FOTO CAPA

PEIXE FAZ BOM SEGUNDO TEMPO, MAS VAR, EM LANCE DUVIDOSO, ANULA GOL DA VITÓRIA

Publicada às 10h50 deste domingo, 2 de Maio de 2021.

'A maré definitivamente não está para Peixe'. Sem vencer há cinco jogos, sendo três pelo estadual, o Santos que não tem técnico há uma semana, ainda teve um erro de arbitragem que anulou um gol santista que seria o da virada e impediu a vitória do time, neste sábado (1), diante do Red Bull Bragantino, no estádio Nabi Ani Chedid, em Bragança Paulista (SP), válido pela décima rodada do Paulistão

Após um primeiro tempo pífio, na base da garra, o alvinegro da Vila voltou bem melhor a merecia a vitória na segunda etapa. O gol santista que valeu foi de Lucas Braga.

Com mais um rodada sem vencer, o Santos está em situação dificílima para passar às quartas de final do torneio. Em terceiro lugar no Grupo D, a equipe do litoral agora tem 10 pontos e está atrás de Mirassol, com 17, e do concorrente a segunda vaga na chave, o Guarani, com 11 e que tem um jogo a menos. O Bugre joga neste domingo (2) diante do Novorizontino, em Campinas e a vantagem do alvi-verde do interior pode aumentar ainda mais para o Peixe.

Marcelo Fernandes, o interino que comanda o alvinegro surpreendeu na escalação. Quando a maioria esperava Balieiro como segundo volante, o técnico escalou Jean Mota como segundo homem do meio-campo e com isso, dois armadores. Além de Mota, Pirani era o outro no setor.

Aos 25 minutos, Pará saiu jogando errado do campo de defesa, a bola parou nos pés de Claudinho que bateu forte de primeira e, a mesma desviou em Luan Peres, e matou João Paulo da defesa. O Peixe sem criatividade, tocando bola para trás, permitia que Claudinho jogasse solto e armava o time da casa como queria, extremamente livre.

No intervalo, Marcelo Fernandes, sem alterar o time, mexeu no 'brio' do time e o alvinegro voltou diferente para o segundo tempo. 

Logo no primeiro minuto, Marinho fez lançamento para Lucas Braga, que concluiu a jogada em uma finalização perfeita, no ângulo, sem chances para o goleiro Cleiton. O camisa 30 quebrou um jejum de quatro jogos do Santos sem marcar gols.

E o Peixe, bem melhor no jogo chegou a virada aos minutos, porém com o auxílio do VAR em um lance 'estupidamente' duvidoso, para não dizer que o clube da Vila sem representatividade ao longos dos anos na Federação, foi prejudicado novamente e anulou o que seria um golaço de Jean Mota por causa de impedimento de Marinho que na minha opinião, não existiu. 

Eu escrevi, inclusive em minhas redes sociais, que sem nenhuma teoria da conspiração, mas a imagem apresentada na transmissão da TV, eu tinha muitas dúvidas se era possível ser analisado em perspectiva e  somente na paralela, mesmo não sendo nenhum expert em geometria (e nem precisa), mas não tinha convicção nenhuma da marcação que impediu o gol da vitória santista.

Com a igualdade no marcador, o Santos completa o quinto jogo sem vencer, sem definir o Executivo do futebol, o novo técnico para substituir Ariel Holan e pensa na Libertadores, onde na terça-feira (4), enfrenta o The Strongest (BOL), às 19h15, na Vila Belmiro pela terceira rodada da fase de grupo. Pelo Paulista, o Glorioso da Vila vai a São Paulo, na próxima quinta-feira (6) e pega o Palmeiras, às 21h, pela penúltima rodada da fase de classificação.


FICHA TÉCNICA

RED BULL BRAGANTINO 1 x 1 SANTOS

Estádio Nabi Abi Chedid - Bragança Paulista (SP).

Àrbitro:Douglas Marques das Flores.

GOLS - Claudinho, aos 25 minutos do primeiro tempo (BRA); Lucas Braga, a 1 minuto do segundo tempo (SFC).

Cartões amarelos - Aderlan, Ryller e Cuello (BRA); Pará e Lucas Braga (SFC).

