FOTO CAPA

SITUAÇÃO PERIGOSA

Publicado às 05h desta segunda-feira, 28 de dezembro de 2020.

Bem na Taça Libertadores da América e a três jogos de uma conquista histórica - a chance de ser o primeiro brasileiro tetra-campeão continental, o mesmo não se pode dizer do Brasileiro, competição em que o Santos completou quatro jogos sem vencer. Em sua última partida no ano, o alvinegro só empatou na Vila Belmiro contra o Ceará em 1 a 1, na noite deste domingo (27) e segue sem saborear os três pontos nesta competição, desde o dia 5 de dezembro quando venceu o Sport. De lá para cá empates contra o 'Vozão' e Palmeiras na Vila e derrotas no Rio de Janeiro para Flamengo e Vasco.

Sem lateral-direito para escalar, já que Pará e Madson não reuniam condições clinicas e o jovem Fernando Pileggi contraiu covid-19, o treinador Cuca fez algumas experiências no setor. Lucas Braga foi o escolhido para realizar a função no inicio do jogo. Em alguns momentos, Alison foi realizar a função. Na segunda etapa, Balieiro foi para a ala com Lucas Braga se deslocando para a ponta-esquerda, no ataque e Soteldo novamente, como em alguns jogos anteriores de 'coordenador de jogadas' no meio-campo. 

O zagueiro Lucas Veríssimo uma vez mais não atuou, sendo substituído por Laércio e Luan Peres com situação indefinida para a continuidade do empréstimo, foi o escolhido como capitão e pode ter dado adeus e realizado a sua última partida pelo clube. Os belgas do Brugge, donos dos direitos econômicos do defensor, desejam 5 milhões de euros (12 milhões de reais) para liberar o jogador em definitivo. O Santos não tem essa quantia.

O time da Vila largou na frente do marcador com Marinho, mas sofreu a igualdade com o bom ala Samuel Xavier, ainda no primeiro tempo, aos 37 minutos. 

Quase no final da partida, Marinho quase marcou o seu segundo gol no jogo. Após cobrança de escanteio, o camisa 11 estava pronto para comemorar um gol 'olímpico', entretanto, Arthur tocou na bola e com a ajuda do V.A.R, o gol foi anulado. 

O próximo jogo do Peixe é a batalha em 'La Bombonera' diante do Boca Junior, pelas semifinais da Libertadores da América, daqui a nove dias. Pelo Brasileiro, o time volta a atuar daqui a dois fins de semana, no clássico diante do líder São Paulo, no Morumbi. O lateral canhoto, Felipe Jonatan, recebeu o terceiro cartão amarelo e cumprirá suspensão automática. 

Já alertamos neste espaço e em outros que atuamos n o exercício da profissão, mas nunca é demais lembrar que em 2015, o Santos ficou com a possibilidade de disputar a Libertadores do ano seguinte, por duas frentes: Copa do Brasil e Brasileiro. Na primeira, perdeu a chance ao ser derrotado nos pênaltis para o Palmeiras e ficar apenas com o vice-campeonato. Na segunda, depois de uma recuperação fantástica, saindo da zona de rebaixamento, o time dirigido por Dorival Junior empatou com o Flamengo na Vila, nova igualdade diante do rebaixado Joinville em Santa Catarina e derrotas para os mal colocados Vasco, no Rio de Janeiro e Coritiba, no Sul do país e despencou nas últimas rodadas, desperdiçando a chance de voltar a competição continental. O time vive novamente essa situação perigosa ao não pontuar na competição nacional de pontos corridos.

O G-6 do Brasileiro pode e tem grandes chances de tornar-se G-7, se um dos vencedores da Copa do Brasil não for o América Mineiro, que disputa a série B do Brasileiro. Isto porque, os outros três semifinalistas estão entre os seis primeiro lugares na competição nacional de pontos corridos - Palmeiras, Grêmio e São Paulo.


FICHA TÉCNICA

SANTOS 1 X 1 CEARÁ

Estádio da Vila Belmiro - Santos (SP)

Árbitro: Rodolpho Toski Marques (PR)

Cartões amarelos: Pituca, John e Felipe Jonatan (SFC) / Cleber e Saulo (Ceará)

GOLS: Marinho (Santos), aos 11; Samuel Xavier (Ceará), aos 37 minutos do primeiro tempo

SANTOS: John; Lucas Braga, Laércio, Luan Peres e Felipe Jonathan (Jean Mota); Alison (Arthur), Sandry (Balieiro) e Pituca; Marinho, Soteldo (Bruno Marques) e Kaio Jorge (Lucas Lourenço). Técnico: Cuca.

CEARÁ: Fernando Prass; Samuel Xavier (Eduardo), Tiago, Klaus e Bruno Pacheco; Fabinho, Fernando Sobral (Kelvyn), Charles (Pedro Naressi) e Vina, Lima (Saulo) e Cleber (Felipe Vizeu). Técnico: Guto Ferreira.

Luan Peres pode ter feito sua última partida pelo Santos. Peixe tenta estender contrato.

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS

John: Sem culpa no gol sofrido, fez grandes defesas. Um dos melhores do jogo. - 7,0

Lucas Braga: Alternou com Alison o posicionamento no setor. Não evitou o cruzamento que resultou no gol de empate do Ceará. Comprometido com o time. - 6,0

Laércio:  O arroz com feijão bem temperado do meu amigo aniversariante, o empresário Alan Otacílio. Evoluiu bem fisicamente, desde sua chegada. - 6,0

Luan Peres: Pode ter feito sua despedida. Bem colocado, não comprometeu. - 6,5

Felipe Jonathan: Bem na defesa. Tentou auxiliar no apoio. - 6,5

(Jean Mota): Entrou nos acréscimos. - SEM NOTA

Alison: Revezou com Lucas Braga, a posição de ala direita. Guardou posição e bem na função defensiva. - 6,0

(Arthur): Entrou no fim do segundo tempo e mesmo tendo tirar o braço, o V.A.R, pegou um toque de seu braço na bola, que invalidou o gol de Marinho. - 5,0

Sandry: Não apareceu tanto como de costume com toques e lançamentos longos em progressão. Foi substituído. - 6,0

(Balieiro): Entrou no intervalo, fora da sua posição. Cuidou da parte defensiva do setor. - 6,0

Pituca: Bem na proteção a defesa e ainda deu assistência para o gol de Marinho. Caiu um pouco na segunda etapa. - 6,5

Marinho: O melhor do jogo. Criou situações, marcou um gol, ia fazer o segundo, mas o VAR invalidou. Chamou a responsabilidade novamente. - 8,0

Soteldo: Lutou bastante e deixou o gramado irritado. Não foi de todo mal, mas tem mais futebol do que o apresentado na noite deste domingo. - 6,5

(Bruno Marques): Entrou, mas pouco apareceu. Dos jogos que teve oportunidade no time de cima, foi o que menos rendeu. - 5,5

Kaio Jorge: A bola chegou pouco no 9 santista. No primeiro tempo, ele teve uma oportunidade, mas chegou atrasado. - 6,0

(Lucas Lourenço): Entrou na segunda metade do segundo tempo. Discreto. - 5,5

Técnico: Cuca: Não foi feliz nas alterações. Viu seu time perder o controle do jogo. Aproveitamento do time em casa e quando tem de propor jogo é baixo, ainda assim é merecedor de elogios, pelo momento que o clube está na temporada. - 5,0


 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by