FOTO CAPA

DERROTA NO ÚLTIMO MINUTO

Publicado às 19h20 deste sábado, 21 de abril de 2018.
Na volta do atacante Bruno Henrique aos gramados, após três meses, o Peixe saiu derrotado da Arena Fonte Nova. Aos 49 minutos do segundo tempo, após cobrança de escanteio, o Bahia marcou o único gol da partida e venceu o Santos por 1 a 0, na tarde deste sábado (21), em jogo da segunda rodada do Brasileirão.

O alvinegro foi a campo com a mesma formação do jogo anterior. Nos primeiros 30 minutos de partida, os donos da casa alugaram o meio-campo e parecia ataque contra a defesa. A única exceção era o "crioulo" Rodrygo que puxou alguns contragolpes e fazia a retaguarda baiana parar o camisa 43 com faltas. Nos últimos 10 minutos da etapa inicial, o time santista conseguiu igualar o jogo e não sofreu tanto. O menino de 17 anos, quase marcou um gol, mas houve desvio do defensor.

Na etapa complementar, o panorama mudou sensivelmente. O Santos continuou não agredindo, mas parou de sofrer. O time da Vila teve uma ótima oportunidade antes dos 30 minutos do segundo tempo. Rodrygo recebeu a bola, mas ficou sem ângulo. O "rayo" demorou para finalizar e rolou para Sasha. O gaúcho também levou um tempo maior do que normal para concluir e a chance foi desperdiçada. 

O comandante santista finalmente colocou Bruno Henrique em campo há 17 minutos do fim. Ao contrário dos oito jogos anteriores que Rodrygo foi substituído, na tarde deste sábado, ele não demonstrava cansaço e era o melhor atleta santista em campo. Errou o treinador. Fica a sensação que Gabriel Barbosa tem salvo conduto e não pode deixar o time. O camisa 10 tem ótimo poder de finalização, mas não vem bem há algum tempo. A alteração mais sensata era a saída do jogador da Inter de Milão e Sasha para atuar espetado entre os zagueiros, mas Jair preferiu tirar o "menino". 

Alguns e escrevo esse post antes da entrevista coletiva do treinador, vão dizer que ele acertou ao retirar o "rayo" em razão do jogo de terça-feira (24) contra o Estudiantes-ARG pela Libertadores. Porém, sem ficar em cima do muro, eu discordo. Restavam 15 minutos e com o menino talentoso em campo, as chances de voltar com os três pontos na bagagem eram bem maiores. O lateral-direito do Bahia, Nino Paraíba já tinha até cartão amarelo.

O Bahia que merecia ter ido para o intervalo com a vantagem parcial, pouco fez nos 45 minutos finais, mas achou o gol na bola parada, no último lance do jogo.

Valeu pela volta do Bruno Henrique aos gramados. Visivelmente sem ritmo, em razão da ausência de quase 100 dias sem jogar, vai precisar de uma sequência. A mesma com que ele oscilou, assim que retornou da Alemanha para o Brasil, quando contrato pelo Peixe.

Por falar em oscilação, apesar de ser apenas a segunda rodada da competição é que acredito que o time lutará apenas por Libertadores e não pelo título. Com o esquema reativo e atletas que vão ganhando minutagem para amadurecer, impossibilitam o Peixe de ter uma constante regularidade que o campeonato precisa para quem briga pelo título.

Na próxima terça-feira (24) na Vila, pela competição continental, uma vitória assegura a classificação antecipada do Santos a próxima fase. 

Pelo Brasileiro, o Peixe só joga dia 6 do mês que vem, diante do Grêmio, fora de casa. A partida diante do Vasco, da próxima rodada, será realizada dia 16 de julho, ou seja, somente após a Copa do Mundo da Rússia.



