FOTO CAPA

A 'QUARTA FORÇA' SEGUE INVICTA NOS CLÁSSICOS

Publicado às 20h12 deste domingo, 10 de março de 2019.
O Santos segue invicto nos clássicos na temporada 2019. Em partida válida pela 10a. rodada do Campeonato Paulista, em Itaquera, o Peixe ficou no 0 a 0, diante do SCCP, na tarde deste domingo (10). O alvinegro praiano segue na liderança isolado da competição, agora com 23 de 30 pontos possíveis.

O técnico Sampaoli confirmou a escalação, publicada pelo Blog do ADEMIR QUINTINO na véspera do duelo com um meio-campo com apenas um atacante de ofício e com Rodrygo, Cueva e Solteldo no banco de reservas. Somente o paraguaio Dérlis dos 11 atletas que começaram o duelo é originalmente dono de características ofensivas. Mas o técnico adversário Carille, leu bem a forma de jogar do Santos e a tática do Argentino, não funcionou nos primeiros 45 minutos.

O treinador santista deixou Alison aberto em uma primeira linha de três jogadores pela direita e Victor Ferraz como meio-campista, 'por dentro'. O meio-campista uruguaio Sánchez era o responsável em abrir pela direita do ataque. 

Durante os 15 primeiros minutos do clássico, o time santista foi engolido pelos donos da casa. Enquanto, o Peixe tinha finalizado uma única vez, o SCCP já tinha sete chegadas ao ataque. Apesar da supremacia, o time de Itaquera não foi tão incisivo no ataque e as equipes foram para o intervalo iguais no placar.

Na segunda etapa foi a vez de Sampoli dar o troco. O 'amor por él balon' sacou dois volantes - Alison e Jean Luca para a entrada do meia Cueva e do atacante Rodrygo. Com o lateral corintiano Fagner 'amarelado', a perspectiva é de que o Santos pudesse ter o controle de bola que não teve na etapa inicial e agredir a meta de Cássio.

O time da Baixada Santista voltou melhor, mas nada tão assustador que causasse tanto temor ao clube paulistano. Na segunda linha, na construção das jogadas, os meias do Santos não recuavam e com isso, Pituca, tinha que levar a bola a frente, sozinho. Com isso, os atacantes Dérlis e Rodrygo, além de Jean Mota que era o encarregado de 'pisar na área' recebiam praticamente todas  vezes a bola de costas. 

Ainda assim, o Santos teve duas oportunidades. Uma com o artilheiro do Paulista, mas o camisa 41 preferiu chutar e não rolar para Cueva, que pedia pelo lado esquerdo do ataque e a melhor de todas, quando Cássio foi tentar quebrar para o ataque e a bola bater nas costas do peruano que joga pelo Santos. Cueva finalizou, mas não pegou tão bem na bola e a mesma passou a direita do gol.

Se o resultado não foi bom, também não foi ruim. Já classificado e com dois jogos para cumprir na fase de grupos, o Santos volta a campo somente na sexta-feira (15), diante do Novorizontino, no Pacaembu. A partida será nesta data, em razão da Polícia Militar do Estado de São Paulo, não permitir que dois jogos sejam realizados na mesma cidade, no mesmo dia. Como outros grandes jogarão sábado (16) e domingo (17), na capital paulistana e o Peixe ainda não pode utilizar a Vila Belmiro, que permanece em obras, o alvinegro praiano abre a rodada na data supracitada.

FICHA TÉCNICA
SCCP 0 X 0 SANTOS
Arena  de Itaquera - São Paulo (SP)
Árbitro: Douglas Marques das Flores (SP)
Público/renda: 41.404 pagantes/ R$ 2.197.534,00
Cartões amarelos: Fagner (SCCP) e Alison, Matheus Ribeiro (SFC)
SCCP: Cássio, Fagner, Manoel, Henrique e Danilo Avelar; Ralf, Júnior Urso e Sornoza; Clayson (André Luís 39'/2ºT), Pedrinho (Vagner Love 19'/2ºT) e Boselli (Mateus Vital 42'/2ºT). Técnico: Fábio Carille.
SANTOS: Vanderlei, Victor Ferraz, Aguilar, Gustavo Henrique e Felipe Jonatan; Alison (Cueva intervalo), Jean Lucas, (Rodrygo intervalo), Pituca e Sánchez (Matheus Ribeiro 23'/2ºT); Jean Mota e Derlis. Técnico: Jorge Sampaoli.

