FOTO CAPA

TEIMOSIA E VIRADA NA BASE DA RAÇA

Publicado às 23h45 desta quinta-feira, 17 de outubro de 2019.
O Santos venceu o Ceará, de virada, por 2 a 1, na noite desta quinta-feira (17), na Vila Belmiro. Mas quem pensa que o time praiano teve facilidade em conquistar três pontos, se engana. Sampaoli escalou o time sem laterais e mesmo sem uma apresentação tecnicamente satisfatória, o time demonstrou muita garra na segunda etapa para alcançar o resultado merecido. Os gols foram de Sasha e Gustavo Henrique.

Com três zagueiros e os quatro laterais no banco (Victor Ferraz, Pará, Jorge e Felipe Jonatan), Sampaoli escalou o time com quatro meio-campistas e três atacantes. O argentino promoveu a estréia de Jobson que jogou na cabeça da área, com Pituca um pouco mais a frente e Sánchez e Evandro na armação. Soteldo que retornou da Seleção Venezuelana e Taílson pelas extremas, além de Sasha 'espetado' entre os zagueiros adversários. Não deu certo.

A primeira etapa do Peixe foi de um time disperso, pouco concentrado, desorganizado e com a defesa apesar da trinca de jogadores específicos de miolo de área, sem nenhuma cobertura. Bastou uma roubada de bola e um finalização precisa e o pior aconteceu. Gol do Ceará. 

Veio a segunda etapa e Samapoli corrigiu a postura do time. Abriu mão da trinca de zagueiros ao colocar Pará na vaga de Jobson e em seguida, Jorge no lugar de Luan Peres. 

O Santos  começou a trocar bolas e tecnicamente ainda não era o ideal, mas a falta de uma boa jornada foi substituída por muita transpiração. A grande maioria dos jogadores que estavam em campo demonstraram uma vontade bem forte e após duas assistências de Sánchez, o alvinegro virou pela primeira vez no Brasileiro. O uruguaio colocou a bola com as mãos na cabeça de Sasha que foi no quarto andar e empatou o jogo.

E quando o cronômetro apontava seis minutos para fim, novamente o camisa 7 jogou na cabeça do 'homenzarrão' Gustavo Henrique que de cabeça vibrou bastante ao desempatar o jogo. Merecido, por tudo que vem sofrendo, por ainda não ter renovado o contrato. O curioso deste lance é que o Santos chegou com cinco jogadores na grande área contra três apenas do Ceará. O 'Vôzão' se garantiu nos três zagueiros e o Peixe na ânsia de empatar se mandou para o ataque. Os volantes do clube nordestino não acompanharam quem veio de trás e Gustavo Henrique com 1,96m o mais alto em campo, teve como marcador o jogador mais baixo do Ceará e guardou no fundo da rede, o gol da vitória santista.

O Santos segue na terceira colocação agora com 51 pontos, 10 atrás do líder Flamengo e dois atrás do vice-líder Palmeiras. Porém, apesar de os três primeiros colocados terem vencido na rodada, o Peixe abriu sete pontos de distância para o quarto colocado, o rival SCCP.

Nos dois próximos jogos, o Santos será visitante. Enfrenta o Atlético-MG neste domingo (20) e no sábado (26), na Arena de Itaquera contra o SCCP. Para o confronto contra o Galo, o atacante Marinho fica à disposição, assim como o colombiano que ainda não marcou um gol com o uniforme santista ficam à disposição, após cumprirem suspensão automática.

FICHA TÉCNICA
SANTOS 2 X 1 CEARÁ
Estádio Vila Belmiro, em Santos (SP)
Árbitro: Rafael Traci (SC)
Público/renda: 7.804 torcedores/R$ 305.445,00
Cartões amarelos: Jobson, Carlos Sánchez, Gustavo Henrique (SFC)e William Oliveira, Fabinho, Thiago Galhardo, Samuel Xavier (CEA)
GOLS: Lima 17'/1ºT (0-1), Sasha 10'/2ºT (1-1) e Gustavo Henrique 38'/2ºT (2-1)
SANTOS: Everson, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Luan Peres (Jorge 6'/2ºT); Jobson (Pará intervalo), Pituca, Sánchez e Evandro (Jean Mota 26'/2ºT); Soteldo, Sasha e Tailson. Técnico: Jorge Sampaoli.
CEARÁ: Diogo Silva, Samuel Xavier, Luiz Otávio, Tiago Alves e João Lucas; Fabinho (Valdo 35'/2ºT), Pedro Ken, William Oliveira, Felipe Baxola e Lima (Bergson 41'/2ºT); Thiago Galhardo (Juninho Quixadá 31'/2ºT). Técnico: Adílson Batista.

