FOTO CAPA

PODE CUSTAR CARO

Publicado às 21h36 deste domingo, 21 de agosto de 2016.
O Santos desperdiçou mais uma oportunidade de se aproximar da liderança no Campeonato Brasileiro. Após uma apresentação fantástica diante de um dos favoritos ao título semana passada, o alvinegro largou na frente, mas sofreu a virada no Paraná e perdeu para o Coritiba por 2 a 1. Com o resultado, o time praiano caiu para a quarta colocação e ainda pode perder a vaga no G-4, se o SCCP bater o Vitória-BA, nesta segunda-feira (22), em São Paulo. Se vencesse encostaria no Palmeiras que apenas empatou com a Ponte Preta, em São Paulo.

O Peixe teve o retorno de Lucas Lima e do goleiro Vanderlei que cumpriram suspensão, na última rodada. No primeiro tempo foi um jogo morno, onde os santistas ainda tiveram uma boa oportunidade aos 32 minutos, em um chute de Ricardo Oliveira defendido por Wilson. Pouco para quem deseja ser campeão.

Porém, no segundo tempo, o mesmo Ricardo recebeu um "presente" do defensor do time da casa, que tocou errado. O camisa 9 driblou o goleiro e abriu o marcador pro Peixe. Além de largar na frente, o time de Dorival Junior teria sua melhor arma à disposição - o contra-ataque. Tudo levava a crer que o Peixe, pela melhor qualidade técnica do que o adversário, pelo momento ruim da equipe de Carpegiani, mataria o jogo, mas não foi isso o que aconteceu.

O alvinegro ainda teve dois contra-ataques para selar o destino da partida, mas não conseguiu concluir. Como sempre digo, "o futebol não tolera desaforo" e o Coritiba empatou com Kléber Gladiador, em uma bola que não poderia ter sido cruzado, do lado esquerdo da defesa santista e como não existe nada tão ruim que não possa piorar, Iago Dias, que tinha acabado de entrar, acertou um pombo sem asas e decretou a sétima derrota santista na competição, a sexta fora de casa.

Lamenta-se que o Santos perca em três rodadas, seis pontos para clubes que lutam apenas para permanecer na primeira divisão e que pela sexta vez, desperdiça pontos ao levar gols nos fins da partida. Para sonhar com o título e necessário muito mais, inclusive apresentações mais convincentes como visitante. Eu, particularmente, não compreendo essas oscilações de partidas tão maravilhosas em casa, com algumas irritantes fora da Vila.
"Precisamos é ter uma postura mais agressiva se quisermos brigar por alguma coisa maior. Essa é a realidade. Não podemos continuar desperdiçando pontos importantes que ali na frente nos farão falta. E fatalmente esses jogos penalizarão uma melhora como vem penalizando. Precisamos ter esse cuidado e mais atenção para termos uma equipe forte e competitiva, e que acima de tudo lute com uma maior intensidade pelos resultados que temos deixado ao longo do caminho." afirmou o treinador santista na entrevista coletiva após o jogo.
Além do gol do Coxa após os 40 do segundo tempo, o Peixe deixou de conquistar pontos significativos ao tomar gols no fim do América-MG, Grêmio-RS, Atlético-PR, Figueirense (todos fora da Vila, além do) Internacional-RS (como mandante na baixada).

Para não dizer que não falei das flores, a distância para o primeiro colocado não é tão grande - 4 pontos e além disso, os jogadores campeões olímpicos retornam com a auto-estima elevada após o ouro e vão dar melhor qualidade ao time titular à partir da próxima rodada. 

O Santos volta a campo na quarta-feira (24), no jogo de ida, pelas oitavas de final da Copa do Brasil, diante do Vasco-RJ, às 19h30, na Vila Belmiro. Pelo Brasileiro, o alvinegro enfrenta o Figueirense, no próximo domingo (28), também no estádio Urbano Caldeira. Para esse duelo, Gustavo Henrique que levou o terceiro cartão amarelo é desfalque certo.

