FOTO CAPA

IMPARÁVEL

Publicado às 13h16 deste domingo, 27 de setembro de 2015.

(*) POR FELIPE TAKASHI.

Nesta manhã de domingo, na Vila Belmiro, o Santos venceu o Internacional por 3 a 1. Marquinhos Gabriel, Gabigol e Leandro anotaram para os mandantes, enquanto Valdivia descontou para os visitantes. Com o resultado, o Alvinegro ultrapassou o adversário na classificação do Campeonato Brasileiro, são 43 pontos contra 41 do Colorado, ambos seguem na disputa por uma vaga na Libertadores 2016.

Em campo, estilos antagônicos e treinadores com perfis opostos. Do lado santista, Dorival Júnior, com proposta de jogo moderna e ofensiva. Do lado gaúcho, o carrancudo Argel Fucks, treinador típico da região sul do Brasil: Marcação, defesa e estilo ortodoxo, imutável.

Consequência, o Santos teve a bola e o Inter preferiu se entrincheirar no próprio campo, com direito a marcação individual, homem a homem, em Lucas Lima. Willians e Wellington se revezam nas botinadas no meia da Seleção Brasileira.


Aos 23 minutos, apesar da supremacia alvinegra, o Inter abriu placar. Após cobrança de escanteio, o zagueiro Paulo Ricardo (substituto de David Braz) cometeu pênalti grosseiro em Juan. Na cobrança, Valdivia não deu chances ao excelente Vanderlei. ZERO a UM.

Mas, o sucesso do time de Argel Fucks durou pouco. O Santos chegou ao empate no que tem de melhor: Troca de passes em alta velocidade. Renato, com elegância achou Victor Ferraz que esticou para Nilson dar assistência primorosa para Marquinhos Gabriel. Batida seca, na veia. Caixa! UM a UM.

No segundo tempo, o panorama seguiu o mesmo. Lucas Lima, aquele que estava sobrecarregado por botinudos, se desvencilhou da marcação e sofreu pênalti. Gabriel bateu com raiva. DOIS a UM.

O Colorado que só se defendia se viu forçado a sair para o jogo. Piorou. O jogo ficou ainda mais tranquilo para o Santos. Thiago Maia rabiscou a defesa gaúcha e quase marcou um gol de placa aos 29 minutos.

Só que aos 43, não teve jeito. Leandro que entrou no lugar de Nilson, recebeu dentro da área e jogou a pá de cal no adversário. TRÊS a UM.

Na próxima rodada, o Peixe enfrenta o Fluminense em Vila Belmiro. Mas, antes disso, enfrenta o Figueirense no Pacaembu, jogo de volta das quartas de finais da Copa do Brasil.

FICHA TÉCNICA
SANTOS 3 X 1 INTERNACIONAL
Local: Vila Belmiro, em Santos (SP)
Árbitro: Heber Roberto Lopes (Fifa-SC)
Renda/Público: R$ 452.145,00 / 11.043 pagantes
Cartões amarelos: Paulo Ricardo (SAN); William, Wellington, Juan e Silva (INT)
Gols: Valdivia, 23'/1ºT (0-1); Marquinhos Gabriel, 36'/1ºT (1-1); Gabriel, 14'/2ºT (2-1) e Leandro, 44'/2ºT (3-1)

SANTOS: Vanderlei; Victor Ferraz, Gustavo Henrique, Paulo Ricardo e Zeca; Renato, Thiago Maia (Léo Cittadini,17'/2ºT) e Lucas Lima (Serginho, 45'/2ºT); Gabigol, Marquinhos Gabriel e Nílson (Leandro, 36'/2ºT). Técnico: Dorival Júnior.
INTERNACIONAL: Alisson; Léo (Silva, intervalo), Paulão, Juan e Ernando; Nilton, William, Wellington (Alex Santana, 16'/2ºT) e Anderson (Taiberson, 40'/2ºT); Valdívia; Vitinho. Técnico: Argel Fucks.

AVALIAÇÃO INDIVIDUAL:

Vanderlei
: Apesar da mediocridade do oponente, o zagueiro Paulo Ricardo entregou a rapadura no fim. Vanderlei salvou como uma defesa cinematográfica. NOTA: 7.0


Victor Ferraz: Melhor lateral direito do campeonato. NOTA: 7.0

Paulo Ricardo: Uma atrocidade em cada tempo. No primeiro, cometeu pênalti grosseiro em Juan. No segundo, deu o gol para Valdivia fazer e o mesmo desperdiçou. NOTA: 3,0

Gustavo Henrique: Não é Durval, mas fez o arroz com feijão bem temperado de sempre. NOTA: 6,5

Zeca: Jogador com muito recurso técnico. NOTA: 6,5

Thiago Maia: Merecia ter feito o gol. Grande revelação do clube no meio de campo nos últimos anos. Renova logo, Modesto. NOTA: 8,0

(Léo Cittadini: Jogou pouco sem nota).

Renato: Começou a jogada do primeiro gol. Faz o simples tornar-se sofisticado. Um "gentleman". NOTA: 7,0

Lucas Lima: Mostrou para Argel Fucks que marcação individual é coisa de treinador sub-13. O dono do meio de campo. NOTA: 8,5

(Serginho: Jogou pouco sem nota).

Gabriel: Quem mais evoluiu sob o comando de Dorival Júnior. Personalidade para converter a penalidade. NOTA: 7,0

Nilson: Dentro de suas limitações, que são muitas, fez uma partida respeitável. Deu assistência do primeiro gol. NOTA: 7,0

(Leandro: Jogou pouco, mas foi na rede. Tem qualidade. NOTA: 7,0)

Marquinhos Gabriel: Outro reabilitado por Dorival Júnior. Seu talento é muito importante para o coletivo da equipe. NOTA: 7,0

Técnico Dorival Júnior: Faz tudo aquilo que seus antecessores deixaram de fazer. Deu padrão tático ao time, aproveita os meninos da base. Os números são indesmentíveis, na Vila são 11 jogos e 11 vitórias. Nota: 11.




 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by