FOTO CAPA

SANTOS E DINHEIRO NÃO CABEM NA MESMA FRASE

Publicado às 09h desta terça-feira, 4 de fevereiro de 2020.
Que Santos e dinheiro não cabem na mesma frase é uma sentença que uso há muito tempo e um fato irrefutável de muitos anos. Não era para ser assim, mas se caem raios nos gramados da Vila, não pode se dizer o mesmo, quanto as administrações daquele que deveria ser no mínimo, o clube mais rico da América do Sul e infelizmente, não é. 

E a atual direção do clube tem alguns 'pepinos' para descascar e terá de ser bem rápido. O Atlético-MG, com a ajuda de algumas empresas, entre elas, o BMG, desejam tirar o atacante venezuelano Soteldo. Os mineiros oferecem 12 milhões de dólares (R$ 51 milhões) por 100% do jogador que brilhou em 2019 pelo Peixe aos chilenos do Huachipato, que ainda detém 50% dos direitos econômicos do jogador.
  
O Blog do ADEMIR QUINTINO confirmou a informação da existência de uma cláusula no contrato de compra do atleta que obriga o alvinegro a cobrir a oferta e adquirir a outra metade, caso os donos recebam uma proposta por escrito.

Em contato com o Santos, uma pessoa que pediu para ter a sua identidade preservada disse ao Blog que o pagamento dos 50% que o clube é obrigado a fazer ao Huachipato, caso chegue uma proposta oficial, pode ser realizado até o fim do contrato, ou seja até 2022. Porém, o Peixe ainda não pagou completamente os 50% que adquiriu do jogador no inicio do ano passado. O combinado foi o parcelamento em três pagamentos. Os chilenos ameaçam ir a FIFA.

Ou seja, além de ter de quitar o que já deve da primeira parte adquirida, o Santos tem que em breve, se manifestar, se cobre a oferta dos mineiros ou não, o que elevaria a dívida para mais de U$ 9 milhões (40 milhões) para ter os 100% de Soteldo. Esse valor se refere ao que já deve da primeira parte que comprou e mais 6 milhões de dólares (R$ 26 milhões) pelos 50% restantes do atacante.

Coincidência ou não, Soteldo alegou cansaço para não enfrentar o SCCP, no fim de semana, pela quarta rodada do Campeoanto Paulista. O jogador desembarcou na sexta-feira (31), vindo da Seleção pré-olímpica do seu país, que não conseguiu uma vaga no quadrangular final do torneio que define os representantes do continente no futebol dos jogos olímpicos do Japão, no meio deste ano.

Oficialmente, até o momento, o clube não se manifestou sobre o caso. 

Além da pressão que o Huachipato faz ao Santos para que o clube cubra a proposta ou abra mão de Soteldo, tem o caso Cueva que está no México. A segunda maior contratação da história do clube (U$ 7 milhões - R$ 29 milhões) , pede rescisão unilateral do vínculo do Santos, em razão do não pagamento de três direitos de imagem. 

Paralelamente a isso, como o alvinegro adquiriu Cueva junto ao Krasnodar-RUS por um empréstimo com obrigação de compra, a primeira parcela que terá de ser paga aos russos, vence em Março.

Com exceção da última parcela do valor da venda de Bruno Henrique no valor de R$ 11 milhões, menos R$ 1,5 milhão que faz parte da compra do colombiano Uribe, ou seja R$ 9,5 milhões, não existe nenhum valor alto para entrar nas contas do clube a curto prazo.

Em 2018 e 2019, o Peixe conseguiu ir as compras graças a maior venda do futebol sul-americano - Rodrygo. O Santos ficou com 40 milhões de euros (R$ 187 milhões) dos 45 milhões de euros (R$ 210 milhões) do montante pagos em duas parcelas anuais.

Como o clube da Baixada vem arrecadando há anos, muito menos do que gasta e se 'aventurou' em trazer Sampaoli com algumas contratações altas e arriscadas como as de Uribe, Aguilar e Cueva, por exemplo, a 'conta para pagar esses excedentes' chegou. 

Não sou adepto dessa política de fabricar jogadores para vender, mas nem isso, o Santos tem, pois não botou ninguém para jogar, o ano passado. Com exceção de Taílson, por poucos jogos e nos últimos meses antes de deixar o clube, Sampaoli, não deu oportunidade a nenhum outro menino da base para jogar. 

Com isso, o clube não tem nenhum ativo da chancela 'Meninos da Vila' para colocar na sua prateleira de venda no mercado, a fim de dar uma 'respirada' em termos de finanças e a frase da manchete deste texto parece não ter fim, desde muito tempo.
strutura.com.br

 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by