Santos no campeonato foram todos dele. Estava no lugar certo, na hora certa. Fiquei com a impressão de falta em Dracena no lance do gol, mas a arbitragem não deu. - 8,0
(Leandro Donizete): Entrou e acabou com a farra palmeirense de finalizar próximo ao gol de Vanderlei. Depois que o "general" esteve em campo, o Palmeiras finalizava sempre de fora da área. - 6,5
Técnico: Levir Culpi: Acertou ao colocar Donizete para fechar o meio, mesmo retirando o centroavante Kayke. Demorou para colocar um atacante rápido para puxar o contra-ataque. O Santos só venceu graças a Vanderlei.

LIBERTADORES

O Santos conheceu na noite desta quarta-feira (15), o seu adversário nas oitavas de finais da Copa Libertadores. Será o Atlético-PR. O primeiro jogo acontece em Curitiba.

Se avançar de fase, pode enfrentar outro Brasileiro - O Palmeiras, que pega o Barcelona do Equador. 



 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by