FOTO CAPA

SANTOS FINALIZA 22 VEZES, MAS PERDE CLÁSSICO. RISCO DE QUEDA NA ÚLTIMA RODADA

Publicado às 09h20 desta sexta-feira, 7 de maio de 2021.

A 'maré não está para Peixe, mesmo'. Em uma das suas melhores partidas na temporada, mas com 'erros crassos' na defesa, o Santos perdeu para o Palmeiras por 3 a 2 e está eliminado do Paulistão. Não bastasse isso, o alvinegro ainda corre risco de rebaixamento. Com os resultados da rodada, o time da Vila Belmiro corre até o risco de ser rebaixado, em caso de derrota diante do São Bento, na última rodada da fase de grupos, neste fim de semana, o que seria a maior tragédia na história do clube em 109 anos.

Fernando Diniz terá contrato de um ano.

Com toda essa 'ebulição' no gramado, a direção ainda não oficializou mas tem apalavrado um acerto com o técnico Fernando Diniz. O acordo com o treinador aconteceu poucas horas antes do início do clássico.

Sobre o a partida no Allianz Parque, o Santos atacou bem mais que o rival. O Glorioso da Vila mandou a campo o que tinha de melhor. Já o Palmeiras, mandou um 'mistão' e 'bem quente' com jogadores que seriam titular em qualquer time da série A.

Apesar da derrota, o Santos fez uma de suas melhores partidas na competição. Finalizou 22 vezes contra 9 dos donos da casa. Correu sempre atrás do resultado, mas erros de marcação foram cruciais para a derrota.

Aos 7, o Palmeiras abriu o placar com Scarpa pela direita deixando Luan Peres para trás e cruzou na medida para Viña, que apareceu sem qualquer marcação na pequena área para cabecear para o gol.

Poucos minutos depois Marinho recebeu lançamento pela direita e, ao dominar no peito, deixou a marcação de Viña para trás. Em seguida, cruzou no pé de Kaio Jorge, que não perdoou: 1 a 1. A bola ainda tocou em Myke e tirou Weverton do lance. 

Nove minutos depois, novo erro de marcação. Cobrança de escanteio na área, Willian escorou de cabeça, na primeira trave. A marcação mista completamente errada e três jogadores na marcação viram a bola pegar em Kaiky e João Paulo antes de entrar, aos 22 e com o placar de 2 a 1 para os anfitriões, os times foram para o intervalo.

'Não existe nada ruim que não possa piorar'. e ainda no primeiro tempo, o atacante Marinho, ao tentar finalizar, sentiu dores na coxa esquerda e deixou o gramado mais cedo. Ângelo, de apenas 16 anos, entrou na partida com a dura missão de liderar o ataque santista, em busca da virada no marcador. O jogador deve ser avaliado nesta sexta-feira (7) e preocupa para os próximos jogos.

Aos 5 da etapa complementar, em escanteio na área, Wesley puxou Kaio Jorge na frente do árbitro Luiz Flávio de Oliveira, que acertadamente deu pênalti. O próprio Kaio Jorge converteu a cobrança e igualou o duelo. 

O Santos voltou bem melhor nos 45 minutos finais. Marcelo Fernandes mexeu bem. Conhecedor do elenco que tem em mãos, tirou Balieiro e colocou Marcos Leonardo, com Jean Mota mais recuado. Matou o meio de campo palmeirense que só conseguiu dar o ar da graça após o técnico Abel Ferreira fazer três alterações no setor após os 20 minutos com as entradas de uma só vez de Danilo, Rafael Elias e Lucas Esteves.

No primeiro toque na bola de Esteves, ele completou cruzamento de Viña, aos 32, e selou a derrota santista. 

"Explicar que foi um ano de troca de gestão, perda de jogadores, transferban, muitos meninos, técnico chegou com nova filosofia e houve uma troca. Tudo influencia. Molecada está querendo, agora é ter calma. Trabalhar bastante para um jogo normal que sempre fazemos em casa, no domingo, para conseguir um grande resultado.", disse Marcelo Fernandes durante a entrevista coletiva, pós jogo.

