FOTO CAPA

TERCEIRA GERAÇÃO DOS MENINOS DA VILA

Publicado às 22h30 desta sexta-feira, 1 de Maio de 2020.
Um dos maiores responsáveis em montar um time em sua grande maioria com 'pratas de casa' e bater campeão nacional dando espetáculo, revelando talentos e resgatar a auto-estima do torcedor alvinegro que não conquistava um título nacional há 34 anos, o ex goleiro e técnico Emerson Leão participou de entrevista a Rádio 9 de Julho, neste feriado de 1 de Maio.

Respeitado pelo seu passado vitorioso como jogador e de treinador campeão da Conmebol em 98, Brasileiro 2002 e vice da Libertadores em 2003 pelo Santos, respondeu sobre o momento do alvinegro, onde ultimamente 'Santos e dinheiro, não cabem na mesma frase' e o clube mais uma vez, vive momentos de dificuldade financeira.
"O que acontece com o Santos de hoje é que está pagando por erros de ontem. Contratou um treinador muito caro (ano passado) e ele fez o que entendeu que devia ser o certo, mas financeiramente, o Santos foi preocupando cada vez mais." analisou Leão.
O técnico foi o comandante da maior conquista do clube no século. Nem a Libertadores de 2011 foi tão significativa como o Brasileiro de 2002, pois representou a saída da fila de espera que já perdurava 18 anos e recolocou o Glorioso praiano de volta aos caminhos das conquistas.

Leão dirigiu o alvinegro em três oportunidades. Nas duas primeiras foi campeão e na terceira, mesmo com um time limitado, quase chegou a uma semifinal de Libertadores em 2008, mas foi prejudicado no jogo de ida, diante do América-MEX, quando um gol legítimo de Kléber Pereira foi anulado. Eleito o técnico da década pela torcida em eleição realizada pelo Diário do Peixe, o experiente homem do futebol brasileiro demonstrou angústia com o momento do clube.
"Você vê o presidente falando, você percebe que ele tem dificuldade de saldar os seus compromissos e os jogadores vão entrando, saindo, sendo vendidos uns com retornos positivos, outros sem e não acontece mais nada no Santos." disse.
Leão que com o aval do ex-presidente Marcelo Teixeira e o gerente de futebol Zito, conseguiu um título significativo com um time de investimento pequeno, feito com padrões financeiros inimagináveis para os dias de hoje e com a fórmula usada e bem conhecida na história do Alvinegro: um misto de jogadores crias da casa, com reforços pontuais, o homem que entrou para história do clube, no começo do século, acredita que o passado serve como referência para o momento. 
"Eu acho que o clube precisa voltar novamente a olhar para dentro de si e agora tem de aparecer a terceira geração dos Meninos da Vila. A primeira apareceu em 78, com aqueles craques, teve uma repercussão muito grande e salvou o Santos. Depois, apareceu a segunda geração, na qual eu estive presente e que também salvou o clube. Depois tivemos um ou outro jogador esporádico, após essas duas gerações, mas estamos esperando e oxalá isso aconteça, uma terceira geração." finalizou.
strutura.com.br
 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by