Sasha marcou seu 10o.gol na competição e segue como artilheiro do Peixe no Brasileiro.
NOTA DOS JOGADORES DO SANTOS
Everson: Não precisou realizar grandes defesas pois o Ceará abdicou do ataque. Exceção a um lance de longa distância na segunda etapa. Para alguns, estava adiantado no gol. Eu prefiro dar méritos ao jogador cearense que foi feliz na finalização. - 6,0
Lucas Veríssimo: Um primeiro tempo abaixo da sua capacidade. Foi envolvido em alguns lances que não é comum. Melhor na etapa complementar. - 5,0
Gustavo Henrique: Um leão. Bem na marcação e com muita raça e vontade,se mandou para o ataque no terceiro terço da segunda etapa. Na primeira cabeçada,quase marcou. Na segunda foi certeiro e desempatou o jogo. - 7,0
Luan Peres: Deu um chute de longa distância, mas limitou-se mais ao setor defensivo. Não comprometeu.- 5,5
(Jorge): Deu a opção pelo lado esquerdo que o time não tinha. Foi melhor quando tinha Taílson para fazer as tabelas. Quando o jovem santista mudou de posição, não apareceu tanto no jogo. - 6,0
Jobson: A bola longa do jovem que chegou ao clube em abril e só estreou de fato no time de cima, seis meses depois é boa. Tímido nos passes, o que é normal para a estréia, mas podia ter feito a falta e parado a jogada  no gol cearense. - 5,5
(Pará): Entrou no intervalo para mudar o esquema de jogo e dar a opção pela direita, além de tabelar com Sánchez. Deu certo, pois por este setor saíram as duas assistências do uruguaio. - 6,5
Pituca: Melhor como o homem que dá a intensidade como segundo volante. Depois foi para o sacrifício e ficou na cabeça da área com a saída de Jóbson. Perdeu a bola que originou o gol dos visitantes. - 5,5
Sánchez: Um primeiro tempo bem fraco, com erros de passes, algo incomum no seu principal fundamento. Veio a etapa complementar e o veterano uruguaio tornou-se o melhor jogador da partida. Foi dela as duas assistências milimétricas para os dois gols da virada. O melhor da partida. - 7,5
Evandro: O meia tem bom passe, mas peca por não ser rápido. Não conseguiu abastecer o ataque. Típico jogador que necessita estar com ritmo de jogo. Bem substituído. - 5,0
(Jean Mota): Jogou aproximadamente 20 minutos. Não inventou, mas deu mais velocidade ao time do que seu antecessor. - 6,0
Soteldo: Não foi o quebrador de retranca como o dos outros jogos, mas era o único desafogo na primeira etapa diante das duas linhas de cinco do adversário. - 5,5
Sasha: Apesar de não ser alto,sua capacidade no jogo aéreo, mesmo com 1,74m, é excelente. Foi assim que ele marcou o gol de empate e segue como o artilheiro do time no Brasileiro. É um jogador muito solidário e honra as tradições gaúchas com sua garra.  - 7,0
Tailson: Não tem a mesma velocidade de Rodrygo, por exemplo, mas tem bom balanço e uma técnica apurada nos dribles. Saiu-se melhor pela esquerda em 2/3 da segunda etapa. No primeiro tempo foi um dos poucos ou o único que se salvou. Vai evoluir assim que ganhar ritmo. Ainda paga pelos quatro meses em que não atuou em razão da indefinição da renovação. Tem capacidade para crescer. - 6,5
Técnico: Jorge Sampaoli: Repito e desculpe a redundância, segue como o grande responsável pela melhor campanha do clube nos últimos anos em um Brasileiro, porém, quase põe três pontos a perder com sua incrível teimosia desnecessária de mexer no time todas as rodadas e colocar um time sem alas. Apertou a tecla 'backspace' após utilizar as letras K e H no primeiro tempo e o time foi outro. Ainda não aprendeu que a cultura do futebol brasileiro é diferente da Europa, onde em competições distintas usa-se jogadores diferentes. Não dá condições do time ter um melhor entrosamento com suas constantes mudanças, com basicamente as mesmas peças pois o Peixe é o time que menos jogador utilizou em toda a competição até aqui - 29. - 5,0

strutura.com.br



 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by