FOTO CAPA

LUAN PERES VENDIDO, PALHA DE VOLTA E ANO DE RECONSTRUÇÃO

Publicado às 07h10 desta sexta-feira, 9 de julho de 2021.

Após vender o quarta-zagueiro Luan Peres ao Olympique de Marselha da França, o Santos já solicitou ao Náutico, o retorno do zagueiro  Wagner Palha. Os pernambucanos já estão cientes , e inclusive, não devem colocar o jogador em campo contra o Goiás, nesta sexta-feira (9). Como detentor dos direitos econômicos do jovem jogador, o alvinegro tinha esse direito. O pedido da volta do defensor canhoto partiu do técnico Fernando Diniz.

A gestão recentemente eleita está com uma política de austeridade financeira e com uma dívida de R$ 600 milhões, sendo metade a curtíssimo prazo, para diminuir. Não há outro caminho ao clube a não ser a de revelar atletas e tentar realizar boas vendas. 

Luan custou ao Peixe quase R$ 20 milhões no começo deste ano, em uma negociação onde os belgas do Brudge, aceitaram um extensão de empréstimo no fim do ano passado, com uma garantia de compra, se o clube avançasse a final da Libertadores do ano passado que terminou em janeiro de 2021, o que de fato aconteceu. 

Nos bastidores do clube da França, comenta-se que o montante total para adquirir Luan foi de 4,5 milhões de euros (R$ 28 milhões), porém, o Santos só tem 70% dos direitos econômicos, ou seja,  pouco mais de R$ 19,6 milhões. O clube não se manifestou até este instante, se os belgas, donos de 30%, abriram mão de um algum percentual para a equação do negocio se concretizar, e com isso, o alvinegro ficando com um valor um pouco maior do que tinha direito em contrato.

Thuler também foi para a França
Se fizermos um comparativo com o também zagueiro Thuler, reserva do Flamengo que foi anunciado pelo Montpellier como reforço para a temporada 2021/22, os valores por Luan Peres não foram altos. O defensor do clube carioca assinou com o clube francês por um ano, sendo que há opção de compra após este período, avaliada em 2,5 milhões de euros (cerca de R$ 14,6 milhões) e hoje, Luan Peres está valorizado como um dos melhores defensores da América, porém, tem que se ressaltar se um jogador próximo de completar 27 anos, sem nenhum mercado até então no velho continente, teria uma nova oferta nestes moldes. 

A verdade é que o Santos só adquiriu Luan Peres nos valores que se responsabilizou a pagar, pois não tinha condições de reforçar o time com o 'transferban' para a final da Libertadores de 2020, realizada no fim de janeiro de 2021. Então já que não poderia reforçar, manteve pelo menos os titulares para a decisão.

Em paralelo a tudo isso, a administração santista costurou um acordo com a Doyen, pois as contas do clube estão bloqueadas desde janeiro, por falta de pagamento ao fundo maltês. Em 2020, o Peixe devia 5 milhões de euros, a última parcela do acordo. Por falta de pagamento, o montante voltou para o valor principal - 15 milhões de euros. 

Especula-se que as partes estão fechando uma nova negociação em torno de 7,5 milhões de euros a serem pagos em três anos, acordo que teve início no fim do ano passado e na oportunidade, estava sendo planejada para pagar semestralmente, após o clube conseguir judicialmente que se excluísse a multa de 10 milhões de euros, imposta no contrato original por ser leonina.

Palha está de volta.
Sobre a volta de Wagner Palha. O jogador tornou-se campeão pernambucano e crescia cada vez mais. Se queimou na Vila Belmiro, antes de ir para o nordeste, ao ser 'bonzinho' demais e tornar-se o substituto de Felipe Jonatan na Vila, sem ser lateral. Custou caro ao atleta, pois ficou fora inclusive do banco da final da Libertadores diante do Palmeiras. Vinha amadurecendo no Náutico. Se não jogar como beque pela esquerda, pode ter sido precoce seu retorno, mas o Santos não tinha alternativas para o setor. Somente Alex atualmente, como zagueiro canhoto.

O clube tinha outro ativo Sabino, mas a direção atual classificou como alto os valores da renovação do contrato do atleta, no fim do ano passado. Os vencimentos mensais ultrapassavam os R$ 200 mil de salários mensais, mais comissões. Virou uma guerra política a manutenção do jogador na Vila e ao contrário do seu novo clube, que está mal classificado na tabela do Brasileirão, Sabino faz bom campeonato pelo Sport. Poderia ser a solução para a quarta-zaga neste instante, mas infelizmente, não será.

Como eu sempre digo que Santos e dinheiro não cabem na mesma sentença, há algum tempo e o clube tenta se equilibrar, em meio a dívidas que parecem infindáveis, calcado naquilo que se tornou o maior ativo do clube nos últimos anos  -  a base. E paralelamente a isso, apagando um incêndio ou mais por semana.

Claro que a gestão de produzir jogador e somente vender, muitas vezes não tendo nem o ganho técnico, como Rodrygo, que precocemente deixou a Vila não é a melhor das soluções, mas com mais de meio bilhão de dívida, a maior da história do clube, com R$ 277 milhões a curto prazo, não tem muito o que fazer a não ser adotar essa prática, por algum tempo, ainda.


 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by