FOTO CAPA

COMPETIÇÕES DE PONTOS CORRIDOS EXIGEM EQUIPES SÓLIDAS

Publicado às 22h00 deste domingo, 26 de maio de 2019.
Se tem algo que a competição de pontos corridos exige de um time principalmente, quando o campeonato é longo, como o Brasileiro, é de que a equipe que deseja o título precisa de elenco qualificado para alternar os jogadores e ainda mais com a intensidade na marcação exigida pelo atual técnico santista Jorge Sampaoli. 

Além disso, esse tipo de disputa exige um um time sólido para furar os bloqueios de seus adversários nos jogos em casa quando propõe jogo e buscar pontos importantes quando for visitante. Após a goleada sofrida diante do Palmeiras, o torcedor compareceu, mas o Santos não conseguiu a reabilitação diante do Internacional-RS e ficou no 0 a 0, na Vila Belmiro, na tarde deste domingo (26).

O comandante técnico argentino que dirige o alvinegro mandou o time a campo com apenas dois defensores - Gustavo Henrique e Lucas Veríssimo, dois meias para abastecer o time, sendo que um deles atuou de falso 9 - Jean Mota e Sánchez e dois homens rápidos abertos pelos lados - Soteldo e Rodygo. Porém, três peças da engrenagem santista não funcionaram no primeiro tempo: O ala canhoto Jorge, Soteldo e o uruguaio Sánchez jogaram bem abaixo das suas capacidades e o time ficou penso. Quando a bola chegou em Rodrygo, algo ainda era produzido, porém, nada que ameaçasse a meta do bom goleiro do time gaúcho Marcelo Lomba. 

O Colorado com seu futebol reativo de explorar o contra-ataque foi melhor que o Santos e merecia ir para o intervalo com a vantagem parcial. O time do Sul teve um gol anulado.

Na etapa complementar, Sampaoli recuou Jean Mota para sua posição de coordenação de jogadas, sacou Sánchez e enfiou Sasha espetado entre os defensores adversários. Melhorou de forma sensível, mas o goleiro do Inter seguia como espectador do jogo. Quando o jogo seguia para a parte derradeira, o argentina do 'amor por el balón' sacou o segundo volante Jean Luca e Soteldo para as entradas de Kaio Jorge e Cueva, mas o panorama seguiu o mesmo com uma única exceção. 

A arbitragem chegou a dar um pênalti em cima de Rodrygo, entretanto, após a revisão pelo V.A.R (árbitro de vídeo assistente), a penalidade foi anulada e a partida terminou empatada sem gols.

Além da falta de alternativas para mudar o jogo, me chamou a atenção a menor intensidade na marcação da saída de bola por parte dos jogadores do Santos. Não foi a mesma do estadual e dos jogados passados, mesmo com o time propondo ir ao ataque. Talvez a pausa para a disputa da Copa América dê condições para a retomada da pegada na marcação que faz com que o adversário erre na transição das linhas.

A exemplo da semana que se passou, o Peixe só volta a campo, no próximo fim de semana, em Fortaleza diante do Ceará. Dérlis e Alison que cumpriram suspensão automática ficam à disposição. Soteldo, Gustavo Henrique e Pituca são desfalques certos pois receberam o terceiro amarelo. O atacante Marinho,se tiver a documentação regularizada no B.I.D (boletim informativo diário) pode estrear.

Já Rodrygo que foi convocado para a Seleção Brasileira sub-23 que disputará o torneio de Toulon, na França disse ao final da partida deste domingo que ele não vai se apresentar e com isso,vai realizar mais quatro jogos com a camisa do Santos. O da semana que vem no Nordeste, os dois diante do Galo (um na Copa do Brasil e outro no Brasileiro) e a despedida diante do SCCP:
"Entramos com um acordo com a CBF e eu vou ficar. Saiu o acordo hoje pela manhã, meu pai me mandou. Meio que passei mal à noite, estava vomitando, inflamação na garganta, acho que era ansiedade se continuaria aqui ou não. Minha despedida fica para o dia 12." disse o Menino da Vila.
Porém, o técnico Sampaoli demonstra mais cautela e durante a entrevista coletiva disse ter poucos detalhes se continuará por mais alguns jogos com o 'rayo' santista à disposição:
"Não temos clareza da informação, ninguém me passou o que vai acontecer com ele, se ele tem que ir ou não. Não tenho claro. É um tema do clube com Rodrygo" afirmou Jorgito.
O ex-técnico da seleção Argentina no Mundial da Rússia em 2018, também reclamou da direção do clube por um camisa 9, experiente:
"Peço há meses. Buscamos jogadores que tenham característica de fazer gol. Há cinco meses que pedimos centroavantes, para que a equipe tenha essa opção. Isso pode modificar situações de jogo, por isso pedimos à diretoria a contratação de jogadores que tenham esse perfil", disse Sampaoli em entrevista ao fim do duelo diante dos gaúchos.
FICHA TÉCNICA
SANTOS 0X0 INTERNACIONAL-RS
Estádio da Vila Belmiro - Santos (SP)
Árbitro: Rodolpho Toski Marques (PR)
Público/Renda: 12.756 presentes/R$ 479.440,00
Cartões Amarelos: Jean Lucas, Diego Pituca, Soteldo, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Sampaoli (SFC), Bruno, Nico López, Rafael Sobis, Emerson Santos e Odair Hellmann (INT).
SANTOS: ​Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Jorge; Pituca, Jean Lucas (Kaio Jorge, 25'/2ºT), Jean Mota e Sánchez (Sasha, intervalo), Soteldo (Cueva, 17'/2ºT) e Rodrygo. Técnico: Jorge Sampaoli.
INTERNACIONAL-RS:Marcelo Lomba; Bruno, Emerson Santos, Víctor Cuesta e Iago; Rodrigo Lindoso, Edenilson (Ritchely, 24'/2ºT), Nonato e Guilherme Parede; Nico López (Pottker, 29'/2ºT) e Paolo Guerrero (Rafael Sobis, 31'/2ºT). Técnico: Odair Hellmann. 

