FOTO CAPA

"DEU TUDO ERRADO"

Publicado às 9h14 desta sexta-feira, 20 de agosto de 2021.

O Santos está eliminado da Copa Sul-Americana. Em uma 'noite do terror', o time dirigido por Fernando Diniz não deu um chute ao gol de Martin Silva e assistiu passivamente o adversário vencer o jogo e avançar na competição continental. Os paraguaios do Libertad venceram apenas por 1 a 0, porque também são muito fracos tecnicamente. Fosse um time de melhor qualidade, teria goleado o alvinegro praiano no Defensores del Tchaco.

Apesar do Peixe ter vencido a partida de ida, na Vila Belmiro por 2 a 1, o gol fora de casa eliminou o time brasileiro. No agregado ficou 2 a 2 e com o gol qualificado, avançaram os paraguaios para enfrentarem o Red Bull Bragantino na semifinal.

O time do Santos está uma caricatura mal feita de um time de futebol. Não tem padrão, compactação e vem em queda livre nos últimos jogos, porém, na noite desta quinta-feira (19), a equipe se superou. O primeiro tempo foi uma das coisas mais horríveis que eu já vi na minha vida. Em 45 minutos, o time não teve uma bola chutada ao gol adversário. O scout da primeira etapa marcou ZERO finalizações de cabeça do time da Vila, ZERO chutes travado ao gol, ZERO finalizações dentro da área, ZERO finalizações fora da área, ZERO de finalização ao gol, ou seja, o time simplesmente não existiu.

No começo do segundo tempo, Diniz sacou Pirani e colocou Marcos Leonardo.  Logo nos primeiros minutos da etapa complementar, Madson recebeu na direita e fez ótimo cruzamento para Marcos Leonardo dentro da área. O camisa 36 cabeceou com precisão, tirando do alcance do goleiro Martín Silva, mas a bola caprichosamente beliscou o travessão e saiu pela linha de fundo. Acabaram as esperanças santistas neste lance.

Logo em seguida, bateu o desgaste físico e o time mais lento que algumas 'tartarugas' se mostrou estático novamente, sem mobilidade e poder de reação e com isso o Libertad, desprovido de qualidade, é quem esteve mais próximo do segundo gol. 

O Peixe só finalizou mais uma vez com Lucas Braga num peixinho de cabeça, de longa distância e sem força alguma. 

Quando a partida se aproximou do fim, Fernando Diniz na base do desespero, sacou meias e até um zagueiro para colocar dois atacantes - Ângelo e Bruno Marques, mas o Santos não conseguiu sequer incomodar o goleiro paraguaio.

"Deu tudo errado. No primeiro tempo fomos diferentes do que produzimos, sem agressividade, profundidade, com baixa rotação de movimentos e troca de passes. Jogando assim contra quem marca bem como o Libertad, corremos o risco de não finalizar mesmo. Foi um erro coletivo nosso e que assumo a responsabilidade. Quando o time inteiro não anda é porque o treinador fez alguma coisa errada" resumiu Diniz, após a eliminação.
Além dos problemas financeiros, dentro de campo, o Santos também 'paga caro' o preço do desmanche de boa parte da equipe durante a temporada por trocar 'o pneu furado do carro em movimento'. 

Na noite desta quinta-feira (19), entre os titulares, apenas Felipe Jonathan disputou a final da Copa Libertadores contra o Palmeiras, no fim de janeiro. Falamos de uma situação de apenas sete meses atrás. Muita coisa. Deixaram a Vila negociados, Lucas Veríssimo, Luan Peres, Alison, Pituca, Soteldo e Kaio Jorge. Ainda estão na Vila, porém no departamento médico Marinho, Sandry e o goleiro Jhon. Pará, titular na tarde noite da decisão no Maracanã virou suplente.

Domingo, na Vila, o alvinegro tenta recolher os cacos da eliminação e volta a concentrar as atenções no Campeonato Brasileiro, onde está a apenas seis pontos da zona do rebaixamento, apesar de ocupar a 10a. colocação e enfrenta o Internacional. O defensor Kaiky que cumpriu suspensão na Sul-Americana pode retomar a condição de titular. Marinho no departamento médico, segue ausente. 

