FOTO CAPA

FRUSTANTE

Publicado às 10h25 desta quarta-feira, 21 de abril de 2021.

O Santos começou mal a fase de grupos da Libertadores. Os equatorianos do Barcelona quebraram um longo tabu na noite desta terça-feira (20). A última derrota do Santos na Vila, pela fase de grupos da Libertadores, tinha sido em 1984. Foram 26 jogos sem derrotas desde então.  Totalmente dominado, o Peixe perdeu para os equatorianos, por 2 a 0. Na próxima semana, o duelo deverá ser ainda mais duro. O atual vice-campeão da competição visitará o Boca Juniors na Bombonera, na Argentina.

Holán escalou Pará improvisado na vaga do lesionado Sandry. É o terceiro jogador que o treinador testa após a saída do jovem por ter rompido o ligamento de um dos joelhos. 

O jogo começou com um temporal forte na Vila e com o gramado bastante encharcado e pesado. A marcação alta do time de Guayaquil surpreendeu o Santos, que não conseguia trocar bola e envolver o time adversário forte fisicamente e rápido do meio para frente. Já o time de Guayaquil montou duas linhas de quatro e era bem mais objetivo ao atacar e só não marcou aos 9 minutos porque Damian Díaz chutou torto.

Com o passar do tempo, o Barcelona afrouxou a marcação e o Santos começou a se impor. O problema é que não havia possibilidade de jogar na base do toque de bola nem em velocidade com a bola no chão. Outra dificuldade para o time brasileiro foram as faltas duras cometidas pelo adversário. Ainda assim, Marinho teve duas oportunidades - um chute por cima do gol e uma defesa do goleiro - e Marcos Leonardo, uma. Mas o chute do centroavante bateu no lado de fora da rede.

A chuva aumentou e o campo piorou, com várias poças d’água. Isso atrapalhou o Santos, mas também ajudou, aos 37 minutos. Após saída errada de João Paulo, a bola sobrou para Damian Díaz com o gol aberto, mas o chute perdeu força na água e o goleiro conseguiu se recuperar. 

A chuva deu uma trégua no intervalo e o gramado melhorou no segundo tempo. Porém, o Santos ainda estava tentando se acertar quando cometeu um erro, mais um, na saída de bola e desta vez foi castigado: Martínez roubou e tomou para Garcés fazer 1 a 0, aos 7 minutos.

O técnico Ariel Holan resolveu trocar. Mandou a campo Lucas Braga e Vinícius Balieiro de uma única só vez. Pará, que estava no meio e a aposta também não deu certo, voltou para a lateral. Deixaram o gramado Pirani e Madson.

O time não se encontrava, o Barcelona jogava fácil, acertou o travessão com Martínez e fez 2 a 0 numa jogada em que Pará desviou o cruzamento de Hoyos contra o próprio gol.

Daí em diante era aguardar o apito final, porque o alvinegro não tinha poder de reação. O time não deu um chute ao gol ao longo de 90 minutos.

A última derrota do Santos, na Vila, durante a fase de classificação foi em 08 de maio do longínquo ano de 1984 para o Atlético Junior Barranquila da Colômbia por 1 a 3. 

Na sexta-feira (23), o Santos volta a campo pelo estadual diante do Novorizontino no 'louco' horário das 22h15, no interior. No domingo (25) pega o Corinthians na Vila e no dia seguinte o embarque para a Argentina para enfrentar o Boca pela segunda rodada da Libertadores, na terça-feira (27).


FICHA TÉCNICA

SANTOS 0 x 2 BARCELONA

Estádio da Vila Belmiro - Santos (SP)

Árbitro: Andrés Matonte (URU)

GOLS: Garcés, aos 7, e Pará (contra), aos 23min do 2ºT

Cartões amarelos: Riveros, Martínez, Pineida, Mendoza (BAR) e  Soteldo (SFC)

SANTOS: João Paulo; Madson (Balieiro), Kayky, Luan Peres e Felipe Jonathan; Alison (Lucas Lourenço), Pará e Gabriel Pirani (Lucas Braga); Marinho, Marcos Leonardo (Kaio Jorge) e Soteldo. Técnico: Ariel Holan

BARCELONA: Burrai; Castillo, León, Riveros e Pineida; Molina (Sergio López), Piñatares, Hoyos (Quiñones), Martínez (Montaño) e Damian Díaz (Oyola); Garcés (Mastriani). Técnico: Fabian Justos

Lucas Braga só entrou na segunda etapa.


NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS: 

João Paulo: Dessa vez não conseguiu defesas milagrosas como fez contra o San Lorenzo, por exemplo. Sem cuilpa nos gols. Uma saída errada no começo do jogo quase levou a uma falha que proporcionaria um gol. - 5,0

Madson: Barcelona subiu as linhas e não permitiu que o ala apoiasse, seu forte. Foi substituído. - 5,0

(Balieiro): Dos três que jogaram na função do Sandry foi o que mais agradou. Devia ter começado o jogo. - 5,0

Kayky: Errou algumas saídas de bola. - 5,0

Luan Peres: Não reeditou as boas atuações do começo do ano. Envolvido em alguns lances. - 4,5

Felipe Jonathan: Tentou ir a frente e até chutou bolas contra a meta adversária, mas não foi feliz como outras vezes. - 5,0

Alison: No primeiro tempo, marcou forte e ajudou a defesa. Na segunda etapa, foi envolvido como todo o time. Saiu lesionado. - 5,0

(Lucas Lourenço): Jogou pouco tempo. - SEM NOTA

Pará: Não funcionou como volante. Não conseguiu marcar forte. No segundo tempo foi para a ala e até melhorou a sua performance, porém, teve a infelicidade de não conseguir evitar o gol contra. - 4,0

Pirani: O gramado pesado e o estilo leve de jogo o prejudicou. Foi discreto apenas. - 4,5

(Lucas Braga): Ficou mais como assistente de lateral. Longe da linha de fundo. - 5,0

Marinho: Ainda longe do Marinho da temporada passada. Falta recuperar o ritmo de jogo. Não conseguiu chutar e criar jogadas no ataque. - 4,5

Marcos Leonardo: Deu um chute no gol, na rede pelo lado de fora. Fez bem o pivô no começo do duelo, depois a bola não chegou. - 5,0

(Kaio Jorge): Poucos minutos em campo. - SEM NOTA

Soteldo: Começou bem o jogo e depois caiu assustadoramente. Segundo tempo sem uma jogada sequer. - 4,5

Técnico: Ariel Holan: Com a perda de Sandry, tem dificuldades de encontrar um substituto. Devia ter tirado Pará do meio-campo, no intervalo. Esperou tomar o gol para fazer. Elenco não tem peças para propor jogo. Precisa se adaptar a característica do elenco. Passes laterais sem velocidade. - 4,0


 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by