Sampaoli voltou a se queixar da direção sobre a contratação de um atacante de área experiente.

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS: ​
Vanderlei: Fechou o ângulo do ótimo atacante Guerrero que ficou cara a cara com o goleiro santista. O camisa 1 tocou com a ponta dos dedos e evitou gol certo. No mais, o Colorado atacou pouco. - 6,5
Victor Ferraz: Bem no apoio pelo meio, a exemplo de Jorge, porém errou muitos passes na primeira etapa e deixou alguns espaços na marcação. O bom jovem ala revelado no Monte Azul, do interior de São Paulo,Iago subiu muito nas suas costas. - 5,0
Lucas Veríssimo: Não deu espaços para Guerrero. Foi batido uma única vez quando o peruano que com apenas um toque o tirou da jogada e ficou cara a cara com Vanderlei. O centroavante do time de Porto Alegre, muito inteligente puxava-o para a lateral para dar o seu corredor para entrada de outros atletas colorados - 5,5
Gustavo Henrique: Não comprometeu e ainda fez boas coberturas nas saídas de Jorge. Quando o Santos ficou com apenas um volante - Pituca, o camisa 6 ficou como responsável da primeira bola na transição entre as linhas, mas teve dificuldades pois o Inter marcava pressão na saída de bola que o Santos não rifava. - 5,5
Jorge: Jogador de grande qualidade técnica, porém, principalmente no primeiro tempo, errou quase tudo que tentou construir. - 5,0
Pituca: O multimídia do meio campo santista aparece em todos os lugares do campo. Bem na marcação, até mesmo quando ficou como único responsável de desempenhar funções defensivas neste setor. - 6,0
Jean Lucas: Jogador que está em ótima forma física, atua de cabeça erguida e precisa melhorar um pouco a qualidade do passe. O Flamengo, dono dos seus direitos econômicos vai vender e bem para o exterior, em breve. Tem juventude e qualidade para crescer ainda mais. Só foi substituído em razão da necessidade do Santos querer a vitória, pois era o mandante do jogo. - 6,0
(Kaio Jorge): Sabe quando você um jogador em campo e você tem exatidão e percepção que reúne muitas qualidades? É o caso do atacante revelado na Vila. Porém, como ainda está 'verde' não conseguiu oferecer perigo a meta colorada. Sampaoli podia ter aproveitado melhor o garoto no estadual para justamente estar com mais minutagens e mais cascudo no Brasileiro que é bem mais difícil que o Paulistão. - 5,0
Jean Mota: Foi para o sacrífico novamente. No primeiro tempo atuou como falso 9, mas a bola não chegou no camisa 41. Na segunda etapa com a saída de Sánchez foi recuado para organizar o time e alternou bons e discretos momentos no jogo. Deu lindo lençol em Nonato. - 5,5
Sánchez: Ninguém duvida da qualidade do uruguaio que esteve na Copa do Mundo pelo seu país, o ano passado na Rússia, porém, a exemplo de Jorge e Soteldo errou praticamente tudo nos 45 minutos que esteve em campo. Distribuiu passes errados e perdeu bolas dominadas de forma incomum. Bem substituído. - 4,0
(Sasha): Entrou ligado na partida. Primeiro espetado e depois aberto pela direita. Produziu mais que Sánchez, mas não o suficiente para ter muitas oportunidades na finalização. - 6,0
Soteldo: Também não estava em tarde inspirada. No um contra um seu forte não levou a melhor sobre o irregular Bruno, substituto de Zeca. Não conseguiu quebrar as linhas do time gaúcho em nenhuma vez. - 4,5
(Cueva): Não sou preparador físico mas fico com a impressão que o jogador ainda não está no melhor da forma física. Das últimas atuações foi a menos discreta. Tentou tabelas, mas ainda bem abaixo do que já produziu com a camisa do São Paulo, por exemplo. - 5,5
Rodrygo: O Santos criou muito pouco e o ataque só conseguiu chegar na área do adversário quando a bola caiu nos pés de Rodrygo, aberto pela direita e com a saída de Soteldo jogou 2/3 da etapa complementar na esquerda. Sofreu uma penalidade que foi marcada pela arbitragem e depois invalidada pelo V.A.R. - 6,5
Técnico: Jorge Sampaoli: Apesar de gritante superioridade de posse de bola, não conseguiu fazer com que o Santos ultrapassasse a boa marcação do time gaúcho. O Peixe não conseguiu empregar a marcação pressão como outras vezes e desperdiçou dois pontos importantes em casa diante de um adversário direto que também vai figurar na primeira metade da tabela. - 5,5


strutura.com.br

 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by