FOTO CAPA

MISTÃO EMPATA NA BAHIA

Publicado às 23h37 deste sábado, 23 de janeiro de 2016.
O Santos foi até a Arena Fonte Nova, em Salvador, para realizar amistoso contra o Bahia, em comemoração aos 85 anos do tricolor soteropolitano e sem três titulares - David Braz, Renato e Ricardo Oliveira, além de muitos reservas que não viajaram para o Nordeste brasileiro, empatou em 2 a 2 com o time da casa. Gabriel e Serginho marcaram os gols do Peixe.

Na primeira etapa, o Santos repetiu a dose do período em que teve sucesso em 2015, ou seja, muita velocidade no contra-ataque, e atormentou o lado direto da defesa dos baianos. E assim, nasceu o primeiro gol. Lucas Lima roubou, acionou Joel que rolou para Gabriel marcar. O Peixe pecou muito na cobertura dos alas nos primeiros 45 minutos. O Bahia até merecia uma melhor sorte, mas o futebol o que vale é bola na rede.

No segundo tempo, o treinador santista sacou Alison e Victor Ferraz no intervalo. Em seus respectivos lugares entraram Rafael Longuine e Caju. E isso, custou caro, já que o meio-campo perdeu muita proteção e o jovem canhoto que brilhou em 2014, sob o comando de Enderson Moreira, apoia bem, mas não tem a mesma qualidade na marcação. Em 10 minutos, o time dirigido por Doriva virou a partida com dois gols de Hernane, o brocador,com muita facilidade.

Nos 35 minutos que restaram para o término do jogo muitas alterações foram feitas pelos respectivos treinadores. No alvinegro, apenas o goleiro Vanderlei e os zagueiros Gustavo e Lucas Veríssimo não foram substituídos.

Mas o melhor ainda estava por vir. Serginho que havia entrado na vaga de Joel, entretanto foi realizar a função do também substituído Lucas Lima, tomou a bola do adversário, girou em cima do defensor e bateu de fora da área para marcar um belíssimo gol, o primeiro dele no time profissional. A partida já estava nos acréscimos.

E o alvinegro quase chegou a vitória. O árbitro anulou um gol legítimo do Santos no final.

Valeu pela movimentação e para alguns testes. Apesar da boa partida do jovem Lucas Veríssimo, o Peixe necessita urgente de mais um zagueiro para o começo da temporada.

O Santos volta a campo no sábado que vem (30), às 17h, no estádio da Vila Belmiro, diante do São Bernardo, na estreia da equipe em busca do bi-campeonato paulista.


Gabriel marcou o primeiro gol do amistoso
FICHA TÉCNICA 
BAHIA 2 x 2 SANTOS 
Local: Arena Fonte Nova, Salvador (BA) 
Árbitro: Diego Pombo Lopes (BA)
Cartões amarelo: Paulo Roberto e Gustavo (BAH); Lucas Lima, Victor Ferraz, Alison e Caju (SAN)
Cartão vermelho: Caju (SAN)
Gols: Gabriel - 24'/1ºT (0-1); Hernane - 3'/1ºT (1-1), Hernane - 10'/1ºT (2-1); Serginho - 46'/1ºT (2-2)
Renda/Público: R$ 250.561,50/ 10.429 pagantes
BAHIA: Marcelo Lomba; Cicinho (Hayner - Intervalo) , Robson (Dedé - 34'/2ºT), Gustavo (Eder - 42'/2ºT) e João Paulo (Júnior - 42'/2ºT); Paulo Roberto (Yuri - 15'/2ºT), Danilo Pires (Gustavo Blanco - 20'/2ºT), Juninho (Rômulo - 30'/2ºT) e Edigar Junio (Zé Roberto - 15'/2ºT); Jeam (Marquinho - 39'/2ºT) e Luisinho (Mario - 34'/2ºT). Técnico: Doriva
SANTOS: Vanderlei; Victor Ferraz (Caju - Intervalo), Gustavo Henrique, Lucas Veríssimo e Zeca (Léo Citadini - 35'/2ºT); Alison (Rafael Longuine - Intervalo), Thiago Maia (Lucas Otávio - 35'/2ºT) e Lucas Lima (Ronaldo Mendes - 32'/2ºT); Paulinho (Vitor Bueno - 19'/2ºT), Gabriel (Marquinho - 35'/2ºT) e Joel (Serginho - 30'/2ºT). Técnico: Dorival Júnior

