FOTO CAPA

EDU DRACENA: "SE DORIVAL FICASSE, GANHARÍAMOS A TRIPLÍCE COROA EM 2010"

Publicado às 23h55 desta quinta-feira, 21 de maio de 2020.
O ex-zagueiro do Santos e capitão do Tri na conquista da Libertadores da América em 2011, Edu Dracena foi o participante  da nossa tradicional 'live com convidados' que realizamos em nosso canal youtube.com/ademirquintinooficial, todas as noites de quintas-feiras.

Respeitado por onde passou. O jogador nunca tripudiou nenhuma agremiação. Profissional ao extremo. Exemplo para qualquer jovem. O defensor pendurou as chuteiras em dezembro do último ano.
"Eu fico muito feliz, porque procurei sempre representar a equipe que eu estava. Uns vão gostar, outros não, mas em nenhum momento menopsprezar o adversário. Somos profissionais do futebol para fazer o melhor hoje, porque não sabemos o dia de amanhã. Valeu todo o esforço e dedicação"
O jogador dono de 18 títulos como profissional e dois com a Seleção brasileira de novos, sendo seis pelo Santos contou um pouco sobre os 21 anos de carreira. Perguntado qual foi o melhor time que jogou, o camisa 2 preferiu manter a mesma postura antes de aposentar dos gramados, de não diminuir nenhuma das instituições ou conquistas dos clubes que atuou:
"Seria injsto apontar um time só. Todos marcaram história. Um de repente mais bonito que o outro. Para ficarmos marcado na história é porque algo foi diferente. Sou iluminado. Agradeço a Deus por tudo."
Com passagens marcantes e vitoriosas onde atuou, o menino nascido em Dracena, que deixou a cidade aos 13 anos para tentar a sorte no futebol, estreou aos 17 e com 18 já era capitão do Guarani, fez história também no Cruzeiro onde conquistou a triplíce coroa, em 2003 foi para o Fenerbache da Turquia e voltou ao Brasil, em 2009 para defender o Santos. 

Na Vila, Edu Dracena conquistou seis títulos entre 2010 e 2012. Ele só não esteve em campo na final da Recopa, pois se recuperava de lesão. Quando ia começar a temporada de 2015, o jogador deixou o Santos para o rival Corínthians, entretanto, ele não queria deixar a cidade e garante que só deixou o alviengro-praiano, porque a gestão vencedora das eleições no clube em 2014, não desejava mais a sua presença no plantel: 
O Modesto (Roma) não me queria. Ele queria minha saída do Santos. Não sei se ele achou que eu era ligado a outra a direção. Eu tinha mais um ano de contrato. Me deviam oito meses de imagem e três na carteira. Ele facilitou minha saída. Achou que eu não ia conseguir jogar em lugar nenhum. Falei que podia dividir (o que me deviam) em quantas vezes quisessem. Quando ele ficou sabendo que eu estava indo para o Corinthians, quis voltar atrás, mas eu tenho palavra. Ele dificultou, não queria assinar minha rescisão. Tenho uma gratidão muito grande pelo clube, mas pelas pessoas que estavam ali, não tenho nenhuma”, disparou.
Durval, Dorival Junior e Edu Dracena.
Sobre a saída de Dorival Junior do comando técnico logo após a conquista da Copa do Brasil, Dracena acredita que se o treinador não fosse demitido, o Peixe também tinha condições de conquistar o terceiro título em 2010 e igualar a tríplice coroa que já havia conquistado no Cruzeiro-MG. O jogador que começou o ano como capitão do time aquele ano, passou a braçadeira a pedido do técnico a Robinho, relembrou o episódio:
Ele (Neymar) queria bater o pênalti, o Dorival mandou o Marcel. Deu aquela discussão toda. Ele me xingou. Eu xinguei ele também. O que acontece dentro de campo, fica em campo. Teve uma  reunião no sábado. Falaram que o Neymar ia ser punido. Tinham combinado com o Dorival que ele ia ficar fora contra o Guarani. Na quarta-feira era o clássico contra o Corinthians. Na terça-feira, saiu a convocação (para o clássico) eu estava supenso e fui embora para casa e o nome dele (Neymar) não estava. Me ligaram, pedindo para ir urgente para a Vila, que estavam mandando o Dorival embora. Entrei no Estádio pela rua de trásmas a demissão estava consumada. Creio que, se ele permanecesse, a gente podia ganhar o Brasileiro também", disse Edu.
Em cinco anos de Peixe foram 227 partidas com 17 gols - segundo maior zagueiro-artilheiro ao lado de David Bráz.

ex-jogador que hoje é funcionário do Palmeiras. Ele ocupa o cargo de assessor técnico do clube de Palestra-Itália.

strutura.com.br

 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by