FICHA TÉCNICA
LIBERTAD-PAR 1 X 0 SANTOS
Estádio Defensores del Chaco, em Assunção (PAR)
Árbitro: Alexis Herrera (VEN)
GOL: Sebá Ferreira, 13'/1ºT (1-0)
Cartões amarelos: Vangioni, Bocanegra e Barboza (LIB) e Marcos Leonardo, Marcos Guilherme, João Paulo e Luiz Felipe (SFC)
LIBERTAD: Martín Silva; Mayada, Diego Viera, Barboza,Vangioni (Espinoza, aos 40'/2ºT); Melgarejo, Villalba (Franco, aos 36'/2ºT), Bocanegra, Ramón Martínez; Hugo Martínez e Sebastián Ferreira (Óscar Cardozo, aos 46'/2ºT). Técnico: Daniel Garnero
SANTOS: João Paulo; Madson, Luiz Felipe (Raniel, aos 43'/2ºT), Wagner Leonardo e Felipe Jonatan  (Moraes, aos 11/2ºT); Camacho, Jean Mota (Bruno Marques, aos 25'/2ºT), Carlos Sánchez (Ângelo, aos 25'/2ºT) e Gabriel Pirani (Marcos Leonardo, no intervalo); Marcos Guilherme e Lucas Braga. Técnico: Fernando Diniz

O jovem Pirani foi substituído no intervalo.

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS
João Paulo: Fez duas grandes defesas, uma delas, no segundo tempo, portentosa. Vinha salvando o time há muito tempo. - 6,5
Madson: Não atacou e deixou espaços na defesa. - 4,0
Luiz Felipe: Parou os adversários algumas vezes com falta, pois não tem velocidade para tentar acompanhar no mano a mano. No jogo aéreo não comprometeu. - 5,0
(Raniel): Entrou aos 43 minutos do segundo tempo. Nem vi pegar na bola. - SEM NOTA
Wagner Palha: Falhou apenas em um lance na segunda etapa em uma antecipação no meio-campo. Fez o básico na marcação. - 5,0
Felipe Jonatan: Na marcação voltou a sofrer com o rápido Villalba. Não conseguiu apoiar e chutar de média distância, uma das suas maiores qualidades. Tem mais recurso do que visto nesta partida. Foi substituído. - 4,5
(Moraes): Conseguiu entrar pior que o seu antecessor que também não fazia um grande jogo. - 4,0
Camacho: Lento e sem eficácia. - 4,0
Jean Mota: Sem objetividade. Nem o chute de fora do gol, uma das suas qualidades, conseguiu realizar. Longe da zona pensante - 4,0
(Bruno Marques): Tem muita dificuldade quando a bola está no chão. Sua maior qualidade, a bola aérea, não pode ser testada, porque não veio nenhuma em condições. - SEM NOTA
Sánchez: Não reeditou seu bom futebol. Cansou e foi substituído. - 4,5
(Ângelo): Vinte minutos em campo. Entrou sem ritmo, pois o técnico lhe dá poucas oportunidades. Quase não pegou na bola. - SEM NOTA
Pirani: Tímido ao extremo. Foi bem substituído. - 4,0
(Marcos Leonardo): Bela cabeçada na trave. Depois a bola não chegou mais ao atacante e desapareceu do jogo. - 5,5
Marcos Guilherme: Correu muito, porém errado. - 4,0
Lucas Braga: Ao lado do goleiro João Paulo, os únicos que escaparam, tentou algo. É o único soldado do exército do ataque. Não evitou o desvio de cabeça no primeiro pau do jogador paraguaio para a finalização de Sebá Ferreira no único gol do jogo.- 6,0
Técnico: Fernando Diniz: Que falta qualidade no material humano é irrefutável, entretanto, outros times do Brasil, como o Fortaleza, por exemplo, tem suas carências e ao menos tem um time organizado. Não é campeonato de posse de bola. O Santos não tem linhas compactas, a rotação do time é lenta e o treinador está morrendo abraçado com algumas convicções. Não tem conseguido mais extrair nada do elenco há alguns jogos, bem diferente de quando assumiu o time, há 100 dias. Tem fama de deixar times montados aos seus sucessores. - 4,0

 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by