O perigo de rebaixamento, não foi da derrota do clássico, onde o time se comportou de igual para igual diante do rival mas sim, nas escolhas feitas ao longo de 11 rodadas. O Santos não tem um executivo de futebol e venceu apenas duas vezes.

Por ironia do destino, o alvinegro que poupou tanto no estadual para poder ter mais 'folego' na Libertadores, agora vai ter de priorizar o último jogo no paulista para não ficar marcado negativamente na história com uma queda de divisão.


FICHA TÉCNICA 

PALMEIRAS 3 x 2 SANTOS

Allianz Parque - São Paulo (SP)

Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira

GOLS: Viña, aos 7, Kaio Jorge, aos 13, e Willian, aos 22min do 1ºT. Kaio Jorge (pênalti), aos 7, e Lucas Esteves, aos 32min do 2ºT

Cartões amarelos: Zé Rafael, Empereur, (PAL) Jean Mota, Pirani, Lucas Braga, Kaiky (SFC)

PALMEIRASWeverton; Mayke, Danilo Barbosa, Alan Empereur, Viña; Felipe Melo (Danilo), Zé Rafael (Pedro Bicalho), Gustavo Scarpa, Wesley (Rafael Elias); Willian e Giovani (Lucas Esteves). Técnico: Abel Ferreira

SANTOSJoão Paulo; Pará, Kaiky, Luan Peres e Felipe Jonatan; Vinicius Balieiro (Marcos Leonardo), Jean Mota (Kevin Malthus) e Gabriel Pirani (Renyer); Marinho (Ângelo), Kaio Jorge e Lucas Braga (Lucas Lourenço).Técnico: Marcelo Fernandes.

Kaio Jorge marcou dois gols e foi o melhor santista em campo

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS

João Paulo: Dos três gols que sofreu, talvez a bola do segundo gol pudesse ser evitada. As três oportunidades que o Palmeiras chutou ao gol, todas entraram. - 5,0

Pará: Voltou a dar espaços na defesa. - 4,5

Kaiky: Promissor, porém precisa corrigir o jogo aéreo. Mal colocado no lance do segundo gol palmeirense. - 4,0

Luan Peres: No primeiro gol do Palmeiras foi fazer a cobertura e Scarpa passou com facilidade para dar a assistência. - 4,5

Felipe Jonatan: Não conseguiu reeditar o bom jogo de terça-feira diante do The Strongest. Nas tentativas de ajudar o ataque no apoio deixou espaços no setor em alguns lances. - 5,0

Vinicius Balieiro: Pouco apareceu no jogo. Foi substituído no intervalo. - 5,0

(Marcos Leonardo): Deu mais agressividade ao setor. Tentou finalizar. Em algumas situações poderia até dar o passe. - 5,5

Jean Mota: Quando Marcelo o recuou no início do segundo tempo, fez bem a bola longa durante os primeiros 25 minutos da etapa complementar. Não marca como volante. - 5,5

(Kevin Malthus): Organizou o sistema de marcação quando o Peixe estava só indo para cima na segunda etapa. - 5,5

Gabriel Pirani: Arriscou mais chutes do que nos tempos de Holán, quando o meio e o ataque não finalizavam. - 5,5

(Renyer): Poucos minutos em campo. - SEM NOTA

Marinho: Participativo para o primeiro gol de Kaio Jorge. Deixou o gramado com lesão muscular. - 6,5

(Ângelo): Tentou algumas jogadas individuais, chutou ao gol, mas não acompanhou o ala no último gol palmeirense. - 5,0

Kaio Jorge: Ajudou na recomposição como de costume e balançou as redes duas vezes. Também foi o camisa 9 que sofreu a penalidade máxima. - 7,0

Lucas Braga: Fez boas jogadas pelo lado do campo, principalmente no primeiro tempo. - 6,0

(Lucas Lourenço): Poucos minutos em campo. - SEM NOTA

Técnico: Marcelo Fernandes: Mandou o time principal em campo. O sistema defensivo falhou bastante. Acertou ao sacar Balieiro e recuar Jean Mota. Time foi desequilibrado e com pouca força de marcação. - 5,5


 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by