RED BULL BRAGANTINO - Cleiton; Aderlan, Léo Ortiz, Fabrício Bruno e Edimar; Ryller (Ramires), Lucas Evangelista e Claudinho; Artur, Pedrinho (Cuello) e Ytalo (Luis Phelipe). Técnico: Maurício Barbieri.

SANTOS - João Paulo; Pará, Kaiky, Luan Peres e Felipe Jonatan; Alison, Jean Mota (Vinicius Balieiro) e Gabriel Pirani (Lucas Lourenço); Marinho; Marcos Leonardo (Allanzinho) e Lucas Braga. Técnico: Marcelo Fernandes.

Depois de muito tempo, Chulapa voltou ao banco de reservas para auxiliar Marcelo Fernandes.

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS - 

João Paulo: Uma bela saída rápida nos pés de Pedrinho e impediu o gol adversário. Sem culpa no gol de Claudinho. O desvio na quadril de Luan Peres matou qualquer pretensão. - 6,5

Pará: Falhou na saída de bola que proporcionou o gol dos anfitriões. - 4,5

Kaiky: No primeiro tempo, quando o meio-campo do Santos não 'marcava nem consulta' e não 'armava nem barraca de praia' era quem conseguia levar a bola aos atacantes. Defensivamente cresceu a exemplo do seu companheiro na segunda etapa. Tem um futuro promissor. Muita qualidade na saída de bola. - 6,5

Luan Peres: Faltou sorte no lance do gol do time da casa. A bola desviou no seu quadril, não pode ser considerado culpado. Cresceu muito no segundo tempo. Foi bem na cobertura e até nas bolas aéreas, sua principal deficiência. - 6,5

Felipe Jonatan: Muito bem defensivamente. Impediu gol certo de Ytalo, quando o marcador ainda estava 0 a 0. No segundo tempo apoiou bem e tentou ajudar o time a conseguir a virada. - 6,5

Alison: No primeiro tempo ficou em uma encruzilhada. Não sabia se fazia o terceiro homem da defesa na saída de bola ou encostava em Claudinho que ditava o ritmo do jogo. Não fez nem uma coisa, nem outra. Com o ajuste e a chacoalhada de Marcelo Fernandes no intervalo, arrumou o posicionamento e cresceu com o time. - 6,0

Jean Mota: O comentarista ao fazer a análise de um jogo, não pode levar em consideração o retrospecto do atleta. Nem para o bem, nem para o mal. Depois de 45 minutos discretos, foi um dos melhores em campo na etapa complementar. Não só pelo gol mal anulado, mas foi participativo em abastecer os atacantes, principalmente os de lado. Saiu com caimbras. - 7,0

(Vinicius Balieiro): Jogou menos de 15 minutos. - SEM NOTA

Gabriel Pirani: Um primeiro tempo discreto. No segundo tempo com o crescimento do setor, também evoluiu no jogo aparecendo mais dentro da sua característica de correr com a bola em diagonal e servir os companheiros. - 5,5

(Lucas Lourenço): Você pode até duvidar da qualidade do meia, mas sua vontade é irrefutável. Briga pela posse de bola o tempo todo. - 6,0

Marinho: Um primeiro tempo sem oferecer perigo a defesa do Bragantino. Na segunda etapa, entrou pilhado no jogo com muitas participações, incluindo a assistência no gol de Lucas Braga e também do gol que não valeu, mas deveria, de Jean Mota. - 7,0

Marcos Leonardo: O aniversariante deste domingo (2), se movimentou bastante mas não teve chances de conclusão. O melhor jogador santista diante do Boca ficou preso na marcação dos homenzarrões do Bragantino. - 5,5

(Allanzinho): Pouco participou de jogadas do ataque. - SEM NOTA

Lucas Braga: O melhor em campo. O único jogador que escapou da péssima performance no primeiro tempo. No segundo manteve o ritmo e deu trabalho a defesa do adversário com constantes cruzamentos e finalizações pela esquerda do ataque. Foi dele o gol de empate num chute maravilhoso com o pé que não é bom, o canhoto. - 7,5

Técnico: Marcelo Fernandes: Incendiou o time no intervalo. Após um primeiro tempo horroroso, o alvinegro voltou disposto com linhas mais próximas e chegou a igualdade e merecia a vitória. Que veio, mas o VAR em lance duvidoso impediu o triunfo. - 7,0


 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by