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS
Vanderlei: Sem culpa nos gols. Duas ótimas intervenções no primeiro tempo. - 6,5
Victor Ferraz: Bem na marcação apenas. Tem muito mais bola do que jogou. Substituído no intervalo.5,5
(Caju - Intervalo): Muito mal na marcação. Facilmente batido no cruzamento do primeiro gol e ainda cometeu um pênalti infantil. A exemplo de Daniel Guedes, precisa melhorar na parte defensiva. - 3,5
Gustavo Henrique: O bom posicionamento costumeiro. Trabalhou bastante no primeiro tempo, principalmente. - 6,5
Lucas Veríssimo: Não fez pré-temporada com os profissionais e foi chamado as pressas para viajar e começar o jogo. Por tudo isso, demonstrou personalidade. - 6,0
Zeca: Também não apoiou, principalmente pelo lado esquerdo da defesa. Com a entrada de Caju e a saída de Victor Ferraz, foi jogar na direita no segundo tempo. Limitou-se a ir bem na marcação apenas. - 6,0
(Léo Citadini): Apenas dez minutos, mais os acréscimos em campo. - SEM NOTA.
Alison: Seu forte é a marcação e não conseguiu fazer a cobertura costumeira, principalmente nas laterais. Foi substituído no intervalo.5,5
(Rafael Longuine): Não acrescentou na armação, não apareceu como elemento surpresa e tampouco ajudou o volante de marcação.5,0
Thiago Maia: Não reeditou as maravilhosas apresentações de 2015. Não deu a cobertura necessária na cobertura pela esquerda.5,5
(Lucas Otávio): Outro que jogou pouco mais de dez minutos. - SEM NOTA.
Lucas Lima: Roubou a bola e armou a jogada do primeiro gol. Sumiu em alguns momentos do jogo, ainda assim, um dos melhores da equipe. - 7,0 
(Ronaldo Mendes): Jogou apenas 13 minutos. - SEM NOTA.
Paulinho: Discreto. Confesso que esperava mais do ex-flamenguista. Como é começo de temporada, vamos aguardar e não fazer juízo de valor de forma antecipada . - 5,0
(Vitor Bueno): Apesar de ter realizado uma finalização de forma bisonha, deu mais movimentação ao meio-campo alvinegro. - 6,0 
Gabriel: Participou de praticamente todas as jogadas perigosas com velocidade no primeiro tempo. Marcou o primeiro gol do jogo. - 6,5
(Marquinhos): Apenas 10 minutos em campo. - SEM NOTA.
Joel: Me surpreendeu o seu posicionamento. Aberto pela esquerda (e alguns momentos pela direita). Foi muito bem. Bela assistência. - 6,5
(Serginho): Entrou e marcou um golaço maravilhoso de longa distância. Isso deve dar confiança para tentar jogadas diferenciadas e não toques laterais dignos da mesmice. O jogador nunca reviveu seus melhores dias no clube quando foi peça fundamental da conquista da Copa São Paulo de 2014. Quem sabe não possa ser o ano dele? Tem atletas que amadurecem mais tarde. Espero que seja o caso do camisa 41. - 7,0
Técnico: Dorival Júnior: Precisava fazer testes, mas fez algumas alterações radicais e perigosas. As do intervalo, por exemplo, proporcionou a virada do Bahia. Não tinha zagueiros e apenas um atacante no banco. - 5,0 




 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by