FOTO CAPA

AMARGA ROTINA

Publicado às 20h14 deste sábado, 14 de Maio de 2016.
Não existe nada tão ruim que não possa piorar. Sem vencer na estreia do Campeonato Brasileiro há 11 anos, o time da Vila que até então vinha de sete empates nas suas primeiras partidas pelo torneio nacional, perdeu neste sábado (14), na Arena Independência para os reservas do Atlético-MG - 1 a 0.

A última vitoria do Peixe em uma estreia de Campeonato Brasileiro foi em 2005 diante do Paysandu.

No primeiro tempo, o time santista foi uma decepção. Sem criação no meio-campo, o ataque não finalizou uma vez sequer. Na volta do intervalo, Dorival retirou Paulinho e colocou Serginho. O time melhorou um pouco, mas não o suficiente para voltar para a baixada com pelo menos um ponto na bagagem. 

Ainda entraram na etapa complementar os jovens Matheus Nolasco e Maxi Rolón no ataque, entretanto, apesar de maior posse de bola, o alvinegro ofereceu poucos riscos a defesa adversária.
"Nós não podemos jamais iniciar uma apresentação da maneira como nós iniciamos. E acabou comprometendo o resultado. Não há como manter o que a gente vinha apresentando no Paulista com os três no ataque (Lucas Lima, Ricardo Oliveira e Gabriel)." afirmou Dorival Junior durante a entrevista coletiva.
O Peixe não perdia há 15 jogos. A última e única derrota na temporada foi para o Red Bull Brasil, em São José dos Campos, pelo estadual.

Como eliminou o jogo de volta diante do Galvez-AC pela Copa do Brasil, o alvinegro volta a atuar apenas no fim de semana que vem. No domingo (22), às 11h da manhã, enfrenta o Coritiba, no estádio da Vila Belmiro pela segunda rodada do Brasileirão.

Cazares marcou o único gol do jogo.

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO-MG 1 X 0 SANTOS
Arena Independência - Belo Horizonte (MG)
Árbitro: Jailson Macedo Freitas (BA)
Cartões amarelos: Carlos Eduardo, Cazares (Atlético-MG); David Braz, Gustavo Henrique (Santos)
Cartões vermelhos: Nenhum.
Gols: Cazares (1-0)
ATLÉTICO-MG: Uilson; Gabriel, Edcarlos, Tiago e Carlos César; Eduardo, Lucas Cândido e Cazares; Carlos Eduardo (Pablo, 13'/2ºT), Hyuri (Yago, 41/2ºT) e Clayton. Técnico: Diego Aguirre.
SANTOS: Vanderlei, Victor Ferraz, David Braz, Gustavo Henrique e Zeca; Renato (Maxi Rolón, 32'/2ºT),Thiago Maia, Vitor Bueno e Ronaldo (Matheus Nolasco, 19'/ 2ºT); Paulinho (Serginho, intervalo), e Gabriel. Técnico: Dorival Júnior.

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS: 
Vanderlei: Sem culpa alguma no gol. - 6,0
Victor Ferraz: Marcou com eficiência e tentou auxiliar no apoio. Um dos poucos que escaparam na derrota. - 6,5
David Braz: Zagueiro que cresce bastante em decisões, mas ainda não realizou uma apresentação a altura do seu futebol, depois que retornou de contusão. Vacilou no único gol do jogo. - 4,5
Gustavo Henrique: Sofreu com o ágil e veloz Clayton. Não comprometeu. - 5,0
Zeca: Bem na marcação, não conseguiu apoiar. - 5,5
Renato: Jogador de enorme categoria e elegância teve muitas dificuldades para distribuir o jogo a frente da defesa. - 5,5
(Maxi Rolón): Rápido, deu um pouco de trabalho a defesa do Galo. Botou "fumaça" no jogo. - 5,5
Thiago Maia: Que tem qualidade e sem medo de errar, um dos melhores volantes em atividade no país, ninguém dúvida. Mas não repetiu seu habitual e vistoso futebol. - 5,0
Vitor Bueno: Ficou sobrecarregado na armação. - 5,5
Ronaldo Mendes: Tem potencial, mas não funcionou na estréia do Brasileiro. - 5,0
(Matheus Nolasco): Fez ótima Copa São Paulo pelo Galo em 2014. Em 2015, o jogador foi liberado pelo Atlético-MG. Veio do sub-23 e estreou no profissional do Santos. Demonstrou vontade e só em sua primeira aparição. - 5,5
Paulinho: Não treinou como titular, quando retornou do Acre, mas apareceu entre os 11 que começaram o jogo. O lateral reserva do Galo ganhou todas do camisa 26. - 4,5
(Serginho): Depois que ele entrou, melhorou a qualidade do passe do time. Esteve distante da linha de ataque. Precisa de uma sequência para melhor avaliação. - 6,0
Gabriel: Tentou na base da vontade. Desentrosado com os demais companheiros de frente, tanto os que começaram, como os que entraram durante o jogo. - 5,5
Técnico: Dorival Júnior: Até conseguiu melhorar o time no intervalo após um primeiro tempo pífio. Com raras exceções contra times de primeira divisão, o Santos não mantém a agressividade e não consegue os pontos que conquista em Vila Belmiro. Prejudicado com os desfalques. Explica, porém, não justifica. - 5,5


 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by