FOTO CAPA

POUCO INSPIRADO

Publicado à 01h25 desta quarta-feira, 16 de setembro de 2020.
O Santos perdeu uma enorme oportunidade de encaminhar sua classificação antecipada para a fase de mata-mata da Libertadores. Faltou futebol e postura mais agressiva diante dos paraguaios do Olímpia. O resultado? Apenas empatou em 0 a 0, na noite desta terça-feira (15), no estádio da Vila Belmiro. O resultado manteve o time na liderança da chave com 7 pontos.


O primeiro tempo do Santos, com exceção a uma bola na trave de Soteldo, foi de enormes dificuldades. Linhas espaçadas, lentidão na criação e pouca finalização. Em 90 minutos foram apenas três chutes certos ao gol.

Foi visível a preocupação do treinador em colocar um time mais 'cancheiro', cascudo, rodado, desde o início. A competição pede isso, pois é muito 'catimbada' como demonstrou o jogo. Os paraguaios 'abriram a caixa de ferramentas' e o uruguaio responsável pela arbitragem nada fez.

O Santos propôs jogo pelos lados do campo, mas errou todos os cruzamentos. Para que isso aconteça com objetividade, era necessário haver ultrapassagem dos alas e aproximação dos atacantes, algo que não foi visto em nenhum instante. 

O time da Vila ignorou a possibilidade de triangulação e  ficou muito abaixo do que vem produzindo no Brasileiro. 

Os times de fora vem ao Brasil com postura recuada, apenas no contra-ataque. E o Peixe com um time de média de idade baixa, vai ter que aprender na 'marra' como jogar esse time de competição, se desejar chegar mais longe.

Cuca fez alterações na segunda etapa, mas demorou bastante. Só a fez quando os paraguaios ficaram com um jogador a menos, após a expulsão de  

De positivo, somente a 'minutagem' que os mais jovens ganharam em um jogo internacional.

O alvinegro da Vila volta a campo, fora de casa, no domingo (20), diante do Botafogo-RJ, no Rio de Janeiro. Soteldo é ausência certa. Ele está suspenso por ter recebido o terceiro amarelo. Pela Libertadores, o Santos volta a atuar na quinta-feira (24), às 23h (Brasília), diante do Delfin, no Equador.

FICHA TÉCNICA
SANTOS 0 x 0 OLIMPIA
Estádio da Vila Belmiro - Santos (SP)
Árbitro: Leodan Gonzalez (URU)
Cartões amarelos: Marinho (SFC), Candia, Rodrigo Rojas (OLI)
Cartão vermelho: Rodrigo Rojas (OLI)
SANTOSJoão Paulo; Pará (Madson - 35'2T), Lucas Veríssimo, Luan Peres e Felipe Jonatan (Jean Mota - 35´2T); Alison (Lucas Lourenço - 29'2T), Pituca e Sánchez; Marinho, Soteldo e Raniel (Marcos Leonardo - 17'2T) Técnico: Cuca
OLIMPIAAzcona; Otálvaro, Leguizámon, Alcaraz e Ivan Torres (Arias, aos 39'2T); Ortiz, Rodrigo Rojas, Candia (De La Cruz, Intervalo), Alejandro Silva (Derlis González, aos 26'2T) e Camacho (Caballero, aos 26'2T); Roque Santa Cruz (Pitta, aos 16'1T). Técnico: Daniel Garnero
SANTOSJoão Paulo; Pará (Madson - 35'2T), Lucas Veríssimo, Luan Peres e Felipe Jonatan (Jean Mota - 35´2T); Alison (Lucas Lourenço - 29'2T), Pituca e Sánchez; Marinho, Soteldo e Raniel (Marcos Leonardo - 17'2T) Técnico: Cuca

Marinho muito marcado, recebeu revezamento de quem lhe dava 'bordoada'.


NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS
João Paulo: Duas defesas difíceis e importantes no primeiro tempo. - 6,0
Pará: Pouco apoiou e quando o fez, não foi preciso nos cruzamentos. - 5,0
(Madson): Teve uma finalização no fim da partida. Jogou pouco tempo. - SEM NOTA
Lucas Veríssimo: Bem posicionado como de costume. No fim da partida tentou até armar o time. - 6,0
Luan Peres: Também não comprometeu. - 6,0
Felipe Jonatan: Um bom chute de fora da área. Não apoiou. - 6,0
(Jean Mota): Uma boa cobrança de falta. Jogou pouco mais de 10 minutos. - SEM NOTA
Alison: Marcou como sempre, mas não cobriu com tanta eficiência as laterais, principalmente na primeira etapa. Depois com a expulsão de um paraguaio ficou sem função e foi substituído. - 5,0
(Lucas Lourenço): Apesar de 20 minutos em campo, se pegou na bola quatro vezes foi muito. Era para ter começado jogando ou no máximo entrado no intervalo. - SEM NOTA.
Pituca: Tentou chute de fora da área, mas não é a do meia. Quando jogou de primeiro volante, melhorou o passe. - 6,0
Sánchez: Melhorou em relação aos outros jogos, mas tem capacidade de produzir muito mais. - 6,0
Marinho: Não foi o Marinho decisivo, mas ainda assim pendurou quatro paraguaios com amarelo e um deles foi expulso. Houve um revezamento de jogadores que iam bater no camisa 11. - 6,5
Soteldo: Ciscou bastante, fez algumas jogadas interessantes. Um dos poucos que escaparam de uma má performance. - 6,5
Raniel: O futebol não tolera desaforo. Teve uma única chance e furou de forma irreconhecível. - 4,5
(Marcos Leonardo): Já entrou apanhando. Não conseguiu finalizar. - 5,5
Técnico: Cuca: Não quis colocar os meninos em um jogo catimbado. Demorou para colocar o meia Lucas Lourenço e recuar Pituca para a cabeça da área. Time queria só chegar a frente no 'Cucabol' (jogadas de bolas aéreas) - 5,0


 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by