FOTO CAPA

BOLA AÉREA VIRA ARMA DO PEIXE

Publicado às 21h15 desta segunda-feira, 17 de outubro de 2016.
Se tem algum que vive seu melhor momento no Santos é o zagueiro Fábian Noguera. O defensor que chegou no começo do semestre, estreou há pouco mais de uma semana e vem conquistando seu espaço . Em 155 minutos em campo, o jogador já marcou dois gols (um contra o Benfica e outro diante do Grêmio, ambos de cabeça). 

Noguera atuou 58 minutos diante do Benfica, sete (incluindo os acréscimos) contra o São Paulo e 90 no duelo deste fim de semana contra o Grêmio-RS. Até 10 dias atrás, era a última opção para o setor, agora o treinador Dorival Junior já fala até em possível titularidade. O jogador tem se destacado na bola aérea, que segundo ele e o torcedor santista concorda - a principal qualidade do camisa 32. 

Por ironia do destino, no começo da competição, a bola alta era o "calcanhar de aquiles" e a tormenta da comissão técnica. O Santos tomou alguns gols dessa forma e agora ganhou uma arma para dar os adversários o mesmo dissabor que já sofreu. 
"No futebol brasileiro, muitos times têm dificuldade em bolas aéreas. Minha melhor característica é essa, o jogo aéreo, tanto defensivo quanto no ataque. Posso dar uma alternativa a mais ao time na hora da bola parada", garantiu o zagueiro-artilheiro em entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira (17), durante a reapresentação do elenco no CT Rei Pelé.
Após o empate diante do Grêmio-RS, na Vila Belmiro, o comandante técnico santista Dorival Junior também elogiou o último reforço da temporada 2016, a ter estreado na equipe principal e respondeu se o jogador pode pensar em ser um dos titulares:
"Dá (para Fábian pensar em ser titular) sempre. Futebol é momento. Quem entra tem que deixar recado, que firme posição. Ninguém acreditava no Vitor Bueno e virou titular. Tenho que respeitar algumas situações. Equipe vem bem na defesa, Luiz Felipe e Gustavo, agora Luiz e Braz. Noguera foi muito bem, carece de sequência, mas estamos dentro da competição em reta final. Importante foi a imagem que deixou" avaliou o diretor técnico alvinegro. 
O argentino de 23 anos disse que aguardou pacientemente pela a oportunidade e que estudou o futebol do país. Até quinta-feira passada, quando enfrentou o São Paulo, jamais tinha enfrentado um clube brasileiro na carreira.
"No futebol brasileiro, muitos times têm dificuldade em bolas aéreas. Minha melhor característica é essa, o jogo aéreo, tanto defensivo quanto no ataque. Posso dar uma alternativa a mais ao time na hora da bola parada", disse Noguera.
Mas nem tudo são flores para o "hermano". O jogador explicou sobre a falta de ritmo de jogo. A última partida oficial do atleta havia sido na temporada passada, pelo Banfield, clube que o revelou. 
"Finalizei o torneio na Argentina, joguei até o último jogo e ficava com seis meses de contrato, aí apareceu a proposta do Santos e eu assinei um pré-contrato. Com isso, o Banfield me fez treinar sozinho, à parte. A partir daí eu não joguei até chegar aqui. Isso foi um pouco prejudicial porque fazia muito tempo que eu não jogava. O Dorival achou que era melhor pra mim uma adaptação.",garantiu.
Por fim, Noguera rechaçou qualquer problema com Dorival Junior. Muitos criticavam o treinador santista de não escalar o jogador, em razão de não ter indicado o atleta.
"Sempre falei com Dorival. Ele sempre foi muito sincero comigo. Quando cheguei, tinham quatro zagueiros na minha frente e eu aceitei isso, mas a confiança eu sempre tive. Acho que o fundamental é não perder a confiança e a fé em mim mesmo. Depois, a decisão é do Dorival. Estou tratando de aproveitar os minutos que tenho no campo e depois, se ele precisar que eu jogue, vou tratar de fazer o melhor", completa o zagueiro.
Nesta terça-feira (18), pela manhã, o comandante técnico santista define o Santos que precisa de um empate para ir pelo terceiro ano consecutivo a semifinal da Copa do Brasil. Luiz Felipe que retorna de suspensão, fica à disposição da comissão técnica. 

O alvinegro embarca para a região Sul do país e pode até ficar por lá até por 10 dias. Enfrenta o Internacional-RS, na quarta-feira (19), em Porto Alegre pela Copa do Brasil e no domingo (24) pega a Chapecoense, em Santa Catarina. Se o Peixe se classificar na Copa do Brasil, o Juventude-RS eliminar o Atlético-MG  e no sorteio da próxima quinta-feira (20), na CBF, apontar que o primeiro confronto será em Caxias, existe a possibilidade de a delegação retornar para o Rio Grande do Sul para enfim retornar para a Baixada após o confronto. 


 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by