FICHA TÉCNICA
BAHIA 1x0 SANTOS
Arena Fonte Nova, em Salvador (BA)
Árbitro: Cláudio Francisco Lima (SE) 
Público e renda: 15.875 pagantes/ R$ 317.748,00 
Cartões amarelos: Cittadini (12'/1°T), Nino Paraíba (31'/1°T), Douglas (38'/1°T), David Braz (38'/1°T), Dodô (25'/2°T), Régis (44'/2°T), Marco Antônio (49'/2°T)
GOL: Júnior Brumado (48'/2°T) (1-0)
BAHIA: Douglas, Nino Paraiba, Tiago, Lucas Fonseca e Léo Pelé; Gregore, Elton, Vinícius (Régis, aos 22'2ºT), Zé Rafael (Allione, aos 34'2ºT), Marco Antônio (Júnior Brumado, aos 32'2ºT) e Edigar Junio. Técnico: Guto Ferreira.
SANTOS: Vanderlei; Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, David Braz e Dodô; Alison; Cittadini (Pituca, aos 33'2ºT), e Jean Mota, Sasha (Arthur, aos 38'2ºT) Rodrygo (Bruno Henrique, aos 28'2ºT) e  Gabriel Barbosa. Técnico: Jair Ventura.

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS: 
Vanderlei: Sem culpa no gol. Fez uma defesa difícil no primeiro tempo. - 6,5
Daniel Guedes: Sofreu com os contantes apoios de Léo Pelé. Não apoiou tanto como de costume. -  5,0
Lucas Veríssimo: Fazia ótima partida. Mas também foi envolvido no gol. - 5,5
David Braz: Tomou um cartão injustamente e teve que se controlar nas divididas. Não comprometeu. - 5,0
Dodô: Trocou passes e começa a criar uma bela dupla na troca de passes com Rodrygo. - 6,0
Alison: Bem na marcação. Teve que auxiliar Daniel Guedes nos contantes apoios de Léo Pelé. - 6,0
Cittadini: Ainda readquiri ritmo, mas fazia uma partida interessante. Foi substituído. - 5,5
(Pituca): Entrou no final da partida para dar mais oxigênio na marcação.
Jean Mota: Alternou bons e momentos discretos na partida. Em algumas momentos foi "secretário" da ala esquerda quando Dodô avançava. - 5,0
Sasha: Dos últimos jogos foi o que teve atuação mais discreto. No primeiro tempo estava sem função, pois o Peixe não atacava pelo seu lado e Léo Pelé avançava, mas quem ia na marcação era Alison. - 5,5
(Arthur): Entrou dar velocidade pela extrema. Jogou pouco tempo. - SEM NOTA
Rodrygo: O melhor do time. Não deveria ter sido substituído pelo nono jogo seguido. Antes de pensar no próximo jogo, tem de terminar o que está em ação. Teve duas chances para marcar. A primeira, houve o desvio do defensor. a do segundo tempo, demorou para tomar a decisão. - 6,5
(Bruno Henrique): Jogou 21 minutos. Dezessete do tempo normal, além de mais quatro de acréscimo. Vai precisar de alguns jogos para recuperar sua melhor forma, mas indubitavelmente ainda é e em curto espaço de tempo, vai demonstrar que ainda segue sendo a grande referência técnica do ataque. Infelizmente, estava no lance do gol após escanteio rasteiro. - 5,0
Gabriel Barbosa: Não é diferenciado tecnicamente como alguns chegaram a achar, mas tem qualidade na finalização no último terço do gramado. Entretanto, vive péssima fase e completou o oitavo jogo sem marcar gol. Deveria ter sido substituído. Errou quase tudo que tentou. - 5,0
Técnico: Jair Ventura: O meio-campo sofre de qualidade na criação. Apesar de não ser a solução e não resolveria todos os problemas, não compreendo porque Vecchio, que tem bom passe e cadencia o jogo, nunca mais jogou um minuto sequer desde que deixou a titularidade. Nos primeiros 45 minutos, quando o Peixe foi bastante agredido poderia dar esse ritmo mais lento. Porém, o principal foi a saída de Rodrygo. Era o melhor em campo. Sou sabedor de que o menino ainda não jogou 90 minutos em sua carreira. mas nesta tarde, não senti, ao contrário de outros jogos, a necessidade de sua saída, nem mesmo com um jogo e uma viagem nas próximas 72 horas. Não quero crer que falta coragem ao treinador para não sacar Gabriel Barbosa que não vive boa fase. - 4,0


strutura.com.br







 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by