Peixe foi dominado na primeira etapa e após mudanças na equipe foi melhor no segundo tempo.
NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS: 
Vanderlei: Apesar do adversário melhor na primeira etapa, o camisa 1 santista que retornava ao time titular, não foi muito exigido. Seguro nas duas vezes que foi acionado. - 6,0
Victor Ferraz: No segundo tempo ficou mano a mano com Clayson e depois com Vagnér Love. Teve dificuldade. Não conseguiu ajudar o time no apoio. - 5,5
Aguilar: O melhor da defesa e um dos melhores da partida. Bem no tempo de bola, soberano no alto, demonstra que as más atuações do começo da temporada eram mais pelo fato de não estar na plenitude física do que falta de técnica. Tem recuperação pois é o defensor mais rápido da equipe. - 7,0
Gustavo Henrique: Joga sério. Perdeu apenas uma bola na velocidade no fim da partida na cobertura ao lado esquerdo da defesa para Wagner Love, que tinha acabado de entrar. - 6,0
Felipe Jonatan: O ala tem qualidade, mas no fim da partida quase pôs tudo a perder ao tentar driblar Fágner e proporcionar um contra-ataque que quase termina em gol. Foi apenas o seu segundo jogo no time. - 5,0
Alison: Começou com zagueiro pela direita em uma linha de três. Recebeu o cartão amarelo e voltou para a sua posição de origem. Errou alguns passes. Foi substituído no intervalo. - 5,0
(Cueva): Preferiu aguardar a bola chegar entre a segunda e terceira linha, quando podia ter tido a leitura melhor e perceber que o time precisava dele para levar a bola a frente. Teve uma chance de ouro, a melhor na partida, porém, desperdiçou no momento em que o goleiro Cássio chutou a bola e a mesma sobrou para o camisa 8 santista que não foi feliz na finalização. - 4,5
Jean Lucas: Não conseguiu achar o seu melhor posicionamento. Tem muita técnica, mas não fez um clássico tão bom como havia realizado no Allianz Parque. Deixou o time no intervalo. - 5,0
(Rodrygo): A bola não chegou no camisa 11 do Santos. A exemplo de Dérlis só recebeu bola de costas. Assim que entrou conseguiu arrastar uma bola pelo lado esquerdo do campo, mas a mesma foi obstruída pela defesa do time de Itaquera. - 5,0
Pituca: Muita qualidade e versatilidade. Começou como segundo volante e depois teve que fazer a contenção. FIcou sozinho na segunda linha durante quase todo o segundo tempo e ainda assim não comprometeu. - 6,5
Sánchez: Todos sabemos de sua capacidade. É jogador de Copa do Mundo, porém, não rendeu nem aberto como atacante improvisado pela direita e tampouco na sua real posição no meio-campo. Foi bem substituído. - 4,5
(Matheus Ribeiro): Entrou numa 'gelada' improvisado para ajudar Pituca na marcação e para levar a bola da segunda para a terceira linha. Não comprometeu, mas errou alguns passes. - 5,0
Jean Mota: No primeiro tempo buscou jogo e até conseguiu finalizar uma vez pela esquerda do ataque. No segundo tempo, apareceu menos, ainda assim realizou nova tentativa de gol, porém, contestado por Cueva. O peruano queria receber a bola para tentar o chute. Tá de bem com a vida e bastante confiante. A bola não queima mais. Deu um chapéu de 'chaleira' em Fagner. - 6,5
Dérlis: O melhor 'paraguaio no futebol da atualidade no mundo' é um Leão. Se doa o tempo todo. Bruga para recuperar a bola incansavelmente. Pouco acionado. Recebeu muitas bolas de costas. Sentiu a falta de um meia para municiá-lo. - 6,0
Técnico: Jorge Sampaoli: Errou na escalação ao congestionar o meio e retirar um jogador de velocidade pelo lado. Consertou no intervalo, mas faltou profundidade e velocidade para agredir o adversário. - 5,5

strutura.com.br

 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by