FOTO CAPA

O SUBESTIMADO É CAMPEÃO

Publicado às 22h20 deste domingo, 3 de maio de 2015.
O Santos pela 21a. vez em sua história é campeão paulista. O alvinegro agora é o terceiro maior vencedor da competição e só está um campeonato, atrás  do segundo. O Peixe venceu o Palmeiras por 2 a 1 no tempo normal e 4 a 2 nas penalidades máximas, e novamente é o dono do Estado .

O alvinegro começou o jogo com a faca nos dentes e foi para dentro do adversário. Alugou o meio-campo e engoliu o time da capital. Resultado: Dois gols ainda no primeiro tempo e o resultado que garantia o título. Mas um fator foi decisivo ainda na primeira etapa. Geuvânio levou dois tapas de Dudu e foi expulso junto com o palmeirense.

No intervalo, o time do Santos, a exemplo do que fez em 1995, na semifinal contra o Fluminense, no estádio do Pacaembu; e a equipe dirigida por Marcelo Fernandes ficou no gramado pra receber o carinho da torcida. 

Sem o homem do contra-ataque e com o time excessivamente recuado na etapa complementar, o panorama que era favorável se inverteu. O Palmeiras dominou a meia-cancha e merecidamente diminuiu a contagem com o lateral Lucas. Apesar de ainda faltar muito tempo para o final da partida, estava decretado que a decisão iria para os pênaltis. Ricardo Oliveira ainda teve uma chance para dar a conquista ainda no tempo normal, porém chutou em cima de Fernando Press.

Como para o Santos nada é fácil, o campeão seria decidido no tiro-livre dos 11 metros. E brilhou a estrela do goleiro Vladimir. O camisa 12 pegou uma cobrança e viu novamente (assim como na primeira partida contra o próprio Palmeiras) outro chute bater no seu travessão. David Braz, Gustavo Henrique, Victor Ferraz e Lucas Lima , o grande coordenador de jogadas do Peixe, mandaram a bola para as redes e a festa na Vila estava decretada.

Venceu a "quarta-força", o time onde jogadores entraram na justiça para deixar o clube que não tinha dinheiro para pagar sequer a conta de telefone. Conquistou o campeonato, o clube que teve a segunda melhor campanha na fase de classificação e que foi menosprezado por grande parte da mídia. Na semana da decisão "lotearam" os jogadores com informações que saíriam do clube, onde a maioria ia pro Cruzeiro, já à partir desta segunda, algo que efetivamente não vai acontecer.

O meia Lucas-Lima ao microfone da Rádio Capital- 1.040 AM, emissora que transmitiu 19 duelos dos 21 do alvinegro na temporada foi taxativo:
"Quero chegar a Seleção jogando pelo Santos. Eu fico" garantiu o camisa 20.
Contra tudo e contra todos e assim torna a conquista ainda mais gostosa. Parabéns jogadores, comissão técnica, diretoria e torcedores. O Santos é novamente o novo campeão. 


FICHA TÉCNICA
SANTOS 2 X 1 PALMEIRAS
Local: Vila Belmiro, em Santos (SP)
Juiz: Guilherme Ceretta de Lima (SP)
Público/Renda: 14.662 pagantes / R$ 1.555.280
Cartões amarelos: Valencia e David Braz (SAN); Valdivia, Gabriel e Lucas (PAL).
Cartões vermelhos: Geuvânio, 45'/1ºT (SAN); Dudu, 45'/1ºT e Victor Ramos, 31'/2ºT (PAL) .
GOLS: David Braz, aos 29'/1ºT (1-0); Ricardo Oliveira, aos 43'/1ºT (2-0) e Lucas, aos 19'/2ºT (2-1).
SANTOS: Vladimir; Victor Ferraz, David Braz, werley (Gustavo Henrique, 8'/2ºT) e Chiquinho; Valencia (Leandrinho, 38'/2ºT), Renato e Lucas Lima; Geuvânio, Robinho (Cicinho, 41'/2ºT) e Ricardo Oliveira. Técnico: Marcelo Fernandes.
PALMEIRAS: Fernando Prass; Lucas, Victor Ramos, Vitor Hugo e Zé Roberto; Gabriel, Robinho (Cleiton Xavier, 8'/2ºT), Valdivia (Jackson, 32'/2ºT), Rafael Marques e Dudu; Leandro Pereira. Técnico: Oswaldo de Oliveira


NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS

Vladimir: Bela defesa em uma cabeçada de Leandro Pereira e ótima defesa em chute de Zé Roberto. Pegou o pênalti de Rafael Marques e viu novamente outro pênalti se chocar contra a trave. Sete títulos pelo alvinegro, o primeiro como titular. - 8,5
Victor Ferraz: Esbanjou preparo físico e extremamente participativo no apoio. - 7,5
David Braz: Um gigante na defesa. Como cresceu o futebol do quarto-zagueiro depois que começou a jogar o arroz com feijão. - 8,0
Werley: Jogou no sacríficio. Voltava de dengue. Não comprometeu. - 6,5
(Gustavo Henrique): Entrou bem. No pênalti, Fernando Prass esperou que o defensor chutasse no meio e se deu mal. O camisa 6 bateu rasteiro no canto. - 7,0
Chiquinho: Ao contrário de outros clássicos onde fez cruzamentos perfeitos, limitou-se a marcar e isso fez com precisão. - 6,5
Valencia: Outro que foi pro sacríficio e foi bem. Valdívia só apareceu quando o colombiano não esteve na sua marcação. Raçudo. - 7,0
(Leandrinho): Entrou para recompor na marcação. Apenas 10 minutos em campo. - SEM NOTA.
Renato: Que lindo chapéu em Valdívia no primeiro tempo. Não lembro de ter errado um passe. - 7,0
Lucas Lima: O melhor meia da atualidade no futebol brasileiro não brilhou intensamente como fez em outras partidas. Durante o primeiro tempo ainda fez boas enfiadas de bola ao centroavante Ricardo Oliveira. Frio e preciso na cobrança da penalidade máxima. - 7,5
Geuvânio: Estava ganhando todas de Zé Roberto. Era o homem do contra-ataque. O Peixe perdeu a força ofensiva após o camisa 11 ser expulso injustamente. - 7,0
Robinho: Compensa a falta de velocidade com a inteligência acima da média. Que assistência no primeiro gol. Sem ele, tenho minhas dúvidas se esse time seria campeão. - 8,0
(Cicinho): Jogou apenas quatro minutos. - SEM NOTA.
Ricardo Oliveira: O grande artilheiro do Paulistão marcou o segundo gol típico de  centroavante com direito a tromaba e finalização com extrema frieza. Perdeu aquele que seria o gol do título no tempo normal. - 7,5
Técnico: Marcelo Fernandes: Preferiu não ousar quando o Santos ficou com um jogador a mais. Tem estrela. Em sua primeira decisão como treinador, bateu campeão. - 7.0


 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by