FOTO CAPA

CAMPEÃO MAIS UMA VEZ

Postado às 17h40 deste sábado, 25 de janeiro de 2014
Uma campanha irretocável - oito jogos e oito vitórias. O melhor ataque com 29 gols. Uma defesa que foi vazada apenas três vezes. Com isso, o Santos tornou-se pela terceira vez - Campeão da Copa São Paulo de Futebol Júnior (1984 - 2013 e 2014) e com gols de Diego Cardoso e Serginho, o alvinegro mais famoso do mundo venceu o SCCP por 2 a 1 e deu a volta olímpica pelo segundo ano consecutivo no principal torneio sub-20 do país, no aniversário da cidade de São Paulo. 

Em um Pacaembu lotado, os "Meninos da Vila" foram campeões e poderia ter sido até mais tranquilo, pois até o gol do adversário, o time de Pepinho Macia, passeava em campo. 

Foi o título da técnica, do talento e principalmente de um conjunto bem treinado pelo seu técnico. Como digo há algum tempo, esse time não dá chutão, sai jogando, marca a saída de bola do adversário e tem um meio-campo moderno, onde os três jogadores do setor não são coordenadores de jogadas, mas aparecem no ataque e todos eles tem capacidade de marcação.

Está certo que na grande decisão, o Santos correu um risco desnecessário. No fim da partida, o limitado time de São Paulo, colocou pressão e com um pouco mais de sorte chegaria a um injusto empate, que levaria a decisão para os pênaltis. 

Com mais essa conquista, o Santos prova a cada dia que tem a melhor base do país (e já não de hoje), onde o importante é revelar, mas se for possível revelar campeões como esses, melhor ainda.

Foi uma experiência maravilhosa para esses jovens, uma decisão no Pacaembu lotado, com maior torcida do rival. 

Pra finalizar, o Santos deu novas "bananas" para a Federação, que fez de tudo para beneficiar o time da capital e ignorou a grandeza de seu outro filiado (o Santos) e a maior emissora de TV do país, que no ano passado de forma "bizarra" deixou de transmitir a decisão entre Santos e Goiás, da mesma Copinha e preferiu manter a sua grade normal, com a exibição dos programas "campeões de audiência" - Bem Estar e Encontro com Fátima Bernardes . Esse ano, de forma incoerente, a "Vênus Platinada" transmitiu o Peixe ganhando do SCCP e teve que "engolir" a soberania do "Embaixador do mundo".



Parabéns Pepinho e a todos os jogadores do sub-20 do Santos que fizeram a Nação Santista sorrir já no início de 2014. A vitória são exclusivamente deles e não foi de dirigente nenhum, pois os mesmos (com exceção das notas de desagravo pré decisão) não moveram uma palha para dar a retaguarda necessária aos "Meninos da Vila".

Notas dos Campeões da Copa SP- 2014

João Paulo: Quando chamado, deu conta do recado. Fez grandes defesas, principalmente no segundo tempo. -7,0 
Daniel Guedes: Muita técnica e imensa velocidade. Aposto neste lateral para vingar no time profissional. - 7,5
Paulo Ricardo: Não comprometeu. - 6,5
Naílson: Exagerou nas bolas longas e levou um drible da bola em um lance. Rebatedor. - 6,5
Zé Carlos: Marcou o jogador mais perigoso do SCCP - o atacante Malcon. Ainda se aventurou algumas vezes ao ataque. - 7,0 
Lucas Otávio: O dono do time. Desarmou, orientou e marcou bastante. Errou alguns passes. - 7,0
Fernando Medeiros: Vinha jogando no sacrifício desde a primeira rodada. Esforçado. - 6,0
(Diego Santos): Limitou-se a marcar a frente da zaga e executou a determinação do treinador - 6,0
Serginho: Amadurece a cada dia. Contundido desde a quarta rodada, armou as principais jogadas e ainda fez um gol. - 7,0
(Gustavo Eugênio): Entrou no final da partida para segurar o resultado. Fez uma belíssima partida nas semifinais - sem nota
Jorge Eduardo: Na final esteve tímido. - 6,0
Stéfano Yuri: Às vezes some do jogo, mas quando aparece é figura fundamental ou para marcar os gols ou nas assistências, como fez nas decisão. - 7,5
Diego Cardoso: Precisa corrigir o excesso de individualismo. Vive grande momento. Jogador de muita personalidade e sempre bem colocado para marcar os gols. - 7,5
(Gustavo): Jogou pouco tempo. - sem nota

Técnico Pepinho Macia: O grande responsável pela estruturação da equipe. O Santos tem um DNA ofensivo graças ao ímpeto do seu comandante técnico. Demorou um pouco para mexer na decisão, mas tem crédito pois com exceção do fim do partida, o seu time sempre jogou para a frente, mesmo a frente do placar. - 7,0

 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by