FOTO CAPA

SEM OUSADIA

Postado Às 22h27 deste domingo, 18 de agosto de 2013
Ao empatar com o Bahia em 0 a 0, na Arena Fonte Nova (Salvador/BA), no inicio da noite deste domingo (18), o Santos completou a sexta partida sem conhecer o sabor de três pontos. 

Foi o sétimo empate do time praiano no Campeonato Brasileiro, o quarto seguido. Mais do que isso, o time que criou fama por ter um DNA ofensivo, arrumou a defesa, mas desaprendeu a marcar gols.   A equipe de Claudinei Oliveira está apenas a dois pontos da zona do rebaixamento (tem dois jogos a menos) na modesta 15ª. colocação. O time dentro de campo parece ser reflexo de tudo que acontece na administração santista, fragmentada em vários grupos políticos e mais rachada que prédios recém-construídos pelo CDHU.

Contra o tricolor baiano, Claudinei Oliveira mexeu na estrutura da equipe. Conforme o Blog do ADEMIR QUINTINO publicou com absoluta EXCLUSIVIDADE na véspera, o treinador santista colocou Marcos Assunção e Léo Cittadini no time titular nas vagas de Alan Santos e Néilton, respectivamente, e adiantou Montillo para o ataque. O treinador não conseguiu dar mais força ofensiva a equipe e ainda deixou mais vulnerável a defesa. Além disso, o comandante técnico impediu a evolução de Montillo, o maior sacrificado do esquema tático com a nova função.

Como disse o próprio Claudinei durante a entrevista coletiva na Arena Fonte Nova após a partida: “Falta inspiração e sobra transpiração” sobre os bons resultados fora de casa e que o problema tem sido a falta de vitórias na Vila Belmiro. Mas, especificamente nesta rodada, o treinador também contribuiu para a noite pouco inspirado do time da baixada.

Marcos Assunção visivelmente sem ritmo de jogo atuou durante os 90 minutos. William José, limitado tecnicamente, só foi substituído aos 14 minutos da segunda etapa e a insistência em manter os três volantes, independente se o alvinegro é mandante ou não, tem sido a tônica do treinador.

Apesar de Thiago Ribeiro, que em poucos 31 minutos, fez muito mais que o seu concorrente William José, ter disparado uma bola no poste direito de Marcelo Lomba, o Santos limitou-se, principalmente no segundo tempo, a se defender dos baianos que não marcam gols há quatro jogos (segundo pior ataque da competição) e que estão fadados apenas a lutar pra não cair.

A última vitória santista no Brasileirão foi contra a Portuguesa de Desportos, no dia 13 de Julho de 2013, portanto há mais de um mês, em partida válida pela sétima rodada da Competição.

O Peixe dá uma pausa no Brasileirão e concentra suas forças na Copa do Brasil, a única chance (remota, sejamos realistas)  de o time tentar uma vaga a Libertadores 2014. Na próxima quarta-feira (21), às 19h30 na Vila Belmiro, o treinador santista não contará com Arouca (lesionado) e Cicinho que já atuou pela Ponte Preta na mesma competição e o regulamento impede que ele defenda o Santos no torneio. 

Por falar em Cicinho, o lateral-direito também é desfalque certo na próxima rodada do Campeonato Brasileiro, onde no próximo sábado (24), no estádio Urbano Caldeira às 18h30, o Santos enfrenta o Vitória/BA. O ala levou dois cartões amarelos quando ainda atuava pelo time de Campinas e neste fim de semana, recebeu o terceiro. Com isso, precisa cumprir suspensão automática contra o rubro-negro soteropolitano.

FICHA TÉCNICA
BAHIA 0 x 0 SANTOS
Data/Horário: 18/8/2013, às 18h30
Local: Arena Fonte Nova
Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva (PA)
Cartões amarelos: Raul, Titi (BAH); Cicinho, Mena e Aranha (SAN)
Cartão vermelho: Titi (BAH)
BAHIA: Marcelo Lomba, Madson, Titi, Lucas Fonseca e Raul; Rafael Miranda, Fahel, Helder e Marquinhos Gabriel (Willian Barbio - 32'/2ºT); Wallyson (Talisca - 17'/2ºT) e Fernando. Técnico: Cristóvão Borges.
SANTOS: Aranha, Cicinho, Edu Dracena, Durval e Mena; Alison (Alan Santos - 32'/2ºT), Marcos Assunção, Cícero e Montillo; Léo Cittadini (Leandrinho - 23'/2ºT) e Willian José (Thiago Ribeiro - 14'/2ºT). Técnico: Claudinei Oliveira.


NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS: 
Aranha: Seguro. Fez uma grande defesa ainda no primeiro tempo – 7,0 
Cicinho: Apoiou pouco e deu espaços – 5,0
Edu Dracena: Joga sério. Teve trabalho pra cobrir o espaço deixado por Cicinho pela direita – 6,5
Durval: Em razão de ser mais baixo que Fernandão encontrou um pouco de dificuldade. Não comprometeu – 6,0
Mena: Marca muito bem. Não tão eficiente no apoio – 6,0
Alison: Voltou a marcar bem – 6,0
(Alan Santos): Perdeu a grande oportunidade da partida ao cabecear pra fora a bola do jogo no último minuto – 5,5
Marcos Assunção: Visivelmente sem ritmo de jogo, só foi percebido ao colocar a bola na cabeça de Alan Santos no fim da partida – 5,0 
Cícero: Caiu assustadoramente de produção. Não tem aparecido como elemento surpresa – 5,0
Montillo: O maior sacrificado com as alterações de Claudinei Oliveira. Como atacante, recebia a maioria dos passes de costas e tinha dificuldade em produzir. Ainda assim se matava pra ir a linha de fundo pra dar assistências – 6,0 
Léo Cittadini: Pode jogar mais do que apresentou – 5,0 
(Leandrinho): Não conseguiu mudar o panorama da equipe – 5,0
Willian José: Atleta de poucos recursos técnicos – 4,5 
(Thiago Ribeiro): Ainda fora de forma. Apesar disso fez mais do que William José ao chutar uma bola na trave. Ainda não justificou a contratação – 6,0
Técnico: Claudinei Oliveira: Poderia ter ousado nas substituições. Conseguiu arrumar a defesa, mas ofensivamente o Santos inexiste – 5,0 

 


 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by