FOTO CAPA

NOVA DERROTA

Publicado às 23h30 deste sábado, 18 de fevereiro de 2017.
O Santos tinha tudo para se reabilitar do tropeço do meio de semana, diante do São Paulo. A seu favor a "mística" da Vila Belmiro e um adversário teoricamente ideal para voltar a somar três pontos. Entretanto, o alvinegro voltou a tropeçar e surpreendentemente perdeu para a Ferroviária, por 1 a 0. Há nove anos, o Peixe não saia da zona de classificação do Paulista, entretanto, com o empate da Ponte Preta em 0 a 0 com o Red Bull, em Campinas, o Glorioso caiu para a terceira colocação do seu grupo e há oito rodadas do fim da fase de classificação, ocupa apenas o terceiro lugar.


Porém, apesar das modificações, o Santos não conseguiu se impor. A equipe tinha enorme dificuldades em sair das duas linhas de cinco, imposta pela segunda pior campanha do Paulistão, antes de a rodada começar. O goleiro do time de Araraquara, não teve trabalho nos 45 minutos iniciais.

Como não existe nada tão ruim, que não posso piorar, veio a etapa complementar. O técnico santista achou por bem não realizar modificações, como de costume. Foram poucas as oportunidades que o comandante alvinegro fez substituições no time, durante o intervalo. O zagueiro Cléber que já tinha recebido cartão amarelo e ainda visivelmente sem ritmo, perdeu a bola e matou a jogada com nova falta. Levou o vermelho e foi expulso. Começava a mudar a história da partida.

Lucas Veríssimo que estava no banco, não entrou. Thiago Maia foi recuado para a zaga central. E numa bola parada, a Ferroviária que limitava-se a apenas em se defender foi para o ataque. Logo em seguida, escanteio, o cruzamento e o único gol do jogo - Leandro Amaro.

O tempo passava e com a proximidade do fim da partida, Dorival colocou o Santos num 4-0-1-4 , sem volantes, com um jogador a menos, um homem apenas na ligação (Vitor Bueno) e os atacantes da frente, todos de lado - Bruno Henrique, Thiago Ribeiro, Arthur Gomes e Copete.

Das quatro partidas que o clube realizou na competição, essa foi de longe, a apresentação mais fraca. Fiquei com a sensação de que muitos jogadores perderam a confiança e o elenco que vai se reapresentar já neste domingo (19), pois na terça-feira (21), a equipe vai ao interior pela primeira vez no ano, enfrentar o Ituano, vai precisar recuperar a auto-estima, para dar uma resposta rápida e reencontrar o caminho da vitória.

Bruno Henrique entrou no segundo tempo, mas o Peixe pouco finalizou a meta adversária.

FICHA TÉCNICA
SANTOS 0 X 1 FERROVIÁRIA
Estádio da Vila Belmiro
Árbitro: Flávio Rodrigues de Souza
Cartões amarelos: William Cordeiro, Patrick e Matheus (FER); Cleber (SFC)
Cartão vermelho: Cleber (SFC)
Público/Renda: 5.655 / R$ 165.565
Gol: Leandro Amaro, aos 28'/2T (0-1)
SANTOS: Vladimir; Victor Ferraz, Cleber, Yuri e Zeca; Leandro Donizete (Arthur Gomes, aos 18'/2T), Thiago Maia e Léo Cittadini (Bruno Henrique, aos 35/2T); Vitor Bueno, Copete e Ricardo Oliveira (Thiago Ribeiro, aos 33'/2T). Técnico: Dorival Júnior. 
FERROVIÁRIA: Matheus; William Cordeiro, Patrick, Leandro Amaro e Léo Veloso; Flávio, Claudinei (Kelvy, aos 26'/2T), Fabio Souza e Alan Mineiro (Raniele, aos 48'2T); Capixaba (Tiago Marques, aos 37'/2T) e Elder Santana. Técnico: PC Oliveira.

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS
Vladimir: Sem culpa no gol. Fez uma boa defesa no começo do segundo tempo. - 5,5
Victor Ferraz: Sentiu a falta do seu parceiro Lucas Lima para as tabelas no apoio. Mesmo assim tentou ir a frente.- 5,5
Cléber: Visivelmente sem ritmo de jogo. Fez duas faltas em curto espaço de tempo. Foi expulso e deixou o time na mão. Torcedor vai ter que ser paciente com ele. Não jogava desde novembro do ano passado. Ainda perdeu um gol feito. - 3,5
Yuri: Tem ótimo passe, mas o jogo aéreo não é o seu forte. Estava próximo de Leandro Amaro quando o defensor de Araraquara cabeceou. - 5,0
Zeca: Errou alguns cruzamentos que não é comum. Limitou-se a tocar a bola. Não foi para o meio como nas três primeiras rodadas. - 5,0
Leandro Donizete: Das três partidas que realizou foi a que melhor se apresentou. Ainda assim, contra um adversário que limitava-se, até ali, a apenas se defender. - 5,0
(Arthur Gomes): Assim que entrou no jogo, quase abriu o marcador. Depois não teve oportunidades de ir para a cima do lateral. - 6,0
Thiago Maia: Fazia ótima partida na marcação. Na frente tentou finalizações de longa distância, mas não é seu forte. No lance do gol da Ferroviária, também não encostou em Leandro Amaro. - 5,0
Cittadini: Não joga como meia de ligação há algum tempo. Não conseguiu executar a construção das jogadas. Depois foi recuado para volante. Por fim, foi substituído. - 5,0
(Bruno Henrique): Jogou apenas 10 minutos, mais os acréscimos. Teve uma tentativa a frente. Perdeu o lance. Precisa jogar mais e justificar o investimento realizado. - 5,0
Vitor Bueno: Errou quase todos os cruzamentos que realizou. Insistiu na bola longa. Foi jogador de lado e depois foi para o meio. Não se omitiu, mas foi ineficiente. - 5,0
Copete: Perdeu gol, também insistiu na bola longa e fez uma das piores apresentações com a camisa alvinegra. Virou centroavante no fim do jogo, quando Ricardo Oliveira foi substituído. - 4,5
Ricardo Oliveira: Também visivelmente sem ritmo. Ficou várias vezes impedido. Vai precisar de uma sequência de jogos para voltar a ser o atacante mais eficiente do país, como nos dois anos anteriores. - 5,0
(Thiago Ribeiro): Também jogou apenas 10 minutos. Aberto pela esquerda. Não teve tempo suficiente para realizar uma única jogada. - 5,0
Técnico: Dorival Júnior: Demorou para substituir. Quando começou a realizar as alterações, teve o trabalho dificultado com a expulsão de Cléber. Tentou recompor a defesa, sem colocar um zagueiro de ofício. No fim, colocou quatro atacantes, entretanto, só tinha um armador. Não conseguiu sair da marcação realizada pelo até pouco tempo atrás, técnico de futsal - PC Oliveira. - 5,0



 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by