Lucas Lima não reeditou o seu bom futebol em Curitiba.
FICHA TÉCNICA

CORITIBA 2 X 1 SANTOS 

Estadio Couto Pereira, em Curitiba (PR)
Público/Renda: 
7.972 Pagantes R$ 177.455.00
Cartões amarelos: Neto Berola (COR); Léo Cittadini, Gustavo Henrique e Jean Mota (SAN)
Gols: Ricardo Oliveira 14'/2T (0-1); Kleber 27'/2T (1-1); Iago 41'/2T (2-1)
Coritiba: Wilson; Dodô, Juninho, Luccas Claro e César Benítez (Evandro, aos 17'/2T); João Paulo, Edinho, Raphael Veiga (Thiago Lopes. aos 46'/2T) e Juan; Kleber e Neto Berola (Iago, aos 29'/2T). Técnico: Paulo Cesar Capergiani
Santos: Vanderlei; Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Caju; Léo Cittadini e Renato; Lucas Lima (Jean Mota, aos 31'/2T), Vitor Bueno (Joel, aos 40'/2T) e Copete (Rodrigão, aos 43'/2T); Ricardo Oliveira. Técnico: Dorival Júnior

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS

Vanderlei: Fez um grande intervenção no primeiro tempo. Nada pode fazer nos gols sofridos. - 6,0
Victor Ferraz: Funcionou muitas vezes como volante quando avançou. Não conseguiu ir a linha de fundo e deixou alguns espaços no setor. Joga muito mais do que apresentou contra seu ex-clube. - 5,5
Luiz Felipe: Estava no lance que originou o gol do empate. - 5,0
Gustavo Henrique: Quase marcou um gol de cabeça. Junto com seu companheiro, sofreu com os cruzamentos na grande aérea. - 5,5
Caju: Fazia uma partida discreta, mas no segundo tempo, principalmente, sofreu para marcar e levou a pior em quase todas as jogadas. Não reeditou o excelente futebol da partida contra o Atlético-MG. - 4,5
Léo Cittadini: Jogou mais recuado do que de costume. Nçao conseguiu impedir o chute de Iago, no gol da virada. - 5,0
Renato: Limitou-se ao bom passe, a técnica refinada, a frente dos zagueiros.- 5,5
Lucas Lima: Luta para recuperar a melhor condição física. Até se movimentou um pouco mais do que vinha fazendo nas últimas partidas, mas não teve a objetividade de tempos atrás, onde merecidamente recebia a alcunha de melhor meia do país. - 5,0 
(Jean Mota): Entrou para dar mais velocidade na bola na transição ao ataque. Pouco produziu. - 5,5
Vitor Bueno: Quase marcou um gol no segundo tempo. Não foi mal, mas já produziu mais do que foi visto em Curitiba. - 5,5
(Joel): Substituição que não surtiu efeito. Além de não ajudar na frente, ainda perdeu bola no fim de jogo que proporcionou um perigoso contra-ataque. - 5,0
Copete: Taticamente colaborou bastante em ajudar o meio e a defesa, mas na frente não conseguiu imprimir velocidade pelo lado do campo, sua principal característica. - 5,5
(Rodrigão): Jogou apenas seis minutos, incluindo os acréscimos. - SEM NOTA
Ricardo Oliveira: Oportunista e participativo. O melhor santista em campo. Na bobeada do volante João Paulo, deixou o seu. - 6,5
Técnico: Dorival Júnior: Demorou para substituir Lucas Lima. Tentou Joel, mas também não funcionou. O time não mantém a regularidade e o ótimo futebol apresentado na Vila, nos jogos fora de casa, mesmo tendo vencido três vezes no primeiro turno. - 5,0


Luís Álvaro faleceu esta semana aos 73 anos.
MISSA DE SÉTIMO DIA

Já publiquei aqui na última sexta-feira (19), mas não custa lembrar, a missa de sétimo dia de falecimento do ex-presidente do ‪Santos‬, Luis Álvaro De Oliveira Ribeiro, será na próxima segunda-feira, dia 22, às 19h, na Igreja da Cruz Torta, no Alto de Pinheiros em São Paulo (Av. Prof. Frederico Hermann júnior, 105).


 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by