FOTO CAPA

O SEGUNDO SEMESTRE É O PERIGO

Publicado às 22h55 desta quinta-feira, 17 de fevereiro de 2022.

O Santos foi derrotado para o Mirassol por 3 a 2, no interior de São Paulo, em partida válida pela sétima rodada do Paulistão na noite desta quinta-feira (17). Foi a segunda derrota da equipe na competição e o clube parou nos nove pontos, distantes apenas três da zona do rebaixamento.

Carille resolveu mexer em todo o meio-campo. Mandou Felipe Jonatan ao lado de Balieiro e colocou Baptistão na função de Ricardo Goulart, poupado. Na frente sacou Lucas Braga e colocou Marcos Guilherme aberto por uma das pontas. Não funcionou nos primeiros 45 minutos.

O alvinegro começou em cima do adversário e teve duas oportunidades, ambas com Baptistão, mas as tentativas pararam nas mãos do goleiro do time da casa.

Daí em diante foi um show de horrores na primeira etapa. O meio-campo santista marcou a distância, a defesa assistiu passivamente e o Mirassol fez 3 a 0 com extrema tranquilidade.

No intervalo, o técnico resolveu trocar todo o meio campo e sacou de uma única vez Balieiro que já tinha amarelo, Felipe Jonatan e Baptistão. Foram a campo Camacho, Sandry e Lucas Braga com o último aberto pela esquerda com Marcos Guilherme vindo para o meio-campo.

Com a nova formação, o time reagiu melhor e diminuiu o placar em 15 minutos; ainda assim, não teve forças para o empate. 

As dificuldades no Campeonato Paulista demostram que a temporada será mais difícil do que o torcedor imaginava. 

Se não trouxer reforços pontuais, o perigo real de riscos no segundo semestre existem. 

Não se pode colocar esta responsabilidade apenas em meninos. O ataque, por exemplo depende de um centroavante de 19 anos e um atacante de lado de 17.

Um primeiro volante é mais que necessário e não é só nesta posição, mas essa, especificamente é a maior carência do elenco atualmente.

No domingo (20), o Santos volta a campo no clássico com o São Paulo, às 18h30, na Vila Belmiro.


FICHA TÉCNICA

MIRASSOL 3 X 2 SANTOS

Estádio Municipal de Mirassol (SP)

Árbitro: Thiago Luis Scarascati (SP)

GOLS: Zeca, 22'/1ºT (1-0), Fabrício Daniel, 24'/1ºT (2-0), Rafael Silva, 34'/1ºT (3-0), Madson, 5'/2ºT (3-1), Marcos Guilherme, 13'/2ºT (3-2)

Cartões amarelos: Fabrício Daniel, Darley, Luís Oyama e Daniel (MIR), Vinícius Balieiro (SFC),

MIRASSOL: Darley; Ivan, Thalisson Kelven, Lucão e Pará; Luís Oyama, Neto Moura (Ednei, aos 37'/2ºT), Claudinho (Rafael Silva, aos 3'/1ºT) e Negueba (Fabinho, aos 26'/2ºT); Fabrício Daniel (Luiz Fernando, aos 26'/2ºT) e Zeca (Daniel, aos 37'/2ºT). Técnico: Eduardo Baptista

SANTOS: João Paulo; Madson, Kaiky, Bauermann e Lucas Pires; Vinícius Balieiro (Camacho - intervalo), Felipe Jonatan (Sandry, no intervalo) e Baptistão (Lucas Braga - intervalo); Ângelo (Tailson, aos 45'/2ºT), Marcos Leonardo e Marcos Guilherme. Técnico: Fábio Carille

O torcedor santista compareceu em bom número para acompanhar o time em Mirassol.

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS

João Paulo: Não fez nenhuma defesa brilhante. Também não colaborou em nenhum dos gols. - 5,0

Madson: Discreto na primeira etapa e participativo no segundo gol. Marcou o primeiro gol do Santos de cabeça e o segundo, ele começa a jogada no arremesso lateral. - 6,0

Kaiky: Tem qualidade, mas não faz um bom começo de temporada. Estava muito distante do atacante do Mirassol no terceiro gol. - 4,0

Bauermann: Hoje, não foi o Bauermann das outras partidas. Deu espaço que não costuma dar. - 4,5

Lucas Pires: É menino. Está apenas nas suas primeiras partidas no profissional. Vai oscilar. Não foi bem nesta noite. Melhorou na segunda etapa. - 5,0

Balieiro: Tomou o cartão amarelo cedo que comprometeu sua marcação. No terceiro gol não vai tão forte para não levar vermelho e foi envolvido. - 4,5

(Camacho): Belo lançamento para o gol de Camacho, o primeiro do Santos. Melhorou a saída de bola. - 6,0

Felipe Jonatan: Não reeditou as boas apresentações no meio-campo do fim do ano passado. - 5,0

(Sandry): Longe da forma física ideal. Mas ainda assim, tem que ser titular. Melhorou muito a dinâmica do time. - 7,0

Baptistão: Pela experiência de futebol europeu que tem, não pode desperdiçar as duas oportunidades que teve nos primeiros minutos. Desapareceu em seguida da partida. Por ser um dos mais maduros e rodados no elenco, precisava chamar mais a responsabilidade. - 4,0

(Lucas Braga): Deu muito trabalho para a defesa adversária pelo lado esquerdo do campo. Deu novo alento ao ataque. - 6,5

Ângelo: Não conseguiu ir bem no um contra um. Amadurece na marra. O processo não era para ser esse, mas em razão de o time carecer de falta de dinheiro, aposta de forma antecipada no jovem. - 4,5

(Tailson): Entrou nos acréscimos. - SEM NOTA

Marcos Leonardo: Deu um passe de calcanhar absurdamente maravilhoso, mas Baptistão perdeu o gol. Hoje não era dia do matador da Vila. em seguida, nada mais deu certo. - 5,0

Marcos Guilherme: Na primeira etapa, sumido como ponta. Nem ajudar na lateral conseguiu. Na segunda etapa, melhorou na armação, mesmo não sendo sua posição específica. Sofre muito por não se fixar em uma posição. - 5,5

Técnico: Fábio Carille: Não foi feliz na colocação de Baptistão em substituição a Goulart. Além disso, o time não teve pegada nos primeiros 45 minutos. Ao trocar todo o setor demostrou coragem e consertou os erros, entretanto, não foram suficientes para evitar a derrota. Não pode ser culpado sozinho, porque o elenco tem carência no elenco. - 4,5


 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by