FOTO CAPA

BRUNO AGUIAR: "O SINAL NÃO FOI PARA O DORIVAL E SIM COMIGO"

Publicado às 13h40 desta sexta-feira, 10 de abril de 2020.
O zagueiro Bruno Aguiar que conquistou cinco dos seis títulos do Santos, no começo desta década, participou de uma 'live' conosco através de uma rede social, na noite desta quinta-feira (9) e relembrou de alguns episódios do período vitorioso que viveu junto com a geração de 2010, em Vila Belmiro. 

Atualmente, o defensor de 34 anos está no Novorizontino, único clube invicto do Paulistão 2020, após 10 rodadas. Além disso, o beque está na seleção do campeonato de alguns órgãos de imprensa.
"Graças a Deus, mais um momento muito especial na minha carreira. O 'velhinho' ainda tá dando um caldo." disse o atleta seguido de uma gargalhada após a resposta. 
O jogador durante a transmissão contou como começou no futebol e o início da carreira até chegar o Peixe, segundo ele, o auge de sua carreira.
"Sou de Amparo, no interior, região de Campinas. Comecei aqui do lado, na Ponte Preta. O Andrey Quintino, teu filho também né? Profissionalmente, comecei em 2008, pelo Mirassol. O Santos já me monitorava. O Leão me queria, mas acabei não indo, mas segui no radar do Santos quando fui vice-brasileiro da série B em 2009 pelo Guarani e assinei com o Peixe, onde fiquei até o meio do campeonato paulista de 2012" relembrou.
O jogador disse que só saiu da Vila em março de 2012, porque recebeu uma proposta irrecusável do Sport-PE. Mas garantiu que com a maturidade que tem hoje, acredita mesmo com os valores que recebeu, teria ficado mais tempo. 
"Foi uma proposta muito boa. Saí com dor no coração. Hoje, com a experiência que eu tenho, não é arrependimento, porque aquele dinheiro me ajudou muito, a minha família também, mas creio que eu ficaria, mesmo ganhando menos." confessou o zagueiro.
Bruno classificou os 27 meses de Santos como um momento fantástico da sua vida como atleta:
"Foi especial, maravilhoso. Eu me lembro que a imprensa não colocava uma força para ganhar os campeonatos. Mas foi tudo bem feito, os meninos amadurecendo. Ganso voando, Neymar despontando, a liderança do Dracena, do Robinho e eu pude jogar os jogos mais importantes como as finais do Paulista 2010, final da Copa do Brasil, primeira partida da decisão da Libertadores 2011, primeiro jogo do Mundial no Japão."  disse com um sorriso no rosto.
Durante a live, o jogador fez uma confissão do lance polêmico envolvendo PH Ganso na final do estadual de 2010 contra o Santo André. Disse que os dedos apontados para o alto do meio-campista dizendo que permaneceria em campo, não foram para o técnico Dorival Junior e sim para ele, Bruno:
Bruno está na Seleção da Gazeta Esportiva como um dos melhores zagueiros
"Foi engraçado né. Pela filmagem, imagina-se que ele (PH Ganso) falou para o Dorival, mas antes eu faço um sinal para ele cair. Eu disse, cai, cai...Para podermos ganhar tempo. Nós tínhamos tido três jogadores expulsos naquela tarde (Roberto Brum, Léo e Marquinhos). Imediatamente, o Ganso respondeu daquela maneira. Eu? Não vou sair, não. Eu estou bem." 

Aguiar complementa o restante da história vivida no Pacaembu:
"O André não começou o jogo e creio que o Dorival deve ter pensado em tirar o Ganso para reforçar o meio que tínhamos perdido. Estávamos sem meio-campo. Tinha que entrar alguém para guardar a posição. Eu entrei improvisado de volante. Mas deu tudo certo. Eu corri no Dorival e disse, o Ganso não quer sair. Ele tá se sentindo bem.  Ao mesmo tempo, com receio do técnico me dizer, então está bom, se ele não quer sair, senta no banco de novo. Pelo amor de Deus, eu estava louco para entrar e aí ele mandou tirar o André, que tinha entrado há muito tempo no jogo e dessa vez eu nem fiz sinal (seguido de gargalhadas), Se ele faz a mesma coisa que o Paulo (Ganso) e não sai? Deixei quieto e esperei a placa subir para entrar. E fomos campeões". disse a base de muita risada o ex-zagueiro do alvinegro.
Sobre o jogo mais marcante, o jogador confessa que foi longe da Vila Belmiro. E relembra uma aposta com o auxiliar técnico:
 "Joguei 56 jogos pelo Santos. Ganhei uma camisa de 50 jogos pelo clube, onde guardo com muito carinho. O jogo que mais marcou para o torcedor foi contra o Ceará, em 2011. Marquei dois gols. Fiz o primeiro e o último de falta, um golaço. Um gol que eu tava buscando, que eu tinha uma brincadeira com o Tatá (auxiliar do técnico Muricy Ramalho). Eu bati uma falta muito ruim na Vila e ele me disse, vai treinar um mês antes de bater outra. E foi exatamente quando voltei a bater, fiz o gol e fui abraçar ele." disse o camisa 13." A vitória santista decretou o rebaixamento do vozão a época.
strutura.com.br
 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by