FOTO CAPA

FIM DE UM TABU E A BASE NÃO DEIXA NA MÃO

Publicado às 10h25 desta quinta-feira, 3 de fevereiro de 2022.

O Santos ainda não tinha vencido na temporada e não ganhava na Arena de Itaquera há sete anos, quando eliminou o rival nas quartas de finais da Copa do Brasil daquele ano. Na noite desta quarta-feira (2), o time comandado por Carille pois fim a tudo isso, e bateu o Corinthians, em São Paulo, por 2 a 1. 

Os dois gols do time praiano foram de Marcos Leonardo. O resultado colocou o Peixe na liderança do seu grupo e causou a demissão do técnico Silvinho da Lua, no alvinegro da capital.

Carille escalou o Santos com dois zagueiros e num esquema 4-3-3. Acertou. Entretanto, seu time limitou-se a trocar bola lentamente do meio para trás e esperava o erro adversário, que até veio nos primeiros 45 minutos, mas Marcos Leonardo desperdiçou.

No começo do segundo tempo, Silvinho colocou Jô na vaga de Mantuan e o veterano centroavante fez bem o pivô e a bola sobrou para o mesmo abrir o placar e colocar o mandante na frente. Como o Peixe, dificilmente costuma reagir, parecia que o destino do jogo estava selado. Só parecia.

Quando o cronômetro apontava quase 20 minutos da etapa complementar, Carille colocou o jovem Lucas Pires, destaque na Copinha, na ala esquerda. na vaga de Felipe Jonatan que se recuperou de covid e era óbvio que não permaneceria os 90 minutos e também mandou a campo Marcos Guilherme e o Santos ganhou velocidade. Na primeira participação dos atletas que entraram na segunda etapa, a bola chegou em Marcos Leonardo e o 'Menino da Vila' que já tinha marcado gol contra o rival, no Brasileiro do ano retrasado, em uma vitória na Vila, deu um drible desconcertante em João Vitor e igualou o placar.

Menos de cinco minutos após a igualdade, jogada do lado oposto e Marcos Leonardo recebendo falta dentro da área do mesmo João Vitor - pênalti que o camisa 9 bateu e colocou o alvinegro da Vila na frente. 

Até o fim da partida, o Peixe esteve muito mais próximo do terceiro do que o Corinthians da igualdade.

Estão resolvidos todos os problemas do Santos? O time é candidato ao título? Não. Absolutamente, longe disso. O elenco carece de melhor material humano em algumas posições, entretanto, os meninos da base estão dando esta sustentação. 

Um Santos forte passa por muitos aspectos internos e extra-campo, mas com criatividade, a situação pode ser menos dolorosa do que tem sido. 

No próximo domingo (6), os comandados de Carille voltam a campo diante do Guarani, em Campinas.

CORINTHIANS 1 x 2 SANTOS

Arena de Itaquera

Árbitro: Thiago Luis Scarascati

Público e renda: 27.883 pessoas / R$ 1.675.894,00

Cartões amarelos: João Victor (COR); Kaiky, Vinicius Zanocelo (SFC)

Gols: Jô (7'/2ºT) (1-0), Marcos Leonardo (19'/2ºT) (1-1) e Marcos Leonardo (24'/2ºT) (1-2)

CORINTHIANSDonelli, Fagner, Gil, João Victor e Piton; Du Queiroz (Adson, 33/2ºT), Gabriel Pereira (Gustavo Silva, 17/2ºT), Giuliano (Paulinho, 26/2ºT), Renato Augusto e Róger Guedes; Mantuan (Jô, 1/2ºT). Técnico: Sylvinho

SANTOSJoão Paulo, Madson, Kaiky, Eduardo Bauermann e Felipe Jonatan (Lucas Pires, 17/2ºT); Camacho (Carlos Sánchez, 36/2ºT), Vinicius Zanocelo e Ricardo Goulart (Léo Baptistão 36/2ºT) ; Ângelo (Allanzinho, 41/2ºT), Marcos Leonardo e Lucas Braga (Marcos Guilherme, 17/2ºT). Técnico: Carille

Marcos Leonardo foi o dono do jogo e marcou dois gols.

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS

João Paulo: Seguro como de costume debaixo dos três paus, porém, foi sair com os pés e quase põe tudo a perder. - 6,5

Madson: Não apoiou. Limitou-se a cobrir seu setor. - 5,5

Kaiky: Bem na saída de bola, seu forte. Escorregou no lance em que deu o primeiro e único gol do Corinthians. - 6,0

Bauermann: Muito bem na marcação. No primeiro gol corintiano, abandonou o atacante Jô após o cruzamento da direita que o próprio camisa 4 intercepta. - 6,5

Felipe Jonatan: Voltava de covid e ainda não está na sua melhor forma física. Era sabedor que não suportaria os 90 minutos. - 5,5

(Lucas Pires): Deu início a jogada do gol de empate. Apesar de não ser exímio marcador, não perdeu nenhum duelo individual para Gustavo Mosquito. Vai acrescentar ao plantel. - 6,5

Camacho: Lento para marcar. Teve muita dificuldade na primeira etapa em conter Renato Augusto. Bem substituído. - 5,0

(Sánchez): Pouca participação no jogo. - SEM NOTA

Zanocelo: É jovem, mas pela quantidade de jogos com a camisa santista poderia produzir mais. Tenta ajudar na marcação, mas deixa a desejar. - 5,0

Ricardo Goulart: Estreia discreta e não dava para esperar mais que isso. Não joga desde agosto. Sem ritmo. - 5,0

(Léo Batistão): Ia dar uma assistência maravilhosa para Marcos Guilherme, mas a bola caprichosamente tocou no pé de Marcos Leonardo. - SEM NOTA

Ângelo: Ainda não está maduro como Marcos Leonardo por exemplo. No segundo tempo, apareceu mais para o jogo. - 5,5

(Allanzinho): Pegou pouco na bola. - SEM NOTA

Marcos Leonardo: No primeiro tempo, desperdiçou uma oportunidade real de gol. No segundo tempo, mostrou que é matador mesmo. Belo drible no primeiro gol. Sofreu o pênalti que ele mesmo sofreu e virou o jogo. - 8,0

Lucas Braga: Essa situação de jogar um dia em uma posição, no outro jogo, o prejudica. Não foi bem. - 5,0

(Marcos Guilherme): Deu a velocidade que o time necessitava no jogo. - 6,5

Técnico: Carille: Acertou em sacar um zagueiro e jogar apenas com dois, ainda assim, o time tem dificuldade de construção de jogadas, por isso, pena mais contra adversários que não propõe jogo. Acertou ao ter coragem em lançar Lucas Pires e Marcos Guilherme. Ajudou o time a conseguir a virada. - 7,0


 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by