FOTO CAPA

CLASSIFICAÇÃO SOFRIDA

Publicado às 08h desta quarta-feira, 2 de dezembro de 2020.

O Santos está nas quartas de final da Copa Libertadores da América. Mas o que parecia resolvido virou um 'parto'. Por pouco, uma tragédia não deixou de ocorrer na noite desta terça-feira (1), em Vila Belmiro. Com um segundo tempo sofrível, o alvinegro perdeu a invencibilidade na competição ao ser derrotado pela LDU (EQU) por 1 a 0. Como venceu em Quito, por 2 a 1, o gol qualificado fora de casa, colocou o Peixe na outra fase. O glorioso alvinegro praiano abocanha US$ 1,5 milhão (R$ 8,4 milhões), por avançar entre os oito melhores de continente como premiação.

Conforme informamos na manhã de terça-feira (1), no programa Resenha Santista da TV Cultura Litoral, Cuca que não pode ficar no banco de reservas, em razão dos protocolos do Covid-19, impostos pela Conmebol, improvisou Soteldo de armador, manteve Lucas Braga no auxílio da marcação a Perlaza pelo lado esquerdo da defesa e Alison foi mantido na cabeça da área

Taticamente, não funcionou. Ainda assim, o Santos teve sete finalizações e três reais oportunidades claras, mas desperdiçou-as. Perdeu a agressividade pela extrema esquerda sem Soteldo, mas ganhou a força e a recomposição que fizeram com que o lateral equatoriano, melhor jogador adversário no jogo de ida, fosse figura decorativa e o alto atacante que defendeu a Inter de Limeira no estadual, cumpriu muito bem a função de auxiliar Felipe Jonatan.

Mas o pior ainda estava por vir. Sem alterações para a segunda etapa, o time recuou, assistiu o adversário avançar as linhas de forma pacífica, fez 45 minutos finais horríveis e parecido com que aconteceu no fim de semana, quando permitiu um adversário de qualidade técnica inferior, tomar conta do meio campo e dominar a partida. O gol da LDU era questão de tempo e veio no meio da etapa complementar com Zunino.

Daí para a frente, o time abdicou totalmente até de contratar e jogou com o regulamento debaixo do braço. Somente após levar o primeiro gol, o auxiliar Cuquinha começou a mexer no time.

No fim do jogo, após o árbitro argentino Nestor Pitana dar seis minutos de acréscimo e com mais de sete, não acabar o jogo, houve uma briga generalizada e Luiz Felipe, defensor santista que estava no banco ser expulso.

Dos três brasileiros que foram a campo na Libertadores nesta noite de terça-feira (1), somente o Santos se classificou  (mesmo perdendo o jogo em casa). Atlético Paranaense e Flamengo, ficaram pelo caminho. 

Mesmo com incêndio para apagar no dia do jogo e com o presidente do clube Orlando Rollo, funcionando de bombeiro, após vazar informação, ex-presidente que sofre impedimento por gestão temerária , inúmeras dívidas, transferban que impede de contratar jogador, jogadores com Covid, treinador que não dirige o time no gramado, direito de imagem em atraso, consegue passar de fase e o rubro-negro carioca com folha de 18 milhões/mês, não. Só os deuses do futebol podem explicar.

O Santos aguarda o vencedor do confronto Guarani-PAR e Grêmio, na noite desta quarta-feira (2) para conhecer seu adversário na próxima fase da competição continental. Provavelmente será o time brasileiro que venceu o jogo de ida por 2 a 0, na casa do adversário. 

Pelo Campeonato Brasileiro, o alvinegro volta a campo no fim de semana, no clássico diante do Palmeiras, na Vila Belmiro.

FICHA TÉCNICA

SANTOS 0 x 1 LDU

Estádio da Vila Belmiro - Santos (SP)

Árbitro: Néstor Pitana (ARG)

Gols: 0-1 Zunino (19'/2T)

Cartões amarelos: Alison, Soteldo, Wagner Leonardo e John (Santos); Ayala (LDU)

Cartões vermelhos: Luiz Felipe (SFC); Aguirre, Villarruel (LDU)

SANTOS: John; Pará, Lucas Verissímo, Luan Peres e Felipe Jonatan (Wagner Leonardo, aos 41'2ºT); Alison, Pituca e Soteldo (Sandry, aos 36'2ºT); Lucas Braga (Madson, aos 36'2ºT), Marinho e Kaio Jorge (Bruno Marques, aos 24'2ºT). Técnico (interino): Cuquinha.

LDU: Gabbarini; Perlaza (Zunino, aos 08'2ºT), Luis Caicedo, Ordóñez e Ayala (Cruz, aos 11'2ºT); Villarruel (Aguirre, aos 37'2ºT), Alcívar, Quintero, Billy Arce (Marcos Caicedo, aos 12'2ºT) e Jhojan Julio; Martínez Borja. Técnico: Pablo Repetto.

Jogadores e membros da Comissão técnica do Santos pressionam a arbitragem e pedem o fim da partida


NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS

John: Sem culpa no gol sofrido. Nenhuma grande defesa. - 6,0

Pará: Não foi o mesmo jogador do duelo de ida, mas ainda assim, um dos poucos com produção individual satisfatória no Santos. - 6,0

Lucas Verissímo: Seguro. - 6,0

Luan Peres: Fez o simples. - 6,0

Felipe Jonatan: Limitou-se mais a parte defensiva. Saiu no fim do jogo. - 6,0

(Wagner Leonardo): Jogou bem pouco. Por ter recuperação, entrou para dar sangue novo pela esquerda da defesa. Pela primeira vez teve dificuldade em marcar o atacante adversário. - SEM NOTA

Alison: Não roubou tantas bolas como de costume. - 5,5

Pituca: Bom primeiro tempo, participativo. Caiu junto com o time na segunda etapa. - 6,0

Soteldo: Perdido. Fora de posição. Longe do jogador atrevido, rápido e insinuante quando atua dos lados. - 5,0

(Sandry): Melhorou a saída de jogo na bola longa. - 6,0

Lucas Braga: No trabalho de recompor e marcar Perlaza, ala direito dos equatorianos foi perfeito, porém, não apareceu como homem forte pelo lado esquerdo do campo no setor ofensivo. - 5,5

(Madson): Demorou demais para entrar no jogo. Somente quando faltavam menos de 10 minutos para o fim sem os acréscimos. - SEM NOTA

Marinho: Não foi protagonista. Apesar das tentativas, tomadas de decisões erradas nos chutes ao gol. Tem potencial para render mais. - 5,5

Kaio Jorge: Sacrificado no esquema, por recompor e ajudar o coletivo. Ao contrário dos últimos jogos, quando sequer finalizou a gol, teve no mínimo duas grandes chances para abrir o marcador e desperdiçou. - 5,0

(Bruno Marques): Entrou para mudar a característica do ataque santista. Fazer o pivô ou conclusão no jogo aéreo. A bola não chegou. - 5,5

Técnico (interino): Cuquinha: Demorou para mexer e assistiu passivamente o time recuar as linhas e viu a LDU avançar na segunda etapa. Não foi feliz ao centralizar Soteldo no meio-campo. Posição carente no elenco. Ninguém quer ficar com a vaga de coordenação. - 5,0



 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by